ANÁLISE: HyperX Alloy FPS RGB

Um bom teclado, mas com um preço extremamente volátil

O HyperX Alloy FPS RGB nada mais é do que a versão RGB e com software do HyperX Alloy FPS, mas além disso ele também troca os switches Cherry (o modelo anterior estava disponível em Red, Brown e Blue) por switches Kailh Speed Silver, que prometem uma "resposta ultrarrápida" em comparação a switches "normais".

Atualmente os switches da Kailh são considerados switches de alta qualidade, mas o Kailh Speed Silver é um pouco "polêmico" por questões que vamos discutir adiante.

Nunca o texto e a nota de uma das minhas análises mudou tanto com o tempo quanto a do HyperX Alloy FPS RGB, pois além de eu ter atrasado demais, várias coisas mudaram. Seu preço flutuou bastante, desde R$ 800 em algumas lojas, até perto de R$ 400 em promoções.

O texto e a nota desta análise mudaram drasticamente após o lançamento do novo software no final de junho

O próprio software mudou, inicialmente era um dos piores softwares do mercado, mas em junho de 2019 a HyperX lançou um novo software que é absurdamente, ridiculamente melhor, sem comparação mesmo.

Enfim, vamos ver o que o HyperX Alloy FPS RGB possui para nos oferecer no momento (início de agosto de 2019).

Construção Externa

O HyperX Alloy FPS RGB possui uma case "slim" em comparação à maioria dos outros teclados mecânicos disponíveis no mercado. O teclado quase não possui bordas, o "Function Row" (teclas ESC, F1, F2, etc...) é mais próximo das outras teclas e a própria carcaça do teclado é mais baixa do que outros teclados mecânicos, com exceção de teclados com switches Kailh Choc.


Quanto ao acabamento, o HyperX Alloy FPS RGB utiliza a sua própria backplate (a placa utilizada para suporte dos switches), a qual é feita em aço, como "capa superior", não tendo a capa de plástico que uma parte dos teclados mecânicos disponíveis no mercado possuem.

Um problema que algumas unidades do HyperX Alloy FPS e do HyperX Alloy FPS Pro tiveram, era o desgaste da tinta especialmente nas bordas do teclado. Não sabemos se isto é algum problema específico de lotes ou qual a razão, mas a HyperX precisa saber deste problema e quem comprar um também deve se manter atento e cobrar da marca caso algo acontecer.


Quanto às keycaps, elas melhoraram na sua pintura em comparação com o HyperX Alloy FPS anterior, estão menos propensas a desgastes ou marcas de dedo devido ao novo processo de pintura via envelopamento ao invés de spray como era feito anteriormente, mas ainda assim não podemos usar o termo "alta qualidade" para elas, pois continuam sendo feitas via Laser ao invés de usarem Double-Shot.

Estas são as keycaps dos modelos anteriores (Alloy FPS e Alloy FPS Pro) e como ficavam após pouco tempo de uso:

Agora vamos fazer algo diferente e falar também sobre os switches nesta parte da análise, pois eles estão relacionados às keycaps, especialmente no caso do HyperX Alloy FPS RGB.

Este não é meu primeiro contato com switches Speed, já havia utilizado a Cherry MX Speed no Ducky One 2 Skyline, mas a diferença entre os dois teclados é tão brutal que minha experiência com o HyperX Alloy FPS RGB não foi exatamente "agradável" até que eu achei uma "solução" para o problema.

Para saber se eu realmente não gostei dos switches Kailh Speed Silver ou se era apenas por causa da combinação de um switch linear leve + keycaps medíocres, decidi trocar as keycaps do HyperX Alloy FPS RGB, mas não por keycaps normais e sim pelas keycaps ABS Double-Shot Low-Profile utilizadas pelo Ducky Shine 6 Spectial Edition.


Estas, possuem laterais "reduzidas" em relação a keycaps normais e também um peso reduzido devido a isto. 10 keycaps, do ESC ao F9, pesam cerca de 8g, uma redução considerável comparado aos 13g das keycaps originais.

E elas combinaram ridiculamente bem com o teclado, fica um visual interessante, a iluminação fica diferente da maioria dos teclados e vaza ainda mais luz para o ambiente (fica quase igual ao Roccat Vulcan 120), a sensação ao tato melhorou muito, mas elas também acabaram afetando o próprio switch, fazendo com que seja necessário um pouco mais de força para acionar e tornando a distância de ativação mais perceptível.



Por não ser fã de switches lineares leves (Red, Speed, etc), realmente não gosto do HyperX Alloy FPS RGB da forma "original", mas a diferença que essas keycaps fizeram no teclado foi brutal, não apenas o teclado se tornou mais agradável para meus dedos pelo material de melhor qualidade, mas também se tornou algo mais agradável para digitação.

Keycaps são extremamente importantes para o teclado, mais do que pode parecer

Keycaps são extremamente importantes para um teclado, é o plástico com o qual você terá contato o tempo todo e podem até afetar as características do próprio switch.

Infelizmente maioria das "marcas gamers" enfatizam que o teclado possui um corpo em aço, alumínio, zinco ou outro material para dar uma "impressão" de ser bem construído, mas usam keycaps de baixa qualidade, o que acaba degradando a experiência com o teclado. O HyperX Alloy FPS RGB é um destes casos.

Sabendo que há teclados da Motospeed, Redragon e diversas outras marcas na faixa dos R$ 200~300 utilizando keycaps Double-Shot, ver a HyperX ou qualquer outra marca vender um teclado na faixa dos R$ 650 ou acima sem isto, já não é adequado atualmente, por este preço ele deveria vir de fábrica assim.

A HyperX poderia e deveria incluir neste teclado as keycaps que ela vende separadamente, fora que R$ 180 é um preço muito alto para keycaps "pudding" genéricas da Aliexpress, essas são keycaps baratas, especialmente em grandes quantias e não valem tanto assim.

Sim, você "pode comprar keycaps separadamente" e são baratas especialmente importadas da China, mas é justamente por ser algo barato e que é usado por concorrentes mais baratos, que fica feio um teclado de R$ 650 não incluir isto.

Enfim, a construção do HyperX Alloy FPS RGB aparenta ser em maior parte boa, embora há preocupações quanto à pintura da backplate, a qual aparenta ter alguns problemas em certas unidades das outras versões. Não sabemos se estes foram casos isolados ou se o HyperX Alloy FPS RGB já possui uma solução quanto a isto, mas vale a pena se manter atento.

Minha maior reclamação, e que faço não apenas para a HyperX, mas também para outras como Corsair, Cooler Master, Logitech (especialmente ela), Razer e SteelSeries, é que comecem a caprichar nas keycaps. Não faz sentido teclados entre R$ 200 e R$ 300 utilizando componentes de melhor qualidade do que teclados de entre R$ 600 e R$ 1.200.

Construção Interna

Primeiro de tudo, é estranho ver que a LiteOn está envolvida com este teclado. A OEM (fabricante) dele é certamente a iOne, mas talvez a PCB foi terceirizada, o que é estranho pois eu nunca havia visto um teclado da iOne com qualquer referência à LiteOn... Aliás, esse teclado nem sequer diz Kingston ou HyperX em qualquer lugar, diferente do Alloy FPS normal.

Continuando, o HyperX Alloy FPS RGB é um teclado feito pela iOne, e se tem uma característica comum da iOne, é deixar um monte de resíduo de limpeza ao redor dos switches, o que fica "feio" nas imagens, mas não é indício de que o teclado seja mal feito.

Todas as soldas que há nesta unidade, estão bem feitas, sem excesso, sem falta e com o brilho característico de soldas bem feitas.

Seguindo em frente, encontramos a MCU (basicamente o "coração" do teclado) NXP LPC11U35F, baseada em ARM 32 bits e podendo alcançar até 50 MHz, é mesma que o Alloy FPS anterior, Alloy Elite e vários outros teclados RGB.

E para controlar os LEDs do teclado, há três Controladoras de LEDs SONIX 17341 espalhadas pelo teclado.

Sobre os switches, o HyperX Alloy FPS RGB utiliza os switches Kailh Speed Silver, que são switches lineares leves com um ponto de ativação mais alto, eles tornam as teclas extremamente sensíveis e similares à Cherry MX Speed, basicamente uma versão mais sensível dos switches Red.

São switches extremamente leves, que irão acionar acidentalmente se você não tiver cuidado ao deixar seus dedos sobre o WASD (embora colocar keycaps mais leves resolve isso) e dão a impressão de serem "mais rápidos" do que outros switches simplesmente por serem "mais sensíveis", não por serem de fato "mais rápidos".

Não sou a melhor pessoa para opinar sobre eles, já que não gosto de switches similares (ex: Red), mas o Kailh Speed Silver parece uma versão "mal lubrificada" da Cherry MX Speed, a compressão da mola não parece tão macia quanto o concorrente, e em combinação com as keycaps originais, minha experiência com o teclado não foi muito agradável de início.

Entre todos os switches lineares leves que já testei, alguns da própria Kailh, o Kailh Speed Silver é o menos agradável e menos fluido.


Em ordem: Kailh Box Red, Kailh Speed Silver, Gateron Red, Gateron Clear

E também, entre a linha de switches Kailh Speed, posso dizer que o Kailh Speed Silver é o que menos me agrada.


Em ordem: Speed Bronze (Clicky, similar ao Kailh Box White), Speed Copper (tátil, similar ao switch Brown) e Speed Silver (linear, parece uma Red sem lubrificação).

Mas, como já mencionei antes, trocar as keycaps pelas do Ducky Shine 6 Special Edition, que além de utilizar um plástico de melhor qualidade, também pesam quase metade do peso das keycaps originais, mudou completamente minha opinião e experiência com o teclado, a digitação melhorou, a utilização para jogos melhorou, a aparência do teclado melhorou...

Também, opiniões sobre switches são subjetivas, então pode ser que você acabe gostando da Kailh Speed Silver mesmo eu não tendo gostado.

Enfim, concordo perfeitamente com a HyperX utilizando switches da Kailh, atualmente são ótimos switches, mas ela poderia "diversificar" mais, a Kailh tem uma grande gama de switches atualmente e disponibilizar o teclado apenas com Kailh Speed Silver acaba sendo uma má decisão pela HyperX, mas espero que a marca mude isso em breve.

Recursos e Extras

O HyperX Alloy FPS RGB possui uma entrada USB na traseira, esta entrada serve apenas para recarregar celulares, não pode ser utilizada para conectar mouses, pendrives, HDs externos, etc...

Não vou entrar a fundo no assunto para não alongar ainda mais a análise, mas resumidamente as razões para ele não ser um HUB funcional, são: cabo removível, os LEDs RGB já gastam energia demais e não seria possível extrair mais energia sem utilizar um cabo fixo.

Não culpo a HyperX pela entrada USB não ser "funcional", se a marca tivesse feito com que ele fosse funcional, ela poderia afetar o funcionamento do teclado em alguns computadores ou então teriam que fazer um cabo fixo, como é o caso dos teclados da Corsair e Razer.

O que eu não consigo concordar é a utilização do cabo mini-USB. Este tipo de conector caiu em desuso e já não fazia muito sentido utilizar ele quando o primeiro HyperX Alloy FPS foi lançado, quanto mais no segundo. Me parece que esse conector só foi mantido para não terem que reprojetar a carcaça do teclado...

Chegando ao software, temos algo polêmico. Há duas opções para software no caso do HyperX Alloy FPS RGB, o antigo (e extremamente mal feito) HyperX Ngenuity e o novo HyperX Ngenuity 2 Beta.

Não vou enrolar, o HyperX Ngenuity (1) é horrível, de longe o pior software do mercado em termos de espaço ocupado (1.2 GBs para apenas seis periféricos) e sua interface é muito ruim, funções básicas como trocar cores ou salvar perfis para memória interna, não são nada intuitivas. Para quem quiser saber mais, leia este texto que eu fiz para a análise antes do Ngenuity 2 ter sido lançado.

O HyperX Ngenuity 1 é um dos piores softwares que já utilizei

E para quem ainda utiliza o Ngenuity (1), segue aqui um tutorial e um mod para diminuir o tamanho do software, que reduz o tamanho ocupado de 1.2 GBs para menos de 400 MBs.

Não vou perder tempo com o Ngenuity (1) pois ele é muito ruim, vamos logo para o Ngenuity 2 Beta, que infelizmente eu tive que instalar em outro computador pois por alguma razão ele não abre no meu principal:

O Ngenuity 2 é claramente inspirado nas interfaces do software da Razer, do próprio Windows e também há alguns elementos da SteelSeries que veremos depois, mas uma das principais diferenças é que agora as configurações surtem efeito em tempo real, algo que não ocorria na versão anterior do software.

Também, outro recurso extremamente importante que foi implementada neste software, é escalamento. O HyperX Ngenuity 2 Beta se ajusta de acordo com a resolução do computador do usuário e também pode ter o tamanho de sua janela ajustado, algo que maioria dos softwares do mercado não fazem.

O nível de cuidado ao detalhe nessa interface foi tão grande, que implementaram até os gestos de swipe, ou seja, se você tiver uma tela touch, pode simplesmente puxar para o lado para trocar de menu. Um detalhezinho "besta", mas que mostra que a nova equipe de software é caprichada, diferente dos #$@&%* que foram responsáveis pelo software anterior. Sim, o Ngenuity 1 era um lixo.

Vamos então começar a apresentar todos os elementos do software, primeiro temos os efeitos de iluminação, que são organizados por camadas, similar a como é feito no software de teclados da Corsair e Razer:

Camadas permitem que "efeitos customizados" sejam criados pelos usuários, há configurações individuais de cada camada e você pode configurar quais teclas serão afetadas pela camada.


Diferente do lix-, digo, versão anterior do Ngenuity, este novo software possui perfis que podem ser atrelados a jogos, ou seja, ao abrir um certo jogo, as configurações e iluminação do teclado podem mudar completamente.

Seguindo em frente, temos a parte do "Keys", onde podemos configurar a função de cada tecla do teclado, seja para corresponder a outras teclas, corresponder a funções multimídia, abrir programas, aumentar/diminuir a sensibilidade do microfone, etc, etc...

E quanto às macros, temos um sistema de macros similar ao da SteelSeries, utilizando elementos visuais e organização na horizontal para explicar de uma forma mais fácil de entender as ações de cada macro.

O Ngenuity 2 é um avanço G I G A N T E S C O, embora ainda tenha problemas de compatibilidade com alguns PCs e parece ter "brickado" (inutilizado) algumas unidades do mouse HyperX Pulsefire Surge, então se você tem esse mouse, evite ele. Ou seja, ainda há o que melhorar nesse software.

Além disso, a HyperX deveria fazer o mesmo que outras empresas como a Corsair, Cooler Master, Logitech, Razer, Roccat e SteelSeries fizeram, divulgar um SDK da iluminação dos periféricos para que os próprios usuários possam criar softwares para eles e permitir integração com jogos, recursos do sistema, periféricos de outras marcas e outros recursos que são vistos no Aurora Project.

Enfim, a HyperX está finalmente caminhando na direção certa na questão de software e parabenizo ela por isso, mas ela ainda pode melhorar ele um pouco mais, trabalhar em cima dos problemas de compatibilidade, adicionar suporte para mais periféricos, adicionar algum efeito equalizador (para músicas), disponibilizar um SDK Aberto...

Conclusão

Avaliação: HyperX Alloy FPS RGB

Construção Externa
7,5
Construção Interna
9
Recursos e Extras
8,5
Preço - R$ 660
5

O HyperX Alloy FPS RGB é um bom teclado, switches Kailh Speed Silver, uma boa construção interna (feito pela iOne), um ótimo sistema de iluminação e um software que melhorou absurdamente na sua última versão.

Mas ele é um teclado "topo de linha" como o marketing faz parecer? Não. Aliás, digo o mesmo para o HyperX Alloy Elite RGB.

Ele poderia ser mais caprichado? Certamente, ele poderia ter keycaps melhores (poderiam até ser as mesmas que a HyperX está vendendo separadamente). Também, a HyperX deve dar atenção para os casos de desgaste que ocorreram em algumas versões anteriores do teclado, talvez até trocar o material da backplate para alumínio para evitar este tipo de problema.

Ah, e a HyperX também deveria oferecer variedade de switches, a própria Kailh possui três switches "Speed" e disponibilizar apenas o "Silver" não é uma boa ideia, há variantes como o Bronze (similar ao Blue) e Copper (similar ao Brown).

Para o preço atual na faixa dos R$ 660, seria justo que ele estivesse mais caprichado pois há escolhas mais interessantes como o Cooler Master MK750, CK550, Gigabyte Aorus K9, Corsair K68 RGB e Galax Xanova Magnetar, algumas delas custando até menos do que ele.

O preço dos produtos da HyperX flutua demais, o que torna difícil criticar eles, uma hora pode estar horrível, outra hora pode ser uma excelente escolha

Mas... O preço do HyperX Alloy FPS RGB flutua bastante. Aliás, o preço de todos os periféricos da HyperX tende a flutuar muito. Em um momento estão com um péssimo Custo x Benefício, em outro se tornam as melhores escolhas para o valor.

O HyperX Alloy FPS seria um teclado extremamente interessante na faixa dos R$ 450, o que o colocaria frente a frente com o Cooler Master CK550, que é muito parecido em termos de qualidade e recursos, embora o CK550 tenha SDK Aberto e compatibilidade com o Aurora, algo que faz bastante falta no HyperX Alloy FPS RGB.

Enfim, no final das contas o HyperX Alloy FPS RGB é um bom teclado que possui algumas falhas que ainda podem ser (e pelo jeito estão sendo) corrigidas pela HyperX, além de um preço bastante volátil que pode ir desde "vale a pena" (R$ 450 ou menos) até "com certeza não" (R$ 660 ou acima). E eu aposto que esse teclado vai estar com um preço muito agressivo na Black Friday, que está se aproximando.

É possível que daqui alguns meses este teclado esteja com um software ainda melhor, com uma maior variedade de switches e um preço mais competitivo, os produtos da HyperX tendem a "melhorar com o tempo" e é isso que torna difícil criticar as suas falhas.

Cabe ao leitor da análise comprar no momento certo se estiver interessado no HyperX Alloy FPS RGB, caso contrário há outras opções mais interessantes no mercado.


PRÓS
Ótimo software (Ngenuity 2), mas ainda há o que melhorar
Ótima construção interna
Switches de ótima qualidade Kailh Speed Silver
CONTRA
Não possui keycaps Double-Shot
Preço extremamente volátil, variando desde R$ 400 até R$ 660
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 150 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.