Patriot apresenta novas memórias Viper 4 otimizadas para CPUs AMD Ryzen 3000

A fabricante de memórias Patriot anunciou uma nova leva de memórias para a linha Viper 4 otimizadas para os processadores Ryzen 3000, apresentados recentemente pela AMD. Os novos pentes DDR4 trazem aprimoramentos voltados para a nova plataforma e os chipsets X570, de acordo com a empresa, visando garantir um desempenho de qualidade.

Os produtos da série Blackout DDR4 estão disponíveis em frequências entre 3.000 MHz e 4.000 MHz, com capacidades entre 8 GB e 16GB em dual-channel. O modelo mais potente da nova família conta com velocidade de 4.000 MHz e traz 16 GB de RAM, além de compatibilidade com o chipset X570. O preço é de US$ 184,99, cerca de R$ 694,66 em conversão direta para a nossa moeda. 


Imagem: Patriot/Divulgação

Já a versão mais modesta do novo grupo de produtos é o kit de 8 GB de RAM (2x4GB), que traz frequência de 3.000 MHz e compatibilidade com as plataformas X570, X470, B450, X370, B350 e A320. O preço sugerido pela fabricante é de US$ 51,99, aproximadamente R$ 195,22 em conversão direta.


Imagem: Patriot/Divulgação

As novas memórias Viper 4 Blackout trazem um design na cor preta, visando combinar com outros componentes presentes em computadores de alto desempenho, segundo a Patriot. O dissipador de calor dos produtos são feitos de alumínio e seguem as diretrizes do órgão de padronização JEDEC. 


Imagem: Patriot/Divulgação

"A memória de computador DDR4 da série Blackout Patriot Viper 4 é feita para oferecer desempenho excepcional nos mais recentes processadores AMD Ryzen de terceira geração e na plataforma AM4", explica Roger Shinmoto, vice-presidente da Patriot and Viper Gaming.

Você pode conferir todos os modelos, capacidade, velocidade e preço das novas memórias Patriot da linha Viper na tabela abaixo:

Imagem: Patriot/Divulgação

  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Meu nome é Mateus Mognon. Depois de viver 16 anos sem internet no interior de Lagoa Vermelha-RS, eu vim até Florianópolis com apenas um objetivo: sobreviver. Para isso, eu comecei a estudar Jornalismo na UFSC e trabalhar no Adrenaline, onde produzo conteúdos e notícias da forma mais ágil possível. Com pouco salário e muito trabalho, eu sou... O Antigo Estagiário (agora colaborador!)