Testes mostram que Red Dead Redemption 2 tem HDR falso

Red Dead Redemption 2 chegou fazendo bastante sucesso com público e crítica, mas testes do Digital Foundry encontraram um problema no jogo: o HDR oferecido pela Rockstar não é genuíno. Segundo o pessoal do Eurogamer, a desenvolvedora utilizou uma técnica de upscaling para aproximar imagens em SDR (Standard Dynamic Range) ao padrão High Dynamic Range no PS4 e Xbox One. 

Os testes mediram o brilho do game e os especialistas chegaram a conclusão de que as imagens alcançam um pico de 500 nits com a calibragem máxima do HDR. Ainda assim, o jogo está longe do padrão de High Dynamic Range, que são 1000 nits.

A escala acima mostra o processo utilizado pelo Digital Foundry para descobrir a artimanha. Quando a luminescência da imagem foi aumentada durante os testes, os principais pontos apareciam em cinza e laranja, que ficam na parte SDR da escala. As screenshots analisadas também não trazem partes em vermelho ou rosa, que marcam a presença de High Dynamic Range.

Programa de licenciamento promete facilitar implementação do HDR10+

De acordo com o Eurogamer, a Platinum Games já utilizou um processo similar para entregar HDR em Nier Automata quando fez o port do jogo para o Xbox One. A técnica faz a TV ou monitor reconhecer que o conteúdo rodado possui suporte para HDR, mas contém imagens SDR.

O Eurogamer aponta que isso faz o HDR se tornar inútil em Red Dead Redemption 2, pois a tecnologia não traz melhorias significativas para a parte gráfica do game. Na internet, também é possível encontrar relatos de jogadores do PS4 Pro e Xbox One X reclamando que o modo HDR está piorando as imagens do jogo,

A Rockstar Games ainda não comentou oficialmente sobre o assunto. Red Dead Redemption 2 já está disponível para PS4 e Xbox One. 

Fonte: Eurogamer
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Meu nome é Mateus Mognon. Depois de viver 16 anos sem internet no interior de Lagoa Vermelha-RS, eu vim até Florianópolis com apenas um objetivo: sobreviver. Para isso, eu comecei a estudar Jornalismo na UFSC e trabalhar no Adrenaline, onde produzo conteúdos e notícias da forma mais ágil possível. Com pouco salário e muito trabalho, eu sou... O Antigo Estagiário (agora colaborador!)