ANÁLISE: Middle-Earth: Shadow of Mordor

ANÁLISE: Middle-Earth: Shadow of Mordor

Quando "Middle-earth: Shadow of Mordor" foi anunciado e teve algumas imagens divulgadas, foi um alvoroço nos fãs de games e do mundo de "O Senhor dos Anéis". Afinal, as informações e imagens passaram a impressão de que finalmente um jogo faria jus à qualidade da saga. 

De fato faz. O game possui a mesma qualidade e cuidado dos filmes de Peter Jackson, até porque ele foi um dos supervisores do game com a sua empresa "Weta". Além disso, a história é excelente.

O roteiro foi escrito por Christian Cantamessa, roteirista do consagrado "Red Dead Redemption", que trouxe a sua técnica de amarrar uma situação à outra, sem deixar furos. Isso faz com que até mesmo os pequenos detalhes sejam explicados de forma clara, além de que tudo se faz no jogo tem um motivo plausível.


Uma história bem amarrada


A história de "Middle-earth: Shadow of Mordor" é baseada no universo de "O Senhor dos Anéis", do escritor J.R.R. Tolkien, mas que não aparece nem na saga cinematogrÁfica e nem nos livros. Ou seja, é uma história paralela mas com novos e velhos personagens.

O jogador encarna Talion, um guerreiro que foi morto e depois possuído pela alma de Celebrimbor, que é filho de Curufin e neto de Fëanor. Para quem não sabe, Celebrimbor foi o criador dos três Anéis do Poder - incluindo o famoso Um Anel - e que morto por Sauron.

Durante a jogatina, Gollum se junta aos "heróis" da mesma forma que se juntou a Frodo e Sam no primeiro filme da trilogia do cinema. Ou seja, ele vai instigar Celebrimbor a contrariar Talion, indo por caminhos mais perigosos e obscuros.



Clone de Assassin's Creed? Não!

É impossível jogar "Shadow of Mordor" e não se lembrar de "Assassin's Creed". O jogo é bem parecido na jogabilidade. Mas isso não é algo ruim, muito pelo contrÁrio. A jogabilidade foi aprimorada em relação à franquia da Ubisoft. Novos movimentos de lutas remetem a games como os da franquia "Batman Arkham", principalmente quando o jogador se vê rodeado de Orcs.

O grande destaque é o tão falado "Sistema Nêmesis", em que o jogador é livre para fazer o que quiser e como quiser, sendo que cada ação influencia diretamente todo o sistema de hierarquia dos Orcs. É bem curioso porque na teoria, o jogo se "reprograma" conforme você vai fazendo as coisas, numa espécie de "Efeito Borboleta".

É um pouco confuso de entender sem jogar. Mas vamos lÁ: se o jogador fizer uma missão, desafio, ou apenas sair matando Orcs em um canto do mapa, isso influenciarÁ diretamente toda a cadeia de hierarquia do exército Utuk em todo jogo. O exército irÁ se modificar, incluindo brigas entre Orcs para tomar o posto de algum chefe que o jogador porventura tenha matado.

Inclusive, toda a influência das ações do jogador também podem ser negativas. No caso do jogador morrer ou sair do local da missão, ou simplesmente fugir de alguma região que tenha muitos Orcs, todo o Exercito se fortalece, aumentando níveis e atributos dos soldados.


O "Sistema Nemesis" permite que o jogador cace e mate qualquer tipo de Orc em qualquer ordem. Seja indo direto em um dos chefões ou um dos Capitães Uruks, ou matando Orcs mais fracos afim de obter mais poder e assim criar medo nos Orcs mais poderosos. Inclusive, indo aos poucos, o jogador cria fama no jogo, e assim o encontro com os chefões sempre vai render algumas piadas por parte deles.

Alias, isso vale também para os amigos do Steam que tenham o jogo. Caso você seja morto por algum chefe Orc, aparecerÁ missões nos jogos dos amigos para que ele vingue a sua morte citando, inclusive, o nome do jogador morto. Bem interessante.


Apresentando: os Orcs...

Uma curiosidade: os Orcs são exímios piadistas e sarcÁsticos, além de burros, inclusive falando muita coisa errada. Sempre que encontrar algum chefe, ele farÁ alguma piada sobre o que o jogador fez durante a jogatina.

Como a dublagem é totalmente brasileira e de excelente qualidade, incluindo gírias tupiniquins, vÁrias falas são realmente engraçadas e épicas! Até mesmo se você reencontrar algum Orc que te matou antes, ele vai ficar confuso e dizer algo do tipo: "ué, eu não jÁ te matei antes??".

No decorrer da jogatina, o jogador poderÁ adquirir e aprimorar vÁrias características, e porque não dizer, poderes do personagem. Tanto para Talion quanto para Celebrimbor. Além disso, as armas podem ser aprimoradas através de Runas que ficam disponíveis ao matar algum chefe Uruk.

Além disso, o jogador ganha Pontos de Habilidade que serão usados para adquirir ou aumentar seus poderes; e ainda uma espécie de moeda que serve para comprar Atributos, seja aumento da quantidade mÁxima de vida, aumento de Runas em cada arma, e aumentar a concentração mÁxima.




A beleza da Terra-Média


"Shadow of Mordor" possui Áreas vastas e belíssimas, mas mortas, ou seja, sem vida, sem muitos detalhes. Esse é o cenÁrio do mundo dos Orcs de "O Senhor dos Anéis" que o jogo recria com maestria. Isso faz com que o game possa abusar da qualidade visual sem deteriorar a performance jÁ que não haverÁ muitos objetos distintos em cena.

O resultado geral é excelente, principalmente usando as texturas em Ultra que são baixadas em separado. Ainda assim algumas aparecem borradas quando vistas de perto, e isso pode decepcionar algumas pessoas mais exigentes. Mas vista em um plano geral, a melhora é evidente, mas não à ponto de justificar o uso de uma VGA com 6GB de Ram, que é informado ao selecionar a opção Ultra. Vale lembrar que os testes foram feitos com uma VGA com "apenas" 3 gigas, e tanto em High quanto em Ultra, o jogo fluiu sem maiores problemas.


Todos os personagens do game são extremamente detalhados, tanto os principais quantos os Orcs. Por exemplo, é impressionante a recriação de Gollum, ficando idêntico ao personagem nos filmes da saga tanto no visual quanto na animação.

Outro destaque no visual de "Shadow of Mordor" é a mudança climÁtica em tempo real, ou seja, o clima muda de tempos em tempos sem nenhum corte na cena. O que realmente chama a atenção é a tempestade de granizo, sendo possível ver cada pedrinha de gelo caindo, batendo no chão e ainda rolando e sofrendo ação da física dependendo de onde ela cair. Realmente impressionante.


Dublagem voltada para o público brasileiro

Com dublagem nacional de ótima qualidade, "Shadow of Mordor" traz inúmeras vozes conhecidas do grande público e isso é ótimo para que a ambientação se torne mais fiel aos filmes. Até mesmo as piadas foram localizadas, incluindo gírias brasileiras, algo dificil de se ver em jogos dublados.

Vale o registro de que todos os Orcs são dublados e possuem uma variação de tonalidade na voz para que pareçam feitas por dubladores diferentes. Na verdade não são. VÁrias vozes são feitas pelo mesmo dublador, apenas mudando o tom. Isso é aceitÁvel porque obviamente seria impossível dublar milhares de Orcs com vozes diferentes.

Embora dê para perceber que é o mesmo dublador, o cuidado que tiverem com as falas é excelente, acima da média. Isso porque os Orc's falam diferente um dos outros, principalmente no sentido das gírias e sotaques.



Conclusão

"Middle-earth: Shadow of Mordor" com certeza é o início de uma bela franquia, sendo até superior ao seu concorrente direto: "Assassin's Creed".

O mundo de "O Senhor dos Anéis" é bem retratado no game, incluindo personagens famosos meticulosamente recriados com a supervisão do principal responsÁvel pelo sucesso da franquia cinematogrÁfica, incluindo a série "O Hobbit": Peter Jackson.

É difícil achar algum problema grave em "Middle-earth: Shadow of Mordor", seja no visual, nas impecÁveis animações - principalmente dos Orcs -, na jogabilidade Ágil, na dublagem brasileira e até na história.

Enfim, "Middle-earth: Shadow of Mordor" é um jogo imperdível para qualquer fã de games, principalmente aqueles que idolatram o mundo de Tolkien.


PRÓS
GrÁficos e animações excelentes
Reprodução fantÁstica do mundo de "O Senhor dos Anéis"
Gollum
Jogabilidade aprimorada em relação à concorrência
Mundo aberto e dinâmico
Dublagem brasileira impecÁvel, voltada para nossa cultura
Sistema Nemesis
Matar Orcs!!
CONTRAS
Um modo multiplayer seria fantÁstico
Assuntos
Tags
  • Redator: João Paulo Losada

    João Paulo Losada

    Gamer por natureza, JP Losada, ou simplesmente DJLosada como é conhecido por toda a comunidade gamer, é um grande conhecedor de games em geral. Eventualmente analisa lançamentos e comenta sobre os sucessos e decepções relacionadas aos games que chegam ao mercado através do portal Adrenaline. Jé escreveu para revistas de games, artigos para produtoras, além de ter citações em seu nome em caixas de jogos de PC lançados no Brasil. Possui parceria com algumas produtoras, principalmente de corrida