Teut Weidemann, da Ubisoft, diz que conseguiria dobrar os lucros da Riot Games, se lhe permitissem

O consultor da Ubisoft, Teut Weidemann, alertou aos produtores de games hoje na Game Developers Conference para que eles não sigam o modelo de monetização de "League of Legends", pois, segundo ele, a empresa só tem lucros porque sua comunidade gamer é enorme: "se me deixassem mudar o 'League of Legends', eu poderia dobrar os seus lucros".

Pegando os seus dados pesquisados e também os divulgados pela Riot Games em 2013, o consultor explicou a situação monetÁria da empresa. Cada usuÁrio de LoL gasta em torno de US$ 1,32 por mês. Com 32 milhões de jogadores ativos, o MOBA reúne US$ 42 milhões mensais.

Riot Games divulga calendÁrio do Campeonato Mundial
de League of Legends 


Ao pegar esses US$ 42 milhões e dividir pela média de gastos de um usuÁrio premium geral - cerca de US$ 35,00 -, a conversão mostra que "League of Legends" possui a mesma rentabilidade que um game que possui 1.2 milhões de usuÁrios pagos, ou seja, 3,75% dos jogadores. De acordo com Weidemann, "geralmente, a taxa de conversão para jogos grÁtis é de 15 a 25 por cento. 'World of Tanks' possui 30%".

Segundo o consultor, isso significa que a Riot Games dÁ muitas coisas sem nenhum custo para os usuÁrios e esquece de vender "poder". "A Riot poderia vender campeões premium exclusivos - eles poderiam, mas isso significaria um corte bem grande em sua comunidade... se eles me deixassem mudar o League of Legends, eu poderia dobrar os seus lucros. Eles iriam perder 60% da comunidade, mas mesmo assim fariam o dobro de dinheiro". 

Ele terminou seu discurso dizendo que "League of Legends" é uma exceção e não pode ser usado como modelo de monetização: "a Riot consegue sobreviver. Você pode não conseguir".  

Especialista em analisar as métricas, o gameplay e os modelos de negócio dos produtos online de sucesso, Weidemann destrinchou games como "Puzzle & Dragons", "World of Tanks" e, por fim, o MOBA da Riot Games. 

Em contrapartida, alguns outros especialistas discordam da opinião de Weidemann, como foi o caso de Paul Tassi da Forbes, que diz que os números do consultor estão errados: o LoL possui 67 milhões de jogadores ativos por mês. Além disso, Tassi considera o MOBA como um dos melhores exemplos de free-to-play do mundo - não esquecendo que ele é o game mais jogado no mundo inteiro atualmente.

Via Games Industry

  • Redator: Luiz Menezes

    Luiz Menezes

    Estudante de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina desde o segundo semestre de 2012 e gamer desde 1999, quando teve a oportunidade de jogar "Adventure" no Atari (mesmo não passando nem da segunda fase). Hoje é estressado com o Xbox 360 e com os ADCs noobs que sempre feedam o Draven. Trabalha na Adrenaline por causa da paixão por games e porque precisa de dinheiro para comprar consoles novos.

Quem você acha que merece o GOTY do The Game Awards?