ANÁLISE: Logitech MX518 Legendary

Uma mistura perfeita entre nostalgia e tecnologia de ponta

2019 é o ano dos remakes no mundo dos periféricos.

Bom, pelo menos para nós ocidentais, já que o Logitech MX518 Legendary e o Microsoft Pro Intellimouse já estavam à venda na China desde o final de 2018, mas só chegaram oficialmente no ocidente na metade do ano.

Mas indiferente o ano em que estes mouses começaram a ser vendidos, há de se notar que há um forte investimento em "nostalgia" na indústria de tecnologia, seja através do remake de jogos clássicos ou até mesmo de mouses clássicos, como é o caso do Logitech MX518, que agora se tornou o "Logitech MX518 Legendary", também chamado de "Logitech MX518 Hero" (devido ao sensor óptico "Hero" que ele utiliza) ou simplesmente "Logitech MX518". Que confusão.

O que não é confuso, é a proposta da Logitech: trazer tudo o que diversas pessoas gostavam do antigo MX518, para um novo mouse com componentes e sensor atualizados, mas tentando manter características do mouse original, tal como peso, deslize, ergonomia, qualidade de construção, recursos e estética.

Mas será que este mouse é apenas nostalgia? Ou será que ele possui méritos próprios que fazem ele ser capaz de competir com mouses atuais? Veremos abaixo.

Construção Externa

A aparência do Logitech MX518 engana bastante, parece um mouse tão "comum" e se encaixa bem em ambientes de escritório, mas há um ar "elegante" nesse mouse que você só consegue ver ao vivo.

Há duas espécies de materiais no acabamento do Logitech MX518: plástico fosco e plástico glossy.

Glossy é conhecido popularmente por ser o tipo de acabamento usado pelo "Black Piano", é um plástico liso que não proporciona muita aderência, mas por esta mesma razão é muito utilizado por superfícies brancas, já que sujeiras não aderem muito a ele e acabam sendo fáceis de limpar com um simples paninho úmido, sem precisar de produtos especiais para limpeza.

No caso do Logitech MX518, é aplicado também uma espécie de camada de "glitter" embaixo do acabamento glossy, o que dá a ele um visual bem diferente e mais chamativo do que pode parecer de início.

E qual o problema do glossy? Bom, além de não proporcionar aderência, sujeiras e riscos ficam bastante visíveis nele, embora para muitos isso seja apenas questão de higiene e cuidado. O mouse da imagem está propositalmente sujo, mas para limpar ele basta apenas passar um pano seco ou levemente úmido.

No caso do Logitech MX518, o balanço entre a utilização de glossy apenas na parte superior e o plástico fosco nas laterais, garante que o mouse terá uma boa aderência na mão da maioria dos usuários.

E o mais estranho de tudo, algo que até me pegou de surpresa quando notei:

O Logitech MX518 não possui nenhum LED. Zero. Nada.

Só há o logotipo metálico da Logitech G no centro da parte traseira do mouse, este sem nenhuma iluminação.

E aí está um ponto polêmico do Logitech MX518, a aparência dele não representa seu nível de qualidade. É basicamente um "sleeper" do mundo dos mouses, sua aparência é de mouse antigo/barato, mas não há nada nele que seja inferior a mouses como o Logitech G502 ou Razer DeathAdder Elite, seja em seu acabamento, sensor ou construção interna.

A distribuição de peso do Logitech MX518 é bem eficiente, além de possuir ótimos pés de teflons, os quais fazem seus 101 gramas (sem o cabo) deslizarem muito bem por mousepads, dando a impressão de que ele seja até mais leve do que realmente é, então poucas pessoas terão problemas com seu peso.

Os pés de teflon e a ótima distribuição de peso do MX518, dão a impressão de que ele seja mais leve do que realmente é

Em comparação, o antigo MX518 Classic pesava 106 gramas e não possuía um anel de teflon ao redor do sensor, então a Logitech diminuiu um pouco o peso mas sem exagerar ao ponto de se tornar algo muito diferente do original.

Já o cabo do mouse é um cabo de borracha bastante leve e flexível, um dos cabos de borracha mais finos entre mouses gamer que já testei, mas mesmo assim sem dar um ar de "fragilidade" como faz o cabo do Ducky Secret M por exemplo. É um bom cabo e acima disso, só paracord mesmo.

Enfim, e quanto às pegadas? Aqui temos algo polêmico e que separa o Logitech MX518 de maioria dos mouses do mercado: este é um mouse com um formato único, poucos são os concorrentes que buscam ter formatos similares e até a própria Logitech deixou este formato de lado depois de ter usado ele até o ponto de exaustão entre 2002-2013.

E o que há de diferente no MX518 comparado a mouses de concorrentes? Ele é um dos poucos mouses que auxiliam para você manter os três dedos em cima do mouse, há literalmente uma área alongada logo ao lado do botão direito para você posicionar seu dedo anelar em cima do mouse:


Para a pegada Palm, é quase obrigatório deixar os três dedos em cima do mouse, a sensação do dedo anelar em cima do recorte da lateral direita não é confortável, mas há quem use o mouse desta forma mesmo assim. Se você se acostumar a deixar os três dedos em cima, ou já faz isso, ele será um mouse bastante confortável para Palm.

Mas, há de admitir que algumas pessoas não se acostumarão mesmo tentando ou se afastarão deste mouse sem tentar se acostumar.

Com a pegada Fingertip, não há problema algum com este mouse, você pode deixar o dedo anelar na direita do mouse sem problema algum ou deixar ele em cima do mouse.

E o mesmo pode ser dito para a pegada Claw, sem problema algum em deixar o dedo seja em cima ou na lateral, e o fato da "área de clique" do mouse ser grande, é algo excelente para esta pegada.

Algo muito errado que ocorre, é pessoas acharem que as "únicas" pegadas que existem são Claw, Fingertip e Palm, quando na verdade estas são apenas três das principais. Existem sim, outras formas como pessoas seguram mouses, algumas até estranhas, mas não existe nenhuma forma "correta", o "correto" é utilizar e segurar o mouse da forma que achar mais confortável.


Créditos para Willtron3000 @ Reddit

Para pessoas que seguram o mouse com três dedos sobre ele (anelar em cima do mouse e não na lateral), o Logitech MX518 possui um formato único e que não é replicado por quase nenhum concorrente, por mouses como o G402, G502, G602, G403 ou outros mouses do atual lineup da marca, sendo que o último mouse similar foi o Logitech G400s, lançado em 2013 e descontinuado em 2014.

Enfim, não há nada de errado na construção externa do Logitech MX518. Plásticos de alta qualidade, um bom balanço entre a utilização de glossy e plástico fosco para dar ao mouse um visual único, um bom cabo de borracha com boa flexibilidade, peso extremamente bem balanceado, ótimos pés de teflon e a ergonomia clássica que muitos usuários já pediam há anos para que voltasse.

Construção Interna

A Construção Interna é a principal responsável pela durabilidade de um mouse, se forem utilizados componentes de alta qualidade, o mouse terá poucos problemas, se for utilizado algo de baixa qualidade em alguma peça (ex: codificador de scroll ruim), as expectativas não serão boas.

O curioso é que a receita da construção interna do Logitech MX518 não mudou nada em comparação com o Logitech G400s (2013), o qual já era um mouse bem construído.

Exatamente os mesmos switches, sendo que até hoje os únicos casos de problemas referentes ao G400s que eu ouvi, foram ocasionados pelo double-click, algo que pode ser mitigado ou eliminado, mas infelizmente a Logitech ainda não implementou uma solução para este problema.

Principais: OMRON D2FC-F-7N 20M (excelente)
Laterais: Himake White (ótimo)
Meio: Himake White (excelente)
DPI/Perfil: Switches SMD táteis brancos com rubber dome (???)
Codificador do Scroll: Óptico Logitech (melhor opção do mercado em termos de durabilidade)

A construção interna do Logitech MX518 é muito caprichada, os switches da Himake são de alta qualidade e o codificador óptico utilizado pelo scroll garante a este mouse um dos scrolls mais duráveis do mercado.

O Logitech MX518 é quase idêntico em componentes internos ao Logitech G400s. Um belo caso de "Não mexa no que funciona"

Mas, ela poderia estar ainda melhor, mouses como o Redragon King Cobra e novos lançamentos como o Roccat Kain 120 e o Endgame X1 já implementam tecnologias para prevenir o problema de double-click e eu vou começar cobrar para que empresas comecem a colocar isto em mais mouses, inclusive vou descontar nota de mouses "high-end" lançados após metade de 2019 que não incluírem isto.

Infelizmente havia algo causando um barulho no scroll do nosso Logitech MX518 nas primeiras semanas de uso, mas após algum tempo o problema deste ruído parou, sem nem ser necessário abrir o mouse. Entramos em contato com outros donos do mouse e também com a Logitech e não nos foi informado casos iguais. Parece ter sido um problema exclusivo desta unidade.

Enfim, com exceção deste problema no scroll da nossa unidade, e que praticamente se "resolveu sozinho", não há nada que criticar neste mouse, fora o fato de que a Logitech precisa começar investir em tecnologias para prevenir o double-click, assim como várias outras marcas já estão fazendo.

De resto, são excelentes componentes, são os mesmos que o Logitech G400s, e o fato de não ser OMRON 50M e não utilizar OMRON nas laterais como faz o Logitech G502, não faz diferença nenhuma na prática.

Desempenho

O novo Logitech MX518 utiliza o sensor Hero, sensor o qual foi projetado pela própria Logitech e que está sendo utilizado em basicamente todos os seus novos lançamentos, desde mouses sem fio como o Logitech G305, novas versões de mouses anteriores como o Logitech G502 Hero e o atual "flagship" Logitech G Pro Wireless.

Enfim, não vamos alongar mais estes segmentos, vamos apresentar os resultados dos testes de aceleração e consistência logo abaixo:


E em nenhum deles há qualquer problema, o que é de se esperar de um sensor como o Logitech Hero.

Quanto ao software, temos algo curioso. Você tem duas opções, pode utilizar o já clássico Logitech Gaming Software, ou então o Logitech G HUB, cada um tendo suas vantagens e desvantagens.

Há duas opções de software para o MX518:
"Logitech Gaming Software" ou "G HUB".

Não vamos adentrar a fundo em cada um deles pois isto tornaria a análise longa demais, apenas apontar os principais "pontos positivos" e "pontos negativos" de cada um deles.

Primeiro, temos o antigo Logitech Gaming Software,

Pontos Positivos

  • Leve e prático de usar.
  • Não requer registro e login.
  • Perfis pré-programados para mais de 600 jogos e aplicativos, com atualizações constantes.
  • Permite escolher entre utilizar a memória interna do mouse ou a memória do software.
  • Sincronização entre periféricos da mesma marca.
  • Sistema extremamente completo para criação de macros
  • Uma quantia absurda de funções pré-definidas para controle multimídia, atalhos do Windows, controle de sistemas de chat por voz, etc...

Pontos Negativos

  • Não há escalamento para resoluções como 4k ou 8k, o software fica pequeno
  • Tradução em Português de Portugal

Já a segunda opção é o Logitech G HUB, um software relativamente recente que possui compatibilidade com maioria dos periféricos recentes da marca e acaba introduzindo alguns novos recursos e escondendo outros, inclusive desencorajando o uso da memória interna do mouse.

Pontos Positivos

  • Efeitos de iluminação customizados podem ser compartilhados entre usuários (embora isso não afeta o MX518)
  • Mais fácil e rápido para alternar entre configurações de periféricos diferentes
  • Maior facilidade para alternar entre diferentes perfis
  • Perfis para jogos podem ser compartilhados entre usuários
  • Sistema de gravação de macros reformulado e mais intuitivo para novatos (similar ao da SteelSeries)
  • Tamanho escala de acordo com a resolução utilizada pelo usuário
  • Traduzido para PT-BR (mas algumas coisas precisam ser revisadas, há traduções "brutas" ou erradas)

Pontos Negativos

  • A opção de usar a memória interna agora está meio escondida (você precisa ativar nas configurações)
  • Não possui tantas binds pré-prontas para jogos quanto o LGS
  • O mouse não pode ter suas configurações customizadas enquanto está no modo "memória interna", você precisa desativar, trocar o que quiser e só depois reativar

Enfim, se você utiliza mais a memória interna e não está afim de mudar muito as configurações do mouse, o Logitech Gaming Software continua sendo a melhor opção, mas se você está querendo experimentar, quer mais efeitos de iluminação, compartilhar perfis entre usuários ou então possui um monitor 4k, provavelmente o Logitech G Hub lhe agradará mais.

Avaliação: ANÁLISE: Logitech MX518 Legendary

Construção Externa
10
Construção Interna
9
Desempenho
10
Preço - R$ 250
8

Conclusão

O Logitech MX518 é um mouse excelente, sem nenhuma falha considerável. Switches de alta qualidade para os botões principais e laterais, um codificador óptico de alta durabilidade para o scroll, sensor topo de linha, construção externa caprichada e um excelente software.

Aliado a isto, há o preço de R$ 250, o que é até "aceitável" para ele. O Logitech MX518 não é um mouse "custo x benefício", ele é um mouse topo de linha mesmo não tendo RGB ou um visual chamativo como outros da faixa de preço possuem, e não fica devendo nada para eles.

Mas, há coisas que poderiam estar ainda melhores, a Logitech poderia estar utilizando um sistema diferente para detecção dos cliques ou switches ópticos para impedir que este (ou outros) mouse tenha problemas de double-click. Várias marcas estão investindo nisso e eu vou cobrar até que a Logitech e mais empresas coloquem estas tecnologias em seus mouses, especialmente em modelos "topo de linha".

Mesmo não tendo RGB ou um visual chamativo, o Logitech MX518 Legendary é um dos melhores mouses do mercado.

Com exceção disso, realmente não há o que melhorar no Logitech MX518 e toda e qualquer crítica que possa ser feita contra ele, pode ser justificada pelo argumento "Mas é assim que o antigo MX518 era, por isso está assim".

O peso não segue a tendência atual de mouses ultra-leves, mas é quase o mesmo que o antigo MX518, até um pouco mais leve, a aparência e a falta de LEDs são estranhas para um mouse moderno, mas o antigo MX518 era assim, o cabo poderia ser "estilo Paracord" ao invés de ser apenas um bom cabo de borracha, mas é assim...

Há algumas coisas que poderiam ter sido feitas para "modernizar" ele em termos de aparência, cabo e peso, mas a Logitech optou por manter a receita que foi usada pelo antigo MX518 e não há nada de errado nisso, mas espero que novos lançamentos de marcas como Logitech e outras, busquem atender as novas necessidades do mercado de mouses, o qual passou por mudanças drásticas nos últimos 12 meses.

E uma versão sem fio do mouse, mas sem adicionar muito peso, também seria bem vinda.

A ergonomia dele é um pouco diferente da maioria dos mouses do mercado, mas é assim que o antigo MX518 era, é um mouse com um formato único e que auxilia para o usuário manter os três dedos em cima dele. Embora isso pareça estranho para alguns e inicialmente até desconfortável, eu mesmo me adaptei e estou achando extremamente confortável após três meses de uso, embora estranhei muito nas primeiras semanas.

Se você utiliza "três dedos em cima do mouse", já usou o antigo MX518 ou algum mouse similar a ele (ex: G400/G400s) e gostou, ou ainda utiliza ele, compre o novo modelo sem pensar duas vezes, o mouse foi literalmente feito para você.

Se nunca usou, o Logitech MX518 pode ser um pouco estranho dependendo a sua pegada, mas vale a pena arriscar e provar mesmo assim.


Assuntos
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 150 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.