ANÁLISE: AMD Ryzen 5 3600X - Vale a pena gastar mais para ter o X?

Processador é bom, mas fica devendo argumentos frente ao mais barato Ryzen 5 3600

O AMD Ryzen 5  3600X é um processador do segmento intermediário, com 6 núcleos e 12 threads. Ele tem um excelente balanço entre custo e benefício para quem deseja montar um PC para jogar, e sua boa quantidade de núcleos também resulta em bom desempenho em aplicações profissionais.

O destaque desse processador é trazer clocks um pouco mais altos que o do Ryzen 5 3600, a versão "sem X" praticamente idêntica em especificações porém com frequências 200 MHz mais baixas em base e boost. O 3600X também acompanha uma solução de resfriamento um pouco melhor, o Wraith Spire ao invés do Stealth.

O modelo também conta com evoluções da linha Zen2 como frequências de operação mais altas impulsionadas pela nova litografia de 7nm e da nova geração do Precision Boost, além de uma quantidade generosa de cache L3 para aumentar o desempenho em games e outras aplicações que a AMD ficou em desvantagem frente a Intel nas gerações anteriores dos processadores Ryzen.

Análise: Ryzen 9 3900X
Análise: Ryzen 7 3700X
ANÁLISE: AMD Ryzen 5 3600

Modelos Ryzen 3000 à venda na Pichau

No exterior ele foi introduzido por US$ 250, 50 dólares mais caro que o 3600. No Brasil, é encontrado por R$ 1.300, em torno de 200 reais mais caro que sua versão "não X". Seu concorrente direto é o Core i5-9600K, modelo com preços bem próximos tanto no Brasil quanto no exterior.

Especificações técnicas

Comparativo


AMD Ryzen 5 3600

AMD Ryzen 5 3600X

AMD Ryzen 5 2600X

Intel Core i5-9600K

Preços

Preço no lançamentoU$ 199,00 U$ 249,00 U$ 229,00 U$ 262,00
Preço atualizadoU$ 199,00 U$ 249,00 R$ 1.100,00 U$ 262,00

Especificações

CodinomeZen2 Zen2 Pinnacle Ridge Coffee Lake S
SocketAM4 AM4 AM4 LGA1151 Serie Z370/Z390
Fabricação em7nm 7nm 12nm 14nm
Instruções64-bit 64-bit 64-bit 64-bit
Núcleos6 6 6 6
Threads12 12 12 6
Clock3600 3800 3600 3700
Clock (Turbo)4200 4400 4200 4600
DesbloqueadoSim Sim Sim Sim
Canais de memóriadual-channel dual-channel dual-channel dual-channel
MemóriasDDR4 DDR4 DDR4 DDR4
Cache L332 32 19 9
PCI Express4.0 4.0 3.0 3.0
Canais PCI Express40 40 24 24
TDP65 95 95 95

Vídeo Integrado

Monitores suportados3
GPUSEM V͍DEO INTEGRADO SEM V͍DEO INTEGRADO SEM V͍DEO INTEGRADO Intel HD Graphics 630
Clock1200
DirectX12

Características Gerais

Acompanha cooler?SIM, Wraith Stealth SIM, Wraith Spire Sim, Wraith Spire Não


O Zen2

A AMD focou em atacar os pontos fracos da microarquitetura Zen com a segunda geração de seus processadores Ryzen, ao mesmo tempo que buscou manter seus pontos fortes, como maior contagem de núcleos e alta modularidade através do Infinity Fabric e aumento da eficiência com uma nova litografia.

 

O Zen 2 é muito mais eficiente

A primeira novidade é a introdução do processo de fabricação em 7 nanômetros, que viabiliza frequências mais altas (em conjunto com a nova geração do Precision Boost) e melhor eficiência energética e menor aquecimento. Essa redução no tamanho dos transistores foi indispensável para maior densidade e para viabilizar a nova linha Ryzen 9, que aumentou a contagem de núcleos para acima dos 8 que eram o limite da série Ryzen 1000/2000.

Além da nova litografia, a arquitetura foi otimizada para mais desempenho

Porém a troca no processo é apenas parte do que resulta no ganho de desempenho. A AMD otimizou a arquitetura para possibilitar mais processamento em cada ciclo, além de entregar mais versatilidade para as unidades computacionais, que agora podem operar em conjunto dependendo da demanda.

Para quem quer jogar, a grande novidade é o Game Cache, novo nome que a AMD tem dado ao Cache L3 presente nesses processadores. Para aumentar a performance em games e outras situações em que a linha Intel Core leva vantagem devido à latência menor da comunicação com as memórias, a AMD introduziu quantidades generosas de cache para garantir que os núcleos de processamento tenham todos os dados que precisam acessíveis para operar em alto desempenho. O resultado é uma dependência menor de altas frequências de operação das memórias, e ganhos mais significativos de desempenho.

A grande quantidade de cache L3 melhorou o desempenho em games, e reduziu a dependência da velocidade da RAM

Outra mudança importante foi um ajuste no Infinity Fabric, que pode operar em uma proporção diferente em relação às velocidades das memórias. Até a frequência de 3733MHz, a porção responsável pela comunicação entre os vários módulos do processador funciona diretamente vinculado ao clock das memórias, porém acima dessa frequência ele passa a operar na proporção 2:1, derrubando sua frequência para a metade do clock das memórias. Por conta dessa característica e outras como alto custo de memórias muito rápidas ou estabilidade do sistema, o indicado é não avançar além dos 3733MHz em um sistema com Ryzen 3000, mesmo isso sendo viável, de acordo com a AMD.

Fotos

Por se tratar de um modelo soquete AM4, os CPUs da linha Ryzen 3000 seguem o mesmo padrão de formato dos modelos de Ryzen 1000 e 2000. Porém é importante confirmar se o modelo de placa-mãe cm geração de chipset 300 e 400 suporta os novos processadores, sendo no mínimo necessário uma atualização de BIOS, felizmente a maioria dos modelos vai suportar.

Mesmo formato e soquete AM4 das linhas Ryzen anteriores


Sistema utilizado
Abaixo, detalhes sobre o sistema utilizado para os testes:

Máquinas utilizadas nos testes:
Todas os sistemas utilizaram componentes com mesmas características técnicas para os testes, com exceção da placa-mãe que varia de acordo com a plataforma, veja a configuração utilizada:

- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce RTX 2080 Ti FE [análise]
- Placa-mãe: MSI MEG X570 Ace [análise]
- Memórias: 16 GB G.Skill Trident Z RGB @ 3200MHz (2x8GB) [site oficial]
- SSD: Kingston Savage 240GB Sata 6Gb/s [análise]
- HD: Seagate Barracuda 2TB 7200RPM Sata 6Gb/s [site oficial]
- Cooler: Noctua NH-U12S [site oficial]
- Fonte de energia (PSU): Thermaltake Toughpower 850W GOLD [site oficial]

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 64 Bits com Updates
- GeForce 436.xx

Aplicativos/Games:
- 7-Zip [site oficial]
- Adobe Premiere [site oficial]
- Blender [site oficial]
- CineBench R20 [site oficial]
- x264 Full HD Benchmark [download]
- HWBot x265 Benchmark [site oficial]
- V-Ray [site oficial]
- wPrime 1.55 [site oficial]
- WinRAR 5.x [site oficial]

- 3DMark (DX11)
- Assassin´s Creed Odyssey (DX11)
- Battlefield V (DX12)
- Grand Theft Auto V (DX11)
- Shadow of the Tomb Raider (DX12)
- The Division 2 (DX12)

CPU-Z/AIDA64
Através do CPU-Z e AIDA64 vemos algumas informações técnicas do processador, como modelo, clocks, número de núcleos e threads etc.


Overclock

Como a própria AMD já informou, os modelos Ryzen 3000 não são os melhores quando o assunto é extrair mais desempenho através do overclock. Outro detalhe importante, quanto mais núcleos possui o processador, mais complicado overclockar todos os núcleos devido ao grande aumento de consumo e aquecimento, então primeiro você precisa saber o que pretende com esse OC e se seu sistema está preparado.

No caso do Ryzen 5 3600X foi novamente a mesma história dos outros modelos, tentar chegar em um clock alto porém sabendo que não vai atingir o clock turbo máximo que o CPU alcança por padrão em alguns de seus núcleos, e "tocar" a tensão "lá em cima" para que isso seja possível.

Colocamos seus 6 cores e 12 threds trabalhando em 4.2GHz, 200MHz abaixo dos 4.4GHz que ele alcança em alguns de seus cores trabalhando em situação normal. Chegamos na tensão de 1.425v, a AMD diz que até 1.45 é uma margem segura para esses modelos, nós sempre procuramos não indicar tensões muito altas porque a ideia de nossos overclocks é que os mesmos tenham sentido para uso contínuo, não apenas para alcançar resultados melhores em uma ou outra aplicação, e nesse cenário não é recomendado que se "force" a máquina de forma constante. Por isso você precisa acima de tudo ver se vale a pena mesmo overclockar o sistema.

Colocamos todos os núcleos no mesmo clock

Como será possível ver nos testes adiante, vai ser bem difícil achar casos onde realmente justifique todo o trabalho de overclock, isso considerando o sistema totalmente estável como em situação normal, já que foi possível colocar o CPU com todos seus núcleos em 4.3GHz aqui, mas ele não terminou nem metade da bateria de testes devido a instabilidades, logo não tem sentido pra nós.

OBS.: Faça overclock por sua conta e risco, evite deixar o CPU com tensões altas por muito tempo.


Consumo de energia

Fizemos os testes de consumo de energia do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema.

É importante destacar que o consumo de energia depende bastante da placa-mãe e placa de vídeo, podendo variar consideravelmente de um sistema para outro com configurações semelhantes.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso.

Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistemas rodando o 3DMark, temos os consumos abaixo:


Temperatura


Começamos pelos testes de temperatura, como o sistema em modo ocioso e rodando o wPrime, aplicativo que "estressa" todos os núcleos dos processadores.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso, com o Windows em espera sem estar executando nenhuma tarefa além das tradicionais do sistema.

Rodando o wPrime
Quando colocamos os sistema rodando o aplicativo wPrime, que faz todos os núcleos trabalhem em modo full, temos os consumos abaixo:

"A temperatura varia de acordo com o programa utilizado, mesmo o wPrime estressando todos os núcleos sendo uma boa opção para ver o comportamento desse cenário, alguns programas podem exigir ainda mais do processador e consequentemente esquentar mais o mesmo, como exemplo citamos o Blender."


Testes sintéticos


Abaixo temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando o processador analisado com outros modelos do mercado e fazendo exatamente os mesmos testes.

Alguns testes podem tirar maior proveito de CPUs com clocks mais altos,independente da arquitetura e do número de núcleos/threads,já outros podem tirar mais proveito de mais núcleos/threads

AIDA64 Latency
O software AIDA64 tem vários testes de performance, separamos um que mostra um cenário diferente dos demais, a velocidade de latência das memórias, que quanto menor o resultado, melhor.

Blender
O aplicativo Blender é voltado a profissionais de edição de filmes e para manipulação de objetos 3D, sendo um bom teste real de como o sistema se comporta nesse tipo de cenário.

V-Ray
O teste V-Ray Benchmark utilizado consiste no resultado de renderização do CPU, quanto menor for, melhor é o desempenho.

CineBENCH R20
O CineBench está entre os mais famosos testes de benchmarks para processadores, baseado em um teste convertendo uma imagem. Fizemos teste em Single e Multi Core também, já na versão R20 lançada em março de 2019:

x264 Full HD Benchmark
Em um teste de conversão de vídeo Full HD, temos os seguintes resultados:

HWBOT x265 Benchmark 2.0
Agora outro teste de conversão de vídeo, mas com o codec h265 e testes em FullHD e 4K:

Adobe Premiere CC
Mais um teste de renderização de vídeo, em um cenário real renderizando um vídeo com o Adobe Premiere CC 2018 sem uso de GPU:

7-Zip
O software de compactação 7-Zip se tornou um dos mais populares do mundo por se tratar de um aplicativo de código aberto, possuindo também um benchmark interno que vem sendo muito utilizado para métrica de performance, abaixo o desempenho dos sistemas com ele:

WinRAR
Outro bom teste para medir o comportamento do processador é o WinRAR, que consegue fazer bom uso de todos os cores.

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark, mas por enquanto com a placa de vídeo dedicada.


Teste em games


Agora vamos para os games, selecionamos alguns dos principais títulos do mercado para mostrar como os processadores se comportam utilizando configurações semelhantes, sendo sempre a mesma placa de vídeo, uma RTX 2080 Ti Founders Edition, e 16GB de RAM através de 2 módulos de 8GB com frequência de 3200MHz.

Assassin´s Creed Odyssey
O game da Ubisoft baseado na tecnologia DirectX 11 é uma referência de software que demanda alto desempenho tanto do chip gráfico quanto do processador resultado do mapa amplo e complexo recriando a região da Grécia Antiga.


Battlefield 1
Como um dos games com a melhor qualidade gráfica já lançados, agora o Battlefield 1 faz parte de nossa bateria de testes. Abaixo o comportamento dos sistemas rodando o game da DICE.


GTA V
Grand Theft Auto V está entre os maiores sucessos dos últimos anos, trazendo entre seus destaques boa qualidade gráfica. Ele é um dos games que mais faz uso do CPU, sendo um ótimo teste para ver o comportamento e diferença entre esse componente. Confiram abaixo os resultados nesse game:


Shadow of Tomb Raider
O mais recente game da franquia da Lara Croft, Shadow of Tomb Raider traz ótimos gráficos, exigindo muito do sistema, mesmo de alta performance.


Tom Clancy's The Division 2
The Division 2 usa um motor gráfico próprio desenvolvido pela Ubisoft Massive, lidando com cenários complexos e grandes quantidades de partículas na tela.


Conclusão

Com muitas das características semelhantes ao Ryzen 5 3600, não é uma surpresa que o 3600X entregue resultados bastante próximos, o que é ótimo, já que o 3600 levou nosso selo diamante. Na essência, apenas duas coisas mudam: as frequências de operação e o preço. E é aí que fica difícil justificar a compra do 3600X.

Avaliação: ANÁLISE: AMD Ryzen 5 3600X - Vale a pena gastar mais para ter o X?

Tecnologias
10
Performance
9,5
Overclock
7,0
Preço / R$ 1.299,00
8,0

Ele traz um aumento de 3.6GHz para 3.8GHz no clock base, e o boost vai até 4.4GHz ao invés dos 4.2GHz. Esses 200MHz não representam nem 10% no aumento das frequências, e como todo mundo que já brincou com overclock já sabe, aumento de frequências não é proporcional a ganho de performance, e isso fica evidente ao longo dos testes. Em nossos testes, o 3600X não consegue chegar a 5% de ganho de desempenho na maioria dos cenários sintéticos ou de alta carga no processador, e em games a vantagem se dissipa ainda mais. 

Essa vantagem marginal de desempenho não seria problema se não trouxesse o inconveniente do preço mais alto. O 3600X custa 200 reais mais caro, algo que aumenta o preço em mais do que os 10% de clock a mais, e bem mais que os ganhos de performance quase inexistentes. No fim das contas, esses 200 reais a mais fazem um impacto muito maior se investido em uma placa de vídeo um pouco mais potente, uma RAM um pouco melhor ou até um SSD. Comprar um cooler de terceiros também não fica fora da equação, podendo valer mais a pena que a evolução do Wraith Spire versus o Stealth.

O 3600X traz ganhos de performance menores que o aumento de custo em relação ao 3600

Modelos Ryzen 3000 à venda na Pichau

E frente a concorrência? O aumento de preço faz com que a disputa com a Intel fique menos interessante. O 3600X tem preço parecido com o 9600K, um processador que compartilha várias características, como ser um hexa-core e desbloqueado para overclock. O modelo AMD fica na vantagem por liberar o SMT, ou seja, ele tem 12 threads versus os 6 do lado azul da força, entregando mais desempenho em aplicações que usam essa característica, enquanto o Intel ainda tem na manga algumas situações que os Intel core seguem entregando mais desempenho, como games, mas nessas situações as diferenças reduziram bastante. Apesar da vantagem ainda existir, ela é bem menos interessante se colocamos na disputa do 3600, que não fica longe de nenhum desses dois é mais barato.

O Ryzen 5 3600X é um excelente produto para games e aplicações profissionais, mas fica devendo um diferencial para justificar sua compra ao invés de um Ryzen 5 3600

Apesar do cooler box um pouco melhor ser uma adição bem-vinda, esses 200 reais de diferença podem ser melhor gastos em outros componentes ou até mesmo um cooler de terceiros. O 3600X é um bom processador, mas no fim do dia tem dificuldade de vencer "a competição interna" do próprio 3600.

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego colabora com a Adrenaline na produção de notícias e artigos na coluna "Vida Digital".

  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh