Hackers quebram segurança da Binance e roubam dados de usuários e 7000 Bitcoins

A plataforma global de criptomoedas, Binance, sofreu nesta semana um dos maiores prejuízos registrados envolvendo Bitcoins. A empresa chinesa, considerada a maior bolsa de criptomoedas do mundo em volumes de negociações, conta com mais de 100 moedas criptografadas, não pode impedir que hacker roubassem 7000 bitcoins, equivalente a US$ 40 milhões - aproximadamente R$ 160 milhões em uma conversão direta. 

Binance - Site

O crime realizado por hacker experientes foi definido como “bem orquestrado” pela Binance, pois além da alta quantia, também foram roubados dados de diversos usuários, como uma grande quantidade de chaves de API, códigos 2FA (mais conhecido como formato de Autenticação de dois Fatores) e outras possíveis informações que ainda estão sendo estudadas. O ataque conseguiu violar todos os mecanismos de alta segurança da bolsa usando variados métodos de phishing e vírus, que geraram um prejuízo de 2% no "hot wallet" da Binance, além de uma queda de 3% no valor de diversas criptomoedas - mas que já se recuperaram. 

Para conter maiores danos a empresa informou que vai usar o Fundo de Seguros Ativos para cobrir o incidente totalmente e nenhum usuário será afetado negativamente. Quanto aos dados, a Binance ainda está trabalhando para identificar tudo o que foi acessado de fato. Esse período de análise deve demorar em torno de uma semana, enquanto isso as transações estão suspensas por motivos de segurança. 

"Os hackers tiveram paciência para esperar e executar ações bem orquestradas por meio de várias contas aparentemente independentes no momento mais oportuno. Devemos conduzir uma revisão de segurança completa. A revisão de segurança incluirá todas as partes de nossos sistemas e dados. ”

Zhao Changpeng, diretor executivo da Binance.

Zhao está atualizando as informações e medidas de segurança tomadas pela Binance em seu Twitter e devemos ter mais informações sobre os danos e prejuízos em breve. O comunicado oficial da Binance pode ser acessado em seu site para mais informações.

Via: bloomberg, techpowerup
  • Redator: Lucas Alvaro Araujo

    Lucas Alvaro Araujo