ANÁLISE: Asus Rampage VI Extreme

A melhor placa-mãe já desenvolvida pela da ASUS!

Hoje analisaremos a placa-mãe ASUS Rampage VI Extreme, talvez a melhor mainboard já desenvolvida até hoje (certamente pela ASUS, é) isso porque ela se propõe a ter tudo que existe de melhor no mercado para esse tipo de produto, algumas tecnologias ainda afrente do que a grande maioria dos usuários podem usufruir, mesmo os mais exigentes. Seu acabamento, componentes utilizados, visual, tecnologias, tudo chama atenção e remetem a um produto realmente bastante diferenciado.

Site oficial da placa-mãe ASUS Rampage VI Extreme

A placa é baseada no chipset X299 da Intel, logo tem suporte aos processadores socket LGA 2066 de linha Core X, como o Core i9-7900X que usaremos.

Lembramos também que faz algum tempo que publicamos a análise da ASUS Zenith Extreme, uma das melhores placas-mãe do mercado para os processadores AMD Threadripper, socket TR4, a Rampage VI Extreme seria uma versão equivalente para os modelos de CPUs concorrentes por parte da Intel, já que ambas são os melhores modelos da ASUS para as respectivas plataformas. Qual delas você achou melhor? surprise

Talvez a melhor mainboard já desenvolvida pela ASUS

Estamos falando de uma placa-mãe para processadores da linha Core X e, além disso, estamos falando do melhor modelo da ASUS para esses processadores e talvez uma das melhores placas já lançadas para usuários entusiastas, então naturalmente não esperamos nada barato. Em cenário internacional a placa custa US$650 dólares, no Brasil ela fica na casa de R$3.800.

Análise Intel Core i9-7900X
Análise Intel Core i7-7740X


Tecnologias destacadas pela fabricante


Abaixo podemos ver em destaque o layout da placa com algumas de suas principais tecnologias.

USB 3.1 frontal para gabinetes
A Rampage VI Extreme conta com 12 conexões USB 3.1, sendo que 4 delas podem ser posicionadas no painel frontal caso o gabinete seja compatível com esses padrão.

AURA RGB
Como de costume nas placas-mãe mais recentes, esta placa possui zonas com iluminação de LED que podem ser personalizada usando o ASUS Aura, um software de controle de iluminação com uma interface intuitiva e que tem como principal destaque operar em conjunto com hardwares e periféricos da Asus e também de algumas marcas parceiras. Também há uma conexão de quatro pinos para tiras RGB built-in de LEDs. As configurações de iluminação podem ser sincronizadas em todo o sistema, incluindo outros dispositivos Asus e as luzes nos cabos extras em RGB. É possível configurar variações de cores para cada área da placa-mãe, além de diferentes efeitos de luz que são sincronizados com outros hardware e componentes compatíveis.

Ainda relacionado ao sistema de iluminação e customização, a placa também conta com Headers RGB para conexão de fitas LED RGB adicionais e também ventoinhas, cooler s e gabinetes compatíveis e customizáveis através do software Asus Aura. A placa-mãe também inclui o LiveDash, um painel OLED capaz de mostrar estatísticas do sistema e também exibir animações customizadas.

A Rampage VI Extreme inclui o ROG DIMM.2, um slot que possibilita colocar dois módulos M.2 na vertical nos tamanhos de 42mm, 60mm e 80mm. O formato também possibilita instalar uma ventoinha no topo para evitar perdas de desempenho por conta de superaquecimento dos módulos de memória.

 

O que é M.2 e para que ele serve

A performance pode ser ajustada através de 5 formas principais de configuração: 1) o TurboV Processor Unit (TPU) que oferece controle de tensão elétrica e monitoramento avançado da CPU; 2) a Unidade de Processamento de Energia (EPU) que otimiza automaticamente o consumo de energia e poupa energia quando o PC está ocioso ou tirando energia de conexões sem uso; 3) o controle personalizado e abrangente das ventoinhas e de sistemas de resfriamento líquido através do Fan Xpert 4; 4) o Digi+ Power control que traz um controle preciso nas configurações de frequência de transmissão, frequência de comutação e eficiência de energia para uma maior estabilidade e performance e 5) o Turbo Core App que traz um ajustes precisos nos núcleos do processador, dedicando alguns para determinadas aplicações, por exemplo. A placa também oferce suporte a memórias de altíssima frequência, capaz de entregar estabilidade e compatibilidade com memórias operando em frequências na casa dos 4200MHz ou maiores.

O outro destaque da placa é a conectividade atualizada com padrões como o Wi-Fi 802.11ad e conectores U.2 NVMe, preparando essa para tecnologias que ainda nem estão sendo amplamente utilizadas ainda.


Fotos


A ASUS já tinha feito um ótimo trabalho com a Zenith Extreme, placa HEDT para os processadores AMD TR4, mas a Rampage VI Extreme é um projeto ainda melhor, mais refinado e com tecnologias ainda mais atuais, tornando ela uma das placas mais bonitas que a ASUS já desenvolveu em minha opinião, até então os modelos que eu sempre gostei mais eram da linha Formula.

Em tecnologias, temos a placa mais completa e moderna do mercado em praticamente todos os quesitos, seja na quantidade de tecnologias disponíveis seja nas versões usadas, em geral com as tecnologias mais novas (e teoricamente melhores). Na parte visual tanto quando se trata do acabamento e componentes como também em características como uso de LEDs e inclusive uma tela LCD que pode mostrar informações do sistema ou mesmo ser personalizada com imagens animadas.

Overclock também é destaque na mainboard, com tudo que existe de melhor em componentes e tecnologias para esse perfil de usuário.

Como já é tradicionais em modelos de alto desempenho, muitos botões de acesso rápido na mainboard, oferecendo uma série de controles de forma simplificada, alguns deles voltados a usuários avançados. Várias conexões para FANs, fitas de LED entre outros padrões também estão disponíveis.

Nas conexões para drives de armazenamento fixos a placa traz suporte a 3 drives M.2, sendo um fixo por baixo do dissipador do chipset, e outro 2 através da placa dedicada que fica posicionada em uma conexão ao lados dos slots dos módulos de memória. Ela ainda traz uma conexão U.2 e seis conexões Sata3 e três x M.2. Também está disponível uma conexão USB 3.1 Gen2 para gabinetes além das tradicionais USB 3.0 e 2.0. Vale destacar que a mainboard traz apenas uma conexão USB 2.0 no PCB, não seria um problema já que estamos falando de uma placa para entusiastas que adquirem gabinetes mais atuais com conexões USB 3.0 ou 3.1, porém vários hardwares como liquid coolers entre outros ainda usam as conexões USB 2.0 do PCB da placa, apenas uma pode ser um problema, a solução será comprar adaptador da 3.0 para 2.0.

A ASUS foi a primeira empresa a lançar no mercado uma mainboard com o "espelho" do painel traseiro já fixo na mainboard, isso é uma característica muito legal porque traz um excelente encaixe e ótimo visual, a Rampage VI Extreme também tem esse painel. A placa conta com botões de limpar e acessar a BIOS, características importantes para overclockers que precisam de muitos testes até chegar em uma configuração de overclock ideal sem travar o sistema. Na conexõe Wifi temos aqui a placa com suporte ao padrão mais avançado do mercado, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac+ WiGig 802.11ad, exclusivo nesse placa por enquanto, assim como a conexão de rede de 10G com chip Aquantia AQC-107, agora nativo no painel traseiro e não via placa dedicada como na Zenith Extreme.

Ela ainda possui 8 conexões USB 3.0 retro compatíveis além de uma USB 3.1 Gen2 Tipo-C e outra Tipo-A. As conexões de áudio são banhadas a ouro e possuem LEDs internos nas cores padrões para cada tipo de dispositivo, uma boa ajuda para quem vai conectar algum dispositivo em um ambiente escuro.

O sistema de som é o já conhecido SupremeFX, presente em modelos de alto desempenho. A Rampage VI Extreme utiliza o chip S1220 com suporte a 8 canais de áudio, trazendo ainda capacitores/amplificadores Japoneses e DAC ES9018Q2C. As grandes empresas tem seguido padrões parecidos nesse tipo de produto, com pequenas mudanças.

BIOS


A Asus mantem a mesma interface de BIOS em várias gerações e plataformas de placas-mãe, A mudança fica apenas sobre funcionalidades exclusivas de cada modelo, assim como opções mais avançadas para overclock já que essa placa busca ser uma das mais avançadas do mercado nessa característica como já mencionamos.

Abaixo algumas telas da BIOS da placa, no momento da análise, em versão 1301.

Manter a BIOS atualizada ajuda na estabilidade do sistema,
maior compatibilidade com memórias entre outros benefícios


Sistema Utilizado


Abaixo, detalhes sobre o sistema que utilizamos em todas as análise de placas-mãe com mesma série de chipset, além de drivers e aplicações utilizadas nos testes.

Antes algumas fotos do sistema montado, para quem curte LEDs, com certeza uma das mainboards mais bonitas já desenvolvidas até hoje, com destaque especial para painel de LED onde é possível informar temperatura do CPU, voltagens entre outras informações, além de possibilitar o uso de uma imagem animada.

Máquinas utilizadas nos testes:
Todas as placas utilizaram os mesmos hardwares para os testes:

- Processador: Intel Core i9-7900X [análise]
- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 1080 Founders Edition [análise]
- Memórias: 16 GB G.Skill @ 2133/3200MHz (2x8GB) [site oficial]
- SSD: HyperX Savage  / Samsung 960 Pro 512GB m.2 [site oficial]
- HD: Seagate Barracuda 2TB 7200RPM Sata 6Gb/s [site oficial]
- Cooler: Noctua NH-U12S-TR4 [site oficial]
- Fonte de energia (PSU): Thermaltake Toughpower 850W GOLD PSU [site oficial]

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 64 Bits com Updates
- GeForce 391.35

Aplicativos/Games:
- AIDA 5.xx
- CineBench R15
- CrystalDiskMark 5.x
- wPrime 1.55
- WinRAR 5.50
- 3DMark (DX11)
- Grand Theft Auto 5 (DX11)

CPU-Z
Abaixo, telas do CPU-Z mostrando detalhes da placa-mãe e parte do sistema utilizado nos testes. A BIOS que utilizamos era versão 1301, a mais recente durante os testes.

Overclock


Como temos uma mainboard bastante diferenciada em se tratando de seu projeto, especialmente para overclock, é natural esperar que ela se comporte muito bem nessa característica, e foi o que aconteceu.

Colocamos o 7900X trabalhando com todos seu núcleos em 4.5GHz, não é dos clocks  mais altos, porém por todos estarem nessa velocidade acabam que surtindo um resultado bom sem comprometer de mais o sistema, talvez o limite a ser utilizado para um overclock contínuo, aquele onde você deixa de forma padrão no sistema, isso sempre considerando que o cooler utilizado faça bem seu papel e evite de deixar as temperaturas altas por longos períodos. lembramos ainda que overclock altos por muito tempo tendem a diminuir a vida útil de componentes como a placa-mãe a processador, por isso normalmente não se forma de mais o sistema para uso contínuo.

"Faça overclock no sistema por sua conta e risco. Dependendo do modo como aplica o overclock, pode gerar problemas irreparáveis em componentes do sistema ou diminuir a vida útil dos mesmos."

...


Testes

Consumo de energia
Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema. Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso (IDLE).

Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark, temos os seguintes resultados de consumo:

Testes de desempenho
Abaixo temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando a placa com outros modelos do mercado utilizando os mesmos componentes e fazendo exatamente os mesmos testes; com exceção de overclock, que é diferente em cada placa-mãe/sistema.

AIDA64 
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o AIDA64 e seu teste de memórias, mostrando o resultado de leitura, escrita, cópia e latência:

Crystal Disk Mark - USB 3.1
Mais um testes com o Crystal Disk Mark, mas agora com um pen drive USB 3.1 na conexão USB mais rápida da placa. Para esse teste estamos utilizando um dos Flash Drives mais rápidos do mercado, o SanDisk Extreme PRO USB 3.1 de 256GB. Ele tem velocidades altíssimas para um drive USB, com 420 MB/s de leitura e 380 MB/s de escrita.

É importante instalar os drivers do controlador USB da placa
para atingir o cenário ideal

Destacamos ainda que o drive utilizado é padrão USB 3.1 Gen1, futuramente em nova versão Gen2 ele atingirá velocidades ainda maiores, já que as placas trazem essa nova conexão. Abaixo os resultados, que mostram que as placas se alternando entre as velocidades de leitura e escrita, curiosamente, ambas ultrapassaram a velocidade máxima de escrita do drive. indecision

CineBench
Vamos para um teste de conversão de imagem utilizando os múltiplos cores:

WinRAR
Outro teste indicado que pode ser usado para medir o comportamento do processador é o WinRAR, que consegue fazer bom uso de todos os cores.

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:  

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark, mas por enquanto com a placa de vídeo dedicada.

