ANÁLISE: Microsoft Pro Intellimouse

O retorno de um mouse lendário

2019 mal começou e já estamos sendo abençoados por remakes de alta qualidade. Resident Evil 2 Remake foi tudo o que pedimos e mais um pouco, e agora temos também um remake de um dos mouses mais clássicos do mercado: o Microsoft Pro Intellimouse, baseado no antigo Microsoft Intellimouse Explorer 3.0.

Antes de começarmos, devo deixar bem claro ao público: não confundam o Pro Intellimouse, com o Classic Intellimouse que foi lançado em 2017:

Sim, a aparência é a mesma, mas internamente são extremamente distintos. O Classic Intellimouse é apenas um mouse comum de escritório, cujo sensor e componentes não são muito diferentes de um mouse Logitech de R$ 40.

O Classic Intellimouse foi lançado na metade de 2017 e foi uma decepção para toda a comunidade entusiasta de mouses, já que foi bem diferente do que o público já pedia há tanto tempo, que é uma versão melhorada do antigo Intellimouse 3.0. Mas, ao invés de um "upgrade", recebemos um mouse que é inferior ao original de 2003.

Não confundam o "Pro IntelliMouse" com o "Classic IntelliMouse"

Já o Microsoft Pro Intellimouse, esse sim! Esse é o que todo mundo pediu e mais um pouco, o que veremos a seguir.

Construção Externa

Para muitos, o Microsoft Pro Intellimouse é um mouse que dispensa apresentações, pois afinal de contas é uma cópia extremamente fiel em termos de formato e peso do antigo Microsoft Intellimouse Explorer 3.0, um mouse que por muito tempo reinou em campeonatos de Counter Strike 1.6, Quake 3 Arena, e foi utilizado como base para criação de outros mouses icônicos, tal como o Razer DeathAdder e ZOWIE EC1.

É possível ver muitos mouses que copiam ou se baseiam no Intellimouse 3.0 no mercado atual. Poucos mouses possuem a honra de terem "mudado o mercado de periféricos para sempre", e o Intellimouse 3.0 foi um deles.

Pesando 104 gramas (sem o cabo e conector), o Microsoft Pro Intellimouse acaba tendo o mesmo peso que seu antecessor. Não é um mouse "pesado", especialmente para seu tamanho, mas também não é "leve".

O mercado gamer está atualmente com uma forte tendência por mouses "ultra-leves" e noto que algumas pessoas não gostaram do peso do Pro Intellimouse, já que ele não acompanha está tendência, mas a Microsoft optou por ser fiel ao modelo antigo e eu respeito esta decisão. Se o mouse fosse mais leve, talvez não agradaria justamente quem quer algo "fiel" ao antigo Intellimouse 3.0.

O Microsoft Intellimouse Explorer 3.0 é o mouse que popularizou o famoso formato clássico para mouses "Palm" e o Microsoft Pro Intellimouse continua com o mesmo formato, sendo excelente para maioria dos usuários desta pegada:

Mas, o fato dele ser indicado para usuários da pegada Palm, não quer dizer que outras pegadas fiquem "ruins" com ele.

A pegada Claw pode ser utilizada, embora usuários desta pegada normalmente preferem mouses com traseiras mais "empinadas", como é o caso do ZOWIE ZA12 por exemplo.

E a pegada Fingertip também pode ser utilizada extremamente bem, desde que você não tenha uma mão pequena e não se importe com o peso do mouse.

Nas laterais, temos dois botões emborrachados com uma textura em seu acabamento para indicar sua posição. Eles ficam mais "para dentro" do que alguns concorrentes e também precisam de uma quantia adequada de força para acionar, então são fáceis de acionar quando necessário e difíceis de pressionar acidentalmente, embora infelizmente sua textura tende a acumular sujeira.

Na parte inferior temos quatro pequenos pés de teflon, idênticos aos pés do antigo Intellimouse 3.0, sendo então compatíveis com os "skatez" vendidos para seu antecessor. O deslize do Pro Intellimouse é muito bom, mas confesso que pessoalmente prefiro pés de teflons maiores, assim como os mouses ZOWIE EC1 e HyperX Pulsefire FPS possuem.

A maior preocupação minha ao ouvir sobre este mouse era que ele utilizaria um cabo de nylon. Infelizmente a maioria das marcas do mercado fazem cabos de nylon ruins, pesados e/ou inflexíveis demais, as piores sendo a Logitech e Motospeed. Poucas são as empresas que fazem bons cabos de nylon, exemplos sendo a Razer e Roccat.

Mas felizmente podemos adicionar a Microsoft a estas empresas com bons cabos. Um cabo de nylon fino, bastante leve e com uma excelente flexibilidade, tão bom quanto o cabo dos mouses da Razer.

A maior parte do acabamento superior do Microsoft Pro Intellimouse é apenas um plástico fosco de alta qualidade, sem nenhum tipo de acabamento adicional, assim como era em seu antecessor. É o melhor tipo de acabamento, embora ele não faça sua mão "grudar" nele como fazem os acabamentos emborrachados de alguns outros mouses, esse tipo de acabamento não tende a deteriorar com o tempo, diferente do emborrachado.

Mas, infelizmente falando em emborrachado, as laterais escuras dos dois lados do Microsoft Pro Intellimouse são emborrachadas.

O Microsoft Pro Intellimouse é um mouse recente demais (apenas dois meses de mercado), mas já existem casos de desgaste de seu irmão Classic Intellimouse, lançado em 2017 e que é muito parecido em seu exterior. Porém não há como saber se a Microsoft melhorou o emborrachado no Pro Intellimouse ou não, então não posso penalizar ele por falhas em outro mouse parecido.

O emborrachado vai desgastar? Vai. Em quanto tempo? Difícil dizer, fora que diversos fatores podem afetar o quão rápido pode acabar desgastando, mas o ideal seria se o emborrachado não existisse, assim como não existia no antigo Intellimouse 3.0.

Como já era de se esperar de um mouse "moderno", o Microsoft Pro Intellimouse possui RGB, mas os LEDs foram implementados de forma extremamente discreta, é apenas um "underglow" na traseira, iluminando uma pequena parte do mousepad e ele fica estático nessa cor... Mas, parece que em breve ele terá alguns efeitos em jogos que tiverem suporte ao "Xbox Dynamic Lighting", o qual já funciona em alguns jogos do Xbox One.

Agora vamos falar de algo polêmico e que dividiu opiniões: a aparência do mouse.

O Microsoft Pro Intellimouse é vendido em 2 variantes de cores, mas espero que existam mais variantes no futuro:

  • Cinza com degradê escuro
  • Branco com degradê cinza

O que temos aqui na análise é o modelo "branco com degradê cinza", e a impressão que dá ao ver este degradê é que o mouse foi utilizado tempo demais ou está sujo. Parece que a tinta na parte frontal foi desgastando ao ponto da tinta branca sumir, expondo o cinza original do plástico, o que acontece com alguns mouses.

Copiando as palavras de minha muito sincera irmãzinha: "parece que a frente do mouse está queimada".

Não tenho como saber as preferências por estética do povo chinês, para o qual este mouse foi lançado inicialmente, pode ser que eles gostem de periféricos com "degradê", mas entre brasileiros a resposta ao degradê não foi das melhores. Muitos iriam preferir se o mouse estivesse em apenas uma única cor, havendo opções totalmente prata, totalmente branco ou totalmente escuro, assim como haviam para o antigo Intellimouse 3.0.

Construção Interna

A construção interna é a principal responsável pela durabilidade de um mouse. Infelizmente o antigo Microsoft Intellimouse 3.0 por mais que fosse um mouse durável, era conhecido pelo famoso "bug do scroll", onde o scroll respondia quando não deveria (girava sozinho), respondia para a direção contrária e em alguns casos até não respondia.

E quanto ao Microsoft Pro Intellimouse, o que foi feito? Bom, embora o sistema de scroll ainda seja óptico como era no mouse antigo de 2003, as quase duas décadas de amadurecimento da tecnologia fazem com que ele seja um dos melhores sistemas de scroll do mercado, pelo menos quando se trata de "durabilidade".

A construção interna do Microsoft Pro Intellimouse é exemplar. São utilizados componentes de alta qualidade nos principais botões, é utilizado um codificador óptico de alta durabilidade e também são utilizados componentes de boa qualidade em botões menos utilizados.

Há poucas coisas que poderiam ser "ainda melhores" no Microsoft Pro Intellimouse. A marca poderia ter optado por switches OMRON 50M, mas não há provas concretas que este switch realmente é superior ao modelo "20M" ou que ele diminua o problema de "double-click", que é o maior problema para a durabilidade de mouses.

Ela também poderia ter optado por switches ópticos. Isso acabaria eliminando o problema de double-click no curto prazo, mas no longo prazo (ex: após 6 anos de uso) poderíamos ter problemas ainda piores, pois caso switches ópticos falharem não há como substituir eles, já que não estão disponíveis para compra. O OMRON pode dar problema, mas é possível consertar ou substituir.

Também poderia-se utilizar sistemas de troca de switches tal como os presentes em mouses da ASUS ROG, mas este sistema é patenteado e não sei se a ASUS permitiria que outras marcas utilizem esta tecnologia.

Enfim, alguns aspectos poderiam ser ainda melhores, seja utilizando tecnologias patenteadas ou exagerando um pouco (ex: OMRON nos laterais), mas isso não impede o Microsoft Pro Intellimouse de gabaritar este segmento da análise, pois a construção interna que ele possui é excelente.

Desempenho

O Microsoft Pro IntelliMouse utiliza o sensor Pixart PAW 3389 PRO-MS, versão modificada do Pixart PMW 3389, sendo que o "PRO-MS" se refere ao mouse e à Microsoft.

Qual a razão para a Pixart estar utilizando o termo "PAW" quando essa sigla normalmente é utilizada apenas para sensores baratos ou antigos? Não sei, toda a comunidade de periféricos ficou sem entender isso...

Mas, o fato é que esta é uma modificação do melhor sensor disponível no mercado, e este sensor também é utilizado em mouses como o Razer DeathAdder Elite, HyperX Pulsefire FPS Pro, Galax Xanova Mensa e alguns outros, mas a diferença na prática entre um PMW 3389 e um PMW 3360/3366 bem implementado é imperceptível.

Chega de papo então. Todos os testes foram realizados utilizando um mousepad Rise M4A1, o qual possui estampas e tem um nível de qualidade similar ao Razer Goliathus Speed.

Primeiro temos o teste de consistência de rastreio. Basicamente, ele testa o que o nome diz, mostrando se por acaso há distorções no rastreio do mouse. Para realizá-lo, é usado uma ferramenta chamada MouseTester.

E estes foram os resultados do Microsoft Pro Intellimouse no mousepad RISE M4A1, em 1000 Hz:

Há contagens que parecem estar fora da média, mas na verdade isso é normal, é apenas como o mouse trabalha em 1000 Hz. Se diminuirmos para 500 Hz, o resultado fica mais "bonitinho", mas ambos estão corretos.

O próximo teste é o teste de aceleração. O ideal sempre é que se o mouse for movido rapidamente 10cm para a direita, ele tenha o mesmo resultado que teria se fosse deslocado lentamente a mesma distância. 

Caso o mouse for mais longe do que o necessário no movimento rápido, é dito que o mesmo tem aceleração positiva. Caso a distância que ele percorreu seja menor no movimento rápido, ele tem aceleração negativa.

E se o mouse parou no mesmo lugar que antes, ele não tem aceleração nenhuma, o que caracteriza um resultado perfeito.

Sendo que este foi o resultado do Microsoft Pro Intellimouse usando o mousepad RISE M4A1, em 1000 Hz:

Um resultado perfeito, embora é um pouco difícil deixar o sensor do mouse "reto" para fazer esse teste, mas não é difícil fazer isso na prática.

Já quanto ao software, vou deixar este vídeo onde eu abordo todos os aspectos, seus recursos e o sistema de macros. Abaixo está um resumo dos pontos fracos e fortes deste software:

Pontos Fortes:

  • Excelente gama de funções pré-definidas para configurar os botões do mouse
  • Excelente interface gráfica, capaz de ter seu tamanho ajustado e escala de acordo com a resolução do computador
  • Excelente sistema de macros, capaz de reproduzir teclas, botões do mouse e até movimentos do cursor
  • Explicações de funções em forma de balões de ajuda
  • Memória interna
  • Pouca utilização de memória, processamento e armazenamento em disco
  • Sistema para criar configurações para aplicativos individuais funciona muito bem

Pontos Fracos:

  • Sem tradução para PT-BR no momento

Dentre os quais, um recurso que se destaca é o Quick Turn, que faz o cursor do mouse girar 180 graus dentro do jogo:

Enfim, para surpresa de poucos, a Microsoft sabe criar um ótimo software com uma boa interface, uma excelente gama da recursos, um ótimo sistema de macros e utilizando poucos recursos do computador, gabaritando este segmento.

Também, não me surpreenderia que no futuro a Microsoft faça um aplicativo para permitir que o Pro Intellimouse possa ser configurado até mesmo no Xbox One.

Até o momento não há nenhuma confirmação sobre isso, mas considerando que ela está trabalhando para permitir aplicativos da Razer, aliado ao fato do Pro Intellimouse ter suporte ao "Xbox Dynamic Lighting", que é um sistema que permite efeitos RGB no Xbox One e PC, faz sentido que seus periféricos também recebam esse suporte.

O que o Microsoft Pro Intellimouse possui porém, é integração e efeitos específicos para os seguintes jogos quando utilizado no Xbox One: X-Morph: Defense, Vermintide 2, Gears of War 5, Day Z, Deep Rock Galactic, Children of Morta, Moonlighter, Roblox, Strange Brigade e Vigor.

Exemplos de efeitos são: piscar quando você está levando dano, ficar de uma cor de acordo com seu personagem/time, trocar a cor dependendo o tempo que você tem restante, etc...

Também, será adicionado efeitos específicos para Fortnite, Warframe, War Thunder, Minecraft, Surviving Mars, Minion Masters, Warface, Wargroove e Bomber Crew nos próximos meses. Provavelmente estes jogos e outros recebam atualizações para que haja integração do Xbox Dynamic Lighting tanto no Xbox One, quanto no PC.

Conclusão

 

Avaliação: Microsoft Pro Intellimouse

Construção Externa
8,5
Construção Interna
10
Desempenho e Recursos
10
Preço - US$ 60
8

O Microsoft Pro Intellimouse é claramente o mouse que toda a comunidade entusiasta pediu da Microsoft por muitos e muitos anos.

Sensor topo de linha, scroll de alta durabilidade e sem os problemas que aconteciam nos modelos antigos, componentes internos de alta qualidade, o mesmo formato de sempre, o mesmo peso, um cabo em nylon de alta qualidade e um ótimo software.

A única crítica é ao acabamento emborrachado da lateral, que assim como qualquer outro emborrachado, é suscetível a desgaste com o tempo.

Quanto tempo irá demorar para este acabamento desgastar? Não sei, já existem casos do Classic Intellimouse, mas não há como saber se a Microsoft melhorou o acabamento no Pro Intellimouse ou não, o mouse é muito novo.

O que podemos ter certeza, é que algum dia essa lateral vai desgastar, diferente da lateral do modelo antigo que era apenas plástico.

Por fim, chegamos à questão do preço. O Microsoft Pro Intellimouse atualmente é vendido exclusivamente na China pelo valor equivalente a US$ 60. Não é um preço exagerado, mas também não é nenhum mouse "CxB", é apenas um preço "aceitável" para um mouse de seu nível.

Queremos muito que este mouse seja vendido em terras brasileiras e torço para que tenha um preço justo para seu nível de qualidade, mas peço que se possível mudem as cores deste mouse antes de começarem a vender ele aqui.

No mais, este mouse lendário está de volta e a Microsoft voltou ao ramo de mouses para jogos com o pé direito.

PRÓS
Cabo em Nylon bem feito, fino, leve e muito flexível, similar ao dos mouses recentes da Razer
Excelente construção interna
Excelente software
Exatamente mesmo formato e peso que o antigo Intellimouse 3.0
Sensor Pixart PAW 3389 PRO-MS, o melhor disponível no mercado
CONTRA
Acabamento emborrachado das laterais pode desgastar com o tempo
Atualmente é vendido apenas na China
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 150 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.