ANÁLISE: Riotoro CR1080

Compacto e bonito, porém com valor alto

A Riotoro nos enviou o gabinete CR1080, modelo que traz algumas características incomuns para esse tipo de produto. Apesar da parte externa ser semelhante a maioria dos gabinetes, olhando melhor veremos que ele muda o lado de algumas peças, além de internamente ele ter modificações grandes.

Mesmo sendo um gabinete com tamanho relativamente compacto, ele traz suporte a placas de formato ATX, incluindo logicamente Mini-ITX e Micro-ATX. Para suportar o formato ATX, a Riotoro deixou ele um pouco mais largo que grande parte dos gabinetes, colocando a fonte e drives de armazenamento na parte de trás da placa-mãe. Outra curiosidade, que mais chama a atenção, é que a placa-mãe está de ponta-cabeça quando comparado ao uso tradicional de outros gabinetes. Com esse conceito, o(s) FAN da placa de vídeo fica virado para cima.

Site oficial do Riototo CR1080

Em cenário internacional o gabinete custa em média U$79 dólares, já no Brasil ele é encontrado na casa de R$400.

Especificações


Abaixo as especificações do gabinete, com destaque para o suporte a placas-mãe em formato ATX, apesar de seu tamanho. Ele é compatível com placas de vídeo de até 300mm de comprimento, porém tem restrição de altura, um modelo mais parrudo como uma Gigabyte GTX 1080 Ti AORUS Xtreme não vai entrar.

No site oficial tem informações controversas, como a de que o gabinete não suportar liquid coolers, mas ele suporta, porém com radiador normal com um único FAN de 120mm quando mantendo o FAN que acompanha o gabinete posicionado na parte frontal.

Fotos


Logo nas primeiras fotos é possível ver detalhes que tornam esse gabinete diferente do padrão. Primeiramente seu tamanho compacto comparado aos modelos tradicionais, e depois que apesar do tamanho compacto, ele traz suporte a placas-mãe formato ATX, as mais utilizadas no mercado, lógico que por suportar ATX também suporta formatos menores, até Mini-ITX. Na foto que mostra a parte de trás do gabinete é possível notar que a fonte fica nas "costas" da placa-mãe, dessa forma a Riotoro conseguiu utilizar mais espaço para adicionar o suporte ao padrão de mainboards ATX.

O acabamento é bom, nada mais. Os plásticos em "black piano" necessitam de maior cuidado para não riscar, assim como o tampo lateral acrilico que fica sobre a placa-mãe. Vale ressaltar que esse tampo não tem nenhuma abertura, isso pode comprometer na questão de temperatura, veremos mais adiante.

Em se tratando do painel de conexões frontais, temos duas USB 3.0 e as tradicionais para fone e microfone, além de um botão de ligar/desligar e outro de reset do sistema.

Junto com o gabinete temos os tradicionais parafusos e algumas presilhas, além é claro do manual.

Nas fotos abaixo é possível visualizar o projeto interno e a solução da Riotoro em criar dois "lados" para o armazenamento dos componentes. Ele acompanha um FAN de 120mm com LED na parte da frente, se esse FAN for removido, o gabinete passa a suportar um liquid cooler com radiador duplo, caso contrario é necessário um com radiador simples.

Instalação


Para a instalação utilizamos nosso kit tradicional de reviews de gabinete, com uma placa-mãe MSI Z97 Gaming 9(eventualmente mudamos para uma Mini-ITX se necessário), processador Intel Core i7-4790K e cooler BOX, placa de vídeo NVIDIA GeForce GTX 1070, um SSD formato 2.5 inch, além de um HD 3.5 inch da Seagate.

Vale destacar que o gabinete não acompanha fonte, como se trata de um modelo compacto, é indicado o uso de um modelo modular ou semi-modular. A Riotoro nos enviou um modelo semi-modular chamado ONIX de 750W, mais do que suficiente para segurar o sistema que montamos.

Apesar do tamanho, ele ainda suporta um drive de CD/DVD/Blu-ray

A instalação é bastante simples, mesmo com seu tamanho reduzido, o projeto interno é bom no quesito organização, especialmente porque os cabos podem ficar todos na parte de trás junto com a fonte e os drives, assim o espaço onde fica a placa-mãe, placa de vídeos etc, fica mais organizado e "clean", importante também já que o tampo lateral é transparente e a organização é fator crucial para deixar o sistema mais bonito.

Já de inicio uma coisa muito simples, mas que é bem importante logo no inicio da instalação das peças. Um dos parafusos onde a mainboard é fixada vem com o "guia" para a placa-mão ficar "correndo" sobre os parafusos. Isso é um detalhe tão simples, mas que faz uma diferença grande ao nossa opinião, mesmo que apenas nesse passo do processo de montagem.

Começamos colocando uma placa-mãe em formato Micro-ATX, na foto da para ver que existe bastante espaço sobrando, então mudamos para uma ATX. Como as placas em formato Extended ATX "aumentam" pro lado e não para baixo, apesar de não ter essa informação no site, acredito que também exista o suporte a esse formato, na foto com a mainboard ATX é possível ver que ainda temos uma folga boa na lateral oposta ao painel traseiro. Como já destacamos, precisamos nos acostumar que o sistema fica posicionado exatamente 180º diferente do tradicional, com a placa-mãe literalmente de "cabeça" pra baixo.

Tirando o que fica conectado sobre a placa-mãe, o restante dos componentes vai pro outro lado do gabinete, por "baixo" ou por "trás" da placa-mãe. O espaço ficou bom, fácil de prender drives de armazenamento, fonte de energia, e inclusive de organizar os cabos da fonte. Logo no início destaquei que por se tratar de um gabinete compacto optar por uma fonte semi-modular ou modular seria importante, mas da para ver que existe um espaço considerável para organizar os cabos da fonte mesmo que ela não tenha o conceito de remover os cabos.

A placa de vídeo utilizada é uma GeForce GTX 1070 referência, que possui o mesmo tamanho da GTX 1080 e 1080 Ti referência, indicando que o gabinete suporta modelos de alto desempenho, desde que não ultrapassem 300mm.

Também adicionamos uma GTX 1080 Ti Xtreme Edition da Gigabyte, placa é mais alta do que os modelos referência devido possuir um sistema de cooler mais robusto com FANs maiores, mesmo assim foi possível a instalação já que o tampo de acrílico foi pensado em ter parte mais alta justamente para essa situação, porém ela ficou exatamente no limite.

Por fim mais algumas fotos com o sistema montado.

Mas depois de tudo montadinho partimos para os testes de temperatura, e ai passamos por um problema que já vinha acontecendo e estava nos incomodando. O Core i7-4790K sempre alcançava 100º no wprime, mesmo em bancada, assim ficava complicado de mostrar uma eventual mudança que o gabinete possa fazer em benefício ou não, dessa forma trocamos todo o sistema usando uma MSI Z270 Gaming Pro Carbon com um Core i3-7350K, esse permitiu mostrar temperatura mais baixas com o cooler box, diga-se de passagem, optamos por ele para também influenciar menos nas temperaturas já que não é tão eficiente como soluções mais parrudas.

Testes de temperatura
Os testes consistem em medir a temperatura máxima do processador e da placa de vídeo em modo ocioso e rodando alguns games e aplicações. Também fizemos testes de overclock no CPU e na placa de vídeo.

Confiram abaixo os testes:

Temperatura do processador


Começamos pelos testes de temperatura da CPU, sendo que as temperaturas foram medidas com o sistema em modo ocioso e rodando o wPrime.

IDLE
O modo IDLE, ou ocioso, consiste em testar a temperatura do sistema quando o mesmo não está executando nada além do Windows aberto, esperando alguma ação do usuário.

GTA V
Rodando um game que exige bastante do sistema, vejam abaixo como foi o comportamento do processador:

wPrime
Por fim, o teste com o wPrime estressa o CPU e todos seus cores, sendo um bom teste para ver como fica a temperatura do processador em uma situação extrema. 

 

Temperatura da placa de vídeo


Abaixo testes de temperatura com a placa de vídeo, tanto em modo default como com um leve overclock.

IDLE
Primeiro o teste em modo ocioso, com o sistema em espera, depois o teste de temperatura rodando o gae GTA V.

GTA V
Por fim, abaixo as temperaturas da placa de vídeo rodando o game GTA V.

O Riotoro CR1080 é um gabinete que busca chamar a atenção pelo seu projeto um pouco diferente do tradicional. A primeira vista ele é um gabinete normal, mas olhando em volta já vemos que o sistema está montado no lado direito do gabinete quando olhando de frente para ele, o normal é o sistema estar no lado esquerdo. Para fazer isso a Riotoro teve que virar a mainboard de "ponta-cabeça", caso contrario as conexões de vídeo etc ficariam viradas para a parte da frente do gabinete. A ideia ficou visualmente legal e sai da rotina dos gabinetes tradicionais, porem temos algumas considerações. A qualidade do acabamento é boa, mas abaixo de alguns modelos com preço semelhante de formato tradicional.

Em se tratando das temperaturas, concluímos que o sistema se comportou bem, se tivesse mais FANs internos talvez conseguisse dissipar melhor a temperatura especialmente do CPU quando forçado. Apenas com o sistema overclockado que a temperatura ficou alta, provavelmente porque a placa de vídeo acaba evitando a saída do ar quente que some do cooler. Um cooler melhor, especialmente se for um liquid cooler, resolveria o problema.

Riotoro CR1080 é uma opção interessante para quem
um modelo um pouco diferente do tradicional

Ele não tem limitações com a grande maioria das placas de vídeo, porém modelos muito compridos, acima de 300mm não são compatíveis. Conseguimos instalar até mesmo um modelo mais alto que as tradicionais, mas também existe um limite e é bom ficar atento a esse detalhe. Como vimos, montar o sistema com uma placa-mãe ATX não é problema, porém é bom ficar ligado também com o cooler se ele for do tipo air cooler, alguns modelos mais parrudos podem gerar limitação, a altura máxima é de 120mm, se você usa um cooler box ou mesmo pretende colocar um liquid cooler, não vai ter esse problema, só fique atento também ao tamanho do radiador.

Ele também suporte duas placas de vídeo, porém acredito que ficaria consideravelmente mais quente internamente, sem contar que a segunda placa de vídeo tme por obrigação não ser alta, diferente da primeira que pode ser mais alta devido o formato do tampo de acrílico.

Acho que a maior critica vai para o preço, R$400 coloca o CR1080 no mesmo nível de modelos com o Cooler Master MasterCase 5 e Thermaltake View 27, isso apenas para citar dois modelos com ótima qualidade e também com perfil diferente do tradicional no caso do View 27. Enfim, pela qualidade final não vejo porque esse modelo custar mais de R$250, talvez um pouco mais.

Conclusão

 

Avaliação: Riotoro CR1080

Acabamento
8
Design
9
Instalação
9
Tamanho
9
Preço
6

PRÓS
Visual bonito e diferente do tradicional
Bom acabamento e projeto interno
Boa temperatura dos componentes
Suporte a fontes de alta capacidade
Suporte a liquid coolers
CONTRA
Valor alto comparado a modelos high-end
Não suporte cooler a ar muito altos
Assuntos
Tags
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Mundo Conectado é responsável pelas análise de drones e alguns gadgets relacionados a fotos e vídeo, como Action Cams.