ANÁLISE: G.Skill ARES 8GB 2133MHz

ANÁLISE: G.Skill ARES 8GB 2133MHz

Recebemos da G.Skill um kit de memórias DDR3 da linha ARES, versão com 8GB(2x4GB). Como destaque, esse kit tem velocidade de 2133MHz @ 1.65v e latência CAS de 9-11-10 2T, velocidade entre as melhores do mercado, excelente para trabalhar com sistemas top de linha Intel ou AMD.

G.Skill ARES 8GB 2133MHz
Como destacado acima, esse kit possui clock de 2133MHz @ 1.65v e latência CAS de 9-11-10 2T, sendo indicado para usuÁrios que procuram memórias TOP, ainda com possibilidade de overclock. Apesar de estarmos analisando o kit com 8GB, a linha possui diversas outras configurações, tanto na capacidade quanto na velocidade. Abaixo uma tabela com os modelos.


Abaixo temos maiores detalhes a respeito do kit analisado (F3-2133C9D-8GAB), com clock de 2133MHz

{break::Explicando os tempos de memória}Primeiro, precisamos destacar que uma boa memória alia um bom clock a um bom tempo de latência. Geralmente, os melhores resultados são obtidos por um clock mais alto com tempos mais relaxados, ao invés de um clock baixo com timings muito rÁpidos.

No entanto, para entender um pouco melhor o assunto, vamos explicar algumas características importantes quando o assunto é memória, os seus tempos de latência:

O que são tempos de memória?
Latência é o tempo que leva entre um pedido ser feito e ele ser atendido. Então, a primeira coisa que você precisa saber sobre latência é que quanto menor, melhor. Por exemplo, se você estÁ em um restaurante, a latência seria aquele tempo de espera entre o momento em que você fala o que quer para o garçom e o instante em que a comida chega à mesa. Quanto mais rÁpido isso acontecer, melhor, certo?

Em termos de memória, latência é o tempo total necessÁrio antes que os dados (sua refeição) possam ser escritos ou lidos na memória. Digamos que se encontre na embalagem de um kit de memória algo como "CL9-11-11-31 1.60V (2T)". Estes números se referem aos CAS-tRCD-tRP-tRAS CMD (respectivamente) e esses valores são medidos em ciclos de clock.

A arquitetura da memória é como uma planilha com fileiras e colunas, em que cada fileira é um bank. É nesta planilha que os dados são gravados e acessados, e a busca por esses dados se dÁ sempre em uma ordem. Primeiro se localiza a fileira, depois a coluna.

Assim, quanto mais rÁpida se der essa localização, melhor, mas muita aceleração pode gerar instabilidade. Voltando ao exemplo usado, é como se garçom e cozinha se apressassem em atender o cliente, deixando um pouco de lado a qualidade. Isso às vezes resulta em um pedido trocado, frio ou até no garçom tropeçando no meio do caminho.

Latência de CAS (Column Adress Strobe, o acesso à coluna)
Um dos tempos mais importantes é a Latência de CAS e é um que as pessoas podem mais facilmente entender. Como os dados frequentemente são acessados sequencialmente (mesma fileira), a CPU precisa apenas selecionar a próxima coluna na fileira para conseguir o próximo pedaço dos dados. Em outras palavras, a Latência de CAS é o atraso entre o sinal CAS e a disponibilidade dos dados vÁlidos nos pinos de dados (DQ), ou seja, o tempo que leva para se acessar os locais em que os dados estão armazenados. Assim sendo, a latência entre os acessos nas colunas (CAS - column accesses, no original) tem um papel importante na performance da memória. Quanto menor a latência, melhor a performance. No entanto, os módulos de memória devem ser capazes de suportar configurações de latência mais baixas.

tRCD (Latência entre o RAS, o acesso à fileira, e o CAS, o acesso à coluna)
Existe um atraso entre o momento em que uma fileira é ativada e o instante em que em que a célula (ou coluna) é ativada através do sinal CAS e a data pode ser escrita ou lida em uma célula de memória. Este atraso é chamado de tRCD. Quando uma memória é acessada sequencialmente, a fileira jÁ estÁ ativa e o tRCD não tem muito impacto. No entanto, se a memória não é ativada de uma maneira linear, a fileira atualmente ativa deve ser desativada para que uma nova seja selecionada. É neste exemplo em que um baixo tRCD pode melhorar a performance, mas, como em qualquer outro tempo de memória, deixÁ-lo muito baixo pode resultar em instabilidade.

tRP (Tempo de prepração do RAS)
tRP é o tempo necessÁrio para terminar um acesso de uma fileira e começar o acesso na próxima. Também podemos dizer que o tRP é o atraso necessÁrio entre a desativação de uma fileira e a seleção da próxima. Assim, em conjunto com o tRCD, o tempo necessÁrio (ou ciclos de clock necessÁrios) para trocar de fileiras (banks) e selecionar a próxima célula, seja para ler, escrever ou atualizar é uma combinação de tRP e tRCD.

tRAS (tempo de RAS ativo)
É recomendado que o valor do tRAS seja igual à soma dos tempos anteriores, pois ele é o tempo total em que uma fileira fica ativa. Como dissemos ali no começo, a arquitetura da memória é como uma planilha com fileiras e colunas. Para que a CPU consiga acessar a memória, primeiro precisa determinar qual fileira ou bank que serÁ acessada na memória e então ativÁ-la através de um sinal RAS. Quando ativada, a fileira pode ser acessada diversas vezes até que os dados sejam esgotados. É por isso que o tRAS tem pouco efeito sobre a performance geral do sistema, mas pode impactar a sua estabilidade se definido incorretamente.

Taxa de comando (CMD)
A taxa de comando é o tempo necessÁrio entre o envio do sinal para selecionar o chip e o momento em que os comandos podem ser emitidos ao módulo de RAM IC. Normalmente, estes são um clock ou dois.

{break::Memórias DDR3, Compatibilidade e Overclock}A CPU é mais rÁpida que a memória, então normalmente tem que esperar até que o RAM entregue os dados. Dessa forma, o processador fica ocioso enquanto espera (não é exatamente assim, mas serve para esta explicação). Em um cenÁrio perfeito com o sistema ideal, a memória teria a mesma velocidade da CPU.

Assim, quando colocadas para trabalhar em conjunto - em dois (Dual), três (Triple) ou quatro (Quad) canais - as memórias têm sua velocidade de comunicação dobradas, triplicadas ou até quadruplicadas por aumentar o número de trocas realizadas simultaneamente. Isso teoricamente melhora a performance do sistema, mas o usuÁrio dificilmente sente a diferença (como em games, por exemplo).

Um caso em que a memória pode ter mais influência seria no caso de um sistema com APU. No entanto, o alto custo de uma memória mais rÁpida pode não compensar tanto quanto o investimento em uma memória de velocidade mediana e uma placa de vídeo.

DDR3
A principal vantagem do DDR3 sobre seu predecessor imediato, o DDR2, é a sua habilidade de transferir dados com o dobro da velocidade (oito vezes a velocidade das suas matrizes internas de memória), permitindo maiores larguras de banda ou picos de transferência.

Abaixo temos uma imagem mostrando a diferença física entre os padrões de memória DDR. Vale salientar que, devido essa diferença física de pinos, não existe compatibilidade entre as versões, ou seja, memórias DDR3 são compatíveis apenas com placas-mãe com suporte a esse padrão, assim como as demais, não sendo possível conectar uma memória DDR2 em uma placa mãe mais recente com padrão DDR3, como as para processadores Intel Core i3/i5/i7 ou AMD FX.


Compatibilidade
Um problema que acontece bastante em sistemas hoje em dia estÁ associado a compatibilidade das memórias com a placa-mãe, em muitos casos impossibilitando inclusive de se ligar o computador. Esse tipo de problema na grande maioria dos casos pode ser resolvido pela empresa que desenvolve a placa-mãe, atualizando a versão de BIOS adicionando assim o suporte a um terminado modelo que apresentava incompatibilidade. No site oficial de toda placa-mãe, ao menos das marcas mais respeitadas, possui uma lista dos modelos compatíveis. No caso o modelo que estamos analisando não apresentou nenhum problema desse gênero.

Overclock
O suporte a memórias de clock muito alto (DDR3-2000 e superiores) é feito necessariamente por overclock e provoca grande stress em diversos componentes do sistema.

Um exemplo disso era o que acontecia com plataformas LGA1366, em que a controladora de memória precisava operar ao dobro do clock da memória. Com isso, para usar memórias DDR3-2000, ela precisava de um clock de 4 GHz, exigindo tensões muito altas para garantir a estabilidade do sistema. Isso provocava temperaturas muito elevadas e uma diminuição acentuada do tempo de vida útil do processador.

Este problema com memórias de alto desempenho foi praticamente resolvido nas novas plataformas (Sandy Bridge e derivados), com algumas ressalvas, como no caso de uma DDR3-2000. Como não existe multiplicador exato (existem apenas multiplicadores para DDR3-1600, 1866 e o seguinte jÁ é o 2133), é necessÁrio modificar o BCLK para que o clock da memória chegue a 2000 MHz e alterar o BCLK é sempre um assunto sensível. Placas AMD, que são mais tolerantes a esse tipo de ajuste, acabam sendo mais amigÁveis com overclocks de memória.

Placas-mãe mais recentes jÁ trazem suporte a 2400MHz, mas apenas os modelos com características avançadas em overclock, em especial placas com chipset X79 para socket LGA 2011.

{break::Fotos}Abaixo temos algumas fotos do kit de memórias analisado, todo na cor azul, que combinou com a mainboard utilizada na review, uma MSI X79A-GD65 8D, assim como a Z77A-GD65 que segue mesmo padrão de cores.

Agora algumas fotos comparando os dois kits que usaremos nos comparativos da review, o analisado e um Corsair Vengeance 8GB 1600MHz.

Reparem que esse kit tem altura padrão, bem abaixo dos modelos com dissipadores mais altos como o Vengeance. Por esse motivo, o kit tem compatibilidade bem maior com coolers, jÁ que kits de memória com dissipadores altos geram conflito com coolers de alto desempenho, a exemplo do Noctua NH-D14(mesmo das fotos), Thermaltake FrioOCK e por ai vai.

Na terceira foto colocamos um pente de memória do kit Ares e um do kit Vengeance, ficando claro que o modelo da Corsair com dissipador mais alto tem incompatibilidade com o cooler Noctua NH-D14, forçando utiliza-lo em outro slot que não o indicado, em muitos casos sem perda de desempenho, em outros sequer possibilitando se ligar o sistema. Vale destacar que alguns desses coolers mais altos são desenvolvidos de uma forma que se possa remover parte do dissipador, consequentemente não existe essa limitação, que não é o caso do Vengeance, ou remove tudo e ele fica sem nenhum dissipador(que no caso desse modelo usando seu clock padrão não gera nenhum problema) ou não remove.

{break::Sistema utilizado, CPU-Z}Abaixo detalhes do sistema utilizado para os testes:

MÁquina utilizada nos testes:
- Mainboard MSI X79A-GD65 8D
- Processador Intel Core i7 3960X @ 4.6GHz
- HD 2TB 7200RPM Sata3 Seagate Barracuda (ST2000DM001)
- Fonte XFX ProSeries 1250W
- Cooler Master Hyper 212 EVO


Sistema Operacional e Drivers
- Windows 7 64 Bits 
- Intel INF 9.3.0.1019
- GeForce 301.42 WHQL

Aplicativos/Games
- AIDA64 2.50
- MaxxMEM 1.50
- Sandra Lite 2012 18.47
- Photoshop CS5
- CineBENCH 11.5
- x264 Full HD 1.0.1
- WinRAR 4.11

- Crysis Warhead (DX10)  para teste "Game Loading"
- 3DMark 11 1.0.3 (DX11) 
- Aliens vs Predator (DX11) 
- Crysis 2 (DX11)

CPU-Z
Abaixo temos algumas telas do CPU-Z mostrando características e clocks testados do kit de memória analisado:

G.Skill ARES 8GB 1333MHz

G.Skill ARES 8GB 1600MHz


G.Skill ARES 8GB 1866MHz


G.Skill ARES 8GB 2133MHz

{break::AIDA64}Começamos os testes com o aplicativo AIDA64, que possui um teste de desempenho para memórias (Memory Benchmark). Capturamos três resultados do teste, read, write e copy, que podem ser vistos nos grÁficos abaixo:

A ARES a 2133 MHz consegue uma boa vantagem sobre seus demais tempos de clock e sobre a Vengeance, da Corsair, a 1600 MHz nos testes de Read e Copy, mas não passa de um empate técnico em Write, ficando até um pouco abaixo do seu clock a 1333 MHz, o menor de todos.

Abaixo as screens com os resultados dos testes em todos os clocks que testamos (na ordem 1333MHz / 1600MHz / 1866MHz / 2133MHz):

{break::MaxxMEM}Aqui os resultados se repetem. Ampla vantagem nos testes de Read e Copy (com diferença menor neste último) e pequena superioridade sobre os demais no teste de Write, não passando de 5% em relação ao menor desempenho obtido (no clock a 1600 MHz).

Abaixo as screens com os resultados dos testes em todos os clocks que testamos (na ordem 1333MHz / 1600MHz / 1866MHz / 2133MHz):

{break::Sandra, Photoshop CS5}Sandra Lite 2012
Finalmente uma vantagem ampla o suficiente para justificar o investimento, quase 60% de aumento em relação ao desempenho no clock a 1333 MHz e cerca de 36% acima da Vengeance a 1600 MHz.

Photoshop CS5
Fizemos dois testes com o Photoshop CS5, um deles gravando o tempo necessÁrio para abrir um arquivo de 4.5GB, e o outro com o tempo necessÁrio para aplicar o filtro "Stylize>Extrude" (Size=10 / Depth=20) nesse mesmo arquivo. Abaixo os resultados:

Na prÁtica, vemos que a ARES a 2133 MHz não se destaca tanto. Na verdade, vemos até que tanta velocidade provavelmente gera instabilidade (como comentado na parte sobre Latência), fazendo com que o seu desempenho abrindo o arquivo seja o menor apresentado, quase 6% a menos que seu clock em 1333 MHz (curiosamente, o menor de todos). Na aplicação do filtro, todos os resultados obtêm um empate técnico, jÁ que não hÁ diferença maior que 1,2%.

{break::CineBENCH, x264 FHD, WinRAR}CineBENCH
No teste com imagens, a ARES a 2133 MHz fica atrÁs de todos os seus outros clocks, empatando com a Vengeance, da Corsair. No entanto, a diferença entre todas não chega a 2%.

x264 FULL HD Benchmark
Em vídeos, ela consegue o melhor resultado, mas a diferença não chega a 3,5% em relação ao pior desempenho.

WinRAR
O único teste em que ela realmente se destaca é neste de compactação de arquivos, com um aumento de mais de 17% em relação ao seu clock a 1333 MHz.

{break::Game Loading, 3DMark 11, AvP, Crysis 2}Game Loading
Uma dúvida para muitos pode ficar sobre o tempo que se demora para carregar um game, para esse teste utilizamos o Crysis Warhead carregando o mapa ambush, mesmo que utilizamos nas reviews de placas de vídeo. O teste consiste no tempo necessÁrio desde o click até a hora que entra efetivamente dentro do mapa e começa o gameplay.

Empate técnico claro entre todos os resultados, que não se deferenciam em mais de um segundo. Começamos a observar que tamanha superioridade de clock não se reflete tanto em desempenho prÁtico.

3DMark 11
Não poderia faltar o 3DMark 11, um dos aplicativos de benchmarks mais famosos do mundo. 

Novamente, a diferença irrisória dos resultados declara um empate técnico entre todos. A ARES a 2133 MHz consegue o melhor desempenho, mas não supera a pior performance por mais de 1,5%.

Aliens vs Predator
Aqui a ARES a 2133 MHz empata com seus clocks mais baixos (1333 MHz e 1600 MHz), e obtém um empate técnico com a Vengeance e com seu clock a 1866 MHz.

Crysis 2
Novo empate técnico, mas dessa vez ela fica com o pior desempenho, cerca 0,6% abaixo dos seus clocks a 1333 MHz e 1866 MHz e da Vengeance.

{break::Conclusão}Em questão de desempenho, um clock tão alto não faz tanta diferença. Acima de um certo valor, em relação a memória, podemos dizer que o desempenho não é tão influenciado. Ao mesmo tempo, tempos de latência muito baixos podem gerar instabilidade em algumas aplicações, tanto para a memória quanto para o sistema. Uma boa memória se dÁ a partir da combinação entre os dois fatores, clock e tempos, em que geralmente um clock mais alto aliado a timings um pouco mais relaxadas gera um melhor resultado que um clock baixo com tempos agressivamente rÁpidos.

Mesmo assim, considerando o preço de US$ 70,00 do kit G.SKILL ARES 8GB 2133MHz, podemos concluir que é um kit consideravelmente caro pela pouca diferença de ganho sobre um kit da mesma linha mas com clock de 1600MHz, que custa na newegg US$ 47,00. Em alguns casos os kits com clocks menores até conseguiram um desempenho melhor. Por outro lado, usuÁrios que procuram um kit de alto desempenho com latências consideradas baixas para o clock de 2133MHz, esse kit é uma boa opção, ainda mais porque pode ser overclockado, chegando a 2400MHz dependendo do sistema utilizado.

Por não ter dissipadores altos, o kit é compatível com a grande maioria dos coolers, diferente de modelos com dissipadores altos, como exemplos os coolers Noctua NH-D14 e Thermaltake Frio OCK, modelos de alto desempenho e que possuem limitações na compatibilidade com memórias devido sua estrutura. Ponto importante e que pode pegar muitos usuÁrios de surpresa na hora de montar uma mÁquina com produtos de alto desempenho.

A G.Skill é uma das empresas com maior credibilidade em memórias de alto desempenho, sendo a linha ARES um exemplo disso, unindo o que existe de melhor para esse produto, com belo acabamento, compatibilidade técnica e física, com preço competitivo, ao menos em cenÁrio internacional.

Gostaríamos de agradecer o Alexandre Ziebert, responsÁvel pelo Marketing Técnico da ASUS Brasil. Alexandre é bastante conhecido na comunidade nacional por largo conhecimento técnico e grande experiência com overclock, tirou diversas dúvidas e ajudou a elaborar as explicações visando torna-las de fÁcil leitura e entendimento.

PRÓS
Clock de 2133MHz
Baixas latências frente modelos da concorrência (9.11.10-28 2T a 1.65v)
CONTRA
Preço 50% acima do modelo ARES com clock de 1600MHz, diferença que não justifica desempenho na grande maioria das aplicações
Assuntos
  • Redator: César Massaki Teshima Soto

    César Massaki Teshima Soto

    Graduando de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou um Mega Drive aos 5 anos, mas nunca conseguiu fazer final em Sonic 2. Navegava pelas salas de bate papo nos tempos da internet discada e até hoje procura o disquete perdido com seu jogo salvo do América-MG no Elifoot 98.