Créditos: Respawn Entertainment

EA se beneficia de isenção fiscal de R$ 3,8 bilhões na Suíça

Novas regras do país europeu permitiram que receitas da EA crescessem 385% em um ano

A produtora de games norte-americana Electronic Arts se beneficiou de uma isenção fiscal de US$ 1 bilhão (R$ 3,8 bilhões) por causa de novas regras de impostos que estão sendo aplicadas na Suíça. Por causa disso, a companhia bateu por grande margem as previsões que haviam sido estimadas para o segundo trimestre de 2019.

Nesse período, a empresa registrou receitas de US$ 1,4 bilhão (R$ 5,4 bilhões), o que representa um aumento de 385% em comparação com o mesmo período de 2018, quando a companhia rendeu US$ 293 milhões (R$ 1,1 bilhão). E não é só isso, pois o total dos benefícios fiscais da EA chega a 1,7 bilhões (R$ 6,6 bilhões), o que significa que ainda há US$ 620 milhões (R$ 2,4 bilhões) para serem processados no balanço fiscal do terceiro trimestre de 2019.

O motivo para isso é que a Electronic Arts promoveu uma transferência interna de algumas de suas propriedades intelectuais para a sua subsidiária na Suíça. É naquele país onde fica a sede internacional de negócios da EA, assim como onde está acontecendo uma reforma nos impostos que beneficiou a companhia.

"Nós tivemos um forte começo para o ano fiscal de 2020, trazendo experiências novas e mais ricas para nossas crescentes comunidades de 'Apex Legends', 'EA Sports', 'The Sims' e mais. De ótimos novos jogos até serviços ao vivo com longevidade, passando assinaturas em mais plataformas e jogos competitivos para mais franquias, estamos fomentando uma liderança em inovação, qualidade e escolha para nossos jogadores".
Andrew Wilson, CEO da Electronic Arts

Para o terceiro trimestre de 2019, a expectativa dos executivos da EA é de que as receitas da companhia cheguem a US$ 1,3 bilhão (R$ 5 bilhões), com o lucro líquido atingindo US$ 776 milhões (R$ 3 bilhões) — sendo aproximadamente US$ 620 milhões vindos de isenção fiscal na Suíça.

Via: Variety, WCCF Tech, Guru3D
Assuntos
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Half-Life veio, e é em realidade virtual. Agora embala os óculos de realidade virtual?