ANÁLISE: Gigabyte Z370N WIFI

Placa-mãe Mini-ITX tem mais tecnologias do que alguns modelos ATX

Recebemos da Gigabyte a mainboard Z370N WIFI, uma das placas-mãe em formato Mini-ITX mais completas da atualidade. Mesmo com seu tamanho de 17x17cm, ela traz uma grande quantidade de tecnologias, como Wifi/Bluetooth, suporte a dois SSDs formato M.2, possibilidade de overclockar os processadores da série "K" da 8ª geração Core etc. É o tipo de produto compacto, porém bastante completo, tirando a limitação de suportar apenas uma placa dedicada e dos dois slots de memória — como qualquer outra Mini-ITX. Ela chega a ser mais completa do que muitos modelos ATX.

É importante falar logo no começo que apesar do socket LGA1151 das placas com chipset serie 300, o mesmo não traz compatibilidade com os processadores Core de 6ª e 7ª geração, leia-se Skylake e Kaby Lake, ou seja, por enquanto só suporta os processadores de 8ª geração. De acordo com a Intel, isso acontece porque foram feitas mudanças configurações diferentes na pinagem para os CPUs com mais núcleos.

Em cenário internacional a Gigabyte Z370N WIFI foi lançada custando US$ 160. Já no Brasil ela ainda não está à venda, mas deve chegar na casa de R$ 1.000.

Confira nossa análise do Intel Core i7-8700K
Site oficial da placa-mãe Gigabyte Z370N WIFI


Tecnologias destacadas pela fabricante


Abaixo listamos algumas das principais tecnologias destacadas pela Gigabyte.

USB 3.1 frontal para gabinetes
A Z370N WIFI oferece um conector frontal USB 3.1 tipo-C para utilizá-lo com gabinetes. 

Dual Intel GbE LAN + cFosSpeed Internet Accelerator Software
Com conexão Dual Intel Gigabit Ethernet e software cFosSpeed, a placa-mãe promete melhor gerenciamento de tráfego de rede. O recurso ajuda a melhorar a latência da rede e manter baixos tempos de ping para oferecer uma melhor capacidade de resposta em ambientes de LAN lotados.

Conector de energia inteligente
A placa-mãe possui um conector de energia inteligente que identifica o tipo de componente de refrigeração que está conectado à ele. Assim, a placa pode adaptar-se para trabalhar melhor com qualquer tipo de solução.

Dual PCIe Gen3 x4 M.2
Mesmo sendo um modelo pequeno, a placa mãe conta com duas conexões M.2 que tira proveito da largura de banda do PCIe Gen3 x4 (32 Gb/s).

Ultra Durable Memory Armor
O exclusivo design de blindagem em aço inoxidável Ultra Durable Armor impede a distorção e a torção do PCB além de evitar qualquer interferência ESD.

Suporte a HDMI 2.0 para 4K, 60P, 21:9 e HDCP 2.0
A placa-mãe possui conector HDMI 2.0, que é retrocompatível com o HDMI 1.4. O padrão mais recente oferece até 18Gb/s de largura de banda, o que é quase o dobro da geração anterior. Isso permite que o usuário faça múltiplas transmissões de vídeos e utilize o formato cinemático nativo 21:9, no qual a maior parte dos filmes é gravado.

Baseada em 3D Xpoint, tecnologia Intel Optane traz velocidades de SSD mesmo com HD

M.2 Thermal Guard + Intel Optane
A solução M.2 Thermal Guard promete prevenir throttling e bottlenecks de dispositivos M.2 enquanto auxilia na dissipação de calor dos componentes. A Z370N WIFI também suporta a tecnologia Intel Optane. O módulo de memória Intel Optane serve como um cache para a unidade de armazenamento principal do sistema, seja ela um HD ou um SSD SATA.


O que é M.2 e para que ele serve

Personalização LED RGB
Como a maioria das placas recentes têm apresentado, a Z370N WIFI conta com personalização via LED RGB. É possível apenas customizar o design da placa ou aproveitar as cores e luzes para construir um sistema intuitivo dependendo do status do hardware, como verificar a temperatura da placa através das cores. 

Esta placa-mãe conta com conector para tiras digitais de LED RGB, podendo estender a personalização para o gabinete, por exemplo. Além disso, o software RGB Fusion oferece diversas opções de combinação de luzes e cores, tanto da placa quanto do painel traseiro, além de já trazer perfis pré-estabelecidos. 


Fotos


Muita gente que "bate os olhos" em uma placa-mãe tão pequena deve imaginar que elas trazem uma quantidade muito menor de tecnologias, mas não é verdade. Mesmo bem menores, elas às vezes podem trazer mais tecnologias até mesmo do que modelos em formato ATX, que são bem maiores.

A Z370N WIFI é um exemplo de placa com o perfil de ser muito completa, como destaque suportando Wifi/Bluetooth e dois SSDs em formato M.2, um por baixo e outro em cima da placa, algo incomum para esse tipo de formato. Além disso a Gigabyte ainda adicionou um dissipador sobre o SSD que fica pela parte de cima, aplicou a proteção metálica no slot PCI-Express, além de alguns LEDs que não podem faltar em uma mainboard nos dias de hoje, não é? surprise

Por se tratar de uma mainboard com chipset Z370, normalmente diria que ela é uma placa com projeto voltado a quem pretende comprar os modelos desbloqueados da linha Core de 8ª geração, mas atualmente só temos esse chipset para esses processadores. Então será para quem quiser ou não overclockar o sistema, mas acima de tudo quer um PC compacto. Nossos testes foram feitos com o Core i7-8700K, mais adiante mostraremos como ela se comportou frente a outros modelos.

A placa suporta memórias operando na frequência de 4400MHz, mais alta do que outros modelos que testamos, até mesmo do que a Gaming 7 que é a atual topo de linha em formato ATX da Gigabyte, que suporta até 4133MHz. A explicação disso é que a placa analisada é um modelo mais atual e sofreu atualizações visando maior compatibilidade nesse aspecto.

Ela ainda traz no PCB uma conexão USB 3.1 Gen2 tipo-C frontal, além das tradicionais USB 3.0 e USB 2.0. Pelo formato compacto, ela deixou de lado botões de acesso rápido e debug LED no PCB.

Já em se tratando de conexões para drives de armazenamento, temos as tradicionais SATA 3 (quatro conectores no total), mais 2 no formato M.2, uma localizada na parte de cima acompanha um dissipador, e outra pela parte de baixo. Memórias Intel Optane também são suportadas.

A sistema de áudio conta com com o chip Realtek ALC1220, utilizado em grande parte das placas que oferecem o que existe de melhor nessa característica. Ela traz uma série de outras tecnologias voltadas a entregar maior fidelidade na qualidade sonora para seu sistema de áudio com 7.1 canais.

O painel traseiro conta com três conexões de vídeo, uma DisplayPort e duas HDMI — uma delas é versão 2.0, sendo assim com suporte a 4K em 60Hz através do vídeo integrado. É uma opção interessante para quem pretende usar o sistema como um media center.

Ela ainda traz seis conexões USB 3.0 tipo A e uma 3.1 tipo C Gen1, curiosamente nenhuma Gen2. Por fim, as conexões de áudio que, diferentemente de muitas placas com esse perfil, não são banhadas a ouro. Também estão disponíveis no painel traseiro as conexões de antena Wifi/Bluetooth e duas placas de rede — algo que poderia ter sido deixado de lado pensando em melhorar as conexões de áudio ou mesmo portas USB 3.1 Gen2.

Abaixo, mais algumas fotos da placa em processo de montagem do sistema. Reparem como fica ela com o cooler Noctua NH-U12S instalado. Bastante curioso colocar um cooler grande em uma mainboard tão pequena, não?


BIOS
A interface da BIOS é a padrão das últimas gerações de mainboards da Gigabyte, tanto em placas AMD como Intel. Como já destaquei em várias analises, não é minha interface preferida, mas faz o seu trabalho. Como destaque, temos a facilidade em fazer overclock, sem muitas opções pra confundir usuários leigos em uma tela inicial mais simples. Logicamente, os usuários mais avançados vão encontrar uma série de opções para atingir resultados mais altos em telas com configurações específicas de cada componente, como CPU e memórias, além de uma tela só para tensões.

Abaixo, vemos algumas telas da BIOS da placa. Para os testes utilizamos a versão F2b, mais recente durante a análise. Para fazer o download da BIOS mais recente recomendamos conferir o site oficial.


Sistema Utilizado


Abaixo, detalhes sobre o sistema que utilizamos, além de drivers e aplicativos e games testados. Mas antes, algumas fotos do sistema montado, onde é possível ver bem a discrepância de tamanho de alguns componentes quando montados sobre uma mainboard Mini-ITX.

