ANÁLISE: Ghostbusters: The Video Game

ANÁLISE: Ghostbusters: The Video Game

Introdução & História

Grande sucesso nos anos 80, os dois filmes dos Caça-Fantasmas jÁ são considerados clÁssicos, e jÁ foram transformados no passado em alguns jogos eletrônicos, mas sem grande sucesso.
Sempre muito bobinhos, os jogos baseado no respectivo filme nunca conseguiram atrair o mesmo público dos filmes. Isso levou a Terminal Reality e a Atari a lançarem um novo game mais sério e com grÁficos de última geração, e incrivelmente fiel aos filmes.

O último filme dos Caça-Fantasmas foi lançado em 1989, quando a maioria das pessoas que estão lendo esse review ainda estavam no colo das mães, e, portanto, não vivenciaram as aventuras de Ray, Egon, Peter Venkman e Winston, juntamente com a secretÁria que trabalha no quartel general deles, Jeanine. Claro, sem esquecer o Geléia, que fazia sucesso com a criançada de tão engraçado e atrapalhado que era. Eu mesmo tinha um boneco dele que era vendido na época!

Quando a cidade era atacada por fantasmas, lÁ iam eles a bordo do seu carro estiloso e não menos famoso Ecto-1, que também virou objeto de desejo entre as crianças e por esse motivo acabou virando um brinquedo bastante cobiçado.

No filme, o quarteto derrotou o vilão Vigo, ou melhor, o fantasma dele. O filme foi bem mais sombrio que o primeiro, mas o sucesso era maior ainda. O game segue a mesma linha dos filmes, extremamente fiel, e a história começa exatamente após esse segundo filme, quando a cidade de Manhattan, onde vivem, começa a sofrer com uma invasão súbita de fantasmas de todo tipo, culminando em uma explosão enorme de fantasmas novos e antigos, como o lendÁrio e gigantesco "boneco de marshmallow".

A partir daí o que se vê é um game absurdamente fiel aos filmes, que chega a dar impressão de ser Os Caça-fantasmas 3, principalmente pela história seguir a ordem cronológica da série cinematogrÁfica.

{break::Jogabilidade}Uma das coisas que mais preocupavam os jogadores era se a jogabilidade do game seria boa ou não. Até porque quando se faz um jogo baseado em filmes, a coisa toda meio que desanda devido à correria pra se produzir um game e lançÁ-lo na mesma data do filme. Mas Caça-Fantasmas é um filme antigo, que fez sucesso hÁ cerca de 20 anos atrÁs e isso foi um fator importante para a produção do game, jÁ que não teria essa correria para lançar às pressas.

A sua jogabilidade é clÁssica no modo de terceira pessoa. Você pode controlar o personagem pelo teclado, e mirar com o mouse. Mais simples e intuitivo que isso, impossível. A jogabilidade é Ágil e o controle responde imediatamente aos comandos, ou seja, sem lag algum.

Um fator importante que merece ser esclarecido é que em certos momentos no jogo, quando se usa a arma de plasma, o controle do personagem parece meio duro, dando uma ligeira sensação de lag. O fato é que não parece ser lag do jogo, e sim algo proposital, dando uma imersão maior semelhante ao filme, onde os personagens têm certa dificuldade de controlar a arma de plasma quando acionadas. Inclusive existem passagens no filme que mostram claramente isso. Portanto aquela sensação de retardo para se levantar e usar a arma ou ate andar com ela em punho, pode ser realmente proposital, resultando em uma jogabilidade idêntica ao que acontece no filme, simulando uma dificuldade que os personagens reais também tiveram.

Vale destacar que com essa falta de "precisão" nos comandos ao se usar a arma de plasma, o jogo fica até mais divertido, jÁ que tudo no jogo pode ser destruído. E como é difícil mirar realmente em algo, você acaba destruindo tudo sem querer, e claro, fica bastante divertido!

Um detalhe interessante é que havia especulações de que o game seria curto. Bom, de curto ele não tem nada. O tempo de jogabilidade condiz com um tempo ideal para qualquer jogo. As fases são enormes mesmo, com muitas coisas para se fazer e vÁrias "subfases" em cada um delas.

Uma coisa que desagradou muito os usuÁrios de PC é o fato de a Atari anunciar modos multiplayer, inclusive cooperativos, e poucas semanas antes do lançamento da versão PC, ela simplesmente retirou toda a parte multiplayer do jogo. Isso gerou uma revolta imensa por parte dos jogadores, que até então acreditavam em uma parte online no game. Muita gente chegou a comprar o jogo pensando ter o tal multiplayer, e quando o instalou, levou um susto.

O lado bom da história é que para "compensar" a não inclusão da parte online, a Atari lançou o jogo com preço de jogos Value, ou seja, bem abaixo do mercado, custando 29 dólares.

