ANÁLISE: MSI Z97I Gaming AC

ANÁLISE: MSI Z97I Gaming AC

Nos últimos anos, o formato de placas-mãe Mini-ITX tem recebido bastante destaque pelos fabricantes, com acabamento de alta qualidade e suporte ao que existe de melhor em tecnologias. A MSI começou a dar mais atenção a esse formato em suas placas que utilizam chipset Serie 8, lançadas a partir do segundo semestre de 2013. Agora, com o lançamento dos chipsets Serie 9, a empresa lança novos produtos com atualizações de design, componentes e tecnologias. O modelo Z97I Gaming AC é exemplo disso. É uma placa voltada ao público gamer que, além de se diferenciar pelo acabamento e visual, traz tecnologias voltadas a esse público.

Diferenças entre chipsets Intel Z97 e H97
As novidades das CPUs Intel Devil's Canyon

Como destaque, a placa traz sistema Áudio Boost com conexões banhadas a ouro, rede Killer E2200, Wi-Fi e Bluetooth 4.0 e projeto com bom potencial para overclock.

Em cenário internacional, esse modelo custa US$ 190 (pesquisa feita dia 14/08/2014). Já no Brasil, o preço da placa quando "fabricada" aqui deve ficar pouco abaixo de R$ 800, de acordo com a MSI. Algumas lojas já vendem o modelo importado, que está custando cerca de R$ 950.

Fabricação Nacional
Quase todas as placas-mãe MSI da série Gaming com chipset Intel Serie 9 estão sendo fabricadas no Brasil, no conceito CKD (Completely Knocked Down). Ou seja, as peças vem de fora e toda a montagem é feita no Brasil. Quem cuida desse processo é a Braview, em sua fábrica localizada em Minas Gerais. O processo de montagem é feito em grande parte por robôs, semelhante ao processo utilizado em outros países. Para quem não conhece, vale a pena ver esse vídeo que fizemos em uma fábrica da Gigabyte.

Com o produto sendo fabricado no Brasil, espera-se que seu preço final fique abaixo do mesmo produto quando importado. Isso porque o governo dá benefícios fiscais para as empresas que fabricam localmente. Mas então teremos um produto mais barato? Não necessariamente, porque muitas vezes ao invés desse "desconto" ser repassado ao consumidor final, especialmente no lançamento, acaba revertendo a maior lucro para os distribuidores e revendedores.

Tecnologias
Abaixo estão algumas das principais tecnologias da placa, que possui formato compacto, no tamanho Mini-ITX (17x17cm). O modelo é destinado a quem procura montar uma máquina gamer com tamanho reduzido, conhecidas como HTPCs.

Um detalhe importante é que, devido ao tamanho muito compacto desse modelo, a MSI não adicionou a conexão M.2 nem a SATA Express – que são as duas grandes novidades dos chipsets Serie 9. Algumas empresas adicionaram conexão M.2 na parte de baixo de modelos Mini-ITX, já que esses drives são finos e não comprometem a instalação nesse local. A MSI, ao menos nesse modelo, optou por não adicionar nenhuma dessas conexões.

Especificações técnicas da MSI Z971 Gaming AC:
- Suporta processadores 4ª e 5ª Geração Intel® Core™ / Pentium® / Celeron® para soquete LGA 1150
- Suporta memória DDR3-3300(OC)
- USB 3.0 + SATA 6Gb/s + eSATA 6Gb/s
- Audio Boost 2
- Killer Ethernet
- USB Audio Power
- XSplit Gamecaster
- Guard-Pro
- OC Genie 4
- Gaming App
- Click BIOS 4
- Sound Blaster Cinema 2
- Porta para dispositivos de jogo
- Wi-Fi 802.11ac, Bluetooth 4.0, Intel® Wireless Display

Audio Boost 2
A MSI Z971 Gaming AC conta com o exclusivo sistema Audio Boost 2 da MSI, que fornece alta qualidade de áudio graças a diversas funcionalidades, como o suporte ao Creative Sound Blaster Cinema 2 e a isolação do sistema de áudio no PCB.

USB Audio Power
A placa também fornece continuamente um sinal de energia 5V para todas as suas portas USB, assegurando que o usuário tenha a qualidade de áudio desejada, mesmo que todas as portas estejam sendo usadas.

