ANÁLISE: Gigabyte X570 AORUS Master

Ótima mainboard soquete AM4, mas preços de modelos X570 não justificam o investimento

Recebemos para análise a placa mãe Gigabyte X570 AORUS Master, segundo modelo das "topo de linha da empresa" com o chipset X570 com suporte aos processadores AMD soquete AM4, trazendo tudo que existe de melhor em tecnologias além de um projeto focado em overclock, com 14 controladores de fases.

Por enquanto apenas as placas-mãe com chipset X570 possuem suporte para PCI-Express 4.0

Como principais características técnicas estão o suporte para memórias de 4400MHz, 14 controladores de fases com sistema de dissipação de melhor qualidade, rede 2.5GbE, WiFi 6, Bluetooth 5.0, sistema de áudio de alta qualidade e mais uma série de tecnologias de ponta, além é claro das conexões PCI-Express 4, exclusivas das placas-mãe com chipset X570, por enquanto.

Site oficial da Gigabyte X570 AORUS Master
Análise do CPU AMD Ryzen 5 3600

Em cenário internacional a Gigabyte X570 AORUS Master chegou custando $360 dólares, já no Brasil seu preço gira na casa de R$2.600. A placa X570 mais barata da Gigabyte na Newegg (pesquisa feita dia 11/07/2019) está US$170 dólares. Como comparação, a Gigabyte Z390 AORUS Master, topo de linha atual Intel, custa $280 dólares (foi lançada por $290) em cenário internacional e no Brasil, atualmente, custa valores na casa de R$2.000. Outro dado para comparação, o modelo topo de linha com chipset X470 da Gigabyte, a X470 Gaming 7 WIFI, foi lançada por $240 dólares, e no Brasil custa atualmente pouco mais de R$1.500.

A pergunta que fica é: tem sentido investir nas placas X570 sendo que elas chegaram bem mais caras que as X470?


Tecnologias

Para quem procura um produto com o que existe de melhor em tecnologias, esse modelo é um "prato cheio", além de trazer a exclusividade do suporte a PCI-Express 4.0 devido seu chipset X570 (ao menos, achávamos), ela vem recheada com as versões mais recentes de outras tecnologias, como WiFi 6, Bluetooth 5.0, suporte e memórias de alta frequência, outra exclusividade do chipset X570 no ecossistema AMD, já as mainboards anteriores atingiam frequência de no máximo 3600MHz.

Vale ressaltar que na prática o maior benefício do PCI-Express 4.0 está na velocidade de novos SSDs em formato M.2, que em suas primeiras gerações já alcançam 5.000 MB/s de leitura/escrita, porém placas de vídeo não devem trazer ganho prático na grande maioria das aplicações, assim como aconteceu na "virada" do PCI-Express 2.0 para 3.0.

O projeto da placa é bem focado em quem pretende fazer overclock, e para isso conta com 14 controladores de fases. Lembramos ainda que o modelo X570 AORUS XTREME da Gigabyte tem 16 controladores de fases.

Toda mainboard com chipset X570 terá um FAN sobre o chipset

Acabamento de primeira qualidade e os melhores componentes para esse tipo de produto também são os destaques, como curiosidade, um FAN sobre o chipset, comum em todas as placas com esse chipset, situação necessária pela alta dissipação de calor, com TDP  na casa dos 15W. Ahhhh, não podemos esquecer de LEDs RGB, tem por tudo... :D


Fotos

O acabamento da placa como é possível ver nas fotos é ótimo, um dos melhores da Gigabyte, só perde para o modelo X570 AORUS XTREME, porém na quantidade de tecnologias as placas são bem próximas.

Um detalhe interessante é que várias tecnologias e componentes sofreram atualizações no decorrer dos últimos anos, mas o chip de áudio mais utilizado continua sempre o mesmo Realtek ALC 1220. Pelo jeito não existe mais opções com esse perfil, ou as fabricantes não buscam adicionar outros chips diferentes.

O painel traseiro é fixo, alias isso tem virado padrão em placas intermediárias pra cima. Acho muito válido, além de evitar a perda do "espelho", melhora bastante a questão de encaixe evitando que gabinetes "joguem" o espelho para o lado comprometendo os encaixes dos periféricos conectados na parte de trás. Destaque para os um botão com tecnologia que atualiza a BIOS sem necessidade de um processador, memorias ou placa de vídeo, basta estar ligado na fonte. Também vale destacar as conexões Wifi 6 e Bluetooth 5.0, além de uma conexão de rede 2.5 GbE e dos conectores de áudio banhados à ouro.


BIOS

A BIOS segue o layout das últimas versões da Gigabyte, finalmente a empresa adotou um padrão e parece que vai seguir nele. Incomodava-me mais antes, mas isso é questão de costume, acho que quanto menos inventar nessa característica, melhor.

E essa mensagem, que medo heim... aparentemente a placa de vídeo forçou a carcaça sobre o fan e o mesmo parou de girar gerando essa mensagem, mas se foi isso, foi com o simples toque da VGA que fica por cima.


Sistema Utilizado

Abaixo detalhes do sistema utilizado na bateria de testes, mesmo em todas as plataformas, com exceção da placa-mãe e processador.

Máquinas utilizadas nos testes:
Todas os sistemas utilizaram os mesmos hardwares para os testes:

- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce RTX 2080 Ti Founders Edition
- Memórias: 16 GB G.Skill TrindentZ RGB 3200MHz (2x8GB)
- SSD: Kingston Savage 240GB Sata 6Gb/s
- HD: Seagate Barracuda 2TB 7200RPM Sata 6Gb/s
- Cooler: Noctua NH-U12S
- Fonte de energia (PSU): Thermaltake Toughpower 850W GOLD PSU

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 64 Bits
- GeForce 431.xx

Aplicativos/Games:
- AIDA 5.xx
- ATTO Benchmark 4.x
- Cinebench R20
- WinRAR 5.7x
- wPrime 1.55
- 3DMark Fire Strike Ultra (DX11 - 4K)
- Grand Theft Auto 5 (DX11)

CPU-Z
Confira abaixo as telas do CPU-Z mostrando detalhes da placa-mãe e parte do sistema utilizado nos testes, sendo que nessas screens deixamos a configuração padrão do sistema setando o perfil das memórias utilizadas em 3200MHz.

Para usar a frequência máxima das memórias é necessário setar a configuração na BIOS


Overclock

No caso dessa mainboard o overclock foi o mesmo utilizado na review do Ryzen 5 3600, onde colocamos todos os núcleos em 4.1GHz. Para isso é necessário alterar a tensão para cerca de 1.375. Aumentar mais o clock será necessário ir aumentando também a tensão, e dependendo o sistema de refrigeração a rotação dos FANs, para evitar que o sistema fique instável.

Na placa X570 da MSI utilizamos outro método de overclock, que poderá ser visto acessando a análise completa dela.

Sempre lembramos que você deve fazer overclock por sua conta e risco, dependendo do quanto e de como forçar o sistema, pode gerar problemas irreversíveis.


Testes

Consumo de energia

Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema. Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso (IDLE).

Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark, obtivemos os seguintes resultados de consumo:

Testes de desempenho
Abaixo temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando a placa com outros modelos do mercado utilizando os mesmos componentes e fazendo exatamente os mesmos testes - com exceção de overclock, que é diferente em cada placa-mãe/sistema!

AIDA64 
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o AIDA64 e seu teste de memórias, mostrando o resultado de leitura, escrita, cópia e latência. Confira abaixo:

ATTO Disk Benchmark
Outro famoso aplicativo para teste de desempenho de unidades de armazenamento é o ATTO. Vejam abaixo o comportamento dos modelos comparados:

CineBench
O próximo teste é de renderização de imagem com multi-core, todos os núcleos são colocados para trabalhar:  

WinRAR
Outro teste indicado que pode ser utilizado para medir o comportamento do processador é o WinRAR, que consegue fazer bom uso de todos os cores.

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:  

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark, mas por enquanto com a placa de vídeo dedicada.

Grand Theft Auto 5
O game GTA V para PC é um bom teste para mostrar diferença de desempenho em processadores, já que ele faz bastante uso desse componente, sendo interessante nesse aspecto após fazer overclock. Confiram abaixo o comportamento dos sistemas rodando o game e como fica a diferença, sempre considerando a resolução FullHD que é onde vemos diferenças reais:


Conclusão

A primeira pergunta que todos estão se fazendo é se vale a pena o investimento em um modelo com chipset X570, e pelos testes e preços a resposta é curta e grossa, não vale. Não estou falando especificamente desse modelo, mas de qualquer placa com esse chipset, que chegaram trazendo como grande destaque o suporte ao PCI-Express 4.0 e também memórias com frequências mais altas para a  plataforma AMD, mas alguns poréns complicam a situação delas. O primeiro é que para usar a tecnologia PCI-Express 4.0 será necessário o kit com placa-mãe e um processador Ryzen 3000 (modelos da série G não entram aqui), e segundo é que foi necessário criar um "enjambramento" para as memórias atingirem clocks superiores (o Infinity Fabric muda de 1:1 para 2:1), e quando ultrapassam 3.700MHz+ geram perda no desempenho que fazem não compensar a busca por valores tão elevados.

Lembramos que placas de vídeo não vão tirar benefícios práticos do PCI-Express 4.0, apenas alguns testes sintéticos e cenários muito específicos conseguem tirar proveito dessa tecnologia, exatamente como foi na mudança de PCI-Express 2.0 para 3.0, também sem ganho prático em placas de vídeo. Já SSDs M.2 vão alcançar velocidades bem superiores, mas ai esbarramos em outro dilema, os atuais modelos topo de linha ainda na tecnologia 3.0 são muito rápidos, sendo que um dos poucos cenários com real benefício será em renderizações em resolução altíssima como 8K, por exemplo, e nesse caso guardar o dinheiro da diferença da mainboard X470 para X570 mais o valor da diferença entre um SSD M.2 PCIe 3.0 para um PCIe 4.0 certamente vai tornar possível comprar outro SSD M.2 PCIe 3.0 para quem já tem um, colocando ambos para trabalhar em RAID proporcionará atingir velocidades superiores ao que um M.2 PCIe 4.0. Outro ponto a ser destacado sobre renderização de vídeo, é que profissionais em sua grande maioria trabalham com o preview em resolução menor do que será renderizado, então mesmo esse cenário acaba sendo um tanto forçado, tentando encontrar um uso para uma tecnologia que ainda está muito acima das demandas da maioria dos consumidores.

Placas-mãe X570 chegaram com valores que não justificam frente as X470

Como falamos na introdução, a Gigabyte X570 AORUS MASTER tem características semelhantes a Gigabyte X470 Gaming 7, outro modelo topo de linha, mas a nova placa chegou custando  $120 dólares a mais, o que é muita diferença. Lembramos ainda que atualizações de BIOS para modelos de placas série 400 podem não apenas dar suporte a série Ryzen 3000 para essas placas, mas em alguns casos até adicionar suporte a PCI-Express 4.0 como podem ver nessa notícia. Outra coisa que me incomoda, pelo fato do alto aquecimento do chipset X570, foi necessário adicionar um fan sobre ele, um belo contra comparado aos modelos X470 e outros, porque não é algo de um projeto diferenciado, mas sim uma necessidade, ou seja, se esse fan apresentar problemas ou estragar, o que é natural já que possui uma vida útil, o sistema poderá ser comprometido.

Avaliação: ANÁLISE: Gigabyte X570 AORUS Master

Tecnologias
10
Acabamento
9,5
Overclock
9,5
Preço
5

Fora essas já numéricas críticas, a placa é um excelente como todo modelo desse nível hoje em dia, com acabamento de primeira qualidade, recheada das tecnologias mais recentes disponíveis para placas-mãe, várias delas exclusivas em modelos com esse chipset como o PCI-Express 4.0 e tecnologias como WiFi 6 por exemplo, além de Bluetooth 5.0, essas duas últimas também passaram a estar disponíveis em modelos mais recentes com chipsets da Intel. Resumindo: ela é extremamente cara, mas se você quer o que há de melhor, é o que temos aqui.

Falando de overclock, eu poderia ter forçado mais o CPU aumentando a tensão para a casa de 1.4v, mas como o foco em nossas análises é uma tensão que pode ser facilmente replicada e também usada de forma prolongada, preferimos parar nos 1.375, que não possibilitou que o Ryzen 5 3600 alcançasse mais de 4.1GHz em todos seus núcleos, certamente se aumentar a tensão para 1.4v será possível chegar em 4.2, talvez 4.3 de forma estável, mas ai vem outro porém, o ganho de performance é de praticamente nada pelo esforço e aumenta a possibilidade de deixar o sistema instável, então em nosso opinião esses níveis já são os mais indicados, mas vai de cada usuário e do que ele deseja. Quem comprar a placa visando tirar mais dos Ryzen, não deve se arrepender, já que ela tem um projeto bom nesse aspecto.

Placa conta com as principais tecnologias do mercado nas versões mais recentes

O preço infelizmente acabou com boa parte desses novos modelos X570 comparado com os próprios X470, já que em modelos semelhantes o aumento chegou a 50% "lá fora", com a X570 AORUS Master chegou custando $360 dólares enquanto a X470 AORUS Gaming 7 chegou custando $240 dólares, e hoje está $230. Por aqui a diferença também é grande, com custo de R$2.600 no modelo X570 e R$1.550 no modelo X470, ou seja, temos belos R$1.000 para serem gastados com outros componentes, como o próprio processador, e não qualquer um, um Ryzen 7 2700 por exemplo está custando R$900, já o novo Ryzen 5 3600 na casa de R$1.100, então fica difícil recomendar a compra sendo que existem tantos modelos excelentes X470 bem mais acessíveis e com recursos sobrando para atender mesmo usuários exigentes.

É o tipo de produto que não tem como dar uma nota ruim, mas que também não tem como indicar.

Conclusão

PRÓS
Belo design com excelente acabamento
As principais tecnologias do mercado
Bom projeto para overclock
Suporte a WiFi 6 e Bluetooth 5.0
Suporte para memórias com frequência de até 4400MHz
PCI-Express 4.0
CONTRAS
Valor muito alto frente aos modelos X470
PCI-Express 4.0 só faz sentido em cenários muito específicos de uso
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.