Grand Theft Auto 5
O game GTA V para PC está entre os mais exigentes da atualidade, trazendo ótima qualidade gráfica. Confiram abaixo o comportamento das placas rodando o game e como fica a diferença entre os processadores:


Testamos muitos hardwares por aqui, grande parte deles de alto desempenho e destinados a usuários entusiastas que procuram o que existe de melhor no mercado, posso dizer com segurança que essa Rampage VI Extreme da ASUS é um daqueles produtos que estão acima da média mesmo quando comparados aos melhores produtos. Primeiro de tudo ela é espetacular na questão visual, mesmo desligada já podemos ver a alta qualidade de acabamento de tudo que foi utilizado na "construção" da placa, assim como na quantidade de tecnologias que foram integradas. Quando o sistema é ligado, mesmo quem não curte muito LEDs vai adorar porque ela fica linda, especialmente se os demais componentes tem compatibilidade com a tecnologia AURA que faz os mesmos ficarem sincronizados com a placa.

O projeto todo mostra que a busca era desenvolver a melhor placa para essa plataforma, por tabela já podemos esperar a melhor placa desenvolvida pela ASUS, afinal estamos falando da plataforma topo de linha da Intel, mesmo a série HEDT da AMD através dos modelos socket TR4 chegando pra competir de igual ou melhor em alguns casos, a plataforma Intel ainda é a que recebe maior investimento, talvez por já ser mais conhecido por usuários que buscam esse hardware, ou mesmo porque a Intel ainda domina a maior parte do mercado. Essa conclusão fica mais fácil de entender quando comparamos a Rampage VI Extreme com a Zenith Extreme, os modelos topo de linha da ASUS para cada plataforma. Apesar da Zenith ser uma bela placa e até trazer características semelhantes, fica bastante evidente que a Rampage é uma placa mais refinada e que recebeu mais atenção. Outro detalhe é que ela foi lançada depois, normalmente quem vem depois, vem melhor.

A melhor placa-mãe que já analisamos

A quantidade de tecnologias que a ASUS implementou, e acima de tudo, o nível de qualidade delas, são de impressionar mesmo os mais exigentes. A Rampage VI Extreme tem tudo de melhor disponível no mercado para esse tipo de produto. Suporte a 4 placas de vídeo, suporte aos principais padrões de conexão de armazenamento do mercado, conexão WiFi de última geração sendo algo exclusivo dela por enquanto, conexão de rede 10G, enfim, com certeza é um produto pra quem quer o melhor e que provavelmente não usará boa parte do que ela oferece.

As melhores tecnologias para placas-mãe estão nesse modelo

Outra característica que merece destaque é o overclock, que foi levado muito a sério pela ASUS nessa placa. Começamos pela série de controles que é possível fazer na placa sem necessidade de entrar na BIOS, pelo PCB. Temos diversos seletores para usuários avançados em overclock sem contar botões já tradicionais para limpar BIOS, entrar na BIOS, seletor de ativar e desativar conexões PCI-Express, etc. Até a tela LCD é importante nesses casos, já que traz um debug LED mais "bonitinho" com informações bem clara dos códigos de erro já fazendo a associação ao hardware que esse código está relacionado, facilitando assim descobrir o problema sem ter que olhar manuais.

Mas se estamos falando da melhor placa da ASUS e de uma das melhores do mundo, e também de uma das plataformas mais caras do mundo vide o próprio CPU Intel Core i9-7980XE que custa U$2000. Então vocês não iriam esperar um preço baixo, não é? Sinceramente, pela projeto como um todo, falar que é barato não tem como, mas da para entender, especialmente porque a criação de um produto como esse tem que ser diferenciada e em quantidade menor, que ajudam a encarecer ainda mais a placa. Em cenário internacional ela custa U$650 dólares, por aqui fica na casa de R$3.800+, é um produto para muito poucos, uma "placa-mãe dos sonhos", e por isso ela fará parte de nosso PC dos Sonhos em desenvolvimento.

Conclusão

 

Avaliação: Asus Rampage VI Extreme

Tecnologias
10
Acabamento
10
Overclock
10
Preço
5

PRÓS
Componentes de alta qualidade
Suporte a múltiplas placas de vídeo
Excelente acabamento e visual
Bom projeto para overclock do sistema
WiGig 802.11ad
Placa de rede com 10 Gbps
Bom sistema de som onboard
Melhor pacote de tecnologias em uma mainboard
CONTRA
Cara, bem cara
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Mundo Conectado é responsável pelas análise de drones e alguns gadgets relacionados a fotos e vídeo, como Action Cams.

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber