ANÁLISE: Asus GeForce GTX 1080 Ti Strix OC

Placa faz jus ao que se espera de um produto topo de linha da Asus

Recebemos da Asus para análise a GeForce GTX 1080 Ti Strix OC, uma das melhores placas de vídeo da empresa quando o assunto é desempenho e tecnologias, trazendo o projeto mais atual que a companhia possui para esse tipo de produto. Os destaques, além é claro da placa usar o chip NVIDIA GeForce GTX 1080 Ti, ficam por conta do sistema de cooler DirectCU III com 3 fans, a possibilidade de controle de fans externos e mangueira de LED direto pela placa de vídeo, sempre em conjunto com softwares específicos da empresa.

Por se tratar do modelo "OC", a placa vem overclockada da fábrica com GPU trabalhando em 1570MHz (referência trabalha em 1480MHz) em modo normal e 1683MHz em modo turbo. Já as memórias mantiveram o clock original. No cenário internacional a placa foi lançada por U$780, valor bastante alto em comparação com o modelo referência, que custa U$700. Alguns fabricantes tem cobrado de U$10 a $20 sobre o preço do modelo referência, mas trazendo um sistema de cooler melhor. No caso dos modelos Strix, eles trazem um projeto com mudanças maiores do que apenas o cooler, porém cobram mais por isso.

Site oficial da Asus GeFoce GTX 1080 Ti Strix OC

Especificações das placas
Começamos pelas especificações da placa comparada a outros modelos:

Comparativo


Asus GeForce GTX 1080 Ti Strix OC

NVIDIA GeForce GTX 1080 Ti

NVIDIA Titan X (Pascal)

NVIDIA GeForce GTX 1080

Preços

Preço no lançamentoU$ 779,99 U$ 699,00 U$ 1.199,00 U$ 699,00
Preço atualizadoR$ 4.099,00 R$ 4.000,00 R$ 7.000,00 R$ 3.150,00

Especificações da GPU

Processo de fabricação16nm FinFET 16nm FinFET 16nm FinFET 16nm FinFET
ChipPascal GP102 Pascal GP102 Pascal GP102 Pascal GP104
Clock1570 MHz1480 MHz1417 MHz1607 MHz
Clock (Turbo)1683 MHz1582 MHz1531 MHz1733 MHz

Memórias

Interface de largura de BUS352 bit 352 bit 384 bit 256 bit
Quantidade de RAM11GB 11GB |12GB| 8GB
Tecnologia da RAMGDDR5X GDDR5X GDDR5X GDDR5X
Clock1376 MHz1376 MHz1251 MHz1251 MHz
Clock efetivo11008 MHz11008 MHz10008 MHz10008 MHz
Largura de banda484 484 480 320.3

Características Gerais

Shading Units3584 3584 3584 2560
TMUs224 224 224 160
ROPs88 88 96 64
Pixel Rate148.1 GPixel/s139.2 GPixel/s136 GPixel/s110.9 GPixel/s
Texture Rate377 GTexel/s354.4 GTexel/s317 GTexel/s277.3 GTexel/s
Performance de pontos flutuantes12.064 GFLOPS11.340 GFLOPS10.157 GFLOPS8.873 GFLOPS

Design

Pinos de alimentação2x 8 pinos 1x 6 pinos {mais} 1x 8 pinos 1x 6 pinos {mais} 1x 8 pinos 1x 8 pinos
Suporte à combinação de placasAté duas placas Até duas placas Até duas placas Até duas placas
Tipo de SlotDual-slot Dual-slot Dual-slot Dual-slot
Comprimento da placa298 mm267 mm267 mm267 mm
TDP250 W250 W250 W180 W
Fonte recomendada650 W600 W600 W500 W
Conexões de vídeo2x DisplayPort 1.4, 2x HDMI 2.0B, 1x DVI 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B, 1xDVI 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B, 1xDVI

Recursos

DirectX12.1 12.1 12.1 12.1
OpenCL1.2 1.2 1.2 1.2
OpenGL4.5 4.5 4.5 4.5
Shader5.0 5.0 5.0 5.0

Extras

ExtrasSistema de cooler com 3 FANs

Tecnologias


Abaixo algumas das principais tecnologias, incluindo tecnologias exclusivas da ASUS, na GTX 1080 Ti STRIX OC:

ASUS FanConnect II - Refrigeração complementar direcionada
Durante o jogo, a temperatura da GPU frequentemente é maior que a da CPU. Contudo, as ventoinhas do gabinete geralmente atuam somente em referência ao CPU, o que resulta em um resultado ineficiente de refrigeração do sistema.

Para otimizar a performance térmica, as placas de vídeo ROG Strix possuem dois conectores de 4 pinos que podem ser conectados às ventoinhas do gabinete, tornando possível um gerenciamento das fans do gabinete para atender as demandas da placa de vídeo.

Processo de fabricação automatizado Auto-Extreme e resfriamento MaxContact
Hoje, todas as placas de vídeo da Asus são produzidas com a tecnologia Auto-Extreme. Trata-se do primeiro processo de produção 100% automatizado da indústria, removendo assim possíveis falhas humanas. Isso resulta em placas de vídeo consistentes, com melhor desempenho e maior longevidade. O processo também é ecologicamente correto, pois elimina o uso produtos químicos mais agressivos e reduz o consumo energético em 50%.

O processo também conta com a tecnologia MaxContact, nova metodologia de resfriamento que garante um contato do heatsink com a GPU duas vezes maior se comparado a sistemas tradicionais. A tecnologia aumenta a eficiência de refrigeração e durabilidade dos componentes.

Outras características que contribuem para o resfriamento otimizado da placa é a arquitetura que garante 40% a mais de área de dissipação, refrigerando 30% a mais do que sistemas tradicionais com 3X mais silêncio. Outro recurso é a tecnologia patenteada Wing-Blade, garantindo mais circulação de ar por ter pás de ventoinhas otimizadas. Além, é claro, da tecnologia exclusiva 0dB, que interrompe a rotação da ventoinha quando a placa está com temperatura agradável para garantir o maior silêncio possível da placa.


Iluminação Aura RGB 
A iluminação Aura RGB com Blindagem Modular garante uma personalização única do seu PC. São várias opções para personalizar as luzes como quiser. Além da customização feita pela Asus, o usuário pode fazer as próprias. A placa conta com uma conexão 4-pin adicional para que outros produtos ASUS AURA possam funcionar em conjunto com o software Aura Sync.

Portas HDMI para a experiência imersiva na Realidade Virtual (VR)
As placas de vídeo ROG Strix possuem duas portas HDMI para conexão de dispositivos de Realidade Virtual (VR) e Monitor ao mesmo tempo, então você pode se divertir com experiências imersivas o tempo todo sem a necessidade de trocar cabos.

10+2 Fases com Super Alloy Power II + GPU Tweak II
Os componentes Super Alloy Power II aumentam a performance, reduzem a perda de eficiência, oferecem 2X menos ruído de componente e alcança níveis térmicos aproximadamente 50% mais refrigerados que os designs anteriores. Já a GPU Tweak II é uma ferramenta de streaming que permite que o usuário compartilhe o que está passando por sua tela em tempo real. 

DirectX 12 e 5K 
Possui suporte a DirectX 12 e tecnologias gaming GeForce, entregando experiência em 5K (7680 x 4320). A placa de vídeo também conta com VR Ready, trazendo duas portas HDMI 2.0, duas DisplayPort 1.4, e uma porta DVI para conectar headsets VR e ainda oferecer espaço para quatro monitores. 

ASUS Republic of Gamers anuncia novo ROG SLI HB Bridge com melhor suporte para transferência de dados

Fotos


As placas de vídeo da Asus evoluíram bastante no último ano no resultado final, hoje brigando pelo topo como melhores modelos disponíveis. Visualmente a empresa foi fazendo pequenas mudanças em seus sistemas de cooler como o DirectCU III, utilizado na GeForce GTX 1080 Ti Strix OC. Ele possui os 3 fans, com LEDs bem posicionados e gerando um efeito bem legal, como podem ver mais abaixo. A empresa também evoluiu o projeto adicionando possibilidade de controlar fans externos através do software de gerenciamento da placa de vídeo. Outra novidade exclusiva desse modelo, por enquanto, é a possibilidade de controlar uma mangueira de LED, interessante para quem não tem essa possibilidade via placa-mãe ou quer mais mangueiras no sistema.

Com certeza um dos melhores projetos
que já vimos em uma placa de vídeo

Apesar da grande quantidade de tecnologias e visual refinado, a placa tem uma pegada bastante robusta, indicando um produto bem montado e com componentes de material firme. Alguns modelos da linha Xtreme da Gigabyte, por exemplo, tem um sistema de cooler que ao encostar já da para perceber que o produto que exige maior cuidado, mesmo na pegada.

Em se tratando de conexões, ela traz as pontes SLI tradicionais de placas com GPU NVIDIA e suporte a essa tecnologia. Por se tratar de uma placa com alto potencial de overclock, requer 2 alimentadores de energia de 8 pinos. Para os usuários mais avançados, ela possui controle das tensões da placa ao lado dos alimentadores de energia.

Como características diferenciadas, a placa de vídeo traz a possibilidade de controlar até 2 fans externos, além de uma mangueira de LED RGB.

No total são 5 conexões de vídeo, duas HDMI 2.0B, duas DisplayPort 1.4 e uma DVI.

GTX 1080 Ti Strix OC vs GTX 1080 Ti referência
Nas fotos abaixo temos a GTX 1080 Ti Strix OC ao lado do modelo referência, ficando bem visível a diferença entre os projetos. A placa da Asus tem muitas mudanças em cima do projeto da NVIDIA, desde o PCB até o sistema de cooler e tecnologias oferecidas.

 


Sistema utilizado

Como de costume, utilizamos uma máquina topo de linha baseada em uma mainboard ASUS Rampage V Extreme com processador Intel Core i7 5960X para os testes. A ideia é evitar que o sistema seja um limitador para o desempenho das placas de vídeo testadas.

Tiramos algumas fotos da placa conectada no sistema, mostrando que é um dos modelos mais bonitos já desenvolvidos, talvez o que melhor faz uso de LEDs também.

Mais abaixo, os detalhes da máquina, sistema operacional, drivers, configurações de drivers e softwares/games utilizados nos testes.

Máquina utilizada nos testes:
- Processador Intel Core i7 5960X 3.0GHz - Análise
- Placa-mãe Asus Rampage V Extreme - Análise
- Kit de memórias Kingston HyperX Predator DDR4 16GB 2133Hz (2x8GB) - Análise
- SSD Kingston HyperX Savage 240GB - Análise
- SSHD Seagate 2TB SATA3 - Análise
- Sistema de refrigeração liquida Cooler Master Nepton 120M - Site oficial
- Fonte de energia Cooler Master V1200 Platinum - Site oficial
- Gabinete Cooler Master HAF EVO XB - Site oficial
- Monitor Samsung U28E590D 4K 60Hz - Site oficial

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 Pro 64 Bits Redstone2
- NVIDIA GeForce 381.65
- AMD Crimson 17.4.2

Aplicativos/Games:
- 3DMark (DX11/DX12)
- VRMark (DX11)
- Battlefield 1 (DX11)
- Grand Theft Auto 5 (DX11)
- Hitman (DX12)
- Rise of Tomb Raider (DX11)
- The Division (DX11)
- The Witcher 3 (DX11)

GPU-Z
A tela principal do GPU-Z mostrando algumas das principais características técnicas da placa. Como é possível notar, a principal diferença nas especificações fica por conta do overclock de 90MHz no GPU.

A Strix OC traz overclock de fábrica no GPU

Overclock


Por se tratar de uma placa com um projeto bastante diferenciado, muitos dos usuários que compram esse modelo acabam fazendo mais overclock na placa, porém deve se levar em consideração que o overclock aplicado pela Asus já não está muito longe do limite da própria GPU. Na análise do modelo referência colocamos a GPU trabalhando em 1660MHz. No caso da Strix, conseguimos subir para 1665MHz. As memórias subimos 800MHz, ficando com clock efetivo de 1808MHz.

É importante destacar que nossos overclocks nunca consideram mudança nas tensões, salvo raras exceções. Pelo projeto da Asus, quem optar por mudanças desse tipo tendem a ter um produto melhor preparado que o referência ou grande parte dos demais modelos disponíveis no mercado, que apesar de aceitarem overclock, podem sofrer com problemas após muito "estresse" gerado por frequências mais altas junto a mudança de tensão.

Abaixo a tela do GPU-Z mostrando as detalhes do overclock aplicado, que não deixou de ser um pouco abaixo do que esperávamos porque o projeto é consideravelmente superior ao referência, mas como já destacado, sem mudanças mais avançadas não tem como fazer milagres.


Consumo de energia


Também fizemos testes de consumo de energia com todas as placas comparadas. Todos os testes foram feitos em cima da máquina utilizada na análise, o que dá a noção exata do que cada VGA consome. Vale destacar que o valor é o consumo total da máquina e não apenas da placa de vídeo. Dessa forma, comparações com testes de outros sites podem dar resultados bem diferentes.

Para o teste de carga, rodamos o 3DMark - aplicativo que exige um pouco mais do sistema e da placa de vídeo do que grande maioria dos games.

OBS #1.: No teste rodando o aplicativo 3DMark, consideramos 10W como margem de erro, devido a variação que acontece testando uma mesma placa.


Temperatura


Iniciamos nossa bateria de testes com um critério muito importante: a temperatura do chip, tanto em modo ocioso como em uso contínuo.

É importante destacar que algumas placas possuem um sistema que desliga os fans quando a GPU não está sendo exigida, como ao executar tarefas simples do Windows ou mesmo games mais simples. Por isso, existem temperaturas consideravelmente acima de alguns modelos nessa situação, mas que na prática não comprometem a placa. De acordo com as fabricantes, esse recurso aumenta o tempo de vida útil além de consumir menos energia. Sendo assim, podem existir diferenças grandes na temperatura do modo ocioso, o que não caracteriza uma placa ruim caso a temperatura seja alta.

Destacamos ainda que no gráfico temos 3 modelos com GPU Radeon utilizando sistemas de cooler líquido. Por consequência as três placas que apresentaram as menores temperaturas em idle e também em uso.

Os modelos referência da NVIDIA mantem o FAN ligado em 100% do tempo

Primeiro vamos ao teste das placas com o sistema em modo ocioso:

Para o teste da placa em uso, medimos o pico de temperatura durante os testes do 3DMark rodando em modo contínuo.


3DMark / VRMark


Começamos pelos testes sintéticos, utilizando aplicativos específicos para medir o desempenho das placas.

3DMark

Rodamos a versão mais recente do aplicativo da Futuremark com três testes, o Fire Strike em modo normal e também em modo 4K além do novo Time Spy baseado em API DirectX 12. Abaixo, os resultados:

Agora o resultado em modo 4K: 

Abaixo o novo teste Time Spy que roda sobre a API DirectX 12:

VRMark

O teste VRMark consiste e ver como o sistema se comporta quando rodando cenas em Realidade Virtual. Caso o score atinja 5.000 pontos ou mais, o sistema está apto para, em teoria, rodar bem games com essa tecnologia.


