Vou precisar de 4GB de VRAM na nova geração?

Com a nova geração jÁ a todo o vapor, começamos a ver o impacto que o novo hardware no lado dos consoles vai causar nos requerimentos para rodar os jogos em computadores. Em vÁrios aspectos, o hardware do Xbox One e Playstation 4 não tem nada muito impressionante comparado aos computadores da maioria dos gamers, como processador e chip grÁfico. A diferença estÁ nas memórias.

Tanto o videogame da Sony quanto da Microsoft vem uma arquitetura compartilhada de memória para vídeo e processador, a hUMA. Por conta disto, os 8GB de memória RAM neste sistemas são tanto para o CPU quanto GPU, sendo um dos poucos elementos em que os videogames estão à frente dos PCs, normalmente limitados a 2 ou 3GB de memória na placa de vídeo - sendo que a RAM tradicional estÁ limitada ao uso do processador, a atual arquitetura dos PCs.

A possibilidade de que este seja o grande gargalo no futuro imediato, para a maioria dos gamers de PC, começou a ficar evidente na medida que saíram requerimentos - para rodar em alta qualidade - de games como Ryse: Son of Rome e Evil Within. Em modos de alta resolução e qualidade, começaram a aparecer especificações como mais de 4GB de VRAM, algo presente em pouquíssimos modelos de placas de vídeo.

Afinal, vamos precisar voltar a falar de placas de vídeo no estilo "comprei uma de 3 gigas"? Para mensurar o quanto isto é limitante, vamos testar o desempenho de duas Nvidia GTX 770, um modelo com 2GB e outro com 3GB, ambas operando na mesma frequência. O game de nosso teste serÁ Shadow of Mordor, jogo recém-lançado e que com um patch adicional de texturas se torna um devorador de VRAM.

Cena de Shadow of Mordor 

Sistema do teste:

- Mainboard ASUS Rampage IV Black Edition
- Processador Intel Core i7 4960X @ 4.5GHz
- Memórias 32 GB (4x8GB) DDR3-2400MHz Kingston HyperX Beast
- SSD Kingston HyperX 3K 480GB
- HD 2TB Sata3 Seagate Barracuda
- Fonte Cooler Master SPH 1300W
- Cooler Noctua NH-U14S

Placas testadas: 

- Placa de vídeo NVIDIA GeForce GTX 770 2GB
- Placa de vídeo MSI GeForce GTX 770 Gaming 4GB (com downclock para operar na mesma frequência do modelo referência)

Rodamos o game no Ultra, só modificando a qualidade das texturas: uma vez em High, outra vez em Ultra. A diferença é notÁvel, entre dois chips grÁficos de mesmo desempenho mas com diferenças de memórias.

Em dois sistemas que a única diferença é a quantidade de VRAM, o dobro de memória trouxe o dobro de desempenho, mostrando claramente a importância que a memória da placa de vídeo tem na performance neste game.

Preciso voltar a me preocupar primeiro com a memória?

Como jÁ defendemos até em videocasts, a escolha da placa de vídeo deve partir do chip. A GPU é o principal fator que irÁ determinar a performance do sistema para games. Porém, neste período de início de nova geração de consoles, a VRAM ganhou uma nova relevância. Mas ainda não é a primeira coisa que você deve se preocupar.

A VRAM virou gargalo, mas em duas situações específicas: 1) alta resolução, quando você busca algo superior ao QuadHD (ouvi 4K aí?) e/ou 2) texturas de alta definição. Se você baixar as texturas para High, no Shadow of Mordor, o desempenho volta a ser idêntico entre os sistemas com 2 e 4GB, e a diferença na parte estética é mínima.


Jogo dos 7 erros: na esquerda texturas em High, na direita em Ultra

Logo, segue a velha dica: não compre a placa só porque o vendedor enfatiza que ela tem tantos gigabytes de memória. Siga de olho, primeiro, no chip grÁfico. 

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube