ANÁLISE: Sharkoon Gaming DAC Pro S USB

Uma placa de som Potente, Portátil e com um ótimo Preço

O mercado já está saturado de placas de som USB, algumas que são boas mas custam demais, algumas que são ruins e custam demais (*coff*essa*coff*) e entre as placas "baratinhas" sempre há algum problema, as placas da Orico por exemplo, deixam a desejar na parte de microfone, com pré-amplificadores fracos, tornando baixo o volume do microfone de diversos headsets.

A própria Sharkoon já oferecia a Sharkoon SB1, a qual embora melhorava o microfone em alguns headsets, em termos de áudio deixava bastante a desejar por possuir amplificadores fracos, o que pode tornar o volume máximo dela "baixo" para diversos headsets e headphones. Ela era apenas um "quebra-galho" para quem está com problemas no áudio de seu PC, mas por R$ 50 não precisava ser mais do que isso.

Mas, eis que aqui entra a Sharkoon Gaming DAC Pro S, uma placa de som da Sharkoon que promete entregar "qualidade de estúdio" e ser capaz de amplificar fones entre 16~300 OHMs mesmo sendo uma das menores placas do mercado. Será mesmo?

Construção e Extras

A Sharkoon Gaming DAC Pro S é uma placa de som plug-and-play, a qual funciona tendo o mesmo desempenho seja no Windows, Mac, Linux, PS4, Android (precisa de adaptador e não fica bom) e qualquer sistema operacional que tenha suporte a áudio via USB (ou seja, Xbox One não está incluso):


Tendo uma construção bastante sólida em alumínio, a Sharkoon Gaming DAC Pro S pesa apenas 8 gramas e seu formato extremamente fino permite que ela seja colocada próxima a outros conectores USB sem atrapalhar a utilização deles ou tendo que usar uma extensão, diferente do que ocorre com placas como a ASUS Xonar U3 e quase qualquer outra placa de som USB do mercado.

Também, ela é bastante curta em termos de comprimento, mesmo comparada a outras placas de som USB, medindo 42 x 17.3 x 9.7mm. É uma das menores placas de som USB do mercado e mesmo assim é uma das mais potentes, o que é impressionante.

Sei que alguém em algum lugar vai gritar "Ela é uma cópia da DragonFly!", ao que eu posso dizer: sim, mas diferente da DragonFly, a Sharkoon Gaming DAC Pro S tem suporte para microfones e custa 1/3 do preço.

Não há nenhum botão ou chave nela e diferente do que possa parecer, os LEDs da lateral não mudam apertando algo, eles apenas indicam a taxa de amostragem e o LED da lateral só vai mudar se você alterar esta configuração no sistema operacional.

Embora ela funcionou perfeitamente no PS4 e em todos os PCs que testei, o desempenho desta placa no Android não é nada legal, parece que o sistema limita o volume máximo dela em 1/3, embora funcione, ela não apresentou um bom resultado nos celulares que testei.

A Sharkoon Gaming DAC Pro S não acompanha qualquer extra, não há nenhuma bolsa, extensor USB e nem mesmo uma tampinha para proteger o conector USB quando ele não está sendo utilizado. Só a placa e o manual.

Para o preço de US$ 30 não há problema nisso, mas ela poderia acompanhar um adaptador para fones com dois conectores TRS (P2) para TRRS ("P3"), pois quem possui um headset com os dois conectores "convencionais", precisará de um destes adaptadores.


A PLACA NÃO INCLUI NENHUM DESSES ADAPTADORES!

Sei que maioria dos headsets atualmente vendidos no mercado já utilizam o TRRS (popular "P3", mas essa não é a designação "correta" para o termo) ou acompanham esse adaptador. Ele também pode ser comprado por apenas R$ 10 na Internet, mas não teria sido uma má ideia se a Sharkoon tivesse incluso ele com a placa.

Enfim, não há muito o que dizer da construção externa da Sharkoon Gaming DAC Pro S fora que ela aparenta ser bem feita, é extremamente prática em termos de tamanho, peso e formato, não atrapalha o uso de USBs ao redor e parece perfeita para uso portátil.

Áudio

Diferente da crença popular, o áudio do seu PC não é ruim/baixo por ser Realtek ALC 887 ou Realtek ALC 1150. O DAC (conversor de sinal digital para analógico), o "chip" da Realtek não é o responsável pelo "volume" que seu headset terá, a peça responsável por isso é o amplificador, que amplifica o sinal elétrico enviado pelo DAC e é responsáveis por enviar "energia" em forma de áudio para seu fone de ouvido.

A Realtek não é a culpada pelo áudio do seu headset ficar ruim no seu PC

Se o amplificador da sua placa onboard for ruim (e em muitos casos é), o resultado pode ser perda de detalhes, especialmente em baixas e altas frequências, além de um volume abaixo do desejado.

E aqui entra a Sharkoon Gaming DAC Pro S e seu amplificador MAX97220A, capaz de entregar até 200 mW e alimentar fones desde 16 OHMs até 300 OHMs.

Infelizmente nós do Adrenaline não possuímos o equipamento necessário para realizar testes profundos, mas o pessoal da Igor'sLab já realizou todos os testes e você pode conferir a análise profunda neste vídeo (o áudio está em alemão, mas as legendas estão em inglês, basta ligar elas):

A Sharkoon Gaming DAC Pro S é 13x mais potente do que o áudio integrado de uma placa-mãe High-End

Um dado extremamente importante que pode ser extraído é que o Sharkoon Gaming DAC Pro S é cerca de 13x mais potente comparado ao som onboard de uma placa-mãe MSI MEG Z390 ACE, a qual custa na faixa dos R$ 2.000 e é considerada uma placa-mãe High-End.



Créditos da imagem para Igor'sLab: Sharkoon Gaming DAC Pro S Review

Se o áudio de uma placa-mãe High-End de R$ 2.000 possui um resultado inferior, vocês podem imaginar que placas-mãe mais baratas podem ter resultados ainda piores, inclusive ele chega a ser 17x mais potente do que a Sennheiser GSX 1000, que no Brasil custa R$ 1.344 (e claro, não vale nem metade disso).

E no que essa maior "potência" resulta no fone de ouvido? Depende do fone de ouvido.

Em alguns, especialmente fones fáceis de amplificar (especialmente earbuds e in-ears), pode ser que não haja diferença considerável em termos de áudio, mas em boa parte dos fones isto terá como resultado um maior volume de áudio, graves mais presentes, um som mais "encorpado" em todas as frequências...

E claro, se o seu fone for exclusivamente USB ou então funciona apenas via Wireless/Bluetooth, nenhuma placa de som terá efeito nele, pois ele já possui uma placa embutida.

Já sou acostumado a utilizar placas de som como a ASUS Xonar U3, Xonar DGX e EVGA Nu Audio, e não notei nenhuma perda de qualidade trocando a EVGA Nu Audio (US$ 190) para a Sharkoon Gaming DAC Pro S (US$ 30), seja utilizando o AKG K240 MK II, o Philips Fidelio X1 ou o Takstar Pro82.

Aliás, ela é mais prática e apresenta um melhor resultado no microfone do que a ASUS Xonar U3, o que realmente me surpreendeu pois seu preço é menor. E diferente da ASUS Xonar U3, você não precisa instalar o software só para ligar o amplificador, algo que não é possível no PS4 ou em outros sistemas que não sejam Windows.

Todos os fones que testei e que se beneficiam de amplificação adicional, tiveram um desempenho tão bom na Sharkoon Gaming DAC Pro S, quanto possuem em placas mais caras do que ela, o que é impressionante.

"Ah, mas essa placa de som da Sharkoon não tem equalizador e nem Surround 7.1!"

Sim! Você está certo! Mas, você sabia que é possível ter isso em qualquer fone de ouvido? E ainda melhor do que o software de muitas placas de som?

Através do Equalizer APO, você pode configurar a equalização de qualquer fone de ouvido ou caixa de som:

E através do Dolby Access, você tem acesso ao Dolby Atmos, que faz uma simulação de Surround mais inteligente e precisa do que quase qualquer headset "7.1" do mercado.

Ambos funcionam em qualquer fone, o Equalizer APO é gratuito e o Dolby Atmos pode ser usado por 30 dias para experimentar e comprado por R$ 54,95.

