Ter 6GB é um problema? O impacto dessa quantidade em placas como a RTX 2060 [+update]

[+update]: Incluímos os testes da RTX 2060 em um sistema com mais RAM, para demonstrar como isso já resolve a estabilidade.

[+texto original]: Quem acompanha comunidades e grupos sobre hardware já deve ter visto muitas discussões acerca dos 6GB das RTX 2060, com variações de argumentos que vão desde aos que afirmam que isso inviabiliza o produto até os que acham que essa configuração é mais que o suficiente. Nós fizemos menção a essa configuração, inclusive citamos nos contra do produto em nossa análise completa. Mas afinal de contas, o quanto 6GB de memória impacta na capacidade da RTX 2060 de entregar desempenho?

Antes de cair nos testes, tem uma parte teórica que é interessante de "dar uma conferida" antes. Quem assistiu nosso vídeo explicando chips de computador com panquecas, pode já estar até adivinhando para onde isso aqui vai. Por questões de defeitos em porções do chip TU106 ou mesmo mercadológicas, quando há mais demanda pelo GPU menos potente, por exemplo, a Nvidia desabilitou uma parte do chip e com isso se foram algumas estruturas. É assim que os processadores Stream caem de 2304 para 1920, o número de núcleos RT cai de 36 para 30 e, como não poderia deixar de ser, a memória também é impactada. A interface da largura de memórias vai de 256-bit para 192-bit, a velocidade de transferência cai de 448GB/s para 336GB/s e, o que motiva todo esse artigo, a VRAM é reduzida de 8 para 6GB.

Reduzir para 6GB a RTX 2060 foi necessário
devido aos cortes no chip TU106

Com as reduções feitas no TU106 da RTX 2060, a melhor alternativa foi optar pela redução da memória disponível. "Cada módulo de memória GDDR6 ocupa 32-bits de barramento, preencher mais 64-bits na RTX 2060 com ROPs já utilizados pioraria o desempenho da placa em todas as situações" afirma Alexandre Ziebert, do Marketing Técnico da Nvidia Brasil. Isso acontece porque memórias em uma placa de vídeo não são apenas uma questão de quantidade, mas também de velocidade. Comunicação ágil entre o chip gráfico e a memória é crucial para alto desempenho, com impactos que podem ser notados quando é aplicado um overclock nas memórias, por exemplo. Colocar mais memória, porém mais lenta, de acordo com a Nvidia, traz mais problemas que soluções, nesse caso.

De acordo com a Nvidia, manter 6GB é melhor
para a performance que ampliar para 8GB

Mas afinal, esses 2GB "vão deixar saudade"? Chega de teoria, vamos experimentar na prática!

Testando os 6GB vs 8GB

É difícil ter clara noção do quanto a RTX 2060 é impactada por não possuir 8GB. A solução teórica ideal seria ter uma RTX 2060 com os 8 e outra com os 6GB, mas isso envolveria fabricarmos esse chip hipotético de 8GB que nem existe. O melhor que conseguimos fazer é tentar trazer o mais próximo possível disso, e é aí que entra em ação a Nvidia GeForce GTX 1070 Ti. A placa conta com 8GB de memória e uma performance em um patamar bem próximo da presente na RTX 2060, porém segura aí que vem várias "disclaimers": as placas tem arquiteturas diferentes, então há otimizações diferentes em uma Pascal e uma Turing, a RTX conta com a tecnologia mais recente de GDDR6 não GDDR5X e também que o modelo Founders Edition da série 20 conta com um sistema de resfriamento bem mais avantajado e eficiente que o da série 10. Apesar dessas ressalvas todas, o comparativo segue bem interessante como vocês já vão conferir.

Comparativo

NVIDIA GeForce GTX 1070 TiNVIDIA GeForce RTX 2060

Preços

Preço no lançamentoU$ 450,00 U$ 349,99
Preço atualizadoU$ 2.400,00 R$ 1.700,00

Especificações da GPU

Processo de fabricação16nm FinFET 12nm Finfet
PCI-Express bus3.0
ChipPascal GP104 Turing TU106
Clock do GPU1607 MHz1365 MHz
Clock do GPU (Turbo)1683 MHz1680 MHz

Especificações das Memórias

Tecnologia da RAMGDDR5 GDDR6
Interface de largura de BUS256 bit 192 bit
Quantidade de RAM8GB 6GB
Clock das memóriass2002 MHz1750 MHz
Clock efetivo8008 MHz14000 MHz
Largura de banda256.3 336 GB/s

Características Gerais

Shading Units2432 1920
TMUs152 120
ROPs64 48
Pixel Rate107.7 GPixel/s80.64 GPixel/s
Texture Rate255.8 GTexel/s201.6 GTexel/s
Performance de pontos flutuantes8186 GFLOPS6.451 GFLOPS

Design

Pinos de alimentação1x 8 pinos 1x 8 pinos
Suporte à combinação de placasAté duas placas NÃO
Tipo de SlotDual-slot Dual-slot
Comprimento da placa267 mm229 mm
TDP180 W160 W
Fonte recomendada500 W500 W
Conexões de vídeo3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B, 1xDVI 2x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B, 1x DVI, 1x USB

Recursos

DirectX12.1 12.1
OpenCL1.2 2.0
OpenGL4.5 4.6
Shader5.0 6.1

Extras

Utilizamos como testes o PC Ideal. O motivo é simples: queremos um PC mas não muito. Se entregarmos altíssima performance de processador e grandes quantidades de memória RAM, podemos mascarar o impacto da falta de VRAM com mecanismos como o que "empresta" parte a memória RAM para colocar dados que "não estão cabendo" na memória da placa de vídeo. Isso torna o teste ainda relevante já que a configuração Ryzen 5 2600 + 8GB RAM + RTX 2060 não é uma combinação irrealista, pelo contrário. Muita gente pode optar por montar um PC assim.

Para os testes tentamos o pior caso possível. Jogos rodando em QuadHD, ou seja, a mais alta resolução em que essas placas entregam um nível alto de performance em games pesados, e títulos bastante recentes e exigentes: Resident Evil 2 Remake, Shadow of the Tomb Raider e Anthem.

Bancada de testes:

- AMD Ryzen 5 2600X - análise
- Placa-mãe ASRock Fatal1ty X470 Gaming-ITX/ac - análise
- 2x4GB DDR4 2666MHz
  - Nvidia GeForce RTX 2060 6GB Founders Edition - análise
  - Nvidia GeForce GTX 1070Ti 8GB Founders Edition - análise 

Games testados:

- Resident Evil 2 Remake - Ultra - DX11
- Anthem - Ultra - DX11
- Shadow of the Tomb Raider - Altíssimo - DX12

Observando as capturas dos dados, temos alguns elementos bem interessantes. Vendo os níveis de performance e estabilidade, temos os seguintes resultados:

(Correção: os testes foram feitos em QuadHD, diferente do que a legenda nos gráficos indica)

Algumas surpresas aconteceram nesses testes. Apesar de ser o mais pesado da bateria, Anthem não é tão exigente em consumo de memória da placa de vídeo, e acabou sendo o menos impactado pela quantidade de VRAM das placas. O que pesou mais foi o uso de tecnologias mais modernas na arquitetura Turing, abrindo vantagem para a RTX 2060. Resident Evil 2 Remake, o "mais dramático" ao afirmar que precisa de 12GB de memória para rodar em QuadHD Ultra, acabou também tendo um impacto mais modesto, com alguns eventuais stutterings insuficientes para comprometer a experiência. Já Shadow of the Tomb Raider mostrou que é o caso a ser melhor investigado, com claro comprometimento no desempenho.

Shadow of the Tombr Raider foi o grande impactado

Nos debruçamos mais a fundo nas memórias no teste com Shadow of the Tomb Raider, tanto em RAM quanto a própria memória da placa. Comparando os níveis de consumo, fica evidente como a instabilidade se relaciona com o momento em que o consumo supera os 6GB da placa e que começamos a ver um uso maior da RAM com a RTX 2060, comparado ao que acontece na GTX 1070 Ti

Fica bem claro o aumento no consumo de RAM quando usamos a RTX 2060 (marrom claro), começando logo no segundo pico onde a GTX 1070 Ti consome mais que os 6GB de VRAM (linha azul escuro), e como inclusive chegamos ao que parece ser o teto do que o sistema consegue usar da RAM. É justamente nessa parte do teste em que as instabilidades começam a acontecer.

Experimentamos um jeito bem simples de minimizar o problema: reduzimos a qualidade das texturas, um dos jeitos mais fáceis de reduzir o consumo de memória da placa de vídeo. Fizemos uma redução bastante humilde: ao invés da qualidade das texturas no Ultra, como é padrão no pre-set Altíssimo, baixamos para singelos "Alto", ou seja, ainda em um alto nível de qualidade. O impacto é bem notável, tanto em performance quanto no consumo das memórias:

 

O efeito é imediato no teste. A linha verde escuro mostra o consumo de VRAM quando as texturas estão configuradas no Alto, ficando com uma margem abaixo do limite possível (algo evidente nos platôs que a linha marrom escuro forma, a com as texturas no Ultra). O consumo de RAM com a qualidade menor nas texturas (linha verde claro) ficou em patamares semelhantes aos vistos na GTX 1070 Ti, sem causar os saltos que ainda estão evidentes na linha marrom claro, a da RTX 2060 ainda rodando com a qualidade máxima.

Baixar um pouco a qualidade das texturas
já bastou para solucionar o problema

As texturas no Ultra poderiam trazer uma diferença mais notável em resolução 4K, porém em QuadHD o nível de detalhamento ainda é suficiente na configuração alta. Sem perder muita qualidade na imagem final, bastou esse ajuste gráfico, mantendo o restante no pre-set do Ultra, para trazer o consumo do sistema para dentro do que é possível nos 6GB da RTX 2060.

Conclusão

Então, os 6GB da RTX 2060 são um problema? A resposta é um categórico sim e não. Nós pegamos um caso crítico: jogos recentes e pesados rodando em QuadHD em um sistema limitado. Esse cenário construído exatamente para espremer os 6GB trouxe alguns casos como o que aconteceu em Shadow of the Tomb Raider, mas ao mesmo tempo não se saiu tão mal em Resident Evil 2 Remake ou Anthem, e possivelmente vai trazer impactos ainda menores na grande maioria dos demais jogos.

Os 6GB são um problema? Sim e não

Update: a teoria que mais memória teria sido o suficiente já estava sendo aplicada em um conteúdo anterior nosso. No comparativo em vídeo com outras placas, a RTX 2060 estava em um sistema com 16GB de RAM, e como podem ver abaixo, a estabilidade já foi muito melhor, com o 1% na casa dos 30fps:

As possibilidades dos 6GB trazerem uma mudança relevante na experiência do jogador são bastante baixas. Bastava o sistema possuir mais RAM para a instabilidade ser minimizada, algo que aconteceu em RE2Remake com os 8GB de RAM disponíveis mas que não foi suficiente em SOTR. E foi fazer o ajuste das texturas do Ultra para o Alto no game de Lara Croft, algo com pouco impacto visual, para ter o problema sanado. Considerando que o cenário ideal dessa placa é FullHD ou no máximo QuadHD, os 6GB devem dar conta.

Hoje eles são mais que o suficiente

A questão complica um pouco quando pensamos em longevidade. Placas com configuração maior de memória vem aumentando, em geral no segmento high-end mas também existem casos com o a RX 580 de 8GB. A tendência é que jogos futuros comecem a consumir mais memória, mas ao mesmo tempo não tenho aqui uma bola de cristal para dizer em que ritmo isso deve acontecer. Se for em mais de três ou quatro anos. a memória não será o único problema: a performance do chip RTX 2060 também vai começar a não dar conta dos jogos, e você vai precisar baixar a qualidade gráfica de qualquer maneira. 

Não tem como saber o futuro, mas é provável que essa
quantidade seja suficiente para jogar em boa qualidade por um bom tempo

Dando um palpite, acredito que os 6GB não devem ser um problema mesmo a longo prazo, já que mesmo que surjam mais games que vão consumir mais que isso, provavelmente vai bastar alguns ajustes gráficos para fazer o game caber nessa quantidade de memória, sem trazer um detrimento muito grande na qualidade gráfica final. Especialmente se o seu objetivo é jogar em FullHD, os 6GB não devem fazer parte das suas preocupações mesmo a longo prazo.

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube