ANÁLISE: E-3LUE M668

Um mouse baratinho com o mesmo sensor de mouses ZOWIE

A E-3LUE, também conhecida como E-BLUE, é uma marca de periféricos chinesa com um grande foco em produtos chamativos, fato evidenciado pela empresa ter sido a primeira a lançar uma cadeira RGB no mercado.

É fácil notar que há um padrão "futurista" em todos os seus produtos, mas o que ela tem para oferecer além do visual? Como o mouse E-3LUE M668 se comparara com concorrentes?

É o que veremos a seguir.

Ergonomia e Construção Externa

A começar, não costumo mostrar a caixa nas análises por achar isto irrelevante à qualidade do mouse, mas realmente ri feito louco quando notei que a embalagem deste mouse é uma lancheira:

Mas claro, isso é apenas um detalhe estético que achei engraçado e que não irá impactar em nada a avaliação do mouse.

É importante lembrar que existem formas diferentes que usuários podem manusear seus mouses, o que chamamos de pegadas. As três principais são:

Primeiro de tudo, me perdoem por ter usado a imagem do E-3LUE M668 Branco na chamada do artigo, infelizmente não tive opção na escolha da cor deste mouse. O E-3LUE M668 é vendido em quatro variantes, branco com cinza, preto com roxo, e duas versões limitadas de jogadores/times chineses que eu não conheço:



E, infelizmente, o que temos aqui é a versão padrão preto com roxo, a que considero a mais feia de todas. Sei que não devo inserir opiniões muito subjetivas na análise, mas esse mouse, pra mim, é feio de doer.

O E-3LUE M668 é um mouse de cerca de 103g (sem o cabo), e a qualidade do plástico dele não é nada especial, sendo bastante similar ao plástico usado em mouses como o Motospeed V30 e diversos dos "mouses baratinhos" que fizemos análises no final de 2016. É um plástico de baixa qualidade em comparação com o plástico usado em mouses como Razer Deathadder Elite e Logitech G900.

Ele pode parecer estranho pela quantia de luzes e recortes, mas este mouse é mais familiar do que muitos pensam, sendo baseado diretamente no lendário Microsoft Intellimouse 1.1, e tendo um formato um pouco mais "gordo" do que mouses ambidestros costumam ser.


Mas não se enganem pelo tamanho ser similar a mouses como o ZOWIE ZA12, ele não tem nada a ver com ele, sendo mais parecido com o ZOWIE FK1+ na verdade. O que realmente diferencia este mouse e outros que realmente se baseiam no Intellimouse 1.1, é que o ponto mais alto do mouse fica no meio dele, enquanto que vários outros mouses tem seu ponto mais alto na parte traseira, o que tende a ajudar usuários da pegada Claw:


Quanto à ergonomia, a pegada Palm é bastante confortável para quem possui mãos médias ou pequenas, já para quem possui mãos grandes, pode não ser o mouse ideal.

A pegada Claw pode ser usada, mas não fica tão bem quanto em outros mouses pois falta apoio na parte traseira para posicionar a palma da mão.

Já para a pegada Fingertip ele fica simplesmente perfeito:

Embaixo do E-3LUE M668 encontramos alguns pés de teflon, os quais possuem um deslize razoável:

Os botões laterais do E-3LUE M668 são interessantes. Assim como o Intellimouse 1.1 no qual ele se baseia e como o Steelseries Kana, ele possui apenas 1 botão em cada lateral, e é este enorme botão prateado:

Estes botões foram bem projetados, é difícil pressionar eles acidentalmente, mas fácil pressionar quando necessário.

É estranho para quem sempre esteve acostumado com dois botões na lateral esquerda de início, mas é um conceito interessante e que algumas pessoas podem gostar, especialmente quem não fizer muito uso dos botões laterais.

