Não faz sentido a morte ser o fim de tudo

Cleberl1

New Member
Registrado
Aqui é um site com maioria do pessoal materialista e se vc falar que acredita em vida depois da morte, vai ser tratado como um terra-planista ou religioso maluco. :vish:

Falando sério eu digo que o corpo incluindo o cérebro é o equivalente ao hardware de um celular ou computador, enquanto a mente/alma/espirito/consciencia ou o nome que for é o software. E esse último é imortal e ninguém "enxerga" por que não existe nessa dimensão física.

Do mesmo jeito que vc não pode colocar o software de um celular ou SO no bolso sem um pendrive/mídia pra rodar o mesmo.

Agora não quero perder tempo convencendo ninguém.
 

camilo79

Autor do tópico
Registrado
Agora não quero perder tempo convencendo ninguém.
Ainda bem.




Tenha tua fé.


Seja tua fé teológica, homeopatística, zodíaca ou terraplanista, mantenha essa fé pra ti. É melior não vir empurrá-la pros outros internautas.

Mantenha-a no teu dia-a-dia.



Siga assim.
 

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Sempre vejo esse assunto ser abordado sob uma perspectiva de uma realidade em 3 dimensões de espaço com o tempo absoluto, embora ainda seja uma aproximação válida para o cotidiano esse modelo já está ultrapassado.

Passado, presente e futuro são meras ilusões persistentes devido a forma como nossa consciência biológica se estruturou, não necessariamente representa a realidade com exatidão, uma vez que entendemos que eventos cronológicos são meras coordenadas dentro do espaço-tempo e que não existem distinções entre tais fora de nossas ilusões não faz muito sentido falar em vida após a morte, em uma coordenada no espaço-tempo você sequer nasceu, em outra coordenada, dentro dessa mesma realidade, você já morreu, é como se existisse e não existisse simultaneamente.

Alguém já mencionou que a realidade é muita mais estranha e bizarra que qualquer ficção que vimos em filmes?
--- Post duplicado mesclado automaticamente: ---

Como que se explica que no passado até 1800 tinha 1bi de pessoas e agora tem 7bi???
Onde estavam essas 6bi de "almas"? No freezer? Na Matrix?

A reencarnação não faz sentido por várias razões mas essa não é uma delas, o número de pessoas vivas atualmente é irrisório comparado a soma de todos os seres humanos que existiram ao longo dos milhares de anos e até aonde eu sei nenhum reencarnacionista defende a ideia que a alma fosse exclusividade dos Homo sapiens.
--- Post duplicado mesclado automaticamente: ---

Porém de um estado absoluto de não existência, milagrosamente nascemos...
O óvulo fecundado dentro de um útero não é exatamente o que poderíamos chamar de "estado absoluto de não existência" que passaria a condição de existência por via milagrosa...
--- Post duplicado mesclado automaticamente: ---

 
Última edição:

Dundee

Caçador vegano
Registrado
Se fosse assim você ia lembrar do coito dos seus progenitores.
Essa memória pode não ser acessada no estado ordinário, mas não quer dizer necessariamente que ela não exista. Em relatos de diferente tipos de experiências místicas se vê frequentemente a pessoa afirmar que lembrou do momento da sua fecundação e até eventos anteriores
Mas claro, nesses casos, só há a experiência anedótica...

A reencarnação não faz sentido por várias razões mas essa não é uma delas
Por quais motivos então, ela não faz sentido?
 

VoiderX

Advanced User
Registrado
A existência é apenas uma piada ruim frutos de eventos aleatórios decorridos antes você, antes existia o nada, e quando retornar, vai voltar para o nada.
Se se apegar a uma crença te conforta, faça isso, mas não há evidência nenhuma de existência de alma ou espirito, a maior parte é hoax, conto da carochinha, corrente de email dos anos 2000....
 

danillofc

New Member
Registrado
A existência é apenas uma piada ruim frutos de eventos aleatórios decorridos antes você, antes existia o nada, e quando retornar, vai voltar para o nada.
Se se apegar a uma crença te conforta, faça isso, mas não há evidência nenhuma de existência de alma ou espirito, a maior parte é hoax, conto da carochinha, corrente de email dos anos 2000....
Nao me apego a nenhuma crença. Usei apenas a lógica. Acho absurdo considerar normal que o "nada" gerou o universo, a vida e mais ainda, um ser que além de vida tem autoconsciência. E como se explicaria os casos de EQM e memórias de vidas passadas?
 

