ANÁLISE: Extremecap U3

ANÁLISE: Extremecap U3
É inegÁvel a crescente popularização dos vídeos de gameplay e com serviços de captura e transmissão jÁ disponíveis nativamente no Xbox One e Playstation 4, as empresas produtoras de interfaces de captura de videos voltadas para a comunidade gamer precisam apresentar um maior diferencial e uma fidelidade visual à altura dos jogos de última geração. 

Até então, dispositivos desse tipo não conseguiam gravar jogos (tanto em consoles quanto em PCs) na resolução 1080p a 60 quadros por segundo, mas o ExtremeCap U3 promete alcançar este nível graças à sua interface baseada em USB 3.0. Outras interfaces de captura, tanto da AVerMedia quanto de outras empresas, estavam limitadas a 1080p@30fps ou 720p@60fps. 

Outro trunfo do dispositivo é que a sua maior velocidade também permite jogar a partir da mesma tela do computador em que a gravação estÁ sendo feita, sem uma latência perceptível e dispensando a utilização de um segundo monitor.


Especificações 

Conexões
Interface: USB 3.0 
Entrada de vídeo Digital: HDMI
Analógico: Vídeo Componente
Entrada de audío Digital: HDMI
Analógico: RCA L/R

Resolução mÁxima
Input:
1920 x 1080 (60p/50p/30p/25p/24p/60i/50i)
Capture:
1920 x 1080 (60p/50p/30p/25p/24p)

Requerimentos mínimos para PC
Windows 8 (32/64 bit), Windows 7 (32/64 bit)
i5-3400 ou superior / NVIDIA GT630 ou superior
4GB RAM
USB 3.0

Requerimentos mínimos para Mac
Mac OS X v10.9 ou superior
i5 quad-core ou superior
4GB RAM
USB 3.0

Dimensão: 137.2 (w) x 84.8 (d) x 18.55 (h) mm
Peso: 182g

Software Incluso: AVerMedia RECentral, USB 3.0 Diagnosis Tool

Plug-ins: Adobe Premiere Pro CS6 plug-in, Sony Vegas plug-in


Desempenho

Dentro da caixa do ExtremeCap U3, além do aparelho em si, encontram-se um manual com instruções bÁsicas de instalação, um cabo Micro USB 3.0 e um cabo de Vídeo Componente/Áudio Stereo (necessÁrio para capturar vídeos do Playstation 3, uma vez que a saída HDMI do console é protegida por DHCP, proteção que pode ser desabilitada nos menus de configuração do Playstation 4). O dispositivo é um pouco maior e mais pesado que AVerMedia Live Gamer Portable, lançamento anterior da empresa, mas possui um acabamento e linhas mais sóbrias, com a superfície em piano black e base emborrachada.

Além da conexão USB 3.0, o ExtremeCap possui na sua traseira uma entrada AV e uma entrada HDMI. Como a placa de captura permite jogar através da mesma interface em que estÁ sendo gravada sem latência, ela não possui uma saída HDMI passthrough para outro monitor/TV. A embalagem também não inclui um cabo HDMI pelo mesmo motivo, uma vez que você pode utilizar o cabo jÁ fornecido pelo console. Mas é preciso levar em conta que, se você for capturar um jogo de PC, você precisarÁ de uma placa de vídeo que tenha uma pelo menos uma segunda saída de vídeo para visualizar o jogo (ou utilizar um segundo PC/Notebook).

Como outros dispositivos da Avermedia, uma breve visita ao seu site serÁ necessÁria para baixar o driver do aparelho (disponível tanto para Windows quanto para Mac OS), que costuma vir acompanhado do RECentral, software da empresa para gerenciar a gravação e transmissão das imagens capturadas. O programa não recebeu atualizações considerÁveis, mas ainda oferece "configurações avançadas" para controlar a qualidade do vídeo, bem como fontes externas (é possível gravar o Áudio de um microfone que esteja conectado no computador em conjunto) e teclas de atalho. O software também permite fazer streaming para diversos serviços de vídeo, mas tivemos dificuldades para fazer a transmissão para o mais popular deles, Twitch. Outras soluções mais eficientes e personalizÁveis de softwares para gerenciar o streaming podem ser encontradas, opções tanto gratuitas quanto pagas, que são até recomendadas pelo próprio site da AVerMedia, como o XSplit e OBS.

Durante os testes foi possível jogar perfeitamente através da própria tela de captura do jogo, sem qualquer atraso ou latência perceptível. Os testes incluiram jogos de corrida e FPS que exigem uma resposta mais precisa, gravando em Full HD a 60 quadros por segundo – a qualidade mÁxima disponível pelo dispositivo. Isso só é possível por causa da interface USB 3.0, de alta taxa de transmissão de dados. É preciso notar que nem toda porta USB 3.0 serÁ capaz de oferecer esse desempenho desejado, tanto que a AVerMedia disponibiliza uma ferramenta de diagnóstico para informar se a velocidade da sua porta é suficiente e em que qualidade serÁ possível transmitir o conteúdo sem atraso, sendo indicado sempre manter seus drivers atualizados. Em um dos sistemas que testamos aqui, só conseguimos alcançar o desempenho desejado atualizando o Windows 7 para o Windows 8.1 (provavelmente por causa de incompatibilidades com o chipset ASMedia), enquanto em outros a funcionalidade estava disponível sem demais complicações.

Para produções de vídeos em um nível amador, a ExtremeCap U3 fornece amplo suporte. A qualidade de imagem nunca deixa a desejar, mesmo em situações de longo uso. É possível conectar um microfone ao computador para transmitir a sua voz junto ao game ou gravar uma narração ao vivo enquanto joga. A AVerMedia também disponibiliza plug-ins para programas de edição profissionais, como Sony Vegas e Adobe Premiere, que permitem fazer a captura dentro do próprio programa, que permite obter o vídeo em AVI sem compressão.No entanto, isso gera dois efeitos negativos: devido a alta qualidade do vídeo, os arquivos tornam-se enormes e seu HD ficarÁ sem espaço rapidinho; esse processo de captura gera uma grande latência, não permitindo que você jogue na mesma tela que estÁ capturando. E como a ExtremeCap U3 não possui uma saída de vídeo, fica impossível jogar e capturar nesse formato, tornando a única solução efetiva captura em MPG-4 ou MPG-2 comprimido.

Conclusão

É possível encontrar algumas placas de captura PCI Express que gravem a uma taxa de 60 FPS, mas dentre os diferenciais da ExtremeCap U3 estÁ sua facilidade de uso e portabilidade. Ela não é destinada a produção de vídeo profissional, uma vez que a falta de uma saída HDMI acaba sendo um fator limitante. Poder jogar no mesmo monitor que a captura estÁ sendo gerenciada é um atrativo ao usuÁrio doméstico, mas se você procura adicionar diferentes fontes de vídeo e fazer alguma edição em tempo real enquanto transmite os seus jogos, as dificuldades deste setup irão só aumentar. A impossibilidade de capturar em um formato sem compressão também deve afastar os profissionais do vídeo.

No entanto, se o usuÁrio final deseja apenas transmitir e gravar suas partidas sem complicação e com toda a qualidade que sua plataforma consegue oferecer, a ExtremeCap U3 é uma boa pedida. As soluções nativas disponíveis no Xbox One e Playstation 4 podem ser bastante prÁticas, mas impõem uma compressão bruta, sem possibilidade de configuração. Para compartilhar a jogatina no PC existem mais alternativas, desde softwares grÁtis e pagos, alguns que afetam o desempenho da mÁquina (FRAPS, por exemplo), outros que estão restritos a algum hardware (como o Shadowplay da Nvidia). O preço do novo dispositivo da AVerMedia também não é dos mais atrativos, podendo ser encontrada no Brasil por cerca de R$ 850,00, numa faixa de preço comum para esse tipo de dispositivo, mas que ainda assusta muitos. Sendo pioneira no mercado brasileiro ao entregar essa de qualidade de vídeo, a ExtremeCap U3 merece destaque por entregar tudo que promete, mas apenas a concorrência ou futuros dispositivos poderão resolver as suas falhas.

PRÓS
CONTRAS
Assuntos
  • Redator: Thiago Santana

    Thiago Santana

    Cinéfilo desde quando "videocassete" ainda era uma palavra usada por crianças, Thiago é formado em Cinema pela Universidade Federal de Santa Catarina. Muito cedo, sua infância foi traumatizada pela fase 1-4 do Super Mario Bros. 3. Também assiste a mais séries do que devia e tem desenvolvido uma leve obsessão por jogos de tabuleiro. Hoje combina seus interesses e a experiência de fazer cinema para produzir vídeos para a Adrenaline.