Stadia: entenda como funciona a plataforma de jogos da Google

O streaming de games da Google já está disponível para 14 países

O Stadia é a plataforma de streaming de jogos da Google. Ele foi anunciado no início de 2019 e lançado para 14 países em 19 de novembro do mesmo ano. O principal diferencial dele é executar um game na nuvem, para apenas mostrar a resposta na tela de qualquer dispositivo. Para isso ser possível, a gigante das buscas está fazendo uso de sua vasta gama de servidores potentes, enquanto o usuário só precisa de uma tela e uma boa conexão com a internet. Isso faz com que consoles e PCs de alto desempenho sejam dispensáveis, o que pode revolucionar a forma como consumimos games atualmente.

Google Stadia

A Google informou que o principal objetivo é tornar o acesso aos games, principalmente os AAA, mais democrático. Usando os dados de internet, os jogadores poderiam ter os jogos de forma simplificada, sem precisar de um grande investimento inicial. A empresa parte do pressuposto que a maioria das pessoas já tem algum dispositivo que consiga executar o serviço e também acesso a internet. O grande problema é que para tornar viável a conexão requerida para entregar esse produto, é necessário uma rede estável e de boa qualidade.

Esse fator fez com que esse acesso não fosse tão amplamente distribuído assim, pelo menos não no seu lançamento. A empresa estudou quais lugares apresentavam os requisitos necessários para executar os games de forma eficiente. Isso reduziu a lista do mundo todo para 14 países: EUA, Canadá, Bélgica, Reino Unido, Holanda, Finlândia, Dinamarca, Suécia, Noruega, Espanha, Alemanha, Itália, França e Irlanda. A Google afirma que a lista deve ser expandida ao decorrer dos anos.

Requisitos mínimos de internet para o Google Stadia

Para entender melhor porque a qualidade da internet é importante, é necessário saber que o que está sendo exibido na tela do usuário é totalmente ligado com os dados necessários. Os requisitos mínimos exigidos pela Google é uma conexão de 10Mbps, isso vai dar acesso a imagens em 720p em 60fps e som estéreo. Aumentando um pouco mais (1080p HDR 60fps) será necessário duplicar também a quantidade de dados, para pouco mais de 20Mbps. Para alcançar o máximo da qualidade anunciada, 4K a 60fps, será necessário uma rede de 35Mbps.

O gráfico acima mostra de forma simplificada a proporção de dados e qualidade de imagem que será exibida. O Google Stadia pode consumir entre 4,5 GB e até 20 GB de dados a cada hora de jogo, dependendo da qualidade que a imagem estiver rodando.

Em quais dispositivos o Google Stadia vai poder ser acessado?

A Google afirma que é necessário apenas de uma tela e boa conexão com a internet para acessar a sua plataforma de games. Isso quer dizer que é possível jogar por qualquer dispositivo mobile, como smartphones e tablets. É importante lembrar que no lançamento apenas os aparelhos Pixel estão com suporte a plataforma, mas o Stadia terá suporte para qualquer dispositivo Android e iOS nos próximos meses.

Também é possível jogar pelo desktop, com todos os periféricos que muitos usuários já estão acostumados, ou mesmo pelo notebook. O Stadia terá suporte para qualquer dispositivo com Microsoft Windows. Ele também poderá ser acessado diretamente em TVs e monitores, desde que um Chromecast esteja instalado neles, para dar acesso aos servidores Google diretamente da rede Wi-Fi.

O usuário pode fazer a migração do game em qualquer dispositivo que ele tiver acesso. Isso quer dizer que uma partida pode iniciar no PC, ir para uma TV e encerrar em um smartphone. Todo o percurso ficará salvo na nuvem da Google e o gamer vai se preocupar apenas em executar o jogo e aproveitar. Algo importante é que até o momento não é possível acessar o Stadia usando os dados móveis do smartphone. Isso porque essa rede não é tão estável quanto o Wi-Fi e poderia correr o risco de perda de conexão e ter problemas na execução do jogo.

Dos servidores da Google até a tela do usuário

O grande diferencial do Stadia é que ele vai executar o game sozinho, ou seja, mesmo que o seu dispositivo não tenha boas configurações para rodar o jogo, isso será dispensável. Tudo o que você precisa é se certificar que a sua rede é consistente para fazer a comunicação.

O usuário vai dar os comandos, que podem ser feitos diretamente pelo controle desenvolvido especialmente para Stadia, ou por qualquer outro, o servidor vai processar a informação que foi enviada via Wi-Fi, vai executar para, por fim, mostrar na tela. Todo o processamento da informação será feito pelos servidores da Google.

Isso vai dispensar grandes atualizações e instalações de games em seus dispositivos, já que elas vão ter sido feitas previamente na Google. Tudo que o usuário vai precisar é do app do Stadia e abrir o jogo que estiver disponível.

Catálogo de games

Desde o anúncio oficial do Stadia no começo do ano, a Google se preocupou em dar destaques para os títulos que estariam disponíveis em sua plataforma. Diversos games foram confirmados desde o primeiro evento, até mesmo alguns que ainda nem tinham sido lançados para os consoles e PC.

