ANÁLISE: Intel Core i7-5960X

ANÁLISE: Intel Core i7-5960X

A linha Extreme Edition da Intel é hoje o destaque na Área dos processadores para consumidor final, representando o "estado da arte" na Área de CPUs, nos últimos anos. Estes modelos trazem o que hÁ de mais potente disponível para o consumidor doméstico. O lançamento da nova geração, a Haswell-E e o chipset X99 ganharam um extra que dÁ ainda mais relevância para este lançamento: nestes componentes acontece a introdução de uma nova tecnologia de memórias RAM, a DDR4.

Artigo: Os processadores Haswell-E e chipset X99 chegaram: o que mudou? 

A nova geração dos processadores Extreme Edition traz a arquitetura Haswell e é composta por três produtos: o Core i7-5820K, Core i7-5830K e o topo de linha, o Core i7-5960X, sendo que nossa anÁlise é deste último modelo, que traz outra novidade à família Extreme: oito núcleos físicos e um total de 16 núcleos lógicos através do Hyper Threading.

Como esperamos de um produto de uma linha entusiasta, e nada menos que o atual topo de linha dos processadores Intel domésticos, o i7-5960X chega ao mercado com um preço bastante salgado: com preço sugerido de US$ 999, ele é encontrado por preços até 50 dólares acima disto, com um custo quase duas vezes maior que o do processador 5830K e muitos dólares longe do Core i7-4790K, o que hÁ de mais potente disponível fora da família Extreme Edition.

Em relação a geração passada, a Ivy Bridge-E, foi mantida a litografia de 20 nanômetros com 40 trilhas PCIe 3.0 (a exceção é o 5820K, que foi limitado a 28). O cache compartilhado trouxe um incremento de 15 para 20MB, enquanto o TDP subiu 10W, para 140W. A grande novidade fica por conta das memórias RAM: as placas X99 suportarão apenas a nova tecnologia DDR4, que traz mudanças no formato dos conectores. Este chipset suporta até oito memórias, operando em quad-channel.

Fotos
Abaixo algumas fotos do processador, que manteve o mesmo tamanho físico dos Core Extreme anteriores, mas baseado em outra arquitetura e consequentemente uma série de melhorias e otimizações, como melhor dissipação interna de calor.

Na foto abaixo temos o Core i7 5960X(direita) ao lado do Core i7 4960X, modelo topo de linha da geração passada. Vale ressaltar que apesar da semelhança no tamanho, cada um requer um socket específico, não sendo possivel conectar um processador da geração anterior em mainboards X99 e vice-e-versa.

Sistema utilizado
Abaixo, detalhes sobre o sistema que utilizamos, além de informações dos drivers e aplicativos/games utilizados nos testes. Na foto abaixo temos o Core i7 5960X instalado na mainboard Gigabyte X99 G1 Gaming, utilizada para os testes.

MÁquinas utilizadas nos testes:
Todos os sistemas utilizaram os mesmos hardwares para os testes mudando apenas a placa-mãe e processador. Segue a lista dos componentes utilizados nos sistemas:

- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 780 (referência)
- Memórias: 8 GB (2x4GB) Kingston HyperX Predator 2800MHz
- SSD: Corsair Neutron GXT 240GB Sata III
- HD: Seagate Barracuda 2TB SATA III 7200RPM
- Fonte de energia (PSU): XFX ProSeries 850W PSU

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 8.1 64 Bits com Updates
- Intel INF 10.0.17
- GeForce 340.52 WHQL

Aplicativos/Games:
- CineBENCH R15
- x264 FHD Benchmark 1.0.1
- wPrime 2.10
- PCMark 8

- 3DMark - Fire Strike (DX11)
- Bioshock Infinite (DX11)
- Metro Last Light (DX11)
- Tomb Raider (DX11)

Metodologia dos Testes
Todos os sistemas rodaram com os mesmos componentes, com exceção da placa-mãe e processador logicamente. Em todos os casos, o sistema estava rodando com a placa de vídeo GeForce GTX 780 instalada, usando sempre a mesma versão dos drivers.

CPU-Z
Abaixo, tela do CPU-Z mostrando detalhes do processador.



Overclock
Como se trata de uma plataforma destinada a usuÁrios entusiastas, a Intel procurou ao mÁximo otimizar características para overclock. Essa forma, a expectativa é que todos os processadores Core Extreme devem se comportar bem nessa característica, e o Core i7 5960X não é diferente.

Overclockamos o processador de 3.0GHz para 4.62GHz através de overclock manual, subindo sua tensão para 1.38v, não sendo indicado utilizar tensão superior por longos períodos, porque tende a diminuir seu tempo de vida da CPU. Como é possível notar, "setamos" o multiplicador em 44x e aumentamos também a frequência, de 100MHz para 105MHz, chegando ao clock de 4.62GHz.

Esse overclock aumentou em mais de 50% o clock padrão do processador, que é de 3GHz, uma pena que o desempenho não suba em mesma escala, apesar que ainda assim surtiu um bom ganho, como veremos nos testes a seguir. 

Antes dos testes, a tela principal do CPU-Z com o overclock aplicado.


Temperatura
Iniciamos nossa bateria de testes com um bastante importante: a temperatura do chip, tanto em modo ocioso como em uso contínuo. É importante destacar que boa parte dos processador de alto desempenho, como exemplo os modelos Core Extreme e o FX-9590, não acompanham cooler box, dessa forma é necessÁrio comprar o cooler para montar o sistema. Isso acontece porque esses processadores em sua maioria necessitam de coolers de alto desempenho devido suas altas temperaturas, especialmente quando em uso intenso.

Primeiro vamos a temperatura dos processadores com o sistema em modo ocioso:


Para o teste da placa em uso, medimos o pico de temperatura durante os testes do 3DMark rodando em modo contínuo.


Consumo de energia
Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso.


Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark, temos os consumos abaixo:


Testes de desempenho
Abaixo temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando a placa com outros modelos do mercado utilizando os mesmos componentes e fazendo exatamente os mesmos testes, com exceção de overclock, que é diferente em cada placa-mãe/sistema.

CineBENCH R15
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o CineBench, que testa o processador convertendo uma imagem. 


x264 Full HD Benchmark
Em um teste de conversão de vídeo Full HD, temos os seguintes resultados:


wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:


PCMark 8
Através do aplicativo PCMark 8 temos uma bateria de testes diversos do sistema, sendo um dos melhores para ver o comportamento geral do computador.

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark.

BioShock Infinite
Em teste de games, começamos pelo "Bioshock Infinite", o mais recente da franquia, lançado em 2013.

Metro Last Light
Outro excelente teste que exige o mÁximo do sistema, em especial da placa de vídeo, é o game "Metro: Last Light".

Tomb Raider
Para finalizar os testes em games com o sistema utilizando uma placa de vídeo dedicada, vamos ao teste de desempenho do "Tomb Raider".

Conclusão

Conclusão

Avaliação: Intel Core i7-5960X

Performance
10.0
Tecnologias
10.0
Overclock
10.0
Preço
6.0
Depois de muita espera, finalmente a Intel lançou os novos processadores Core Extreme para socket LGA 2011-v3, baseado no chipset X99, que traz como principal novidade o suporte a memórias DDR4.

O modelo que analisamos é o topo de linha, Core i7 5960X, processador com clock de 3.0GHz em modo normal e 3.5GHz em modo turbo, mas seus clocks não são os principais destaques, mas sim seu número de núcleos/threads, primeiro processador do mercado que vem com 8 núcleos e 16 threads, sendo que até então existiam apenas os modelos com 8 núcleos por parte da AMD, sendo todos eles também com 8 threads.

É importante ainda destacar que apesar da AMD ter CPUs com 8 núcleos, eles nunca foram pÁreos para os modelos topo de linha da Intel quando se trata de processamento, a própria empresa jÁ deixou isso claro a alguns anos atrÁs quando definiu que iria focar seus produtos para o mercado de entrada e intermediÁrio, deixando de brigar no segmento de processadores de alto desempenho, "local" onde a Intel reina sozinha a bastante tempo, e os novos Core Extreme (Haswell-E) deixam isso claro, principalmente porque para concorrer nessa fatia de mercado requer muito investimento em tecnologias, muitas das vezes ariscando bastante e procurando inovar, situações que fazem o retorno aparecer a médio/longo prazo, luxo que a AMD não pode ter atualmente.

Apesar do alto desempenho, os teses comprovam que a nova plataforma vai ser atrativa mesmo para quem precisa de muito processamento em aplicações como conversão de imagens e vídeos, especialmente usuÁrios que trabalham com arquivos onde é necessÁrio hardware de altíssimo desempenho. A quantidade extra de núcleos físicos e threads praticamente "esmigalham" os processamentos em aplicações que sabem explorar o multithread de forma eficiente, e é nestes modelos que percebemos todo o potencial da nova plataforma.

No que diz respeito a quantidade de memórias, mesmo a plataforma anterior suportando 128GB em algumas placas-mãe, a nova plataforma X99 traz alguns refinamentos em relação as memórias, especialmente pelo novo padrão DDR4, que devem trazer ganho para esses usuÁrios que precisam do que existe de melhor. Se por um lado o investimento em uma nova tecnologia sai caro, o usuÁrio também tem a segurança de um bom tempo que estas memórias estarão dentro do que hÁ de mais atualizado.

Se você pretende montar uma mÁquina gamer, não espere que um processador como o Core i7 5960X faça diferença de desempenho, porque não farÁ. Poucas serão as situações onde ele vai trazer algum ganho quando se trata de games frente a outras opções jÁ existentes, seja da Intel através de modelos da linha Core i5 e Core i7, ou da AMD através dos FX. A pergunta que você deve fazer é se vale a pena investir nessa plataforma, com certeza a que tem as melhores tecnologias, justamente porque é tudo novo, mas optar por uma plataforma Intel LGA 1150 me parece algo muito mais sensato no momento, especialmente pelos preços, afinal por ser o que existe de melhor no mercado, tudo é mais caro, desde os processadores as placas-mãe, sem contar a necessidade de memórias DDR4. Os processadores "Broadwell" da Intel devem chegar ao mercado no inicio de 2015, com preços mais baixos, e jÁ terão compatibilidade com memórias DDR4, se você não quer esperar e jÁ partir para a plataforma com chipset X99, a sugestão é optar pelo Core i7 5920K, apesar de ser mais modesto que o 5960X, continua sendo um Core Extreme.

O potencial de overclock é bastante algo com este processador, o que deve tornÁ-lo um prato cheio para os overclockers. Seu ganho de performance também foi bastante expressivo, fazendo com que este modelo tomasse o topo de nossos benchmarks duas vezes: primeiro em seu clock padrão, e conquistando o topo novamente depois do overclock, em alguns momentos com um ganho de 25% comparado ao desempenho antes do aumento da frequência.

O Core i7 5960X assim como os processadores anteriores topo de linha Extreme Edition, chega custando U$999, dando um chute alto, por aqui deve ficar na casa de R$4000, jÁ que o Core i7 4960X estÁ custando cerca de R$3.300. A Intel ainda lançou dois modelos um pouco mais baratos, o Core i7 5930K por U$ 583 e o Core i7 5920K por U$ 389, esse último mais caro que o Core i7 4790K que sai por U$329 e é o modelo topo de linha da plataforma LGA 1150.

Para os desavisados, é importante destacar também que, assim como os modelos Core Extreme anteriores, o Core i7 5960X não acompanha cooler BOX, sendo necessÁrio comprar um cooler separado. Felizmente os coolers para socket LGA 2011 são compatíveis com esse novo socket.

Processador ultrapassa Core i7 4960X e passar a ser o mais rÁpido do mundo, mas seu custo vs desempenho vai atrair apenas usuÁrios entusiastas

 

PRÓS
Processador mais rÁpido do mercado na atualidade
Primeiro processador com 8 núcleos e 16 threads
Ideal para quem precisa converter imagens e vídeos em alta resolução
Nova plataforma com placas-mãe X99 traz tudo que existe de melhor em tecnologias
Facilmente overclockado
Chega a clock bem altos sem grande dificuldade(subimos de 3.0GHz para 4.62GHz com air cooler)
Compatibilidade com coolers socket LGA 2011
CONTRA
Com uma placa de vídeo dedicada de segmento intermediÁrio, o desempenho é igual a modelos que custam 1/5 do preço rodando a maioria dos games
Preço alto de mais e que não justifica seu investimento frente a modelos como o próprio Core i7 5930K
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.