Na sexta-feira, dia 7 de setembro, a Sony vai lançar oficialmente Marvel's Spider-Man, o mais novo game do famoso "miranha", desenvolvido pela Insomniac Games e exclusivo para o PS4. O Adrenaline teve a chance de receber uma key para review antes do lançamento e agora vocês conferem nossas impressões e opiniões sobre um dos principais lançamentos do ano!

História e Ambientação

A Insomniac Games tomou a ótima decisão de criar seu próprio universo para o Homem-Aranha. O lore é obviamente baseado nas HQs, mas ele também "pesca" elementos dos filmes, especialmente dos primeiros, do Sam Raimi, que popularizaram muito o personagem numa época em que não tínhamos tantos filmes de herói. Construindo a ambientação assim, os roteiristas têm a liberdade de levar a história como acharem melhor, com acontecimentos importantes e representativos para a vida de Peter Parker e seu alter ego, algo que é muitíssimo bem-vindo.

O jogo tem uma história original num universo próprio, o que dá uma ótima liberdade aos roteiristas

Como foi extensivamente divulgado em entrevistas e trailers, o Homem-Aranha deste jogo não é um adolescente descobrindo seus poderes, mas um jovem adulto que já se sente confortável com sua identidade e faz o papel de herói há alguns anos. Essa abordagem é muito interessante porque permite mostrar vários personagens que fazem parte da vida de Peter Parker (direta ou indiretamente) sem ter que ficar apresentando um por um, o que dá mais espaço para aprofundar as personalidades deles e seus relacionamentos com o herói. Logo aqui a ambientação já me surpreendeu positivamente com como ficaram bem realizados os personagens e a qualidade do texto de alguns diálogos. Mesmo algumas pessoas que eu achava que ficariam mais rasas e unidimensionais acabam aprofundando suas motivações e princípios ao longo da história, o que deixa os personagens mais acreditáveis e muito mais interessantes.

Aliás, cabe aqui um pequeno parágrafo sobre a Mary Jane, ou "Lois" Jane, como gosto de chamá-la neste jogo. A personagem ficou bem realizada e sua interação com o herói é ótima, dando realmente a sensação correta de um casal que se conhece há anos, se gosta, mas ainda precisa acertar algumas coisas. Existe uma familiaridade entre eles que ficou muito bem trabalhada no texto e nas atuações. Mas, para poder incluir ela mais na história e dar ao jogador a chance de jogar com a personagem, o pessoal da Insomniac decidiu transformar a Mary Jane numa repórter investigativa que parece um nítido plágio da Lois Lane e descaracterizou demais a personagem. Vou comentar sobre os trechos que jogamos com a MJ na parte do gameplay, mas para o enredo resta dizer que fica até estranho ouvir essa versão dela chamando o Peter de "tigrão". Não combina.

Há vários personagens interessantes e bem colocados, e a história é melhor do que o esperado

Focando no enredo em si, temos uma história bem construída, com diferentes conspirações acontecendo ao mesmo tempo e uma boa relação de causa e consequência nas ações. Infelizmente não posso entrar em detalhe sobre os aspectos que mais gostei da história, pois seriam spoilers, mas vou tentar falar em termos gerais. Os desdobramentos fazem sentido lógico e a história muitas vezes é um tanto previsível, mas é contada de maneira cativante e prende o suficiente para querer saber o que vai acontecer, com um final bastante recompensador e que me surpreendeu em sua profundidade. 

Jogabilidade

Por mais que eu tenha gostado da história, num jogo como este, um bom enredo sozinho não basta - é o gameplay que importa. E posso dizer sem medo que essa parte é ainda melhor!

A Insomniac Games entendeu perfeitamente a importância do deslocamento num jogo do Homem-Aranha e deu pra ver o cuidado e a atenção que a empresa deu para esse aspecto central em Marvel's Spider-Man. Se balançar pela cidade é sempre uma diversão e quanto mais você pega o jeito da coisa, mais legal fica. O simples fato de se deslocar de um objetivo a outro, ou perseguir o próximo colecionável, acaba se tornando grande parte do atrativo do jogo porque você vai querer se balançar, saltar e se lançar da maneira mais fluida e cinematográfica possível. Os desenvolvedores inteligentemente vincularam sua velocidade de balanço ao nível do herói, então o Homem-Aranha se mexe mais rápido conforme você progride e se familiariza com os controles, mantendo a experiência de se mover por aí satisfatória ao longo de todo o jogo.

Se balançar por Manhattan fazendo acrobacias mirabolantes é tão divertido quanto deve ser

Existe um equilíbrio difícil de se atingir entre dar controle para o jogador e tornar o gameplay acessível e eu acredito que Marvel's Spider-Man fez isso de maneira muito acertada. Você se sente em pleno controle o tempo todo, mirando exatamente onde quer ir no próximo balanço ou lançamento, com o personagem fazendo umas acrobacias extras ou umas passagens animadas para manter tudo bonito e empolgante. Este provavelmente vai ser o jogo de mundo aberto em que as pessoas menos usarão o fast travel.

A única parte que não ficou perfeita aqui é grudar na parede. É automático, então às vezes o personagem gruda quando você não quer ou não gruda quando você quer. Um botão dedicado talvez teria sido o ideal.

Mas claro que não dá pra fazer um jogo do Homem-Aranha em que você apenas se balance por aí. O combate é outro ponto extremamente importante da jogabilidade e que ficou quase tão bom quanto.

Vamos começar "tirando o elefante da sala". Vendo trailers e outros vídeos de divulgação do "miranha", muitas pessoas mostraram preocupação na similaridade do combate com o estilo dos jogos da série Arkham, do Batman da Rocksteady. Os próprios devs da Insomniac Games não escondem as influências quando falam do sistema de luta no jogo. Mas, tendo feito 100% em todos os Batmans e mais de 90% no Spider-Man para esta review, posso afirmar com tranquilidade: o combate é bem diferente.

Enquanto na série Arkham os devs buscaram dar ao jogador uma sensação de racionalidade e estratégia, em que você se mantém no controle da luta, sempre planejando seus próximos golpes de maneira calculada, em Spider-Man a sensação é muito mais de reflexos e improviso, em que você reage ao que está acontecendo e vai fazendo o que dá vontade na hora. Ou seja, ambos ótimos exemplos de como alinhar o gameplay ao perfil do personagem de um universo já estabelecido e popular.

O combate em Marvel's Spider-Man foca no improviso e ensina o jogador a confiar no "sentido aranha"

Na maioria dos combates em Marvel's Spider-Man você vai enfrentar uma grande quantidade de inimigos ao mesmo tempo. A câmera fica bem próxima do herói, algo que causa estranheza no início, mas depois faz sentido. Você deve se acostumar a desviar-se de ataques sem ver, aprendendo a confiar no "sentido aranha", um poder central para o personagem e que ganhou sua devida importância no gameplay. É possível interagir com diversos objetos no cenário e o gameplay recompensa muito o combate aéreo, todos esses aspectos que diferenciam demais a experiência neste jogo e tornam seu combate muito original.

E temos também os gadgets, é claro. Eles adicionam uma camada extra de improviso, convidando o jogador a aproveitar janelas de oportunidade em que um gadget vai ter seu potencial usado ao máximo. A bomba de teia, por exemplo, é ótima para um quarto apertado com inimigos menores, colando a maioria deles na parede na hora. É bem divertido usar os gadgets, mas aqui cabe uma crítica, porque eles não contam com um gatilho rápido. É sempre necessário ativar a roda de seleção, deixando o jogo em câmera lenta, para escolher primeiro o acessório, depois usá-lo com o R1. Isso não ficou o ideal porque quebra um pouco o ritmo do combate.

Cabe falar aqui também, rapidamente, sobre os segmentos de furtividade. Não são frequentes e oferecem uma boa mudança no gameplay, o que ajuda a não cansar de ficar só se balançando e combatendo. O melhor é que, tirando algumas missões da história e desafios específicos, você pode abandonar completamente a furtividade e partir pra briga na maioria das atividades paralelas e até em outras missões da campanha. No modo "stealth" é ainda mais divertido usar os gadgets, já que ficar alternando entre eles não quebra o ritmo do gameplay como acontece no combate.

Falando no gameplay furtivo, vamos comentar sobre jogar com a Mary Jane. Acredito que o termo que melhor caracteriza jogar com o interesse romântico do Homem-Aranha é "desnecessário". Não chega a ser categoricamente ruim, mas é tão menos divertido que o resto do jogo que fica uma sensação de "por que estou fazendo isso?". Parece um obstáculo que você é obrigado a passar antes de voltar para a parte legal do game, a parte pela qual você realmente comprou o jogo. E o motivo disso é muito simples: a "Lois" Jane é só uma pessoa normal, como eu e você. Ela não tem habilidades ninja nem gadgets inacreditáveis, então a única maneira possível para ela fazer suas missões furtivas é com o jogo pegando MUITO o jogador pela mão e deixando a AI dos inimigos ridiculamente burra. A maior vantagem desses trechos de gameplay com a MJ é que eles não são muitos.

Jogar com a Mary Jane é um tanto desnecessário e acaba sendo um obstáculo para as partes que interessam do gameplay

E como eu cheguei a mencionar rapidamente antes, o jogo tem um sistema de níveis e desbloqueio de habilidades. Você consegue boas quantidades de experiência realizando as missões principais e secundárias do jogo e pouquíssima experiência fazendo as atividades paralelas. E essa ideia foi muito interessante, porque o incentivo de fazer outras atividades e correr atrás de colecionáveis vem de conseguir "tokens". Fazer as mini-missões dos laboratórios de pesquisa do Harry Osborn, por exemplo, lhe dá tokens de pesquisa. Parar crimes espontâneos, tokens de crime, recolher mochilas, tokens de mochila, etc.

O desbloqueio de habilidades é baseado nos níveis que você ganha com experiência, cada novo nível libera um ponto de habilidade, que você gasta na sua árvore de skills. Já os gadgets, novas roupas e incrementos, você libera usando os tokens. Ou seja, há incentivos iguais tanto para as atividades principais e paralelas do jogo. E isso é muito interessante principalmente por causa da importância que Marvel's Spider-Man dá para as diferentes roupas que podem ser desbloqueadas. Elas não servem apenas para estética, cada roupa tem um poder especial atrelado a ela que é liberado junto com o desbloqueio da roupa. E o mais legal aqui é que você pode usar o poder liberado de uma roupa em outra. A roupa do Homem-Aranha Punk, por exemplo, libera uma habilidade em que o herói tira uma guitarra e ondas sonoras mandam os inimigos longe. Depois de liberado esse poder, você pode equipar na roupa que quiser, não precisa usar a Punk.

O jogo tem um ótimo equilíbrio entre incentivos para a campanha e para a realização de atividades paralelas

Além de escolher um "poder do traje", você pode também equipar mais três "modificadores" por vez, que também são liberados com tokens. Isso é muito interessante porque dá pra ajudar um pouco na customização da "build" que você quer pro seu "miranha", mais focado em furtividade, deslocamento, combate, etc. Só acho que aqui foi desperdiçada uma oportunidade de dar a opção de vincular esses modificadores e poderes de traje a cada uniforme, assim o jogador poderia separar builds específicas de acordo com o que ele quer baseando-se no uniforme. Você poderia, por exemplo, equipar modificadores de combate na roupa Avançada e modificadores de furtividade na roupa Noir, e trocar facilmente de build ao escolher outro uniforme. Mas, da maneira que está, você tem que trocar a roupa, o poder do traje e os modificadores, um por um.

Para concluir a parte da jogabilidade quero apenas mencionar os "mini-games de ciência". São pequenos puzzles simples que aparecem em algumas missões e atividades paralelas que não chegam a ser um ponto alto do jogo, mas considerei muito interessante e bem-vinda sua introdução porque este foi, possivelmente, o primeiro jogo do Homem-Aranha que tentou expor mais o lado cientista de Peter Parker. O personagem é um jovem gênio nos quadrinhos e este aspecto costuma aparecer apenas em cutscenes nos jogos, então foi uma iniciativa que gostei de ver a tentativa de trazer isso para a jogabilidade neste título.

Gráficos

Os gráficos do game estão excelentes para o que pode ser oferecido no console. A atenção aos detalhes e, principalmente, o trabalho com as luzes na cidade, ajudam na imersão e na sensação de deslumbramento quando estamos balançando por aí. O jogo tem, basicamente, três situações de luminosidade: dia, entardecer e noite. O entardecer especialmente é incrível, com a luz do sol invadindo as frestas entre prédios. Passar pela Times Square à noite também é certo para conseguir alguns sorrisos de muitos jogadores.

Os desenvolvedores tiveram uma atenção em especial para popular a cidade não só nas ruas, mas também em terraços e nas mais diferentes localidades, dando mais vida e uma noção maior da importância das suas ações, afinal você está defendendo uma cidade onde há pessoas indo e vindo.

E com tanto movimento na cidade e elementos na tela, preciso elogiar a estabilidade do jogo. Apesar de rodar travado em apenas 30fps, pelo menos o game não oscila disso. Mesmo rodando no PS4 Slim, não tive problemas com quedas de frames em quase momento algum, mantendo uma experiência fluida mesmo me movimentando em alta velocidade atrás de um helicóptero destruindo metade da cidade ou combatendo dezenas de inimigos ao mesmo tempo. Além disso, quase não encontrei bugs no jogo. Uma vez usei o fast travel para uma estação de polícia e dois policiais "spawnaram" caídos, se levantando em seguida, e este foi o maior "bug" que encontrei ao longo de todo o gameplay. Isso é digno de elogios num jogo de mundo aberto.