Até agora tudo bem com o E-3LUE M668 fora o fato de eu achar essa versão feia demais. Mas, como devem ter reparado, este mouse é cheio de recortes, especialmente para dar um ar de "futurista" para ele. Embora a maioria destes recortes não sejam prejudiciais, há alguns recortes próximos ao seu scroll que são extremamente irritantes:


Como podem ver pelas imagens acima, ao girar o scroll para cima ou para baixo, o seu dedo entra em contato com as pontas destes recortes, o que não é nada confortável ou agradável, sendo um tremendo erro de projeto cometido por questões de estética e falta de testes práticos com o mouse.

Sério, este único detalhe estragou completamente minha experiência com o mouse.

Claro, é possível corrigir este problema, e para isto basta apenas um bom estilete:

Após corrigido este problema, minha experiência com o E-3LUE M668 mudou completamente, antes era um mouse que estava odiando usar, depois virou algo interessante, mas se o erro é tão simples de detectar e fácil de corrigir, a única razão para a marca não ter feito isso ainda, é pura incompetência.

O caso do E-3LUE M668 é um pouco complicado. De um lado, uma ergonomia baseada no Intellimouse 1.1, ótimos componentes internos e um excelente sensor, além de ser um dos poucos mouses do mercado chinês que realmente é ambidestro, tendo botões em ambas laterais, ao invés de apenas uma delas. O mercado de mouses gamer para canhotos, infelizmente, é pequeno.

Por outro lado, é possível ver que a E-3LUE se focou excessivamente no design do mouse, sem realizar testes práticos para detectar se os seus inúmeros recortes causariam algum desconforto. Um excelente mouse no papel e nas fotos, mas que na prática é chato de usar sem que sejam realizadas as modificações que fiz.

Construção Interna

A Construção Interna é a principal responsável pela durabilidade de um mouse. Se forem utilizados componentes de alta qualidade, podemos dizer que o mouse foi projetado para durar. Se forem utilizados componentes de baixa qualidade, as expectativas para o mouse não serão boas.

A construção interna do E-3LUE M668 é boa para seu preço, são usados componentes de alta qualidade onde necessários e componentes de menor qualidade em botões sem tanto uso, tal como os laterais e o de DPI.

Para a faixa de preço de US$ 18 onde ele se situa, não há nada o que reclamar, é um mouse feito para durar e houve economias de componentes onde era possível haver, sem impactar muito a qualidade do mouse.

Desempenho

O E-3LUE M668 utiliza o sensor Pixart PMW 3310, o mesmo que é utilizado por mouses da ZOWIE, lhe fazendo superior à grande maioria do mercado chinês pelo menos no que diz respeito ao sensor. Da Motospeed, apenas o ainda não lançado "Motospeed V70" é superior a ele em sensor, enquanto da Delux há uma versão do M625 com PMW 3360.

Começando, todos os testes foram realizados utilizando um mousepad Rise M4A1, o qual possui estampas e tem um nível de qualidade similar ao Razer Goliathus Speed.

Primeiro, temos o teste de consistência de rastreio. Basicamente, ele testa o que o nome diz, mostrando se por acaso há distorções no rastreio do mouse. Para realizar ele, é usado uma ferramenta chamada MouseTester.

E estes foram os resultados mousepad RISE M4A1, em 500 Hz:

Resultados perfeitos, o sensor Pixart PMW 3310 parece ser sido bem implementado.

Agora, o próximo teste é o teste de aceleração. O ideal sempre é que se o mouse for movido rapidamente 10cm para a direita, ele tenha o mesmo resultado que teria se fosse deslocado lentamente a mesma distância. 

Caso o mouse for mais longe do que o necessário no movimento rápido, é dito que o mesmo tem aceleração positiva. Caso a distância que ele percorreu seja menor no movimento rápido, ele tem aceleração negativa.

E se o mouse parou no mesmo lugar que antes, ele não tem aceleração nenhuma, o que caracteriza um resultado perfeito.

Sendo que este foi o resultado do E-3LUE M668 usando o mousepad RISE M4A1, em 500 Hz:

Um resultado perfeito, como se espera do Pixart PMW 3310, não há aceleração nenhuma.

Vamos então partir agora para o software.