VoiderX

Advanced User
Registrado
Nao me apego a nenhuma crença. Usei apenas a lógica. Acho absurdo considerar normal que o "nada" gerou o universo, a vida e mais ainda, um ser que além de vida tem autoconsciência. E como se explicaria os casos de EQM e memórias de vidas passadas?
Trabalhamos com o que sabemos, o resto é só especulação.
Sua consciência nada mais é do que fruto de reações químicas que ocorrem no seu sistema nervoso. Milhões de anos de mutações, alterações e seleção tornaram nossa espécie atual viável.
E por isso vivemos assim.
O mais provável é que após a morte seja da mesma forma que era antes de você nascer.
 

Pikes Peak

Uma mentira, a realidade.
Registrado
Eu também tenho esta ideia de que após a morte será igual antes de nascermos (para nossa consciência), para o nosso "ponto de vista", nascemos sem nenhuma informação em nosso cérebro, "criamos uma consciência" através de ensinamentos da família/pessoas próximas, geralmente nos afastamos deles e vivemos sozinhos por um período até formarmos uma nova família, gerando novamente este ciclo. Normalmente isto acontece, mas não é regra. Acontece que estes "ensinamentos" passados adiante querendo ou não funcionam como uma passagem de ensinamento de uma pessoa viva para outra viva, que um dia terá uma delas morta e outra viva, sendo mais comum os mais velhos morrerem antes e o mais jovem seguir "vivo". Para o morto, nada mais interessará, para o vivo, parte dos ensinamentos de quem não tem mais vida e está em "lugar nenhum" seguirão em vida neste corpo. Fazendo uma analogia, ao meu ver, a alma é como se fossem as boas lembranças, ensinamentos, etc. Fazendo uma analogia, pegando um pouco do espiritismo, onde falam que uma alma evoluiu bastante, acredito que esta pessoa era uma excelente pessoa, um ídolo, algo que sempre fez o bem, deu bons exemplos, etc.

Para todos nós (com exceções), há em comum a visão de como é a vida aqui na Terra, para alguns há em comum a visão de como é a vida após a morte. Acontece que, POR EXEMPLO, se toda a vida humana fosse extinta neste exato momento e seguíssemos a lógica de que a vida após a morte é como antes de nascermos, automaticamente toda a vida na Terra deixaria de existir em NOSSO PONTO DE VISTA, do ser humano, de ter família, trabalhar, viajar, etc, ou seja, será que não há outros "PONTOS DE VISTA" neste mesmo tempo ou em outros tempos, o que nós chamamos de VIDA parece ser algo simples, banal, mas é exatamente assim pois temos a informação de que já vivemos assim por muitos anos, mas se todos nós "nascêssemos" ao mesmo tempo e fossemos colocados aqui na Terra, sem informação alguma, sem esta "consciência" transmitida de nossa família/amigos/pessoas próximas, seria algo estranho demais...

Assim, acredito que a vida após a morte ou até mesmo a "reencarnação" está muito relacionada a esta questão de ancestrais e de pessoas que nascerão após nossa vida, mas diferente do "literal" que conhecemos, mas sim da forma SIMPLES do nosso PONTO DE VISTA, do que vemos e vivemos NESTA vida, nestes tempos. Escrevi rápido, então algumas coisas parecem confusas...
 

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Por quais motivos então, ela não faz sentido?
O próprio conceito de alma/espírito não faz sentido, a ideia de que sua consciência e personalidade é uma entidade separada de seu corpo físico que sobreviveria depois da morte e seria transportada, sabe-se lá como, quando ou por quê e reencarnar-ressuscitar-transmigrar-ou-seja-lá-o-que-for para algum outro lugar e viver outra(s) vez(es).

Não há o menor resquício de evidência válida de que a consciência não esteja limitada em absoluto pela atividade cerebral e a conclusão simples e óbvia, para qualquer um que veja como as coisas são ao invés de tentar enxergar o que quer, que o evento da morte cerebral é o ponto final da consciência humana.

Invocar uma completa esfera desconhecida da realidade, que muitos chamam de espiritual, da qual não temos uma única evidência sequer e pressupor uma serie de eventos que ocorreriam nessa esfera é simplesmente se recusar a aceitar os fatos e brincar de faz de conta com barba na cara.
 

Dundee

Caçador vegano
Registrado
O próprio conceito de alma/espírito não faz sentido, a ideia de que sua consciência e personalidade é uma entidade separada de seu corpo físico que sobreviveria depois da morte e seria transportada, sabe-se lá como, quando ou por quê e reencarnar-ressuscitar-transmigrar-ou-seja-lá-o-que-for para algum outro lugar e viver outra(s) vez(es).
Não vejo pq não faz sentido e vc TB não elucidou.

Não há o menor resquício de evidência válida de que a consciência não esteja limitada em absoluto pela atividade cerebral e a conclusão simples e óbvia, para qualquer um que veja como as coisas são ao invés de tentar enxergar o que quer, que o evento da morte cerebral é o ponto final da consciência humana.

Invocar uma completa esfera desconhecida da realidade, que muitos chamam de espiritual, da qual não temos uma única evidência sequer e pressupor uma serie de eventos que ocorreriam nessa esfera é simplesmente se recusar a aceitar os fatos e brincar de faz de conta com barba na cara.
Os casos de EQMs que citei na página anterior são bons indícios de que a consciência persiste sem o funcionamento cerebral, também sendo favoráveis a ideia de a consciência independa do corpo, pois muitas das percepções relatadas pelos pacientes são de fatos ocorridos em locais que o mesmo não poderia ter acesso mesmo estando consciente.

Ignorar esse fenômeno que vem sendo recorrente pelo mundo todo, desde de que a medicina desenvolveu técnicas de "ressucitação", sem o devido estudo do que realmente está se passando é também recusar a aceitar os fatos.
 

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Os casos de EQMs que citei na página anterior são bons indícios de que a consciência persiste sem o funcionamento cerebral, também sendo favoráveis a ideia de a consciência independa do corpo, pois muitas das percepções relatadas pelos pacientes são de fatos ocorridos em locais que o mesmo não poderia ter acesso mesmo estando consciente.
Experiências de QUASE Morte em nada contribuem para a ideia de consciência permanecer (sabe-se lá como) fora do corpo.

Relatos de pessoas com o cérebro em condições normais não valem como evidência científica, se valessem então recebemos visitas dos ET's uma vez por semana e santas se materializam em janelas sujas com detergente, o que se dirá dos relatos das pessoas em uma condição de quase morte com o cérebro sofrendo todo tipo de dano, externo e interno.

Não são bons indícios e o fato deles serem tão citados em discussões como essas apenas endossa a falta de evidências, milhões de pessoas morrem todos os dias ao longo dos anos de forma assistida e acompanhada nos hospitais como nunca antes na história da humanidade e aqueles que defendem a ideia de continuidade da consciência não dispõe de nada mais do que relatos de moribundos para suportar suas alegações?
 

Dundee

Caçador vegano
Registrado
Experiências de QUASE Morte em nada contribuem para a ideia de consciência permanecer (sabe-se lá como) fora do corpo.

Relatos de pessoas com o cérebro em condições normais não valem como evidência científica, se valessem então recebemos visitas dos ET's uma vez por semana e santas se materializam em janelas sujas com detergente, o que se dirá dos relatos das pessoas em uma condição de quase morte com o cérebro sofrendo todo tipo de dano, externo e interno.

Não são bons indícios e o fato deles serem tão citados em discussões como essas apenas endossa a falta de evidências, milhões de pessoas morrem todos os dias ao longo dos anos de forma assistida e acompanhada nos hospitais como nunca antes na história da humanidade e aqueles que defendem a ideia de continuidade da consciência não dispõe de nada mais do que relatos de moribundos para suportar suas alegações?
Relatos não são evidências científicas, mas os estudos científicos partem dos relatos para compor evidências. Sem assumir previamente a veracidade e a experiência pessoal da pessoa, mas de forma sistemática verificando todas hipóteses.

Os relatos de EQMs, não apresentam apenas um quadro subjetivo, mas percepções objetivas de eventos e fatos que são corroborados por outras testemunhas como a equipe médica. Quais suas explicações para as percepções relatadas dos pacientes de objetos e eventos que ocorreram no momento que eles estavam clinicamente mortos?
 
Última edição:

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Os relatos de EQMs, não apresentam apenas um quadro subjetivo, mas percepções objetivas de eventos e fatos que são corroborados por outras testemunhas como a equipe médica. Quais suas explicações para as percepções relatadas dos pacientes de objetos e eventos que ocorreram no momento que eles estavam clinicamente mortos?
Partindo do pressuposto para lá de generoso que todos os envolvidos estejam sendo sinceros e não apenas mentindo descaradamente, até porque não tive acesso aos fatos e envolvidos e muito menos a uma auditoria sobre o evento, cientistas e médicos sérios tem coisas muito mais importantes para fazer do que ficar checando rigorosamente relatos sobre espíritos, mas para os propósitos dessa discussão vamos dizer que a pessoa que sofreu a EQM descreveu cenários e detalhes de sua própria cirurgia e que a equipe médica envolvida tenha confirmado que a descrição da pessoa bate com o procedimento realizado.

Sem ser um profissional da área é fácil imaginar várias explicações, todas elas muito mais plausíveis que um espírito flutuando fora do corpo e vendo seu corpo sendo operado, como se enxerga em forma espiritual sem que a luz física chegue aos seus olhos físicos e os impulsos sejam interpretados pelo seu cérebro físico eu não sei mas tenho certeza que quem acredita nessas coisas deve ter uma desculpa na ponta da língua.

Ela teve alucinações? É um evento comum quando o cérebro começa a ficar sem oxigênio, acertar os objetos e eventos comuns a essa situação não é algo tão sensacional assim.

Ela ouviu a descrição dos procedimentos enquanto estava sedada, não é tão incomum, e dadas as circunstâncias imaginou ter saído do corpo.

Uma descrição genérica de eventos comuns a esse tipo de procedimento?

E é claro, saindo do pressuposto generoso podemos pressupor mentiras descaradas, detalhes convenientemente omitidos ou até uma equipe médica só sendo simpática com um(a) paciente fragilizado(a).

A lista vai longe.

Na ausência de melhores evidências que meros relatos se aplica a boa e velha Navalha de Occam, a explicação mais simples e que envolve um número menor de pressupostos e entidades é provavelmente a correta.

Dito tudo isso, quero deixar claro que não estou afirmando que é absolutamente impossível existir consciência após a morte, ou que as chances de existir uma realidade espiritual é 0, o ponto é que alegações extraordinárias demandam provas extraordinárias, e isso passa muito longe de relatos de uma pessoa que quase morreu e alguns outros envolvidos acenando a cabeça.
 

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Relatos não são evidências científicas, mas os estudos científicos partem dos relatos para compor evidências. Sem assumir previamente a veracidade e a experiência pessoal da pessoa, mas de forma sistemática verificando todas hipóteses.
Hipóteses não verificáveis de modo algum como espíritos estão fora do escopo da ciência, sendo reais ou falsos.

O único jeito disso mudar é se de algum modo o suposto mundo espiritual se tornar verificável por algum novo método ou descoberta.

Relatos sozinhos não são suficientes.
 
Última edição:

Dundee

Caçador vegano
Registrado
Sem ser um profissional da área é fácil imaginar várias explicações, todas elas muito mais plausíveis que um espírito flutuando fora do corpo e vendo seu corpo sendo operado, como se enxerga em forma espiritual sem que a luz física chegue aos seus olhos físicos e os impulsos sejam interpretados pelo seu cérebro físico eu não sei mas tenho certeza que quem acredita nessas coisas deve ter uma desculpa na ponta da língua.
Na filosofia da ciência, se postula que vc não precisa explicar a causa para afirma la, desde que vc tenha evidências sólidas observaveis vc está habilitado a assumir essa causa e depois se preocupe em buscar explicações.
Exemplo pra elucidar: Se vc conseguir uma prova sólida de que um disco voador posou agora no estacionamento do seu prédio, vc deve assumir esse fato. E perguntas como "De onde veio esse disco voador?", "Se é extraterrestre como pode viajar de tão longe se a relatividade não permite?", devem ser estudadas depois, mas a sua impossibilidade de responde las no presente momento não deve te fazer ignorar o fato de que há um disco voador agora no seu estacionamento.

Ela teve alucinações? É um evento comum quando o cérebro começa a ficar sem oxigênio, acertar os objetos e eventos comuns a essa situação não é algo tão sensacional assim.

Ela ouviu a descrição dos procedimentos enquanto estava sedada, não é tão incomum, e dadas as circunstâncias imaginou ter saído do corpo.

Uma descrição genérica de eventos comuns a esse tipo de procedimento?
Apesar da fenomenologia das EQMs também ocorrerem quando a pessoa não está clinicamente morta, apenas os casos de morte clínica são relevante para o debate.
Se a pessoa estando com o cérebro sem funcionamento, fato que é verificado pelo ECG, tem essa percepção pelos meios que vc citou, isso já é suficiente pra refutar a alegação de que a consciência é produzida pelos processos cerebrais.

E é claro, saindo do pressuposto generoso podemos pressupor mentiras descaradas, detalhes convenientemente omitidos ou até uma equipe médica só sendo simpática com um(a) paciente fragilizado(a).

A lista vai longe.
Me parece uma hipótese ridícula ter tantos hospitais pelo mundo a fora, em diferentes países, inclusive nós oficialmente mulçumanos, que por sua vez inflige risco de punições severas para os envolvidos que relatam isso... Aí em todos esses hospitais ter equipes médicas comprometidas a corroborar uma narrativa atípica dessa.

Na ausência de melhores evidências que meros relatos se aplica a boa e velha Navalha de Occam, a explicação mais simples e que envolve um número menor de pressupostos e entidades é provavelmente a correta.
Não mesmo. Esse é um erro medonho que é repetido principalmente por ateus e "céticos".
Occam nunca disse isso e nenhum outro cientista ou filósofo disse tal coisa. A natureza não está nem aí para o que vc acha mais simples e o próprio desenvolvimento da ciência no séc XX, mostrou que a maioria das vezes hipóteses mais complexas são as corretas.
Occam e outros, na verdade disseram que hipóteses com menos entidades deveriam ser testadas primeiro, mas é o teste, a observação sistemática dos fatos que dão a última palavra.
Quando observados fatos que requerem explicações com mais entidades a hipótese deve ser descartada para dar vez a outra com mais entidades ser testadas.
E é exatamente isso que se observa nas ocorrências das EQMs, a hipótese que vcs defendem não dá conta de explicar os fatos observados, mas vcs se recusam a abandonar a hipótese, ao invés de rapar as entidades, rapam os fatos para caber na explicação que tanto querem.
Isso não é navalha de Occam, está mais para a navalha do Swenney Todd

alegações extraordinárias demandam provas extraordinárias,
Qual método vc usa pra definir objetivamente que uma alegação é extraordinária e outra não? Ou que uma alegação é mais ou menos extraordinária do que outra?
Da mesma forma, qual método objetivo se usa pra definir que uma prova é extraordinária?
Qual escala é usada pra isso?
Vc diz que a hipótese da consciência existir independente do cérebro é uma alegação extraordinária, me mostre de forma objetiva que essa é uma alegação mais extraordinária do que afirmar que dois objetos com pesos diferentes caem na mesma velocidade.

Hipóteses não verificáveis de modo algum como espíritos estão fora do escopo da ciência, sendo reais ou falsos.
A hipótese aqui é de que a consciência independe do funcionamento do cérebro e do próprio corpo, essa é uma hipótese verificavel, tanto é que está sendo testada em um grande estudo realizado na Europa. A cientificidade desse estudo não foi negada por nenhum membro da academia, nem mesmo os mais severamente céticos a possibilidade.
 

Lightman

Well-Known Member
Registrado
Apesar da fenomenologia das EQMs também ocorrerem quando a pessoa não está clinicamente morta, apenas os casos de morte clínica são relevante para o debate.
Se a pessoa estando com o cérebro sem funcionamento, fato que é verificado pelo ECG, tem essa percepção pelos meios que vc citou, isso já é suficiente pra refutar a alegação de que a consciência é produzida pelos processos cerebrais.
Quantos exemplos contínuos e provas mais que suficientes podemos apresentar sobre a relação e dependência da consciência com a atividade cerebral? Inúmeros testes, observações em todas as escalas, estados do sono, os sentidos ou a ausência deles (pessoas reagindo ao barulho ao contrário de um surdo que não ficou consciente do mesmo porque seu cérebro, ou outra parte do seu sistema auditivo, não consegue perceber o som), a lista daria para encher todos os tópicos desse fórum inteiro.

Quais provas temos de uma consciência atuando independente de atividade cerebral? Relatos de algumas pessoas em situações extremas, provas rigorosas nenhuma sequer.

Me parece uma hipótese ridícula ter tantos hospitais pelo mundo a fora, em diferentes países, inclusive nós oficialmente mulçumanos, que por sua vez inflige risco de punições severas para os envolvidos que relatam isso... Aí em todos esses hospitais ter equipes médicas comprometidas a corroborar uma narrativa atípica dessa.
Na verdade a gigantesca maioria dos médicos e cientistas estão pouco se lixando para as crendices espirituais de seus pacientes, eles tem coisas muito mais importantes para lidar, o que é claro não significa que os envolvidos na equipe médica sejam imunes a crendices e enganos próprios.

