ANÁLISE: Asus G750JX

ANÁLISE: Asus G750JX

O Asus G750JX é um notebook gamer para quem busca um modelo de alta performance. Equipado com o processador Core i7 de quarta geração e uma placa de vídeo dedicada GTX 770M, ele vem com performance para encarar games em alta resolução sem problemas. Outro destaque deste modelo é o design, uma área em que a Asus "capricha", especialmente em seus modelos topo de linha. Além das especificações, o modelo impressiona – negativamente – em outros dois aspectos: seu preço de R$ 14 mil e seus 4.5kg de peso.


Comparativos



MSI GT70 2OC
Avell Titanium G1540 MAX
ASUS ROG G750JX
Processador
Intel Core i5 4700MQ Intel Core i7 
4900MQ
Intel Core i7
4700HQ
Chip Gráfico
Nvidia GTX 770M Nvidia GTX 880M Nvidia GTX 770M
Memória RAM
8GB 16GB 32GB
VRAM
3GB GDDR5
8GB GDDR5 3GB GDDR5
Tela
17.3' FullHD (1920x1080) Antirreflexiva

15.6" FullHD  (1920x1080)
Antirreflexiva 

17.3' FullHD (1920x1080) 
Dimensões (AxPxL)
42,8 x 28,8 x 5,5
cm
37,5 x 25,6 x 4,2
cm
41 x 31,8 x 1,8~5
cm
Peso
3,9 Kg 3,98 Kg 4,5 Kg
Armazenamento

1TB HDD

120GB SSD 1TB HD e
2x 256GB SSD
Bateria
9 células Li-Ion
8 células Smart Lithium-Ion 5900 mAh /
89 Whrs
Preço (15/09)
R$ 6.499,00 R$ 7.629,00
(R$ 4.769 modelo básico)
R$ 13.999,00


Design e tela

O ponto forte do G750JX é, indiscutivelmente, o design. O notebook tem ótimo acabamento, e seu projeto consegue ser agressivo graças às linhas angulosas da carcaça. Ao mesmo tempo, o uso da cor preta com um acabamento fosco e a ausência de luzes não passa do ponto, como acontece em alguns modelos gamers. O material da tampa tem uma pegada mais áspera, que além de dar o estilo fosco ao notebook, facilita segurá-lo, algo bem positivo considerando todo seu tamanho e peso e a dificuldade que é movê-lo de um lugar para outro.

O teclado tem um bom tamanho, é retroiluminado e bastante confortável de se jogar. Apesar de não integrar os botões no touchpad, ele ainda assim possui uma boa área útil é servirá para utilizar o notebook em atividades que não são games. Não é incômodo jogar por longos períodos, mérito principalmente da grande área para apoio dos pulsos. Além do tamanho, esta região tem uma inclinação progressiva e sutil, e o acabamento em aço escovado está entre meus favoritos para o apoio do pulso, melhor que o material emborrachado de modelos anteriores da Asus.

 

A tela com resolução FullHD tem luminosidade, contrastes e cores dentro da média do segmento. Em geral, os notebooks gamers não vem ganhando a mesma atenção a fatores como densidade de pixels e alta luminosidade, como dispositivos mais portáteis como os ultrafinos e tablets. O sistema de som com as tecnologias SonicMaster e AudioWizard, que resultam em um áudio com boa qualidade e uma intensidade bastante satisfatória, aproveitando bem o corpo grande deste modelo e o subwoofer na parte de baixo.

O maior problema do design do G750JX é seu tamanho. Por mais que seja óbvio que um notebook gamer com tela de 17" seja a coisa menos portátil no mundo da computação - depois de um PC de mesa convencional - ele é um tanto maior que outros modelos do mesmo segmento. Logo, não será em qualquer mochila que você poderá carregá-lo. O peso também é um problema: com 4.5kg, ele fica mais de meio quilo acima do MSI GT70 2OC, um notebook com perfil semelhante de hardware. 

Aquecimento e autonomia

O maior talento do G750JX é o controle do aquecimento. Estes notebooks gamers de alta performance trazem problemas como ruídos e, dependendo do tamanho e dos componentes, um aquecimento excessivo. Este modelo consegue manter tudo em ordem, graças a um detalhe do design: as saídas de ar traseiras.

O G750JX reservou um espaço atrás da tela, onde concentra suas saídas de ar. O resultado disto é que o aquecimento é praticamente imperceptível em todo o teclado, e na grande maioria da área do notebook. Tanto em cima quanto abaixo, as temperaturas raramente passam muito dos 30ºC. Os componentes internos também aqueceram pouco, chegando a no máximo 80ºC no processador, enquanto a GPU, rodando um game em alta qualidade, conseguiu manter baixíssimos 60ºC – algo excelente quando falamos de notebooks.

O G750JX se saiu bem longe da tomada. Com um perfil de hardware de alto consumo de energia e uma tela grande, as 3h41min que ele foi capaz de rodar atividades cotidianas como navegar na internet e editar planilhas é um bom resultado para seu segmento.

Performance

O G750JX possui especificações que impressionam. Seu processador Intel Core i7 4700HQ, seus dois SSDs em RAID e os 32GB de memória RAM estão muito acima da média, até mesmo para o segmento de notebooks gamers de alta performance. Como resultado disto, temos alguns novos recordes de performance em muitos de nossos benchmarks.

 

Os destaques são as atividades que envolvem mais poder de processamento, onde a CPU mostra seu valor. Ou em softwares que avaliam a performance geral do sistema, como o PCMark 8, onde a combinação de muita RAM com uma CPU potente e um RAID de SSDs cravou um novo recorde, por aqui. Este perfil de hardware é muito interessante para profissionais que precisam de muito processamento e memórias rápidas e abundantes, o que faz este notebook "voar" em aplicações como o Photoshop.

Curiosamente, o notebook é menos impressionante naquilo que aparentemente devia ser sua vocação: os games. Como o pessoal entusiasta já sabe, não adianta abusar no processador e na memória RAM, pois muito do "gargalo" dos jogos vão ficar por conta mesmo da placa de vídeo. O G750JX vem com um chip gráfico potente, o Nvidia GeForce GTX 770M, capaz de rodar games em alta resolução e em qualidade alta ou ultra, dependendo da franquia.

O problema surge quando comparamos com notebooks de concorrentes. Por conta do alto valor (R$ 14 mil), dá para encontrar com muita facilidade modelos bem mais baratos equipados com chips gráficos mais potentes e que, apesar de inferiores em todas as demais especificações, entregarão mais desempenho em jogos. Modelos com chips de gerações mais recentes, como o MSI Apache e sua GTX 850M na arquitetura Maxwell, conseguem entregar a mesma performance custando muito menos.



Conclusão

Se você cogita o G750JX como um notebook para games, temos aqui um sistema desbalanceado. Seu processador, memórias RAM e armazenamento são incrivelmente ágeis e eficientes. Mas na hora dos games estão limitados ao desempenho disponível na GPU GTX 770M, que fica "na mesma balada" de chips gamers de entrada da nova geração, como o GTX 850M. Para quem tem como único foco os jogos, este modelo possui uma péssima relação entre "custo vs performance", e seus R$ 14 mil pagam dois ou até mais modelos com performance similar ou superior (em jogos).

O mérito deste modelo fica em seu design, uma área que a Asus costuma se sair muito bem mas, principalmente, atividades que realmente explorem o potencial dos componentes onde a Asus "exagerou". Este notebook possui uma performance bastante alta em aplicações que envolvam muito processamento, como editores de imagens e vídeos, ou mesmo virtualização e outras atividades que explorem os seus 32GB de memória RAM. Para quem estiver cogitando uma "workstation" para vídeos, a a presença de uma conexão Thunderbolt pode ser um adicional importante. 

Para quem está pensando mesmo em games, a menos que você faça questão do ótimo design presente neste modelo, dá para encontrar opções mais leves, baratas e com melhor performance para jogos que podem fazer muito mais sentido.

Asus G750JX possui um design excelente e especificações que impressionam, mas fica atrás de concorrentes muito mais baratos quando se trata de games

{break::Benchmarks: CineBench e WinRAR}Abrimos nossa série com testes "sintéticos" do sistema, mostrando com notebook lida com diversas atividades. Para começar, utilizamos o CineBench, uma ferramenta de benchmark que mede a capacidade do sistema (processador e placa de vídeo) em lidar com a API OpenGL, importante para quem deseja usar aplicações profissionais que trabalham neste padrão.

WinRAR
Com o programa de compactação de arquivos temos um ótimo teste para a capacidade de atuação do processador, a peça de hardware mais demandada por este aplicativo.

{break::Benchmarks: PCMark e 3DMark}Começamos a segunda parte de testes sintéticos com o PCMark 8, software que verifica o desempenho geral do sistema em uma série de atividades como rodar vídeos e converter arquivos.

3DMark
Hora de colocar as GPUs para esquentar com o software da Futuremark. Nesta bateria de três testes temos vários recursos pesados rodando, vendo como a placa se comporta desde as animações mais simples até renderização de elementos complexos como fumaça e tesselação.

{break::Benchmark: Autonomia, HD Tune e Photoshop CS5}Rodamos o software PCMark 8 no modo Office, com o notebook em modo de economia de energia e com pouco brilho na tela, para tentar verificar o "máximo" que dá para tirar da bateria do aparelho.

Adobe Photoshop CS5
Aplicamos o filtro Extrude, em uma imagem com resolução 5182x9754 e 4.5GB, para verificar o tempo que o notebook leva para aplicar este efeito.

HD Tune

Neste benchmark verificamos a velocidade de operação do dispositivo de armazenamento presente no aparelho. Este componente é importante principalmente nos tempos de resposta do notebook, como velocidade para abrir programas, arquivos ou ligar o sistema, sendo assim uma parte importante da experiência como gadget.

{break:: Benchmark: Metro: Last Light}

Nosso primeiro benchmark em games é o exigente Metro: Last Light. Ele está entre os jogos que mais demandam do hardware, junto com franquias como Battlefield 4. Nossa opção por Metro tem dois motivos: a existência de uma ferramenta de benchmark e a possibilidade de ativar tecnologias proprietária da Nvidia, como o PhysX.

O teste foi executado com a ferramenta própria de benchmark de Metro: Last Light. Para recriar os testes, você pode baixar a configuração neste link.

{break:: Benchmark: Bioshock Infinite}

O game "BioShock Infinte" é um grande sucesso de crítica (inclusive aqui no Adrenaline) desenvolvido pela 2K Games. Para os testes com o este jogo utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool"

FullHD
Aumentamos a qualidade gráfica para 1920x1080 de resolução, o que impacta no desempenho do sistema.


Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Action Benchmark ToolAs filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: 1366x768 e em modelos que suportam o FullHD.

{break::Benchmark: Tomb Raider}

O game marca o reboot da histórica franquia de Lara Croft, desenvolvido pela Crystal Dynamics com sua engine própria, a Crystal Dynamics Engine. Este game tem apoio da AMD, e inclusive contém recursos exclusivos voltados aos chips da empresa. Para os testes com o este jogo utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool".

FullHD
Aumentamos a resolução para os 1080p, e rodamos novamente a bateria de testes.

 

Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Action Benchmark ToolAs filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: 1366x768 e em modelos que suportam o FullHD.

PRÓS
Sistema de resfriamento eficiente
Ótimo design
Tela e áudio de alta qualidade
Boa performance em games
Processador de alta performance
Conexão Thunderbolt
CONTRAS
Caro o suficiente para pagar outros dois modelos gamers de mais performance
Desempenho abaixo de concorrentes mais baratos
Pesado (até mesmo para os padrões dos notebooks gamers)
Especificações desbalanceadas para games
Assuntos
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube