ANÁLISE: This War of Mine

ANÁLISE: This War of Mine

Depois de dois anos de trabalho e pesquisa, a jovem produtora 11 Bit Studios - responsÁvel pelo elogiadíssimo indie de estratégia "Anomaly" -, finalmente lançou o seu novo game de simulação e sobrevivência chamado "This War of Mine", que recebeu cinco prêmios este ano na E3 e na PAX East.

"This War of Mine" é um game que mexe com os sentimentos do jogador. Ele consegue isso com maestria e simplicidade, usando personagens reais com diversas reações humanas, onde o desespero é o maior inimigo. O jogador precisa gerenciar Água, comida e até armamentos para que seu grupo sobreviva.

O mais interessante é que toda vez que o jogador recomeçar o jogo, tudo serÁ diferente. Desde os personagens, que são aleatórios, até a situação de cada um. Isso cria um fator replay enorme, que acaba atraindo mais a atenção do jogador e permite que ele recomece tudo de maneira diferente quando perceber que seu grupo vai morrer de uma forma desumana.


Toda guerra é desumana


"This War of Mine" coloca o jogador no controle de um grupo de civis que tentam sobreviver em uma cidade destruída pela guerra com poucos alimentos, medicamentos e constantemente vigiada por atiradores de elite e civis perigosos.

O game é baseado em fatos reais, e o jogador tem que tomar decisões que afetam drasticamente a situação dos personagens; seja protegendo todas as pessoas do seu abrigo, ou sacrificando alguém para a sobrevivência da maioria. É uma situação que mexe com o jogador, principalmente quando se percebe as reações quase de depressão nos personagens justamente por não terem comida ou Água, e ainda sabendo que tem alguém doente à beira da morte.

O jogo funciona através de ciclos dia e noite e usa o sistema "Point & Click". Durante o dia, o jogador tem que organizar seu abrigo com os itens que acha pelo caminho, além de descansar, comer, beber Água e construir objetos e/ou proteções contra os invasores noturnos, que podem atacar o local. Além disso, hÁ a possibilidade de receber "visitas" de pessoas pedindo ajuda, procurando itens, vendendo coisas, ou até mesmo dispostas a roubar seus suprimentos.



A luta pela sobrevivência


A ideia do game é sobreviver o maior número possível de dias. Para isso, é necessÁrio juntar itens e suprimentos e ainda construir algumas coisas para melhorar o abrigo. Por exemplo, se seu personagem ficar doente ou ferido, é bom ter uma cama para descansar; caso não tenha, seria de bom grado construir uma. Mas para construí-la, é necessÁrio ter a matéria prima. Ou seja, tudo que for recolhido tem que ser muito bem pensado e ter um motivo importante. Se você escolher coletar itens que não sejam úteis para aquele momento, alguém poderÁ sofrer as consequências.

O jogo explora as condições mais bÁsicas de sobrevivência: desde o lado humano e psicológico, até o lado físico do corpo. Os personagens ficam cansados e precisam de comida, Água, medicamentos e descanso. Do lado psicológico, eles ficam desmotivados, sem vontade, chorando pelos cantos e isso afeta bastante todas as outras ações, jÁ que não conseguem fazer nada direito.

À noite, o jogador seleciona um personagem para sair e buscar os suprimentos, matérias-primas e outras coisas. Os demais ficam no abrigo de guarda ou descansando. Ao sair do abrigo, o jogador pode escolher um dos vÁrios locais disponíveis para buscar itens: uma igreja abandonada, uma escola saqueada, uma vila destruída, um hospital, ou um supermercado desativado. É importante que ele volte com itens que naquele momento são essenciais. Por exemplo, se tiver alguém doente, é bom procurar medicamentos. Se não tem comida, é bom achar alguma coisa para comer.


Vale lembrar que, no meio disso tudo, é necessÁrio escolher bem os itens que o personagem vai levar quando sair à noite. Isso porque os locais para se procurar os suprimentos nem sempre são abandonados. Em vÁrios deles hÁ pessoas na mesma situação, e, para eles, você é o inimigo. O jogador pode ser recebido a bala e morrer, que foi o que aconteceu com um dos sobreviventes do grupo com o qual eu estava jogando. Quando isso acontece, a coisa só piora no abrigo.


Cada um por si ou um por todos?


Caso o jogador volte sem itens, a situação de desespero aumenta entre os sobreviventes. Realmente dÁ pena de ver, principalmente pelas reações de cada um deles, que vão desde chorar até ficarem tão desanimados a ponto de preferirem morrer do que continuar naquela situação.

Em uma das vezes, a personagem KÁtia saiu para buscar itens e alimentos. Selecionei Área Residencial, e chegando lÁ me deparei com uma casa onde morava um casal de idosos. O senhor abriu a porta e disse que não poderia me ajudar, jÁ que sua esposa estava doente. Mesmo assim, entrei, passei pela senhora sentada e peguei vÁrias coisas - principalmente na geladeira, onde catei toda a comida. Nesse meio tempo, o senhor ficava perguntando porque estava roubando a comida deles, e que, sem a comida, sua esposa morreria. Ele implorava para eu não levar a comida. Mesmo assim peguei tudo e saí.

Quando cheguei no abrigo, a KÁtia sentou no chão e chorou, dizendo que foi obrigada a fazer aquilo, senão quem morreria seria ela e o outro rapaz sobrevivente. Desde então, ela ficou sentada no chão inconsolÁvel durante um tempo sem que eu pudesse controlÁ-la. Isso é uma das situações que realmente mexe com os sentimentos do jogador. O que você faria no lugar dela?


Os personagens possuem vÁrios tipos de sentimentos que ficam explícitos pela reação de cada um deles. Mesmo assim, em suas respectivas fichas aparece o que eles estão sentindo no momento. Por exemplo, na cena citada acima, KÁtia ficou "Abalada", "Exausta", "Levemente ferida" e "Morrendo de fome". Tudo isso terÁ que ser sanado pelo jogador durante o dia para que ela sobreviva.

Cada personagem tem seu próprio temperamento, e isso muda cada vez que recomeçar o jogo, mesmo que o personagem se repita. Bruno, um outro personagem que antes era dono de um restaurante, não estÁ nem aí se as outras pessoas estão bem ou não, se estão com fome, cansadas, etc. Ele só quer saber de sobreviver e mais nada. Com isso, o jogador tem que saber muito bem quem é quem, para tratar melhor ou não cada um deles, jÁ que isso vai influenciar diretamente no futuro.


Visual caprichado


O visual do game é outro atrativo. Com uma visão no melhor estilo Plataforma, "This War of Mine" traz um grafismo feito à mão, usando uma técnica que lembra bastante o grafite.

Tudo é extremamente detalhado e feito em camadas, ou seja, conforme o jogador dÁ zoom ou move a câmera, é possível ver que o cenÁrio possui uma profundidade 3D. Além disso, as animações dos personagens foram filmadas com atores reais, criando assim uma movimentação ultra realista.

O jogo não possui falas, mas a trilha sonora, por vezes melancólica, dita o clima do jogo. E é incrível o que uma música pode fazer em um game, mesmo quando este não possui nenhum tipo de diÁlogo.


Conclusão

Avaliação: ANÁLISE: This War of Mine

História
9.0
Gráficos
9.0
Áudio
7.5
Jogabilidade
8.5

"This War of Mine" é um jogo extremamente caprichado, que traz um clima realista a ponto do jogador sentir ódio, raiva, tristeza, alegria e até pena. Dificilmente se vê um jogo assim. A produtora 11 Bit Studios prova que existem maneiras de criar novos jogos, com ideias diferentes de tudo que jÁ se viu.

Qualquer jogo que tenha guerra como tema, remete logo à matanças, tiroteios, mortes, destruição, cenas frenéticas e um jogador querendo matar o outro. Aqui a coisa é diferente. A ideia por traz de "This War of Mine" faz com o que jogador reflita sobre as consequências de uma guerra. Sobre o que acontece com a população que não tem nada haver com as loucuras de seus líderes.

"This War of Mine" é um jogo para ter, jogar e refletir.


PRÓS
Inovador
Visual caprichado
Enorme fator replay
Mexe com os sentimentos do jogador
Mostra o lado desumano da guerra
Um jogo feito para refletir
CONTRAS
Faltam dublagens
Às vezes se torna difícil demais
Alguns bugs
  • Redator: João Paulo Losada

    João Paulo Losada

    Gamer por natureza, JP Losada, ou simplesmente DJLosada como é conhecido por toda a comunidade gamer, é um grande conhecedor de games em geral. Eventualmente analisa lançamentos e comenta sobre os sucessos e decepções relacionadas aos games que chegam ao mercado através do portal Adrenaline. Jé escreveu para revistas de games, artigos para produtoras, além de ter citações em seu nome em caixas de jogos de PC lançados no Brasil. Possui parceria com algumas produtoras, principalmente de corrida