Testes em games

Agora vamos ao que realmente importa: os testes de desempenho em alguns dos principais games do mercado.

Para ajudar a entender os gráficos a seguir: acima de 60fps é o ideal para monitores que operam nessa frequência. Quanto mais próximo dos 30fps, pior vai ficando a fluidez e, abaixo dos 30, o jogo começa a ficar "não jogável"


Battlefield 1


Como um dos games com a melhor qualidade gráfica já lançados, não teria como deixar ele de fora de nossa bateria de testes. Sendo assim, abaixo estão o comportamento das placas rodando o novo game da DICE.


GTA5


GTA V está entre os maiores sucessos dos últimos anos, trazendo entre seus destaques ótima qualidade gráfica. Confiram abaixo o comportamento das placas rodando o game:


Hitman


A franquia clássica ganhou mais um episódio em 2016, com desenvolvimento por conta da I/O Interactive e distribuição da Square Enix. Entre os destaques do game está o uso da API DirectX 12 já em seu lançamento, sendo um dos primeiros jogos a já contar com essa tecnologia. Com fases complexas e até 300 personagens em cada cenário, o game é um interessante desafio para o hardware.


Rise of Tomb Raider


O mais recente game da franquia da Lara Croft, Rise of Tomb Raider trouxe um grande salto na qualidade sobre a versão anterior, prometendo exigir muito das placas de vídeo, mesmo os modelos de alta performance. O game também tem suporte a DirectX 12, mas ainda não consegue tirar proveito dessa API de forma que justifique seu uso (sendo assim, não fizemos os testes com essa versão da API), mesma situação de Hitman. Sendo assim, os testes são em DirectX 11.


The Division


O game da Ubisoft é uma proposta bastante ambiciosa de criar uma Nova Iorque "viva" em partidas com multiplayer totalmente online. The Division usa um motor gráfico próprio desenvolvido pela Ubisoft Massive, e precisa lidar com cenários complexos e grandes quantidades de partículas na tela, com destaque para a neve que ocasionalmente cai em alguns momentos.


The Witcher 3


The Witcher 3 chegou como nova referência em qualidade gráfica para PC, sendo um dos games mais interessantes da atualidade para medir desempenho de placas de vídeo.


Na geração GeForce 900 destacamos muito a Gigabyte e suas placas da série Gaming, que fizeram a fama da empresa nesse tipo de produto, que até então não brigavam com as melhores placas da Asus, MSI etc. Naquela geração, a Asus parecida estar um pouco aquém do que se espera da empresa. Com a série NVIDIA GeForce 1000 e AMD Radeon RX 400, a empresa voltou a ter produtos que sempre brigam pelo posto de melhor da categoria: várias das últimas placas que analisamos se destacam por ótimos projetos, tanto na parte de componentes de alta qualidade, como em tecnologias exclusivas — ou mesmo o projeto visual, no caso da GTX 1080 Ti Strix, imponente e chamativa quando os LEDS em funcionamento, e discreta com eles desligados.

Placa assumiu o posto como um dos melhores projetos que já analisamos

O desempenho da placa fica levemente acima do modelo referência, algo já esperado por se tratar de um modelo overclockado. Ela se destaca por um sistema de cooler bastante eficiente e silencioso. Por ter o sistema que desliga os fans quando a temperatura interna fica abaixo dos 55º, nesse caso ruído vai ser gerado apenas pelo resto do sistema, além de aumentar a vida útil dos fans da vga. Outras características que merecem destaque são as conexões, duas DisplayPort 1.4, duas HDMI 2.0b e uma DVI. Quando comparado ao modelo referência, temos a troca de uma DisplayPort por uma HDMI, importante para quem pretende usar o sistema em conjunto com um óculos de realidade virtual, por exemplo, e ainda tem uma DVI, que foi removida do projeto original da NVIDIA para dar mais espaço no painel de conexões traseiros para "fuga" do ar quente que sai da placa. Por fim destacamos as duas conexões para fans externos e uma para fitas de LED, características que até então ficavam por conta da placa-mãe. Mas no caso dos fans, por exemplo, quando conectados na placa de vídeo usam ela como prioridade para analisar a dissipação do calor.

