R9 Nano é anunciada oficialmente por US$ 649; preço é o mesmo da Fury X

A família de placas com chip Fiji e memórias HBM ganhou seu penúltimo membro. A AMD apresentou hoje oficialmente a placa AMD Radeon R9 Nano, o modelo mais compacto da nova geração de placas de alto desempenho da empresa. Assim como a Fury e Fury X, a Nano traz a nova GPU, porém explora a área menor ocupada pelo chip e dessa forma entrega uma placa com um formato mais compacto, pronto para "encaixar" em sistemas baseados em placas-mãe mini-ITX. 

A R9 Nano, como havia vazado ontem, chega equipada com um chip semelhante ao da Fury X, com 4096 processadores stream, 256 TMUs e 64 ROPs, além de uma das grandes novidades do chip Fiji: os 4GB de memória HBM inseridos no mesmo substrato da GPU.

As memórias estão no clock de 500MHz (1GHz efetivo), valor que pode parecer baixo comparado ao que vemos em placas baseadas na tecnologia GDDR5, porém é importante lembrar que, por conta da presença da GPU e das memórias no mesmo interpositor, a comunicação entre esses componentes é muito mais ágil em placas com memórias HBM. Mesmo com um clock consideravelmente menor, o chip Fiji possui uma largura de banda de 512Gbps em uma interface de 4096-bit.

Reduzindo o TDP, a AMD consegue entregar uma placa com menos aquecimento, alta eficiência e ainda manter uma boa performance

Alfredo Heiss, especialista de hardware da AMD, explica como opera a R9 Nano aos 16:54

A Nano explora os pontos fortes do chip Fiji: o menor consumo graças a eficiência das memórias HBM e o formato compacto resultado da proximidade entre GPU e módulos de memória. A AMD baixou consideravelmente o TDP da placa, dos 275W da Fury X para 175W na Nano, e dessa forma conseguiu reduzir o aquecimento do chip e substituir o projeto que utilizava o resfriamento líquido na Fury X por um bem mais compacto, composto por apenas uma fan tradicional na Nano. De acordo com a AMD, a placa tem seu "alvo máximo" de 85ºC de operação, e nos testes da empresa o chip atingiu a casa dos 75ºC na maioria dos games.

Jogamos com a Fury X e mostramos a performance da placa em 4K

Reduzindo o TDP, a empresa conseguiu também um salto em eficiência energética. A R9 Nano entrega o dobro de desempenho por watt consumido, se comparada a placas baseadas em chips Hawaii, presente em placas como a R9 290X. As restrições, porém, trazem um impacto negativo no overclock: de acordo com a AMD, essa placa não é indicada para quem deseja aumentar a frequência da GPU ou das memórias, por limitações como a alimentação de apenas um conector de 8 pinos e um projeto que não ultrapassa os 175W de TPD. As memórias em 500MHz não podem ser overclockadas através de vias "oficiais".

Em termos de performance, a AMD vem prometendo desempenho suficiente para encarar games na resolução 4K. Nos comparativos da própria empresa, a R9 Nano foi colocada lado-a-lado com uma Nvidia GeForce GTX 970 "mini-ITX" não identificada. Nesse comparativo, a placa da AMD entregou em torno de 30% mais desempenho que a rival.

A conta será salgada: a placa chega pelos mesmos US$ 649 da R9 Fury X

 

Os primeiros modelos estarão disponíveis para os consumidores, no mercado internacional, no dia 10 de setembro. Inicialmente só serão vendidos produtos baseados no modelo referência, enquanto as verões com projetos diferenciados das fabricantes chegam em torno de três meses depois. A conta será bastante salgada: a placa chegou custando os mesmos US$ 649 cobrados na Radeon R9 Fury X, o que significa que ela é substancialmente mais cara que a GTX 970, que pode ser encontrada na casa dos US$ 299, em suas versões em formato mini-ITX. Por aqui já testamos um produto com essas características, a Gigabyte GTX 970 OC Mini, que não ficou muito atrás do desempenho das GTX 970 em formato tradicional.

Com a introdução da R9 Nano, agora só falta um modelo baseado no chip Fiji para "fechar a família". Uma placa dual-GPU ainda está a caminho. Até o momento, vimos apenas o PCB da placa nas mãos da CEO da empresa, durante o PC Gaming Show na E3 2015. Ainda não há nenhuma previsão sobre quando veremos essa placa. 

Artigo: Os melhores momentos da tediosa PC Gaming Show 

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego colabora com a Adrenaline na produção de notícias e artigos na coluna "Vida Digital".