Teraflops? Que nada, supercomputador com AMD Epyc e Radeon terá Exaflops de performance

A AMD revelou que foi a empresa selecionada para fornecer os principais componentes de hardware para a Frontier, máquina que promete se tornar o supercomputador mais rápido do mundo. Enquanto os computadores topo de linha do mercado doméstico hoje encontram-se numa faixa de desempenho de Teraflops, a nova supermáquina chegaria a apresentar performance na casa de 1,5 Exaflops (ou seja, um milhão de vezes mais rápido).

Site oficial: AMD Epyc

A previsão de inauguração do Frontier é para 2021, quando sua combinação de processadores AMD Epyc e placas de vídeo Radeon Instinct de próxima geração serão colocados para funcionar. O supercomputador será construído sobre a plataforma Cray Shasta pela própria Cray e a pedido do Departamento de Energia (DOE) dos Estados Unidos.

O Laboratório Nacional de Oak Ridge foi o prédio escolhido para abrigar o Frontier. Localizado no estado do Tennessee, esse é o maior laboratório de ciência e e energia do país – e também o que tem o maior orçamento. O governo dos EUA assinou um contrato de US$ 600 milhões (R$ 2,3 bilhões) pela máquina de altíssimo desempenho. 

O Cray Frontier foi anunciado pouco mais de um mês depois da Intel revelar que suas placas de vídeo com a tecnologia Xe Architecture vão impulsionar o supercomputador Aurora, o primeiro do mundo a alcançar a categoria dos Exaflops de performance. Apesar disso, ele não terá desempenho equivalente ao da solução baseada em AMD Epyc.

 

De acordo com a CEO da AMD, Lisa Su, o Frontier vai trazer processadores com suporte para novas instruções e que proporcional um desempenho ideal em cargas de trabalho de inteligência artificial e de supercomputação. O site Tom's Hardware aponta que isso pode significar a intenção de usar uma variante customizada da geração Epyc Milan, que só chegará ao mercado num futuro relativamente distante.

Via: Toms Hardware
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

Os lançamentos problemáticos de games tem feito você evitar pré-compras?