Microfone

Em termos de microfone, maioria das placas de som onboard deixam a desejar (há exceções), mas diferente da crença popular, o problema não é o ADC (conversor analógico para digital) da Realtek. Novamente, a Realtek não é a "vilã" da história.

A Realtek não é a culpada pelo microfone do seu headset ficar ruim no seu PC

O componente que é responsável pelo sinal do microfone e que acaba tornando ele baixo em algumas placas de som onboard, é o pré-amplificador.

Placas de som onboard tendem a utilizar o pré-amplificador mais barato o possível, que normalmente acabam tendo problemas, não sendo capaz de amplificar o sinal do microfone para bons níveis, sendo necessário colocar em valores como "100" para que seja possível ouvir qualquer coisa, em vários casos nem assim.

Segue abaixo o teste em "100" utilizando o microfone V-Moda BoomPro e sem nenhum filtro na placa de som onboard da Asrock Z87 Extreme4, placa que já foi considerada "High-End", lembrando que o PC dos testes possui aterramento elétrico:

Para "resolver" o problema causado pelo pré-amplificador de baixa potência, placas de som onboard em maioria dos casos utilizam o artifício de "ganho de sensibilidade", onde ao invés de utilizar mais energia para tornar o sinal do microfone mais sensível, a placa aumenta artificialmente via software o volume dos sons que são captados.

Esse processo é a mesma coisa que pegar um vídeo em 720p, esticar ele e chamar de "4k", é o processo de "interpolação", algo que é feito com Megapixels de câmeras, com o "Zoom Digital", na DPI de alguns mouses, etc... Aumentar "digitalmente" algo.

O problema, é que ao mesmo tempo que o volume de sua voz é amplificado, ruídos de fundo, ruídos elétricos e interferências também são amplificadas, o que é indesejável.

A opção de "Aumento de Sensibilidade" é na verdade ruim para seu microfone, pois ela aumenta artificialmente não apenas o volume da sua voz, mas de qualquer ruído e distorção

Boas placas de som não precisam utilizar "ganho de sensibilidade", basta apenas ter um bom pré-amplificador, o que é o caso da Sharkoon Gaming DAC Pro S e da ASUS Xonar U3, elas nem sequer possuem a opção de "ganho de sensibilidade" e conseguem ter bons volumes no microfone ser ter que colocar o valor no máximo.

Segue o teste utilizando a Sharkoon Gaming DAC Pro S, com o nível em "84"

E este é o teste utilizando a EVGA Nu Audio, que custa US$ 190, com o nível em "61". Não há uma diferença notável entre as duas:

Além disso, outro problema de placas de som onboard, é a falta de isolamento elétrico do sistema de áudio de diversas placas-mãe, isso tende a causar interferências (ex: o fone dar ruído só por você mexer o mouse ou quando a placa de vídeo começa "trabalhar") ou ruídos.

Quanto a isso, não há o que se preocupar na Sharkoon Gaming DAC Pro S, já que ela é conectada na USB (ao invés de estar embutida na placa-mãe) e possui os devidos componentes elétricos para evitar interferências na linha 5V.

E outra razão, inclusive a principal razão para ruído na maioria dos casos, especialmente para nós brasileiros, é a falta de aterramento elétrico, problema que permite que interferências elétricas afetem o microfone.

Créditos do vídeo para o canal The Impossible Possible

Nesse caso, você pode comprar uma placa de som de R$ 20 ou R$ 2.000, nenhuma vai resolver o problema, apenas contratar um bom eletricista e fazer o aterramento elétrico.

Sim, utilizar o "efeito de redução de ruído" faz o ruído "sumir", mas ao mesmo tempo ele reduz drasticamente a qualidade do áudio, ele não "resolve", apenas "maquia" o problema, então não é a opção ideal.

Tanto no caso do pré-amplificador, quanto no caso do isolamento elétrico, a Sharkoon Gaming DAC Pro S se mostra uma placa excelente, sendo capaz de extrair o melhor áudio possível do microfone da maioria dos headsets do mercado, só não recomendo usar ela com algo como o BM800 ou outro microfone que precise de "Phantom Power".

Ah, mas e cadê o software? Quero usar efeitos para deixar a voz igual robô, diminuir o ruído do ambiente, etc...