O software da E-3LUE não é nada excepcional, mas faz o que precisa fazer. Na tela inicial temos as configurações de sensibilidade e DPIs na direita, sendo que cada DPI é referente a uma cor, esta que pode ser trocada, enquanto que na esquerda podemos trocar as funções de cada botão e também definir a taxa de atualização do mouse. Simples.

Ao clicar em qualquer um dos botões, há uma nova janela por onde podemos trocar a função de cada um deles, podendo corresponder a tecla do teclado, funções multimídia, troca de DPI e até configurar o "Botão Burst" (Fire button), que atira X vezes após ser pressionado.

E claro, há uma interface de macros, esta um tanto quanto limitada e um pouco difícil de gerenciar, especialmente após as macros já terem sido gravadas ou para usar cliques do mouse na macro, os quais precisam ser adicionados manualmente:

Na próxima janela, Light Settings, temos configurações para a iluminação do mouse. Efeito, velocidade e nível do brilho. Bem simples, mas nem isso algumas concorrentes conseguem fazer direito.

E por último, temos as configurações do sistema, que como o próprio nome diz, são apenas as mesmas configurações que você verá se abrir a seção do "Mouse" no Painel de Controle do Windows.

Aconselho manter a mesma configuração que a imagem acima, com velocidade do cursor em 6/11 e com a opção de "Aprimorar a precisão do cursor" desligada.

Além disto, há 5 perfis no software (embora exista apenas 1 perfil interno no mouse) e a opção de salvar e carregar (que por alguma razão a marca chama de "download") perfis em arquivos no seu computador.

Enfim, o software do E-3LUE M668 é bastante simples, mas funciona e muito bem. Embora a interface seja um pouco exagerada em detalhes e não tenha tantos recursos quanto mouses da Corsair, Logitech, Razer e outras marcas, o mais importante está bem visível e é fácil encontrar o que se procura nele, diferente do que acontece com a Motospeed...

Conclusão

 

Avaliação: E-3LUE M668

Construção Externa
5
Construção Interna
8.5
Desempenho
9
Preço - US$ 18
9

O caso do E-3LUE M668 é complicado. De um lado temos o excelente sensor Pixart PMW 3310, bons componentes internos, uma ergonomia baseada no antigo Microsoft Intellimouse 1.1, além de um preço bastante competitivo de US$ 18, que foi o quanto pagamos na loja oficial da marca na Aliexpress.

Não há nada de errado nestas especificações. O que há de errado neste mouse, ocorreu pelo fato de sua fabricante se preocupar demais com a aparência, e não testar seus mouses na prática.

Eu realmente queria poder recomendar este mouse para todo mundo, mas um único erro estúpido de design, torna este mouse desconfortável: os "bicos" próximos ao scroll.

Se você não tiver medo de botar a mão na massa para consertar isto, ele pode se tornar uma excelente opção, mas é muito chato que um mouse venha com um erro tão amador quanto este, e a desculpa de "é só cortar com estilete" é tão fraca quanto o "é só fazer delid".

O fato do problema ser fácil de consertar não anula a existência dele, e ele existe por pura incompetência.

Enfim, o E-3LUE M668 só é um mouse recomendável para quem busca uma alternativa barata e mais moderna ao antigo Intellimouse 1.1 ou para o canhoto que está procurando um mouse gamer realmente ambidestro (com botões em AMBAS laterais) e barato, algo que está em falta no mercado. E preparem o estilete...

Para outras pessoas, concorrentes como o Delux M625 e Motospeed V60 se mostram superiores pelo fato de serem melhor projetados e terem qualidade similar. Simples assim.

Nota: Este mouse foi emprestado por Arthur Pinheiro.

PRÓS
Ergonomia baseada no Intellimouse 1.1, sendo um dos poucos mouses realmente ambidestros de baixo custo
Excelente precisão graças ao sensor Pixart PMW 3310
Software para configuração
Ótima construção interna
CONTRA
Construção em plástico barato
Possui um erro de projeto que torna desconfortável a utilização do scroll
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 150 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.