Robot Unicorn Attack 2 - Joguinho simples e viciante com ótimos gráficos

Robot Unicorn Attack 2 é um jogo simples pra quem quer apenas passar o tempo pulando alguns buracos e desviando de alguns obstÁculos, mas também pode ser bastante viciante e tem customizações interessantes para quem gosta de ir mais longe no game.

Não se deixe enganar pela estética "brony" (apelido dado aos fãs de My Little Pony) do game, que tem toda uma temÁtica unicórnios e arco-íris. Como é típico dos jogos do Adult Swim, essa é uma ambientação irônica, levada ao exagero do brega. Você joga como um unicórnio robô que possui crina com as cores do arco-íris e coleta lÁgrimas e fadas para ganhar pontos.

O jogo em si é bastante divertido e fica bem difícil conforme o jogador pega o jeito da coisa. O galope fica gradativamente mais rÁpido à medida que a pontuação aumenta, tornando a corrida, eventualmente, um grande desafio. Além de pular e voar (depois de comprar asas), o jogador também pode destruir estrelas e monstros de cristal com sua chifrada.

O unicórnio pode ser inteiramente customizado, com opções de corpos, crinas, chifres, asas e rastros diferentes. A customização não é apenas estética, mas traz também pequenas mudanças ao gameplay. As asas permitem voar, algumas crinas fazem o unicórnio acelerar mais rÁpido, etc.

Como todo jogo freemium, hÁ compras dentro do aplicativo, que podem ser feitas com as lÁgrimas coletadas ou com dinheiro real. Porém, outras trilhas sonoras só podem ser compradas com dinheiro real, infelizmente.

Existem desafios diÁrios para serem cumpridos e é possível jogar em comunidade depois de desbloquear certo nível. O jogo é todo baseado no nível do jogador. Consiga experiência suficiente e são liberados também novos mundos para galopar.

O jogo tem grÁficos acima da média e excelente efeitos de som. Seu formato "infinito" eventualmente cansa, mas pode render umas boas horas de diversão até lÁ. 

  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

Quem você acha que merece o GOTY do The Game Awards?