PC Baratinho e Ideal retornam para encarar Devil May Cry 5

PC Baratinho tarda mas não falha! Enfim chegou a hora de ver como nosso hardware de baixo custo dá conta de um dos games que compõe os excelentes lançamentos desse começo de ano, que até faturou uma nota diamante aqui no Adrenaline!

Wallpaper desse episódio
Análise: Devil May Cry 5
Como monitoramos o hardware em nossos vídeos? Tutorial do MSI Afterburner e RivaTuner

A boa notícia de cara é que o Athlon deu conta. Com o AMD Athlon 200GE conseguimos rodar esse jogo com boa estabilidade e acima dos 60fps, o que é uma ótima notícia principalmente pro orçamento do PC Baratinho, já que estamos falando de uma CPU que custa menos que R$ 300, e que nem os Pentium da Intel hoje passam perto. Mérito da RE Engine, que já havia entregado um bom desempenho em Resident Evil 2 Remake, e que volta a mostrar seu valor, facilitado pelos mapas relativamente lineares e pequenos do jogo, que pegam leve em CPU.

CPU em DMC 5 foi fácil: o Athlon deu conta com folga

Com processador definido, hora do duelo das placas de vídeo.

Nvidia vs AMD

O duelo das placas de entrada tem como destaque sempre o confronto GTX 1050 2GB versus a RX 560 2GB, duas placas de entrada das empresas (ignorando as RX 550 e GT 1030, que já começam a ficar no patamar de gráficos integrados).

Nesse game que se saiu melhor foi a AMD, com a Radeon RX 560 2GB, que ficou levemente na frente da GTX 1050 em uma cena que usamos como benchmark, logo no começo do jogo. Felizmente o DMC 5 usa o motor do jogo para as cutscenes, o que nos ajudou muito a fazer esse comparativo.

No duelo GTX 1050 RX 560, a Radeon levou a melhor

Mas jogando a coisa não é muito boa. A GTX 1050 já dá sinais de instabilidade no benchmark, e fica ainda pior em gameplay. Ambas as placas tem stutterings se você joga na qualidade média em FullHD, com essas travadinhas atrapalhando muito do gameplay. O primeiro suspeito é a VRAM: ambas as placas "lotam" seus 2GB de cara.

Para contornar o problema, buscamos partir da configuração que impacta mais rapidamente no consumo da memória: texturas. Baixando as texturas para o baixo ao invés do médio, temos um resultado imediato:

Foi possível jogar acima dos 60fps em FullHD/Médio, reduzindo apenas a qualidade das texturas para caber nos 2GB de VRAM

O restante da configuração mantida no médio, dá pra ver um salto considerável nos 1% e, principalmente assistindo as cenas, dá pra ver o ganho que há em reduzindo as texturas. Usar texturas no baixo em um game que está rodando em FullHD traz impactos gráficos, mas com certeza é melhor que jogar com pequenos e irritantes travamentos. O que nos leva para a configuração final.

Configuração final

PC Baratinho para rodar Devil May Cry 5:

- AMD Athlon 200GE - R$ 250
- Placa-mãe A320 - R$ 364
- 8GB de RAM (2x4GB) - 2x R$ 167
- AMD Radeon RX 560 4GB - R$ 550
- HD Seagate Barracuda 1TB - R$ 240
- Fonte de 430W - R$ 225
- Gabinete, monitor, teclado, mouse e licença do Windows reaproveitados de um PC velho - R$ 0

Preço total R$ 1.963

Algo que eu recomendo ficar de olho é na RX 570. Essa placa é consideravelmente melhor que a RX 560, GTX 1050 e até a GTX 1050 Ti e tem aparecido por preços na casa dos R$ 700, o que torna ela muito mais atrativa e com uma relação entre custo e benefício bem superior comparado a essas placas de entrada.

 Capcom anda fazendo a alegria dos gamers com ótimos lançamentos e também do PC Baratinho com títulos que ele domina "com um pé nas costas". Falta ver como vai ser o próximo episódio, pois o mundo aberto de The Division 2 não vai ser esse "mamão com açúcar" para o nosso processador!

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego colabora com a Adrenaline na produção de notícias e artigos na coluna "Vida Digital".