Como a galera está jogando? Montamos o PC da pesquisa do Steam para descobrir!

A Steam vem liberando os dados de hardwares usados em sua base instaladas faz anos, e dessa vez decidimos fazer um experimento: como é jogar nesse PC que, segundo a Steam, é o que a maioria tem?

Partimos dos dados do "Pesquisa de Hardware e Software do Steam: March 2019" (sim, ele é quase traduzido) para verificar quais as peças mais comuns, e decidir qual PC montamos pra jogar.

Algumas configurações são fáceis. A configuração de tela é disparado o FullHD (1920 x 1080), representando mais da metade (quase 62%) seguido de longe por 1366 x 768 (pouco mais de 13%), que por sinal é uma configuração clássica de notebooks. Galera do QuadHD mal somam 5% (2560 x 1440) enquanto a galera no ultrawide não somam 2% (2560x1080 e 3440x1440). O 4K está em acensão, assim como o ultrawide, mas também não soma nem 2%.

Outra configuração que não tem erro é RAM. Os 8GB ainda são a quantidade mais comum com 37,57%, mas muita gente já está melhor preparada para o futuro e tem suas máquinas com 16GB (32,88%). Também tem uma galera (10%) com 4GB, uma configuração que até serve para jogar, mas aí estamos falando de games mais leves.

Outras configurações in cluem o uso do Windows 10 (66%) e um HD de 1TB (quase 50%). Mas aqui acaba a mamata, porque nos próximos hardwares as coisas ficam mais complicadas de definir.

Para a placa de vídeo a escolha parece óbvia. A GeForce GTX 1060 está lá no topo do gráfico, seguida por várias outras placas da Nvidia, pois a empresa domina as estatísticas da Steam. O problema começa quando a pesquisa não define qual das duas versões (de 3GB ou de 6GB) é a na liderança, e para piorar, se vamos ver a configuração de VRAM mais comum, nos deparamos com... 2GB na liderança, o que mais atrapalha que ajuda. Com essa situação, tivemos que apelar para o "meio termo": vamos de GTX 1060, e com a configuração mais baixa disponível de VRAM tentando se aproximar da configuração mais popular.

Pra quem quer ver mesmo o sofrimento em 2GB, não tem problema: a série do PC Baratinho vem tendo que lidar com essa configuração na maioria dos episódios, com o uso das RX 560 2GB e GTX 1050 2GB. Dá pra ver em cada episódio as dificuldades que essa quantidade de memória traz para quem quer jogar em FullHD, especialmente lançamentos.

Processador a coisa é ainda pior. A Steam não divulga qual o ranking de modelos específicos, então nem sabemos qual é o mais popular. O que ele nos dá são informações dispersas e bem técnicas, 

 

então isso quer dizer que sabemos que a galera em geral está em um quad-core (nada de surpreendente, já que por anos os Core i5 e i7 vinham nessa configuração) operando em 3.3 a 3.7GHz (configuração de processadores intermediários) e que ele é um Intel, porque esmagadores 81% do público da Steam que compartilho seus dados está em uma CPU "do lado azul" da força.

Pegando essas configurações, a verdade é que há uma quantidade absurda de processadores que fecham com essa descrição. Estamos falando de algo que vai desde o Intel Core i7-940XM de 2010 até o Core i3-8100 lançado em 2017, produtos que são o high-end e o de entrada da Intel em suas respectivas épocas.

Com esse caos de possibilidades, escolhemos o caminho do meio. Nem i7 nem i3, nem muito velho, nem muito novo. Vamos com o Intel Core i5-7400, CPU intermediária e muito popular entre gamers até hoje. É a versão atualizada do 6400 que usamos no primeiro PC Ideal Adrenaline, então vai ser interessante ver como envelheceu esse processador.

A configuração final ficou:

- CPU Intel Core i5-7400
- Placa-mãe Gigabyte Z270X-Gaming 9 - link da análise
- 8GB de RAM (2x4GB) 2400MHz
- PNY GeForce GTX 1060 3GB - especificações do produto

Com o setup montado, hora de ver o que dá para jogar com essa configuração!

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego colabora com a Adrenaline na produção de notícias e artigos na coluna "Vida Digital".