{break::GrÁficos}Ghostbusters usa uma engine poderosa, com física real em 90% das coisas do cenÁrio, até porque o uso da arma de plasma não seria o mesmo se não houvesse uma física apurada no jogo. O mesmo pode-se dizer sobre os personagens. Como o game usa as mesmas vozes dos atores, era fundamental que o visual fosse o mais realista possível, transformando os atores reais em personagens no jogo. E isso de fato ocorreu, com um visual incrível e bastante detalhado de cada um deles. Até mesmo os trejeitos de cada um foram fielmente representados no game, criando assim uma atmosfera incrivelmente realista.

Além dos personagens em si, todo o jogo foi fielmente reproduzido. Desde as armas, até os equipamentos de captura de fantasmas, o carro Ecto-1, o quartel general dos Caça-Fantasmas que antes era um prédio abandonado dos Bombeiros, e até mesmo os fantasmas mais famosos presentes nos filmes.

A engine grÁfica é bastante poderosa, até porque além de gerar detalhes minuciosos pelos cenÁrios, ela usa uma texturização de alta definição que não deixa ficar borrada de acordo com a distância que você estÁ do objeto. Isso tudo gera um peso enorme, e para rodar com toda sua plenitude, o game exige um hardware parrudo, acima dos padrões normais. E talvez esse seja o principal ponto negativo do game: o seu peso.

Para rodar o game com toda pompa grÁfica e uma suavidade constante na jogabilidade, é necessÁrio ter um PC top de linha, com 4 gigas de memória Ram e um processador Quad Core. Talvez seja o game que mais consome hardware, na atualidade. E mesmo com um equipamento desses, a engine grÁfica de Ghostbusters possui problemas em relação a filtros grÁficos, principalmente AA.
Claro, os jogadores mais hardcores vão se sentir mais incomodados, mas nada que tire o brilho e realismo da parte grÁfica do game.

{break::Áudio & Conclusão}O que falar de um som que é fielmente baseado, ou melhor, literalmente tirado de uma franquia de sucesso nos cinemas? Na "pior" hipótese, que é ótimo realmente.
Todos os personagens têm as vozes dos atores reais, que concordaram em dublar todos eles. O som das armas de plasma, do carro Ecto-1, dos fantasmas, de tudo, são os mesmos dos dois filmes e isso cria um clima mais real, sem parecer uma imitação barata.

Quem não se lembra da música tema cantada por Ray Parker Jr que inclusive foi candidata ao Oscar de melhor música? Pois é, ela também estÁ no jogo. Até hoje ela toca às vezes nas rÁdios, devido ao enorme sucesso nos anos 80. Talvez seja um dos maiores hits de temas de filmes em todos os tempos, ficando no mesmo patamar da clÁssica abertura de Indiana Jones, ou de Jurassic Park, Superman, Star Wars, dentre outras.

Enfim, Ghostbusters segue fielmente o Áudio original dos filmes, tornando-o assim, um dos melhores games baseados em filmes, em termos de Áudio.

Conclusão

Talvez Ghostbusters seja o melhor game jÁ feito baseado em um filme. O principal fator que levou a isso, é que o game é extremamente fiel à película, com os mesmos atores, mesma ambientação, mesmo som, mesma música, e isso levou muita gente a sentir saudade dos anos 80.
Se jÁ não bastasse, o jogo segue a história dos filmes, sendo até considerado um "Caça-Fantasmas 3", tamanha originalidade.

Se você assistiu aos dois filmes, é fundamental jogar o game e saber o que acontece após o segundo longa. Até porque parece que vai ser filmada mais uma sequência da franquia. Se você é fã de jogos de ação com bons grÁficos e uma jogabilidade boa e interessante, Ghostbusters foi feito para você!

Porém, como citei anteriormente, se você estÁ em busca de um jogo com suporte online para se divertir com os amigos, esqueça o game. Uma pena, pois a parte cooperativa era a que mais chamava atenção nos meses em que o jogo foi divulgado, inclusive com vídeos e fotos da parte multiplayer. Um tiro no pé, literalmente.

Mesmo com os erros, Ghostbusters é um ótimo jogo, que farÁ sucesso entre aqueles que gostam de diversão. Merece uma conferida, sem dúvida!

PRÓS
CONTRAS
Assuntos
  • Redator: João Paulo Losada

    João Paulo Losada

    Gamer por natureza, JP Losada, ou simplesmente DJLosada como é conhecido por toda a comunidade gamer, é um grande conhecedor de games em geral. Eventualmente analisa lançamentos e comenta sobre os sucessos e decepções relacionadas aos games que chegam ao mercado através do portal Adrenaline. Jé escreveu para revistas de games, artigos para produtoras, além de ter citações em seu nome em caixas de jogos de PC lançados no Brasil. Possui parceria com algumas produtoras, principalmente de corrida