A Sharkoon Gaming DAC Pro S não possui software, mas você pode utilizar programas como o VoiceMeeter Banana para fazer isso, inclusive com o recurso de Gate, que é algo extremamente interessante para quem passa o dia inteiro no Discord ou fazendo streaming.

O VoiceMeeter Banana funciona com qualquer microfone ou placa de som, inclusive a da Sharkoon.

Conclusão

A Sharkoon Gaming DAC Pro S é a placa de som USB que eu já queria há muito tempo

A Sharkoon Gaming DAC Pro S é a placa de som USB que eu já queria há muito tempo, portátil, potente, consegue extrair o melhor em termos de áudio e microfone de basicamente todos os headsets do mercado, além de boa parte dos headphones.

E acima disso, ela custa US$ 30, enquanto concorrentes equivalentes ficam na faixa dos US$ 50~100.

Ela é capaz de entregar dezenas de vezes mais potência do que maioria das onboards do mercado e uma excelente qualidade no microfone, com um pré-amplificador potente (permitindo um volume alto no microfone) e isolamento elétrico (eliminando ruídos).

Ela pode não possuir um software para equalização ou simulação de Surround, mas isso pode ser feito em qualquer placa e com qualquer fone via programas como o Equalizer APO e o Dolby Access. Também, para quem precisa de filtro de ruído e tratamento do microfone, há o VoiceMeeter Banana.

Já existem softwares que fazem todas as funções que "drivers" de outras placas de som fazem, então não encaro isso como "necessidade", especialmente quando esses drivers podem limitar as compatibilidade ou funcionalidade da placa em outros dispositivos (ex: PS4, Android) ou sistemas operacionais (ex: Mac, Linux). 

Quanto mais recursos uma placa de som costuma ter, maiores são as chances de serem incompatíveis ou terem problemas com outros sistemas que não sejam o Windows (ex: Sennheiser GSX 1000 só funciona no Windows, Acer Predator Galea 500 só funciona no Windows, CM Storm Sirus 5.1 só funciona no Windows, a ASUS Xonar U3 não liga o amplificador no PS4...).

O DAC Pro S é plug-and-play, funciona em qualquer aparelho que suportar áudio via USB, e isso é bom.

Minha principal crítica para a Sharkoon Gaming DAC Pro S é por ela não acompanhar um adaptador para fones com dois conectores TRS (P2) para TRRS ("P3"). Sim, isso é barato e você pode comprar por R$ 10 na Internet, mas justamente por ser algo barato que tal adaptador deveria acompanhar ela. Outra crítica é que ela não fica boa no Android, por alguma razão o volume máximo dela fica extremamente limitado (eu diria que 1/3).

Quanto ao preço, a Sharkoon Gaming DAC Pro S custa cerca de US$ 30 no exterior e tem previsão de chegada no Brasil para início de Setembro, custando algum valor abaixo de R$ 200.

Embora parte do público possa considerar "caro" um valor destes, especialmente para algo que a sua placa-mãe já possui, o preço do Sharkoon Gaming DAC Pro S é excelente considerando sua qualidade e sua posição entre seus concorrentes.

Sendo superior a placas como a ORICO SC2 (R$ 90) e ASUS Xonar U3 (R$ 300), um valor abaixo de R$ 200 será muito justo.

Enfim, para quem quer ter áudio de alta qualidade no PS4, áudio de alta qualidade em Notebooks, extrair a melhor qualidade do microfone do seu headset ou dar um belo "up" no áudio de seu Desktop, a Sharkoon Gaming DAC Pro S é uma placa de som USB simples, portátil, com um ótimo preço e que faz seu serviço perfeitamente.

PRÓS
Amplifica bem fones de até 300 OHMs
Excelente Custo x Benefício
Excelente qualidade de áudio
Excelente qualidade para o microfone, com pré-amplificadores potentes e mínimo ruído
Leve, pequena e projetada para não atrapalhar o uso de outras USBs ao redor
CONTRA
Mesmo tendo compatibilidade com o Android, não apresenta um bom resultado nele, o volume máximo fica limitado em 1/3 do total
Não acompanha o adaptador para quem possui um fone com dois conectores P2, sendo necessário comprar o adaptador separadamente
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 150 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.