Twitch processa trolls que usaram a página de Artifact para disseminar pornografia e violência

A Twitch abriu uma ação judicial na sexta-feira passada, dia 14, contra usuários da plataforma que passaram a usar a página do jogo Artifact para transmitir pornografia, violência, filmes e até vídeos de tiroteios em massa. O processo foi aberto no tribunal do distrito da Carolina do Norte, e lista até 100 "Jhon e Jane Does" — termo utilizado para se referir a anônimos.

Entre as diversas acusações da Twitch estão: quebra de contrato, fraude e uso ilegal da plataforma. Dentro do documento, a empresa afirmou: "A Twitch não tolera assédio, conteúdo violento, nudez ou pornografia. O sucesso da Twitch é, em parte, devido às atitudes que teve para criar uma comunidade segura e acessível para milhares de pessoas".

Não é nenhuma novidade que diversos usuários aproveitam a plataforma para divulgar filmes que ainda estão no cinema, vídeos pornográficos e qualquer outra coisa bizarra e provavelmente inapropriada que você consegue pensar; mas, parece que a quantidade de conteúdo absurdo cresceu durante esses meses. Em maio, diversos streamers perceberam que a página do Artifact, o joguinho de cartas da Valve, tinha apenas algumas centenas de espectadores, apesar da relevância da desenvolvedora. Então, foi uma oportunidade perfeita para divulgação deste tipo de conteúdo, e até o tiroteio famoso de  Christchurch na Nova Zelândia foi transmitido várias vezes, junto com outras esquisitices como automutilação — é quase uma Creepypasta real dentro da Twitch.

De acordo com o documento, os usuários usavam o Discord e o Weebly para continuar as transmissões depois de banidos. Muitos malucos também usavam métodos automáticos para criar novas contas caso a Twitch acabasse com a transmissão, criando um ciclo quase infinito. Os acusados também usavam bots para aumentar a quantidade de espectadores para tornar a transmissão mais popular e acessível aos usuários reais.

Parece que a Twitch está bem paranoica com o assunto — e com razão, esse é um tema muito complicado para a plataforma. No dia 28 de maio, a empresa baniu todos os streamers na página de Artifact que não estavam jogando e impediu novos produtores de conteúdo de transmitirem o game. Segundo a galerinha da Polygon, ela ainda não sabe quais são os responsáveis pelos ataques e informou que irá modificar o processo "se ou quando os acusados forem identificados". 

A Twitch respondeu os questionamentos da Polygon e enviou um email afirmando:

"Durante o dia 25 de maio, nós percebemos um certo número de contas engajadas em atacar o diretório do game Artifact para compartilhar conteúdos que violam os termos de serviço. Nós trabalhamos com urgência para retirar o conteúdo ofensivo; remover as contas envolvidas neste comportamento e trabalhar para que isso não aconteça novamente no nosso serviço. Nós levamos essas violações como esta a sério e estamos procurando os autores para tomar as decisões cabíveis para proteger nossa comunidade". Twitch em resposta à Polygon.

Já viram algo bizarro sendo transmitido na Twitch? Atualmente, a página de Artifact está bem tranquila, tirando um tal de "cyggomode" com uma transmissão vazia intitulada "deus". Você pode conferir o processo completo da Twitch neste link.

Via: Polygon Fonte: Twitch
  • Redator: Tadeu Antonio Mattos de Souza

    Tadeu Antonio Mattos de Souza