Qual método vc usa pra definir objetivamente que uma alegação é extraordinária e outra não? Ou que uma alegação é mais ou menos extraordinária do que outra?
Da mesma forma, qual método objetivo se usa pra definir que uma prova é extraordinária?
Bom senso puro e simples.

Só um exemplo para ilustrar, um garoto chega em casa com o rosto todo machucado e dizendo que não se lembra do que aconteceu ou como se machucou, algumas hipóteses:

1- Ele apanhou na escola e está com vergonha da situação e por isso não quer dizer o que aconteceu.

2- Ele sofre de uma condição clínica que causa desmaios e perda de memória.

3- Um alien o atacou e usou um neuralizador para apagar suas lembranças.

Teoricamente falando todas elas são possíveis e explicariam a situação, da mais óbvia até a mais extraordinária, não é difícil dizer qual a mais plausível e correta na maioria dos casos e qual seria a mais extraordinária e improvável.

Alucinações, erros médicos, mal entendidos, mentiras, condescendência são explicações bem menos extraordinárias (ocorrem com muito mais frequência e não carecem de farta comprovação) que consciências vagando sem um corpo mas aptas a enxergar e outras formas de interação com o ambiente e retornar ao corpo e na ausência de provas melhores devem ser descartadas, da mesma forma que descartaríamos a explicação do alien com o neuralizador caso alguém a defendesse.
 
Última edição:

Carlos Irving

Active Member
Registrado
E nem acho necessário recorrer aos casos de memórias de vidas passadas ou de EQM.
Se usarmos puramente a lógica, podemos dizer que o estado após a morte é o mesmo de antes da gente nascer(o nada, o não existir). Porém de um estado absoluto de não existência, milagrosamente nascemos. E ainda da pra refletir sobre o porque nascemos exatamente na data e local que nascemos, de tantos que estavam acontecendo no mesmo momento.
Se estávamos numa situação absoluta e infinita de não existência, como que nossa consciência surgiu do nada? Então não é absoluto nem infinito. Aliás, nem o universo é infinito, porque o fim depois da morte seria?
Embora eu não seja religioso, imaginoque nossa consciência não desaparece, e vários aspectos da física como a física quântica, teorias de outras dimensões, parecem se encaixar para explicar espiritismo e reencarnação por exemplo.
Sim, mas estude Allan Kardec e suas obras. Chico Xavier, é Espiritismo, acredite se quiser....
Eu nasci crendo neles e sei que a vida continua no outro lado da vida, invisível para nós aqui. E nasceremos de novo nessa Terra pois é aqui que nós merecemos ficar. Mas Jesus disse: " Há muitas moradas na casa de meu pai ".
 

camilo79

Autor do tópico
Registrado
Eita.

Aqui não é o Geral.

Melhor usar o português correto, Carlos.

O verbo "saber" tem um significado. "Acreditar" é diferente de "saber".

Sem falar que ninguém nasce acreditando em nada.


Melior ater-se aos fatos.
 

BoJack

Horsin' Around
Registrado
Episódio interessante do Mind Field, pelo Vsauce, que retrata a morte:


Vale a pena essa meia horinha.
 

yesux

New Member
Registrado
E nem acho necessário recorrer aos casos de memórias de vidas passadas ou de EQM.
Se usarmos puramente a lógica, podemos dizer que o estado após a morte é o mesmo de antes da gente nascer(o nada, o não existir). Porém de um estado absoluto de não existência, milagrosamente nascemos. E ainda da pra refletir sobre o porque nascemos exatamente na data e local que nascemos, de tantos que estavam acontecendo no mesmo momento.
Se estávamos numa situação absoluta e infinita de não existência, como que nossa consciência surgiu do nada? Então não é absoluto nem infinito. Aliás, nem o universo é infinito, porque o fim depois da morte seria?
Embora eu não seja religioso, imaginoque nossa consciência não desaparece, e vários aspectos da física como a física quântica, teorias de outras dimensões, parecem se encaixar para explicar espiritismo e reencarnação por exemplo.
O livro "Mente Imortal" tráz vários relatos e entra mais afundo com várias análises, to terminando de ler ainda e particularmente sou bem cabeça fechada pra essas questões de vida após morte e etc.
 

Usuários que estão vendo esse Tópico (Users: 0, Guests: 1)

Topo