Os games que foram anunciados para o dia do lançamento e já estão disponíveis são:

  •  Assassin’s Creed Odyssey (Ubisoft)
  •  Destiny 2: The Collection (Bungie)
  •  GYLT (TequilaWorks)
  •  Just Dance 2020 (Ubisoft)
  •  Kine (Gwen Frey)
  •  Mortal Kombat 11 (Warner Bros. Interactive Entertainment)
  •  Red Dead Redemption 2 (Rockstar Games)
  •  Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration (Square Enix)
  •  Samurai Shodown (SNK)
  •  Shadow of the Tomb Raider: Definitive Edition (Square Enix)
  •  Thumper (Drool)
  •  Tomb Raider: Definitive Edition (Square Enix)

Alguns títulos também já estão confirmados para chegar nos próximos meses, sendo eles:

  •  Attack on Titan 2: Final Battle (Koei Tecmo)
  •  Borderlands 3 (2K Games)
  • Cyberpunk 2077 (CD Project RED)
  •  Darksiders Genesis (THQ Nordic)
  •  Dragon Ball Xenoverse 2 (Bandai Namco)
  •  Farming Simulator 19 (Focus Home Interactive)
  •  Final Fantasy XV (Square Enix)
  •  Football Manager 2020 (Sega)
  •  Ghost Recon: Breakpoint (Ubisoft)
  •  GRID (Codemasters)
  •  Metro Exodus (Deep Silver)
  •  NBA 2K20 (2K Games)
  •  Rage 2 (Bethesda Softworks)
  •  The Witcher 3 Wild Hunt (CD Project RED)
  • The Elder Scrolls Online (Bethesda)
  •  Trials Rising (Ubisoft)
  •  Wolfenstein: Youngblood (Bethesda Softworks)

Os executivos da Google já confirmaram que tem interesse em investir em um estúdio de desenvolvimento de games próprio, podendo lançar games exclusivos no futuro. Eles confirmaram que isso é um desejo a longo prazo, que os primeiros anos vão ser dedicados a transformar os games executáveis no Stadia.

"Temos um plano que inclui a construção de alguns estúdios primários diferentes e também a organização de publicação para enviar conteúdo exclusivo criado por desenvolvedores independentes e outros parceiros externos [...] É uma visão de longo prazo que o Google está adotando. Para uma grande aposta e um enorme IP novo que alavancará totalmente a nuvem, pode levar vários anos." - Jade Raymond, diretora de jogos e entretenimento do Google Stadia

O plano é que sejam lançados conteúdos exclusivos a cada ano. O primeiro estúdio terá sede em Montreal, no Canadá e outros espaços ao redor do mundo também devem começar a ser instalados, conforme a popularização da plataforma.

Stadia Controller

A Google formulou também um controle próprio que irá tornar o acesso aos games um pouco mais fácil. Ele foi desenvolvido de forma totalmente voltada para o Stadia, mas isso não quer dizer que você precisa obrigatoriamente jogar usando ele.

O controle apresentado se conecta diretamente com a internet, fazendo a ponte diretamente com os datacenters, o que deve diminuir o tempo de latência. Ele também facilita as trocas de telas, pois detecta automaticamente onde o usuário está jogando e se adapta a isso.

Preço do Stadia

A Google anunciou um pacote chamado de Stadia Pro por US$9,99, que dá acesso a uma lista de games e alguns benefícios extras como suporte a 4K e 60fps. Também há um modelo gratuito onde você tem acesso a 1080p a 60 quadros. Os games precisam ser comprados dentro da plataforma para jogar.

Quem tiver acesso a assinatura terá uma série de games disponíveis sem precisar pagar a mais por eles. Alguns títulos contam com todas as extensões e outros adicionais, sem precisar pagar a mais por isso.

Inicialmente, o Stadia Controller, que é o controle Made By Google desenvolvido especialmente para o Stadia, esteva disponível apenas no pacote Founders Edition. A pré-venda contava com o controle, um Chromecast e mais três meses de assinatura por US$129,99. Posteriormente eles começaram a ser comercializados individualmente pelo valor de US$69.

Google Stadia no Brasil

Até o momento não há nenhuma indicação de que a Google irá lançar a plataforma Stadia no Brasil. Como já foi dito, é necessário uma internet estável para fazer a conexão de forma eficiente com os servidores. As redes brasileiras ainda não dão a segurança necessária para que o serviço seja instalado por aqui.

Conforme o avanço do desenvolvimento da plataforma pelo Google e a melhoria das redes brasileiras, pode ser que ele seja lançado em solo brasileiro. A Google afirma que tem interesse em espalhar a plataforma ao redor do mundo e alcançar um bilhão de usuários, o que indica o interesse em continuar aprimorando o seu sistema. É importante lembrar que isso pode levar anos, mas não descarta a possibilidade.

Os desafios pela frente

O Google Stadia tem um desafio grande pela frente. Com algumas impressões saindo de diversas mídias com acesso ao serviço, temos um misto de diferentes opiniões, desde positivas até negativas. O principal empecilho é um problema pouco falado pela própria Google nas apresentações: a latência. Enquanto a empresa determinou a largura de banda necessária para rodar o game em diferentes qualidades, pouco foi falado sobre a eficiência da plataforma em receber o comando, executar no servidor e enviar de volta ao jogador em sua tela.

Principalmente em games mais competitivos ou usando teclado e mouse, essa resposta é crucial para um bom desempenho e também conforto no gameplay, dando a sensação de responsividade crucial para jogos. Enquanto alguns reportam boas experiências, há quem reclame de uma latência muito alta, tornando a jogabilidade até inviável. 

 

 

Com um mundo tão diverso de qualidades de conexão e hardwares em uso, só o futuro vai dizer se a Google tem a experiência para dar conta do desafio de entregar alta qualidade e responsividade em um ecossistema online tão variado e conexões tão diversas.

Via: Mundo Conectado Fonte: Google
  • Redator: Ana Luiza Pedroso

    Ana Luiza Pedroso

O novo visual do Xbox Serie X