Máquinas utilizadas nos testes:
Todas os sistemas utilizaram os mesmos hardwares para os testes:

- Processador: Intel Core i7-8700K [análise]
- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 1080 Founders Edition [análise]
- Memórias: 16 GB G.Skill Trident Z RGB @ 3200MHz (2x8GB) [site oficial]
- SSD: Kingston Savage 240GB Sata 6Gb/s [análise]
- HD: Seagate Barracuda 2TB 7200RPM Sata 6Gb/s [site oficial]
- Cooler: Noctua NH-U12S [site oficial]
- Fonte de energia (PSU): Thermaltake Toughpower 850W GOLD [site oficial]

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 64 Bits com Updates
- GeForce 388.31

Aplicativos/Games:
- AIDA 5.xx
- CineBench R15
- CrystalDiskMark 5.x
- wPrime 1.55
- WinRAR 5.5x
- 3DMark (DX11)
- Grand Theft Auto 5 (DX11)

CPU-Z
Abaixo, telas do CPU-Z e AIDA64 mostrando detalhes da placa-mãe e parte do sistema utilizado nos testes.

Lembramos que diferente de análises de CPU, fizemos testes com o sistema em modo default, como ele "fica" ao conectar tudo e ligar. Isso que dizer especialmente que fizemos testes com as memórias em 2133MHz além delas em 3200MHz com o CPU overclockado.


Overclock


A Gigabyte não adicionou nenhum perfil pre-programado de overclock na BIOS da placa, pode ser que faça através de seus softwares ou mesmo de futuras versões de BIOS. Para o overclock, fizemos o processo manual sem alterar a tensão. Subimos o Core i7-8700K para 5GHz e definimos o XMP das memórias no clock máximo desse kit, 3200MHz. O sistema se comportou normalmente, inclusive melhor do que aconteceu na análise da Gaming 7 da Gigabyte, onde em alguns casos foi necessário descer o clock para 4.9GHz para os testes finalizarem.

Abaixo a tela da BIOS com as modificações feitas, mantendo a tensão em automático.

Abaixo, a tela do CPU-Z mostrando o CPU com o overclock de 5GHz aplicado junto com as memórias trabalhando em 3200MHz em dual-channel.


Testes

Consumo de energia
Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema. Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso (IDLE).

Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark, temos os seguintes resultados de consumo:

Testes de desempenho
Abaixo, temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando a placa com outros modelos do mercado utilizando os mesmos componentes e fazendo exatamente os mesmos testes; com exceção de overclock, que é diferente em cada placa-mãe/sistema.

AIDA64 
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o AIDA64 e seu teste de memórias, mostrando o resultado de latência:  

Crystal Disk Mark - USB 3.1
No próximo teste o desempenho com um pen drive USB 3.1 na conexão USB mais rápida da placa. Para esse teste, estamos utilizando um dos Flash Drives mais rápidos do mercado, o SanDisk Extreme PRO USB 3.1 de 256GB. Ele tem velocidades altíssimas para um drive USB, com 420 MB/s de leitura e 380 MB/s de escrita.

É importante instalar os drivers do controlador USB da placa
para atingir o cenário ideal

Destacamos ainda que o drive utilizado é padrão USB 3.1 Gen1. Futuramente, em nova versão Gen2, naturalmente ele poderá alcançar velocidades ainda maiores, já que as placas trazem essa nova conexão. Abaixo os resultados da placa analisada comparada com uma uma Gigabyte X399 AORUS Gaming (socket TR4).

É possível notar que ao overclockar o sistema o desempenho tanto dos testes com drives via conexão USB como também de drives em conexão Sata3, M.2 etc, aumentam um pouco. No comparativo abaixo podemos ver que os resultados quando rodando com o sistema baseado no Threadripper 1950X (Asus Maximus X Hero) se mostrou mais eficiente. Aliás, inclusive superando a própria velocidade máxima teórica do drive. indecision

CineBench
Vamos para um teste de conversão de imagem utilizando os múltiplos cores:

WinRAR
Outro teste indicado que pode ser usado para medir o comportamento do processador é o WinRAR, que consegue fazer bom uso de todos os cores.

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:  

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark, mas por enquanto com a placa de vídeo dedicada.

Grand Theft Auto 5
O game GTA V para PC está entre os mais exigentes da atualidade, trazendo ótima qualidade gráfica. Confiram abaixo o comportamento das placas rodando o game e como fica a diferença entre os processadores:


A Gigabyte Z370N WIFI é aquela placa sonho de consumo para quem está montando um sistema compacto de alto desempenho, traz suporte ao que existe de melhor em tecnologias, com apenas um ou outro porém e sem custar muito caro.

Nossos destaques ficam para o suporte a overclock, devido à utilização o chipset Z370. Mesmo que um pouco abaixo de outros modelos, ela se sai muito bem, suportando inclusive memórias com frequência de 4400MHz, coisa que muitas das primeiras mainboards com chipset Z370 lançadas não alcançam. Outro destaque fica por conta do suporte a dois SSDs em formato M.2, bastante incomum em placas formato Mini-ITX, justamente pelo tamanho reduzido.

