ANÁLISE: Mega Man Legacy Collection

Fazendo jus à sua promessa de investir apenas em remasterizações e remakes, a Capcom lançou nessa semana Mega Man Legacy Collection, uma coletânea com os seis primeiros títulos do herói azul mais famoso do mundo dos games. O game vem com muita nostalgia 8 bits, mas será que vale o seu dinheiro? Confira na nossa análise!

História

A história não é bem o forte de Mega Man, nem em sua edições mais modernas, imagine nas mais antigas, onde o jogador não via nem uma cutscene e era diretamente jogado para a tela de seleção dos chefes. Então os pontos aqui são mais relativos à ambientação do game do que sua história. E ela continua tão boa quanto era há 20 anos.

 

Mega Man era um robô assistente do Dr. Light que aceita se tornar um guerreiro para poder vencer o malvado Dr. Wily, um cientista que quer dominar o mundo com seus malignos “Robot Masters”. Apesar de ter uma premissa simples, Mega Man já foi acusado de ter uma certa dose de plágio de Astro Boy, mangá do icônico artista japonês Osamu Tezuka. Inspirado, copiado, ou o que for, a versão do pequeno menino robô de Keiji Inafune vem com sua dose própria de originalide. E carisma. :)

Jogabilidade

Desde seu primeiro lançamento, lá em 1987, Mega Man brilha mesmo aqui, com sua jogabilidade. Os pulos que podem ser milimetricamente calculados (e muitas vezes PRECISAM ser), os controles extremamente responsivos e a dificuldade, muitas vezes elevada, mas recompensadora e divertida, fizeram do primeiro título um clássico instantâneo. E toda essa experiência foi portada com maestria para as remasterizações da Legacy Collection

A jogabilidade de bons games de plataforma como Mega Man resiste ao desafio do tempo, continua sólida, divertida e muito recompensadora.

Com 6 jogos ao seu dispor, o jogador pode ver a evolução nos desafios oferecidos por cada fase e nas habilidades do Mega Man, ganhando as mais variadas armas, assistências do Rush e até alguns novos recursos, como a capacidade de escorregar e de carregar seu tiro, o que acabou se tornando uma das maiores marcas do herói. A jogabilidade de bons games de plataforma como Mega Man resiste ao desafio do tempo, continua sólida, divertida e muito, mas muito, recompensadora.

 

Para a coletânea, a Capcom preparou também desafios especiais, que misturam as fases dos diferentes títulos, dando um ar de novidade para as remasterizações. É muito divertido e desafiante ver fases que jogadores veteranos já decoraram todas misturadas e adiciona algumas horas extras de dedicação ao jogo, ainda mais para quem quiser tentar os melhores tempos. Faltou um pouco mais de novidade em Legacy Collection, mas essa aqui foi muito bem colocada. 


Um ponto polêmico que precisa ser ressaltado para as remasterizações, entretanto, é o "save state", a capacidade dada ao jogador de salvar em qualquer momento do cenário. Esse recurso pode ser explorado para facilitar o jogo, repetindo um mesmo cenário até passar, economizando vidas, o que os puristas podem considerar um ponto negativo. Mas este novo recurso na verdade é bem-vindo e explico o porquê.

Muitos dos jogadores que vão comprar essa coleção são os saudosistas nostálgicos, que jogavam Mega Man em sua infância e hoje em dia são pessoas adultas, com diversas responsabilidades que crianças simplesmente não têm. Muitos deles, aliás, têm suas próprias crianças agora. Não é difícil que estando avançado numa fase super difícil, o jogador vai precisar repentinamente desligar o game e não é justo que ele seja forçado a passar tudo de novo. Nessas horas, o "save state" é uma bênção. Se alguns jogadores vão explorar o recurso para burlar o game e comprometer suas experiências, o azar é deles. Pra quem sabe usar (grandes poderes trazem grandes responsabilidades), o "save state" se torna um ponto positivo.

Gráficos e Som

Claro que os gráficos de jogos em 8 bits lançados há mais de 20 anos não são impressionantes hoje em dia. Mas, levando-se em conta a época em que foram lançados, as imagens do game realmente são dignas de elogio. As cores vivas e arte extremamente original são os diferenciais aqui. As fases temáticas de cada chefe ficam muito divertidas e imersivas, e o design de cada inimigo e de cada vilão é muito criativo e ajudam o game a brilhar. Além disso, é visível a evolução gráfica a cada título, havendo um salto de qualidade do primeiro Mega Man para o sexto. A coleção tem essa alegria extra para os grandes fãs da série, trazendo também um banco de dados, com artes originais dos personagens, rascunhos e biografias. Tudo muito bem-vindo.

Já a trilha sonora e os efeitos dão o toque final no mergulho de nostalgia que se torna essa coletânea. Em toda sua glória remasterizada, as faixas de Mega Man são originais, divertidas e dão o tom da ação presente nos jogos. Isso sem mencionar a sonoplastia icônica, que se tornou uma marca do Mega Man e se repete com pouquíssimas mudanças nos lançamentos futuros, como o som dos tiros, ou da explosão quando o herói morre, por exemplo. É possível ouvir as faixas de maneira independente no menu, o que não chega a ser o melhor extra que a Capcom poderia colocar numa coletânea de remasterizações, mas ainda é um recurso bem-vindo.

 

Mega Man Legacy Collection é excelente, mas não é perfeito. Com um pouco mais de esmero, a Capcom muito bem poderia ter colocado mais novidades no game que valorizassem a compra de títulos já lançados que agora estão sendo emulados no PC. A galeria de imagens, o banco de dados, o tocador de músicas e, principalmente, os "remixes" de fases para os desafios são muitíssimo bem-vindos, mas não são suficientes.

Ainda assim, temos aqui 6 títulos clássicos, referência de plataforma, por menos de R$30 (menos na PSN), emulados com perfeição e certamente dignos de serem jogados. Pelo preço que está, a coletânea é digna de recomendação. Mas com o valor elevado na PSN, não. Os títulos são ótimos, mas não podemos perder de perspectiva que são games de mais de 20 anos e não faz sentido cobrar mais de R$ 50 por eles, especialmente quando está por R$ 30 em outras plataformas.

Para quem tiver a oportunidade de pegar a coletânea por um bom preço e está preparado para um desafio, Mega Man Legacy Collection é indispensável



Conclusão

 

Avaliação: Mega Man Legacy Collection

História
8.0
Jogabilidade
10.0
Gráficos
9.0
Som
9.0

PRÓS
Controles sólidos e responsivos
6 games por um preço justo (menos PSN)
Banco de dados e artes originais
"Remixes" das fases garantem horas extras ao jogo
"Save state" é bem-vindo quando bem utilizado
CONTRA
Preço desproporcional na PSN
Poderia ter mais alguns extras originais
Alguns bugs para ligar o jogo em janela no PC
Assuntos
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.