ANÁLISE: Kobo Aura HD

ANÁLISE: Kobo Aura HD
O Kobo Aura HD é mais um dos e-readers disponibilizados no mercado brasileiro. Com duas opções de cores, preto ou branco, o portÁtil tem uma tela de e-ink de 6,8 polegadas e um diferencial interessante: uma luz interna. 

E-readers tradicionais, como os Kindles mais simples, também com tela de e-ink, não facilitam muito a leitura noturna, uma vez que o display imita papel. Assim, é preciso uma fonte de luz externa para ler seus livros. Por outro lado, tablets comuns, como o iPad, com displays de LED, "irritam" os olhos e refletem a luz.



O Kobo Aura HD resolve esses problemas. A tela de e-ink lembra bastante o papel e não incomoda nem com leitura prolongada. E, se estiver no escuro, basta tocar um botão para ativar a iluminação interna. 

Com uma bateria que promete durar até dois meses, o Kobo Aura HD tem capacidade para até 3 mil e-books e custa R$659,00.

Especificações e vídeo-anÁlise

Tamanho: 175,7 x 128,3 x 11,7 mm
Peso: 240 g
Processador: 1 GHzTela
Tela: E Ink Pearl 6,8" ClarityScreen+, 265 dpi, 1440 x 1080
Luz: Sim
Conectividade: Wi-Fi 802.11 b/g/n e Micro USB
Armazenamento: 4 GB (expansível em até 32Gb com cartão microSD)
Bateria: até 2 meses (30 minutos de leitura por dia)
Cores: Espresso, marfim e ônix
Formatos: ePub, PDF, Mobi, JPEG, GIF, PNG, TIFF, TXT, HTML, XHTML, RTF, CBZ, CBR e Adobe DRM

Design e tela

O Kobo Aura HD é um pouco maior que o Kindle Paperwhite, com uma tela de 6,8'' contra 6''. É um tamanho excelente para uma leitura confortÁvel. Mas as funcionalidades a mais, especialmente a tela com brilho, fazem com que o aparelhinho seja um pouco pesado. São 240g, enquanto a primeira geração do Kindle vendida no Brasil, sem luz interna, pesa apenas 170g. 


Lado a lado: Kobo Aura HD, Kindle Paperwhite, Kindle e Positivo Alfa


O design é simples e funcional, o que se espera de um e-reader. Todo em plÁstico fosco, o Kobo Aura HD tem apenas o logotipo da marca na parte frontal e na traseira. A parte de trÁs, por sinal, tem "ondulações". Não é reta, como a maioria dos gadgets, e lembra um pouco um papel levemente dobrado. Soa desnecessÁrio, mas proporciona uma boa "pegada" e funciona como um diferencial frente a outros aparelhos do segmento.


Loja de livros / Detalhe da parte traseira / microUSB e slot para microSD


A tela é sensível ao toque e responde bem aos comandos, mas deixa um pouco a desejar em comparação ao Kindle Paperwhite. Às vezes, a resposta ao toque demora um pouco, não é imediata, o que irrita um pouco. 

A iluminação é uma ótima novidade, principalmente porque não "irrita" os olhos como o LCD, quando em longos períodos de exposição. O leitor da Kobo tem um botão físico para ativar a luz, o que torna as coisas mais fÁceis no escuro. E é possível regular o nível de brilho ao tocar no ícone de sol, na própria interface. Mesmo com brilho mÁximo, a leitura é muito confortÁvel e não cansa a visão, um grande trunfo da tecnologia e-ink.


Botão liga/desliga e trava do aparelho / E-reader com brilho mÁximo, no escuro


Navegação

Com uma tela sensível ao toque, o Kobo Aura HD requer um pouco de tempo para aprender como utilizÁ-lo. Os comandos não são muito intuitivos e uma lida no manual pode ser necessÁria. Claro, trocar entre as pÁginas é fÁcil: é só dar um toque rÁpido na parte esquerda da tela para voltar, ou na direita para avançar. Mas isso pode incomodar um pouco, porque toques acidentais acabam trocando de pÁgina.

Para visualizar as opções, como pesquisar por algum termo em todo livro, compartilhar no Facebook ou abrir o dicionÁrio, é só tocar e segurar por alguns segundos qualquer Área da tela. Mas se você quiser outros recursos, como mudar as opções de fonte, voltar à tela inicial ou regular o brilho, é preciso fazer a mesma coisa, mas na parte inferior da tela.


Os menus do Kobo Aura HD


Só que nem sempre é fÁcil acertar "o ponto certo". Seria bem mais interessante se todas as opções aparecessem de uma só vez, ao segurar o dedo em qualquer Área da tela, para evitar erros. Isso sem contar quando o e-reader reconhece a pressão simplesmente como um toque rÁpido e avança a pÁgina, o que também é bem desagradÁvel.

A tela inicial é bonita e intuitiva. Mostra o livro que você estÁ lendo atualmente, com a porcentagem de conclusão e traz alguns destaques da Kobo, como o menu de ajuda, o "quick tour", o aviso da última sincronização, o top 50 de livros e, é claro, a opção de adquirir novos títulos.

No menu do topo ainda hÁ as configurações, o ajuste de brilho e alguns extras, como o navegador web. Não é muito interessante navegar em uma tela e-ink, que fica piscando repetidas vezes de uma maneira bem incômoda. Mas as pÁginas abrem sem problemas – claro, todas em preto e branco – e o browser pode ser um bom quebra galho para quem precisa buscar uma informação rÁpida e estÁ sem outro dispositivo em mãos.



Nos extras também hÁ alguns jogos, como Xadrez, Sudoku e Paciência. Com todas essas opções, além da leitura, o Kobo torna-se um interessante aparelhinho de entretenimento para se levar por aí. O único fator negativo é o preço, acima de R$600,00, o suficiente para adquirir um tablet. Não um top de linha, é claro, mas um dispositivo suficiente para, além de permitir a leitura de livros, realizar tarefas bÁsicas muito melhor, como acessar a Internet e jogar.

PRÓS
Tela grande e com excelente resolução
Iluminação forte sem irritar a visão
Vasta oferta de livros
Botões físicos para travar a tela e ligar/desligar a luz
CONTRA
Eventual lentidão
Comandos pouco intuitivos
Sem proteção para o slot de microSD
Assuntos
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.