Pequena, mas cheia de recursos

WiFi e Bluetooth também estão presentes, assim como as novas conexões USB 3.1, apesar de ainda baseadas na geração 1. O sistema de áudio é baseado no chip Realtek ALC1220, usado massivamente em placas-mãe de alto desempenho, porém as conexões são tradicionais e não banhadas a ouro, sequer na parte interna, acho que o sistema de áudio em si poderia ter recebido mais atenção já que o único slot PCI-Express tende a ser utilizado por uma placa de vídeo. Das 3 conexões de vídeo disponíveis no painel traseiro, duas são HDMI, sendo uma delas versão 2.0, interessante para quem pretende montar um sistema compacto e usar o vídeo integrado dos processadores Intel Core 8gen. Lembramos que atualmente todas as placas disponíveis no mercado para esses processadores utilizam o mesmo chipset, Z370.

Alias, como já colocamos, um dos maiores problemas quando se trata de novas gerações de processadores Intel é a mudança de socket e necessidade de novas placas-mãe. Com os processadores Core de 8ª geração, isso não aconteceu e aconteceu ao mesmo tempo. Explico: não aconteceu porque a Intel manteve o socket LGA1151 das placas-mãe com chipset serie 100 e 200 nas novas placas com chipset série 300. Porém apesar do socket também ser o LGA1151, ele não traz compatibilidade com os processadores de 6ª e 7ª geração, mesmo esses processadores "encaixando" no socket. De acordo com a Intel, não tem como suportarem devido uma mudança necessária na configuração dos pinos para os novos processadores com mais núcleos. Muitos esperavam que isso aconteceria através de uma atualização de BIOS, mas pelo jeito não vai ocorrer mesmo.

Placa-mãe traz principais recursos da plataforma

Lembramos que que estamos falando de uma placa-mãe compacta, então por lógica o formato gera limitações, como suporte a apenas uma placa dedicada e também a somente dois módulos de memória. Como as principais tecnologias já estão "embarcadas", não é nada demais. Será possível instalar uma placa de vídeo de alto desempenho, usar um kit de memórias com o máximo da tecnologia disponível nessa plataforma — leia-se dual channel — então só vai se incomodar com essas limitações quem realmente quiser. Afinal, se o foco é ter multiplas placas de vídeo, por exemplo, que compre uma placa-mãe maior.

Modelo é destinado a usuários que buscam montar
máquina gamer compacta

Outro ponto a se destacar é o suporte a memórias com frequência muito mais altas em plataforma Intel do que AMD. Essa placa, por exemplo, suporta modelos com até 4400MHz, mais de 1000MHz acima de alguns dos melhores modelos socket AM4 pra AMD. Considerando que cada vez mais as memórias fazem diferença, é algo a se levar em consideração, sem contar que a compatibilidade em plataforma Intel é muito superior do que a da AMD quando se trata de frequências mais altas.

Suporte a memórias com frequências
muito mais altas que em plataformas AMD

Quando o assunto é overclock, a placa se comportou bem. Apesar de não ter perfis direto na BIOS, algo comum na maioria dos modelos da Gigabyte, foi fácil de overclockar o Core i7-8700K. Simplesmente subimos o multiplicador para 50x em todos os núcleos com a tensão em modo automático e o 8700K seguiu firme e forte em todos os testes, inclusive melhor do que a Gaming 7 com mesmo chipset que analisamos no lançamento dessa geração, isso porque a Z370N WIFI deve ter recebido otimizações naturais de acontecer após a experiência adquirida com os modelos iniciais.

Em cenário internacional a placa foi lançada por US$ 160, já no Brasil ela deve chegar em janeiro sem preço definido, mas estimamos um valor na casa de R$1.000. Infelizmente são poucas as placas nesse formato a chegar ao Brasil e muitas vezes elas vêm via importação. Mas se o foco é montar um sistema compacto, é uma bela opção.

Conclusão

 

Avaliação: Gigabyte Z370N WIFI

Tercnologias
9.5
Acabamento
9
Overclock
9.5
Preço
8

PRÓS
Tamanho compacto
Muitas tecnologias
Bom potencial para overclock
Suporte a SSDs Intel Optane
Conexões M.2 e USB 3.1 (Tipo A, tipo C e frontal)
Suporte à memórias DDR4 de até 4400MHz
CONTRA
Todas as conexões USB 3.1 são Gen1
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Mundo Conectado é responsável pelas análise de drones e alguns gadgets relacionados a fotos e vídeo, como Action Cams.