ANÁLISE: GeForce GTX 275 não terá modelo de referência

ANÁLISE: GeForce GTX 275 não terá modelo de referência

"LEGO Marvel Super Heroes" pode ser considerado o mais completo e divertido jogo da Traveller's Tales jÁ feito até agora. Para quem acha que o game é "mais do mesmo" - e é, em muitos aspectos - a versão de super-heróis da divertida franquia prova em alguns pontos que pode estar um passo à frente dos jogos anteriores da LEGO.

Personagens 

As primeiras características que chamam a atenção no "LEGO Marvel Super Heroes" são os personagens e o universo retratado. Claro que um jogo sobre super-heróis traz muito mais variedade do que os baseados em franquias de filmes, uma vez que o universo dos quadrinhos possui muito mais personagens. Mas o modo como eles foram trabalhados, pensados e inseridos no jogo é um dos pontos positivos do jogo, senão o principal deles.

Com clara influência da indústria cinematogrÁfica e os conceitos e artes trazido por ela sobre o universo Marvel, "LEGO Marvel Super Heroes" faz o que todo fã de super-heróis sempre desejou: juntar todos os heróis em um lugar só e ver no que dÁ. Por conta de problemas de direito entre estúdios de cinema, é impossível ver Quarteto FantÁstico, Os Vingadores e os X-Men lutando juntos na telona, mas em um jogo que traz todo o universo Marvel, a possibilidade existe e acontece. São mais de 100 personagens jogÁveis de vÁrios tipos, arcos e personalidades diferentes, que possuem apenas uma coisa em comum: foram criados pela Marvel. E quando falo personagens, não são apenas heróis: os vilões mais famosos dos quadrinhos (e os mais desconhecidos também) fazem parte do vasto elenco do jogo. 

Além de tudo isso, "LEGO Marvel Super Heroes" conta com uma ilustre presença e um verdadeiro show à parte para quem gosta dos quadrinhos: Stan Lee, o criador da maioria dos personagens. Ele não só narra a história como também aparece como personagem jogÁvel e é presença garantida em todas as fases, em alguma mini-missão. "Salve o Stan Lee" foi uma das maiores sacadas do jogo, quando se trata de fãs das HQ's, e é muito legal ouvir um "Excelsior!" (sua expressão icônica) quando é salvo. Além dele, Robert Clark Gregg, o Agente Coulson, dÁ voz ao seu personagem das telonas e de "Agents of S.H.I.E.L.D.", e coordena suas missões dando dicas e oferecendo soluções para os desafios durante o jogo.

Os personagens de "LEGO Marvel Super Heroes" são outro ponto alto do game. Eles foram pensados de maneira muito cuidadosa pela desenvolvedora, dando bastante atenção para suas personalidades e singularidades dentro do universo Marvel. Alguns são misturas dos filmes com os quadrinhos, outros não possuem filmes para misturar, mas todos são retratados de uma forma que não insulte os fãs da Marvel. O Homem-Aranha, por exemplo, possui um senso de humor muito mais presente nos quadrinhos do que nos filmes feitos até agora. JÁ o Homem de Ferro possui traços das HQ's, mas o seu forte estÁ no seu jeito e prepotência representados por Robert Downey Jr. nos cinemas. 


História

Com tantos personagens conhecidos à disposição, fica difícil não fazer uma história boa. O enredo principal do jogo segue a lógica de toda história que envolve muitos heróis: vÁrios supervilões se reúnem para executar um plano maléfico de dominação do planeta. Doutor Destino, Magneto, Loki, Caveira Vermelha, Duende Verde e muitos outros fazem um acordo para conseguir o que o jogo chama de "Peças Cósmicas" e dominar o mundo. A S.H.I.E.L.D., representada por um Nick Fury muito parecido com Samuel L. Jackson, reúne vÁrios de seus heróis para impedir isso.

 


Dividida em 15 fases, é muito divertido combinar super-heróis que você não imaginaria juntos para enfrentar os supervilões. Com vÁrias piadas nas animações, boas apresentações dos personagens e mais reviravoltas que novela mexicana, a história agrada muito quem gosta de jogos do estilo. A ilha de Manhattan - cenÁrio escolhido para a história - é muito bem utilizada, levando os jogadores para conhecidos lugares como Edifício Baxter do Quarteto FantÁstico, Mansão X dos X-Men, Oscorp, Empire State e até mesmo a EstÁtua da Liberdade.

Claro que, com tantos personagens, fica difícil introduzir todos de uma maneira que não seja superficial. Por isso, as histórias secundÁrias encontradas pela cidade possuem um papel tão importante. Elas podem ser feitas de acordo com o seu avanço na história e quantidade de "Peças Douradas", e se tornam uma alternativa para quem jÁ terminou a história. Muitas delas são narradas pelo Deadpool, que é outro personagem que contribui com o game com o que tem de melhor: o humor.  

De resto, a história é um dos pontos fortes do jogo pelo modo como une os diversos personagens, mas muitos podem achar que ela é fraca devido ao seu desfecho. De qualquer forma, é tão empolgante ver (e jogar) uma história tão abrangente, que não sobra espaço para muitas decepções.


Jogabilidade

 A jogabilidade de LEGO Marvel Super Heroes é muito semelhante a qualquer outro jogo do gênero. Apesar da grande variedade de personagens, todos se encaixam em "classes" especiais que possuem habilidades únicas para resolver desafios. Isso se repete em vÁrios games de franquia, mas ainda assim pode ser considerado um problema do jogo, jÁ que a única razão para que uma pessoa utilize o Dentes-de-Sabre, e não o Wolverine, para realizar uma tarefa é apenas o gosto pessoal. 


Fora isso, as lutas contra os chefes podem parecer meio mecânicas e enjoativas, jÁ que uma vez que se descobre como tornÁ-los vulnerÁveis, você tem que repetir mais duas vezes para derrotÁ-los efetivamente. Outro aspecto é a  "invencibilidade" tão presente na série: não hÁ como perder o jogo, quando você morre perde moedas e só. Isso faz com que o jogo seja jogado de maneira rÁpida e sem muita insistência nas fases. Portanto o único modo de ficar empacado em uma parte é não saber como resolver o desafio, e a única maneira de demorar nela é se você estiver pegando todos os itens.

No mais, os controles funcionam de maneira muito positiva, sendo simples para as crianças, mas sem deixar de ser divertido para os adultos. Apesar de serem bastante intuitivos, um ou outro problema é encontrado nos botões que executam a mesma função. Chega a ser frustrante você querer selecionar outro personagem e o Hulk transformar-se no Bruce Banner ou o contrÁrio. Os controles de voo também são complicados, fazendo com que os desafios de corrida no céu sejam realmente difíceis de ser executados. Mas vale destacar também que a combinação de botões para gerar combos específicos (e diferentes, variando o personagem) é bem divertida. 


Modo Cooperativo

Um dos pontos altos do jogo é o modo cooperativo. Jogar com mais jogadores não só aumenta suas moedas como é muito mais divertido, fazendo com que você se acostume com o personagem que estÁ jogando e dividindo funções para avançar mais rÁpido. Outro aspecto legal do modo cooperativo é que ele permite você se separar dos seus amigos e realizar missões isoladamente no mundo aberto. Isso ajuda a completar o jogo mais rÁpido e deixa missões repetidas de enfrentar inimigos ou procurar itens pela cidade menos cansativas.


Mundo Aberto

O mundo aberto de "LEGO Marvel Super Heroes" transforma o que era pra ser mais um jogo do gênero em um verdadeiro GTA alternativo. Além de ter uma cidade inteira à sua disposição, com vÁrios cantos e detalhes muito semelhantes à Nova York, o jogo também te deixa interagir com pessoas e veículos. Mas diferente da franquia Grand Theft Auto, você não precisa roubar os veículos para dirigi-los, as pessoas ficam até felizes em cedê-los e ocasionalmente soltam um "Assunto de super-herói? Sem problema, pode ficar com o carro".

A possibilidade de apenas "sair voando" do porta-aviões da S.H.I.E.L.D. em direção à cidade, ou o contrÁrio, dÁ um sensação de plena liberdade. Sem contar que ocasionalmente você encontra detalhes em lugares do mapa que você não esperava. AliÁs, o porta-aviões é realmente muito legal, tanto seu conceito e função para o jogo, quanto a fidelidade ao que é retratado no cinema.  

As missões são bem distribuídas, com boa utilização do espaço da cidade e, apesar de repetitivas, garantem mais algumas horas de diversão. O sistema de liberar as "fases bônus" com peças douradas pode ser meio cansativo - jÁ que você precisa passar por uma enorme quantidade de missões bobinhas para conseguir realizar uma legal - mas funciona para dar longevidade ao game.

A quantidade de veículos disponíveis para explorar a cidade também é muito legal e, - apesar do mapa ser grande - aliada aos personagens que voam, permite ir de uma ponta à outra sem muitos problemas. E claro, como em todo jogo da LEGO, praticamente tudo no cenÁrio é destruível e convertido em moedas, então aos poucos os jogadores começam a perceber certos pontos onde é mais rÁpido enriquecer. 


GrÁficos e Sons

Por ser um jogo em LEGO, naturalmente não espera-se grandes imagens e qualidade grÁfica. Qualquer jogo do gênero nunca serÁ reconhecido pelo grÁfico e nem terÁ grandes melhorias com a chegada da nova geração. Por isso, "LEGO Marvel Super Heroes" cumpre bem a proposta grÁfica, apresentando detalhes muito legais dentro do que estÁ disposto a apresentar. Os detalhes da maioria dos personagens são muito fiéis às suas imagens nos quadrinhos e o cenÁrio possui detalhes muito interessantes de Nova York e Asgard.


A trilha sonora é discreta, e nem de perto é um dos elementos mais marcantes do jogo. É possível jogar por horas e nem notar que existe uma música de fundo. Claro que isso é positivo em alguns momentos, jÁ que não atrapalha a concentração do jogador, mas como este não é um jogo extremamente difícil e complicado, isso acaba se tornando um ponto fraco. Claro que em momentos durante a campanha ela segue a empolgação do momento, mas na maior parte do jogo ela não se destaca e passa despercebida. Entretanto, a dublagem dos personagens é muito boa, e pode ser considerado a melhor coisa do jogo quando se fala em Áudio. 


Conclusão


"LEGO Marvel Super Heroes" não é um jogo igual aos outros da franquia. Ele apresenta elementos padrões encontrados nos outros títulos, mas eleva o nível dando mais atenção a história/personagens e inovando no sistema de mundo aberto. Ele foi feito para divertir tanto crianças que assistem a desenhos de super-heróis e amam videogames, quanto para adultos fanÁticos por quadrinhos e que jogam ocasionalmente.

Ele chegou junto a um momento de muitos lançamentos no cinema e crescente importância do universo Marvel no mercado, e se apoia nisso para oferecer uma história convincente e com muitos personagens. Mas não se engane: não espere um jogo em que a Traveller's Tales revolucionou o mundo LEGO, ele é muito parecido com os outros, apenas teve seu potencial aproveitado um pouco melhor. E, a partir dele, a desenvolvedora pode começar a pensar em maiores upgrades para o gênero (quem sabe encontrar uma forma de morrer?), visto que os poucos que foram incorporados no jogo funcionaram.

PRÓS
Universo Marvel muito bem representado
História digna de super-heróis, com trama muito interessante e momentos engraçados
Variedade de personagens
Modo cooperativo
Mundo aberto bem feito
Dublagem
Stan Lee
CONTRA
Jogabilidade pouco desafiadora
Repetição de missões
Controles de voo
"Imortalidade"
Pouca diferença entre personagens de mesma classe
  • Redator: Leonardo Lorenzoni

    Leonardo Lorenzoni

    Apaixonado por videogames desde que jogou Yu-Gi-Oh Forbidden Memories no Playstation e StarCraft no PC, sofre por ter nascido tão tarde e perder tanta bagagem cultural. Correndo atrás do prejuízo, divide a vida de estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com os vícios em séries e filmes. Gosta do Batman e não gosta do Superman. Escreve notícias para o Adrenaline e tenta não chegar atrasado.