O jogo conta com um belíssimo mundo aberto com ótimos efeitos de iluminação e uma estabilidade surpreendente em seus 30fps

Também não posso deixar de mencionar a atenção e o cuidado com detalhes no desenho dos personagens e, obviamente, nas roupas do "miranha". As pessoas são expressivas e suas feições têm nuances, o que ajuda demais na imersão da história. Já os uniformes do herói esbanjam capricho e inspiração e, mesmo roupas antigas como a do Aranha Escarlate, ganham um tratamento renovando trazendo mais detalhes e renovando o visual, mesmo sem abandonar sua essência. Acredito que os fãs de longa data, como eu, vão gostar muito do cuidado empregado na implementação dos diferentes visuais do Homem-Aranha no jogo.

Como nada é perfeito, o gráfico não impressiona muito nas texturas de cenários menos frequentes, como vegetação e pedras naturais, em alguns casos ficando meio feio mesmo. O efeito da chuva e água em geral não é ruim, mas também não passa muito do satisfatório. Além disso, seria interessante uma variedade maior de animações, principalmente no combate. Num jogo longo assim logo você vê todas e elas começam a ficar um tanto repetitivas.

Áudio

O áudio do game é muito bom e segue o nível acima da média de qualidade do jogo, mas comparando com seus outros elementos, não impressiona tanto.

Temos uma dublagem excelente em inglês, com atuações de primeira linha, principalmente do protagonista, mas com ótimos trabalhos também dos coadjuvantes. Quero deixar aqui um destaque para a participação de Josh Keaton, que faz o Electro e já foi o próprio Homem-Aranha na série animada mais legal que o herói já teve: Spectacular Spider-Man. Sou fã.

A trilha sonora não impressiona, mas a dublagem e efeitos sonoros de qualidade ajudam na imersão da história

A dublagem em português também não fica atrás. Não dá pra querer que seja tão boa quanto o que acontece com a captura de movimentos dos atores que interpretam os personagens, mas temos vozes profissionais que mantêm a imersão no jogo, além do texto ser devidamente adaptado e não apenas aquele Google Tradutor. Aliás, falando em adaptação, deixo aqui uma crítica ao fato dos nomes dos personagens não terem sido traduzidos. As pessoas chamam o nosso herói aracnídeo de "Spider-Man", mesmo com o jogo em português. Isso causa MUITA estranheza. O nome Homem-Aranha já está mais do que normalizado no Brasil, ele é chamado assim nos gibis, séries, filmes, etc. Não entendi essa escolha, e ela acontece com todos os nomes de personagens - o Rei do Crime é "Kingpin", o Abutre é "Vulture", etc. Parece que a decisão veio da própria Marvel.

A trilha sonora mostra forte inspiração no que foi estabelecido na trilogia de filmes original, do Sam Raimi. As músicas casam bem com a temática e são perfeitamente funcionais, mas a essas alturas já não impressionam nem surpreendem.

Já da parte de efeitos sonoros não tenho do que reclamar. O herói tem um vasto repertório de piadinhas para usar ao longo do jogo e os NPCs também contam com uma biblioteca variada de falas. O som do impacto dos golpes e dos tiros ajuda na imersão dos combates e os sons característicos dos gadgets também ficaram muito bem implementados. Um destaque aqui para o excelente som do disparo da teia, que ajuda a tornar o deslocamento pela cidade ainda mais relaxante e satisfatório.

AVALIAÇÃO:

História e Ambientação

9.0

Jogabilidade

9.5

Gráficos

9.2

Áudio

9.0
Conclusão

Marvel's Spider-Man é obrigatório para fãs do herói e uma excelente recomendação pra qualquer pessoa que curte jogos de ação em mundo aberto. A Insomniac Games acertou em cheio no sistema de deslocamento do jogo, tornando o simples fato de ir de um lugar para outro uma grande diversão. Mas o jogo oferece ainda um divertido sistema de combate, um enredo interessante com personagens envolventes, ótimos gráficos e uma diversidade enorme de colecionáveis e itens para desbloquear. Tudo isso muito bem amarrado num ritmo que não dá vontade de parar de jogar.

Enfim o bom e velho "miranha" ganhou um jogo à altura do que ele merece

A história pode ser um tanto previsível e jogar com a MJ não é lá essas coisas, mas esses são defeitos facilmente perdoáveis num jogo esbanja charme e capricho do início ao fim. Enfim o bom e velho "miranha" ganhou um jogo à altura do que ele merece.


PRÓS
  • Enredo bem construído e melhor do que o esperado
  • Personagens variados e bem realizados
  • Se balançar pela cidade chega a ser viciante
  • Ótimo combate, variado e original
  • Variedade de colecionáveis com bom incentivo para pegá-los
  • Mais de 20 trajes caprichados e com poderes especiais
  • Saltar entre os prédios no entardecer
CONTRAS
  • História um tanto previsível
  • Jogar com a Mary Jane
  • Faltou um gatilho rápido para os gadgets
  • Dublagem em português chama o Homem-Aranha de Spider-Man