Placas com GPU Geforce GTX 1080 Ti são para gamers
que querem o que existe de melhor no mercado

O limite para overclock "normais", sem ser overclocks extremos e que forcem a GPU e memórias a ponto de criar algum problema futuro, está em cima de clocks por volta de 1650MHz ou pouco mais para o GPU. Até é possível chegar em 1660MHz na referência e no caso da Strix chegamos em 1665MHz sem que fosse necessário mudança de tensão, porem não são clocks recomendados para uso contínuo. Nos testes que fizemos foi o limite de manter a placa rodando de forma estável, acima disso alguns dos testes travavam. Claro que para os usuários mais entusiastas e que curtem overclockar o sistema, esse projeto da Asus permite forçar a placa acima do padrão de uma referência, aumentando a tensão visando atingir clocks mais altos e consequentemente alcançar resultados melhores. É um projeto que inclusive induz a isso com 10+2 controladores de fases e Super Alloy Power II da Asus, mas no geral, como vimos, não da pra inventar muito sem forçar mais, especialmente para uso contínuo.

Placa tem overclock de fábrica, recursos exclusivos e visual muito bonito

Fique de olho no ADRENALINE FOR SALE para promoções em placas de vídeo e outros produtos

O que tem complicado algumas placas da Asus, especialmente em seu lançamento é o preço. Uma GTX 1080 Ti Strix normal está custando U$759,99 lá fora, U$60 dólares acima de um modelo com o menor preço do mercado, alguns desses modelos já com sistemas de cooler melhores que o referência apesar de usar o mesmo projeto de PCB etc. Já outros modelos custam de U$10 a U$20 acima do referência e também trazem características diferenciadas frente aos modelos mais simples. Na prática, entregando o que a maioria dos usuários procuram, um produto bom em desempenho e sistema de cooler eficiente, então os U$40 dólares a mais pela Strix acabam complicando um pouco sua vida. No caso do modelo OC, o valor é de U$80 acima da referência. Vale destacar que a Strix e a Strix OC são exatamente o mesmo modelo, mas com uma BIOS diferente já com overclock de fábrica no modelo OC, algo que pode ser atingido através do próprio software da Asus para overclock de placas de vídeo, o GPU Tweak. No Brasil esse modelo analisado já pode ser encontrado a venda por valor na casa de R$3650, cerca de R$300 acima dos modelos mais baratos com o GPU GTX 1080 Ti, diferença que apesar de ainda alta, não é tão grande como acontece em outros casos.

Pode ser que a NVIDIA lance uma nova geração de placas de alto desempenho apenas final do ano ou inicio de 2018, especialmente pela falta de concorrência nesse segmento, então placas com o GPU GeForce GTX 1080 Ti devem ficar como a melhor opção de alto desempenho do mercado por bastante tempo.

Uma boa dica na hora de pesquisar o preço de placas de vídeo é ficar de olho no Adrenaline FOR SALE, tópico no fórum onde os usuários compartilham as melhores ofertas.

PRÓS
Alta performance em 4K
Baixo consumo
Suporte a tecnologias SLI HB, Ansel e Simultaneous Multi-projection
Conexões HDMI 2.0b, DisplayPort 1.4 e DVI
Overclock de fábrica
Conexões para FANs e LED
Visual muito bonito
CONTRA
Preço bastante alto
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Mundo Conectado é responsável pelas análise de drones e alguns gadgets relacionados a fotos e vídeo, como Action Cams.

  • Redator: Mariela Cancelier

    Mariela Cancelier