Monster Hunter é uma franquia pouco conhecida no ocidente, mas que já existe há anos e tem feito grande sucesso na Ásia e especialmente no 3DS, onde os últimos títulos vinham sendo lançados. A Capcom decidiu então que era o momento de tentar voltar aos consoles, com um grande lançamento no PS4 e Xbox One, depois vindo também ao PC. Não é à toa que o game se chama Monster Hunter World. Mas será que podemos chamar o jogo de um retorno triunfal ou ele estava melhor nos portáteis mesmo? Confira na análise!

História e Ambientação
Admirável mundo novo... Com monstros e gatinhos!

Como seria de se esperar de um game assim, o enredo não é exatamente o ponto alto do jogo. Serve mais apenas como um argumento para colocar o jogador nas novas paisagens para que ele possa se divertir em suas caçadas. Em Monster Hunter World, o personagem do jogador faz parte da quinta frota a chegar no "mundo novo", uma grande região ainda inexplorada onde os humanos estão tentando se estabelecer. Além de caçar monstros e procurar recursos, a comissão dos caçadores segue em busca de Zorah Magdaros, um dragão ancião gigantesco que está atravessando o novo mundo por razões desconhecidas no início do game.

O enredo acaba sofrendo por causa da natureza de jogos focados no multiplayer. O protagonista é uma casca vazia, que não tem falas nem toma atitudes por si próprio, apenas ouve e obedece. Isso acaba diminuindo o leque de possibilidades do que se fazer com a história logo de cara, mas ainda daria pra fazer personagens coadjuvantes mais interessantes e missões extras com algum enredo pra ajudar nessa parte, o que acaba deixando a desejar. Quem acaba carregando a história é a assistente do protagonista, uma das piores personagens do jogo. Enquanto ela tenta parecer sempre empolgada e pronta para uma nova aventura, ela acaba se tornando irritante e infantil na maior parte do tempo.

É na ambientação que Monster Hunter World se destaca, com um mundo natural e cheio de vida

É na ambientação, porém, que o jogo se destaca logo de cara. As verdadeiras "estrelas" de MHW são os monstros, é claro. E pra que eles possam brilhar o jogo precisa convencer o jogador de que seus cenários e localidades são ambientes naturais, habitats, onde esses animais vivem suas rotinas. E o game acerta isso em cheio. A qualidade das animações (que será mais discutida na parte de gráficos da análise) aliada à imensa variedade de interações com o cenário e entre os diferentes monstros passam realmente a impressão de que você está desbravando um ambiente novo e cheio de mistérios. Descobrir novas pegadas desconhecidas sempre desperta a curiosidade do que vamos encontrar pela frente, conforme o jogo nos leva cada vez mais fundo dentro de suas florestas, desertos e todo tipo de cenário.

Jogabilidade
Cada novo monstro, uma nova aventura

A jogabilidade de Monster Hunter World é a melhor parte do jogo, fazendo um uso perfeito de sua excelente ambientação. Sua complexidade e grande número de possibilidades pode assustar jogadores iniciantes, mas conforme a pessoa vai dominando as mecânicas do game e aprendendo os segredos de cada cenário, a sensação que o jogo passa é exatamente o objetivo dos criadores: o jogador se sente realmente um caçador, procurando pistas de sua presa, recolhendo mantimentos para ajudar na caçada, preparando armadilhas e aproveitando as vantagens de cada ambiente.

A complexidade pode assustar, mas a variedade
do gameplay é justamente o que cativa

O combate com os monstros é um grande ponto alto, especialmente quando acontece pela primeira vez. Enfrentar um novo monstro é extremamente divertido, conforme vamos descobrindo suas habilidades, golpes e animações. As habilidades de cada monstro são extremamente variadas, o que realmente faz cada um ser muito único e uma experiência diferente na caçada. Isso ajuda a compensar o fato que o jogo reaproveita muito o design básico do corpo dos monstros, apenas remodelando em cima, o que conta como ponto negativo.

E além da variedade de monstros, há também a diversidade de armas. Dá pra sentir que os desenvolvedores tiveram um cuidado especial em tornar cada arma única, realmente impactando na maneira em que o jogador experiencia o game. Há diversas opções de armas para combate corpo a corpo ou à distância, e o gameplay entre elas varia imensamente, o que é extremamente bem-vindo. Além de oferecer diversas opções e aumentar as chances do jogador encontrar aquela arma que se encaixa perfeitamente no perfil dele, a variedade também contribui para aumentar a longevidade do game. Jogadores veteranos podem querer tentar se aventurar numa arma nova para dar uma inovada e acrescentar algumas horas de gameplay, por exemplo.

A caçada de cada monstro representa um combate único, e os itens
conseguidos liberam novas armas e armaduras

Depois de escolher sua arma ideal, o jogador ainda vai encontrar o grande número de opções de melhorias do equipamento, não só das armas, mas também das armaduras. Tanto as melhorias nas armas como forjar novas armaduras é feito com partes dos monstros caçados, o que impacta não só nos status, mas no visual dos equipamentos. Monster Hunter não é exatamente um jogo difícil, então o jogador pode até optar por uma armadura mais fraca só pela aparência. Tudo isso contribui para incentivar ainda mais as caçadas, atrás de conseguir aquela parte específica que você quer pro equipamento ideal.

E o jogador vai ter que gerenciar não só o seu equipamento, mas também o do Palico (Amigato, em português). O Palico é um dos grandes destaques do jogo, oferecendo ajuda de verdade ao jogador, ao colocar armadilhas, usar itens que melhoram seus status, ou até mesmo atacar e chamar a atenção do monstro pra dar a chance de fazer um ataque surpresa ou recuperar a vida, por exemplo. Os pequenos felinos são uma adição não só divertida, mas também necessária neste game tão focado no multiplayer, algo que vamos discutir mais a fundo a seguir.

O Amigato é um dos grandes destaques do jogo, mas serve
também pra mostrar a importância do multiplayer

O multiplayer de Monster Hunter World é visivelmente uma parte essencial do jogo. Os monstros têm um HP imenso, e demoram muito a serem derrubados, especialmente no começo. Além disso, o jogo tem mecânicas para impedir o jogador de ficar sempre na ofensiva, como a demora para usar itens de recuperação e a necessidade de afiar a arma de novo depois de um certo número de hits. Essa necessidade de recuar do combate de vez em quando só funciona perfeitamente no multiplayer, onde os outros jogadores podem continuar atacando e segurar a atenção do monstro enquanto você se recupera. Jogando sozinho o Palico até tenta cumprir esse papel, mas não é o ideal — como seria com outro jogador.

Mas não só isso, há missões que são quase impossíveis de se fazer sozinho não pela dificuldade, mas pelo tempo. É um desafio desnecessariamente frustrante tentar caçar 3 monstros grandes em apenas 30 minutos já que eles demoram tanto a serem derrubados por um único jogador.

Isso sem mencionar toda a estética e o grande número de atividades extras feitas pra você aproveitar em grupo, como a hub que é uma taverna onde dá pra beber com os amigos e brincar de braço de ferro, por exemplo. Todo o funcionamento de ativar as quests ou realizar missões é visivelmente pensado para o multiplayer. E tudo isso realmente impacta negativamente no fato da versão para consoles de MHW exigir os serviços pagos da PS Plus ou Xbox Live Gold para jogar o multiplayer.

- Fica aqui um salve pro @paulo_campos20 que jogou umas partidas comigo e ajudou na análise.

Isso não quer dizer que não valha a pena jogar o game sozinho. Vale sim. Até porque o Palico ajuda muito, como mencionei antes. Mas, para compensar pagar o pesadíssimo preço cheio de MHW nos consoles (R$ 249), é melhor garantir que você vai aproveitar o jogo em sua totalidade.

E falando na totalidade de MHW, há ainda muitos outros recursos que não citei, como a criação de itens e armadilhas, o recolhimento de dados pro centro de pesquisas, o cultivo de plantas e toda uma questão culinária. Volto a dizer, o jogo é cheio de coisas, mas não chega a ser complexo pra aprender quando dedicamos algum tempo (e leitura) e toda essa profundidade resulta numa variedade muitíssimo bem-vinda.

Gráficos
Paisagens deslumbrantes e animações de primeira qualidade se seguram como podem em pouco hardware

Monster Hunter World tem gráficos excelentes, com cenários extremamente variados e uma diversidade incrível de animais e personagens, todos com animações caprichadas que ajudam a dar vida ao mundo do jogo. E tudo isso roda mais ou menos. 

A cópia que a Capcom nos enviou foi para o PS4, onde o jogo roda com visíveis quedas de frames, especialmente em lugares com muita informação, como a principal cidade do jogo, Astera. É estranho que a desenvolvedora não tenha decidido travar os fps em 30, causando essas flutuações desconfortáveis, mas, por mais que não seja o ideal, não chega a ser aquela queda que previne o jogador de experienciar o game.

Nos cenários e durante as caçadas, onde realmente importa, o jogo se segura melhor. Os mapas são bem grandes e diversificados, o que causa telas de carregamento um tanto longas, mas que acabam valendo a pena pra não ter que aguentar carregamentos dentro da partida. Isso é especialmente importante pra jogatina no multiplayer, em que pode haver um membro do esquadrão em cada canto do mapa.

O nível de detalhe dos cenários e o capricho das animações de movimento garantem uma excelente imersão

Mas é importante ressaltar que o jogo é realmente bonito. Os diferentes designs das armaduras, a atenção aos detalhes, as animações e a maneira como os ambientes são tão diferentes um do outro ajudam na imersão de maneira impressionante. E cabem aqui pontos extras para o design dos cenários no sentido prático, com caminhos que se interligam e escondem diversos segredos e áreas diferentes. Há ambientes bastante planos como o deserto ou áreas muitíssimo verticalizadas, como a zona dos corais, que simula o fundo do mar, sem mar. Um dos cenários mais bonitos e diferentes do jogo, e o meu favorito.

Som
Nenhum grande destaque, e a dublagem deixa a desejar

A parte de som é a menos digna de elogios do game. Não que seja ruim, de maneira alguma. Mas num jogo com um gameplay e um visual tão incríveis, a trilha sonora e as dublagens não chegam ao mesmo nível de excelência. As músicas não chamam a atenção e, apesar de serem um tanto épicas, acabam soando genéricas às vezes. Enquanto os rugidos dos monstros são únicos e bem trabalhados, as vozes nem tanto.

Os atores da dublagem em inglês até fazem um bom trabalho, mas o jogo nem tenta sincronizar as falas com o movimento da boca, o que atrapalha ainda mais a imersão no enredo que já não é exatamente algo incrível. Na verdade, a maior parte do game nem é atuada, o personagem apenas diz HEY ou LOOK e a fala dele vem escrita pra você ler.

Alguns jogadores vão se decepcionar com a falta da dublagem em português, mas pelo menos os textos são localizados para o Brasil. E fica aqui também um ponto extra pro "Idioma de Monster Hunter". Existe uma língua inventada que dá pra colocar no jogo e dar uma sensação extra de mundo fantástico. Só é uma pena que esse idioma não é muito bem trabalhado e passa a nítida impressão de uma pessoa enrolando a língua e balbuciando qualquer coisa na hora, não que realmente existe um povo que fale assim. Uma oportunidade perdida que poderia ter ficado muito legal.

AVALIAÇÃO:

História

8.5

Jogabilidade

9.5

Gráficos

9.0

Som

8.0
Conclusão

Poucas vezes um título de jogo fez tanto sentido como o de Monster Hunter World. Isso porque o personagem principal do game é realmente o seu mundo, um lugar lindo e variado, cheio de aventuras e monstros incríveis para o jogador descobrir e desbravar. Além disso, esse é o título que revela essa franquia de sucesso para o resto do mundo, do nosso mundo. E essa revelação é muitíssimo bem-vinda.

O personagem principal de Monster Hunter World
é justamente seu mundo. E ele é incrível

Devido à forte ênfase do game no multiplayer, até fiquei surpreso com como ele é divertido mesmo jogando sozinho. Mas é claro que jogando com os amigos que o game realmente atinge todo o seu potencial, então é importante levar isso em consideração na hora de pagar todo o seu preço.

Se você gosta de explorar novas áreas e diversidades no gameplay, Monster Hunter World é uma excelente pedida. Não deixe a quantidade massiva de coisas que o jogo traz lhe assustar, porque depois que engatar no gameplay, toda essa variedade vai ser essencial e um dos pontos mais fortes do jogo.


PRÓS
  • Um imenso mundo de novidades para explorar
  • Variedade de monstros e armas
  • Lindos cenários, grandes e com diversas áreas diferentes
  • O capricho das animações impressiona e ajuda na imersão
  • Não tem microtransações
  • Palicos!
CONTRAS
  • Performance inconsistente nos consoles
  • Necessidade de pagar mensalidade pro multiplayer nos consoles
  • Tempos de loading um tanto demorados