Killer E2200 Game Networking
Outra especificação que merece ser lembrada é a plataforma Killer E2200 Intelligent Networking, que foi produzida para oferecer o máximo desempenho para jogos online e streaming.

Fotos
Abaixo, uma série de fotos da Z97I Gaming AC. Apesar do formato compacto Mini-ITX, ela traz algumas características comuns em modelos com formato maior direcionadas a um público mais exigente, como o alto padrão de acabamento e visual imponente.

Por ser da série Gaming, ela traz design diferenciado, com detalhes exclusivos até mesmo nos dissipadores. O modelo se difere bastante do padrão nesse formato, justamente tentando atrair o publico gamer. Reparem que, para usar as tecnologias WiFi e Bluetooth, é necessário fixar o adaptador que acompanha a placa – diferente do que acontece na versão baseada em chipset Z87, que tinha essas conexões fixas no painel traseiro. Esse mesmo processo já foi adotado por outros modelos, como a Z97 Gaming 9 AC, que analisamos a algumas semanas atrás.

Com controladores de fases com dissipador, ela promete bom comportamento em overclock, mesmo que por lógica abaixo de modelos com formato maior.

O sistema Audio Boost 2, já tradicional da linha Gaming da MSI, promete melhor qualidade sonora aos gamers. No total, a placa possui 4 portas SATA 6Gb/s, deixando de fora as novas conexões M.2 e SATA Express. Isso é uma pena, pois mesmo com o espaço reduzido, acho que seria possível adicionar ao menos uma SATA Express ou mesmo a M.2 na parte de baixo da placa, como alguns fabricantes fizeram.

Em se tratando das conexões traseiras, destaque para o reposicionamento de algumas conexões, como de áudio, que até então sempre ficava do lado oposto. Reparem que as conexões de áudio são banhadas a ouro para entregar ao usuário maior fidelidade sonora. Também podemos destacar as portas e-SATA e as duas conexões USB na cor vermelha, Elas são indicadas para uso de mouses e acessórios específicos para games, já que, de acordo com a MSI, esses dispositivos conseguem respostas mais rápidas quando conectados nessas "portas".

Nas fotos abaixo comparamos a Z97I Gaming AC com outros modelos Mini ITX. Na primeira foto (lado esquerdo da tela), comparamos ela com outro modelo da MSI, mas baseado em processador AMD socket FM2. Na foto do meio, comparada com a Asus Z87 Impact, a melhor placa Mini-ITX com chipset Serie 8. Já na foto à direita, comparamos ela com a Gigabyte H97N-WiFi. O que podemos ver de diferente quando comparamos a Z97I Gaming AC com as placas da Asus e Gigabyte é que a MSI adotou uma mudança no local do socket do processador no PCB. Com isso, acabou gerando uma limitação que pode incomodar muita gente, como explicaremos mais abaixo.

Como se trata de uma placa-mãe com chipset Z97, muitos usuários podem montar o sistema pensando em overclock, com processadores série "K", coolers de alto desempenho e memórias com clocks mais altos. O porém nesse modelo Mini-ITX da MSI é que, devido ao posicionamento do socket, acabou sendo crianda uma limitação entre coolers a ar de alto desempenho e kits de memórias com dissipadores mais altos do que o padrão. Nas fotos abaixo, mostramos bem que o usuário será obrigado a optar por um kit com dissipadores baixos, caso contrario o cooler criará problema com a placa de vídeo. Mesmo um modelo com dissipadores levemente acima do padrão pode não ficar na posição 100% ideal como vemos abaixo.

Tirando essa limitação com coolers a ar de alto desempenho e alguns kits de memória, a placa merece destaque pelo ótimo acabamento.

BIOS
Diferente de outros fabricantes – como Asus e Gigabyte – a MSI não fez mudanças visuais na interface de suas BIOS de placas com chipsets Serie 9. Mas de forma alguma isso é um problema. Pelo contrario, em muitos casos esse tipo de mudança só complica algo que em teoria deveria ser simplificado.

O que sentimos falta foi dos perfis pré-programados para overclock quando utilizando o processadores Core i7 4790K, diferente de placas com chipset Serie 8.

Abaixo algumas telas da BIOS da placa.

{break::Máquinas/Softwares utilizados}Abaixo, detalhes sobre o sistema que utilizamos para todas as placas-mãe comparadas, além de informações dos drivers e aplicativos/games utilizados nos testes.

Mas antes, fotos da placa analisada montada com demais componentes do sistema.

Máquinas utilizadas nos testes:
Todas os sistemas utilizaram os mesmos hardwares para os testes:
- Processador: Intel Core i7 4790K
- Placa de vídeo: Vídeo integrado do processador
- Memórias: 8 GB Kingston Predator 2800MHz (2x4GB)
- SSD: Corsair Neutron GXT 240GB Sata III
- HD: Seagate Barracuda 2TB SATA III 7200RPM
- Cooler: Cooler Master TPC 812
- Fonte de energia (PSU): XFX ProSeries 850W PSU

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 8.1 64 Bits com Updates
- Intel INF 10.0.14
- Intel HD Graphics Drivers 15.33.19.3540

Aplicativos/Games:
- CineBENCH R15
- MaxxMEM 2.01
- x264 FHD Benchmark 1.0.1
- wPrime 2.10

- 3DMark - Fire Strike (DX11)
- Bioshock Infinite (DX11)
- GRID 2 (DX11)
- Tomb Raider (DX11)

CPU-Z, GPU-Z
Abaixo, telas do CPU-Z e GPU-Z mostrando detalhes da placa-mãe e do sistema utilizado nos testes.

Overclock
Já que não tivemos grandes mudanças nos chipsets Série 9, temos um cenário muito semelhante ao anterior, com foco em otimizações, especialmente das empresas que desenvolvem as placas-mãe.

Essa foi a primeira placa-mãe que analisamos utilizando o processador Core i7 4790K, primeiro CPU da Intel a vir com clock de 4.0GHz, chegando em 4.4GHz quando em modo turbo. Por já trabalhar em um clock alto, os perfis pre-programados não fazem ele subir muito, chegando ao máximo de 4.5GHz. Isso é bastante curioso, considerando que o modelo em teoria é mais eficiente que o 4770K, onde algumas placas-mãe chegavam a ter perfis fazendo ele trabalhar em 4.8GHz. Talvez seja necessário mais algum tempo para que novas versões de bios tragam perfis mais altos.

Devido o perfil do OC Genie da placa-mãe subir muito pouco o clock do processador, fizemos um overlock manual colocando ele trabalhando em 4.7GHz. Para isso, subimos a tensão para 1.375 volts, a fim de dar estabilidade ao sistema. Subimos o clock do GPU integrado de 1250MHz para 1500MHz. Abaixo algumas telas do Command Center, aplicativo da MSI que reúne funções como de overclock do sistema, assim como a tela do CPU-Z mostrando o overclock efetuado, feito direto pela bios da placa-mãe.

Consumo de energia
Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso.

Rodando o 3DMark
Quando colocamos o sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark, temos os consumos abaixo:

{break::Testes de desempenho}Abaixo, temos uma série de testes de desempenho com o sistema, onde comparamos a placa com outros modelos do mercado. Utilizamos sempre os mesmos componentes e fizemos exatamente os mesmos testes, com exceção de overclock, que é diferente em cada placa-mãe/sistema.

CineBENCH R15
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o CineBench, que testa o processador convertendo uma imagem. 

x264 Full HD Benchmark
Em um teste de conversão de vídeo Full HD, temos os seguintes resultados:

MaxxMEM
O aplicativo MaxxMEM serve para testar o desempenho das memórias. Os testes são do modo "copy".

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:

PCMark 8
Através do aplicativo PCMark 8 temos uma bateria de testes diversos do sistema, sendo um dos melhores para ver o comportamento geral do computador.

Testes com uso do vídeo integrado
Agora vamos aos testes com o vídeo integrado do Core i7 4770K utilizado nos sistemas.

3DMark
Começamos nossos testes com o 3DMark.

BioShock Infinite
Em teste de games, começamos pelo "Bioshock Infinite", o mais recente da franquia lançado em 2013.

GRID 2
O game de corrida "GRID 2" é um bom exemplo de jogo que roda em alta qualidade gráfica mesmo em sistema com vídeo mais modestos, rodando muito bem mesmo com vídeos integrados.

Tomb Raider
Para finalizar os testes em games, vamos ao teste de desempenho do "Tomb Raider".

{break::Conclusão}Com o passar dos anos, as placas-mãe formato Mini-ITX ganharam mais atenção dos fabricantes, com grande evolução em diversas características, como acabamento e quantidade de tecnologias. Um exemplo de que essas placas podem ser tão boas quanto modelos menores é a Asus Maximus VI Impact. Desde o ano passado, a MSI também vem dando destaque a modelos nesse formato, sendo a Z97I Gaming AC um bom exemplo. A mainboard traz acabamento e tecnologias diferenciadas buscando atrair os gamers que procuram montar um sistema compacto. Em se tratando de tecnologias, os destaques ficam por conta do sistema Audio Boost 2, que entrega maior fidelidade sonora comparado a sistemas tradicionais, além do chip de rede Killer 2200, que promete melhor gerenciamento do trafego de dados em jogos.

Diferenças entre chipsets Intel Z97 e H97
As novidades das CPUs Intel Devil's Canyon

O porém desse modelo é que, pelo tamanho compacto, ele não traz as duas grandes novidades dos chipsets Serie 9: as conexões M.2 e SATA Express, tornando a placa bastante parecida com seu modelo anterior, a Z87I Gaming. Seria interessante a MSI ter adicionado a conexão M.2 na parte de baixo da placa, solução utilizada por algumas empresas como Asus e ASRock. Considerando que a placa não traz essas novidades, vai acabar competindo com modelos baseados em chipset Z87, que suportam os mesmos processadores, inclusive os novos Devil´s Canyon (via atualização de BIOS). Pelos modelos baseados em chipset Z87 estarem no mercado a meses, seus preços são bastante atrativos. A própria Asus Maximus VI Impact, sonho de consumo de qualquer gamer, será concorrente da Z97I Gaming AC. Se os preços forem parecidos, é uma "briga" injusta a favor da mainboard da Asus.

Outro detalhe bastante importante sobre esse modelo está associado ao posicionamento do socket do processador. Diferente de outros fabricantes, a MSI posicionou o socket do processador mais perto do slot PCI-Express 16x, fazendo isso ela criou uma limitação séria com coolers de alto desempenho a ar, que possuem incompatibilidade com kits de memórias com dissipadores altos, ou seja, para utilizar essa placa-mãe com uma placa de vídeo é necessário que o kit de memórias tenha o tamanho padrão, sem dissipadores altos,  caso contrario poderá inviabilizar a instalação do sistema, ao menos de alguns componentes, leia-se memórias ou placa de vídeo. Se a placa possui chipset Z97, ela tem características diferenciadas para overclock, essa situação acaba que limitando essa característica, obrigando o uso do cooler BOX ou de um liquid cooler.

Em cenário internacional, ela custa atualmente cerca de US$ 190, podendo cair rapidamente, especialmente por não trazer grandes diferenciais práticos sobre modelos baseados em chipset Z87. No Brasil, ela terá uma concorrente muito forte: a Z87 Impact da Asus, que traz mais tecnologias e melhor acabamento, e, por não ser lançamento, custa valores próximos a esse modelo Z97 da MSI. A Z87 Impact já encontrada em promoções por pouco mais de R$700. Como essa Z97 da MSI não traz as duas grandes novidades dos chipset Serie 9, não há porque pagar mais por ela sobre um modelo com chipset Serie 8, sem contar a limitação de coolers/memórias. Lojas como a Kabum já vendem a placa em versão importada, mas com valor bastante alto, pouco mais de R$ 950. De acordo com a MSI, a versão nacional, mesma que analisamos, deve chegar custando cerca de R$800 em seu lançamento, com preço caindo gradativamente.

Visual gamer, ótimo acabamento e grande quantidade de tecnologias, mas com limitações e preço alto por se tratar de lançamento, mesmo sendo desenvolvida no Brasil.

 

PRÓS
Ótimo acabamento e componentes de alta qualidade;
Apesar do tamanho compacto traz muitas tecnologias;
Sistema de som Audio Boost 2 com Sound Blaster Cinema 2;
Chip de rede Killer E2200.
CONTRAS
Modelo sem melhorias sobre placas com chipset Z87, não justifica upgrade;
Incompatibilidade com alguns coolers a ar de alto desempenho;
Sem conexões M.2 e SATA Express;
Preço alto para uma placa nesse formato com o projeto oferecido.
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.