A SteelSeries é uma das marcas mais antigas do mercado de headsets, inclusive pode-se argumentar que este seja justamente o mercado onde a marca sempre teve maior presença:

Mas, com a chegada de headsets como o HyperX Cloud (que hoje se chama Cloud Core) e a evolução constante de concorrentes, fones como o antigo SteelSeries Siberia V2 realmente acabaram ficando para trás do restante do mercado em diversos quesitos, especialmente na qualidade sonora.

Porém, com a chegada da nova linha de headsets Arctis, a SteelSeries prometeu em seu material publicitário "revolucionar" o mercado de headsets gamer, com qualidade como "nunca foi visto antes".

Minha opinião? Um tanto exagerado, mas o fato é que os headsets Arctis realmente são headsets de respeito e que possuem pontos onde são superiores a concorrentes.

Vamos então começar a análise.

Construção e Conforto

O SteelSeries Arctis 5 tem um contraste bem interessante entre um visual aparentemente simples à primeira instância, especialmente no modelo escuro que temos aqui:

Mas basta apenas conectar ele em seu computador pela USB para sua impressão mudar bastante, o SteelSeries Arctis 5 é o único da linha Arctis a possuir iluminação RGB e sendo bem sincero, é muito mais bonita do que a iluminação de muitos concorrentes RGB.

Colocando minha opinião aqui, o Arctis 5 não é nem simples e nem espalhafatoso demais, ele é elegante.

Pesando 272 gramas, o SteelSeries Arctis 5 é um fone de peso mediano, este estando muito distribuído, além de contar com uma headband de tecido extremamente confortável que é ajustada manualmente por um velcro. Poucas pessoas poderão reclamar do peso e da distribuição deste no fone.

Assim como vários outros headsets, o SteelSeries Arctis 5 conta com uma construção tendo conchas giratórias, o que normalmente é um ponto onde ocorrem problemas, seja por causa de descuidos ou pela má construção do fone:

Mas, mesmo tendo uma construção giratória, a do Arctis 5 é de longe uma das que passam maior impressão de resistência, muito mais do que a estrutura de fones como o Cloud Stinger/Logitech G633/G933/ATH M50X ou Aurvana Live! 2, tudo é muito rígido, e com o devido cuidado do usuário não creio que haverão problemas nesta parte.

Um detalhe que não gostei tanto, foi o acabamento emborrachado das laterais do SteelSeries Arctis 5:

Este é um acabamento emborrachado bastante confortável ao tato, mas minha experiência com emborrachados deste tipo em mouses e teclados me ensinou que além de sujar facilmente e sujeiras grudarem nele, ele tende a ficar com marcas e riscos com o uso, degradando a aparência do periférico conforme o tempo passa.

Também, este é um material que pode ser impregnado por sujeira, razão porquê a versão branca, que também é emborrachada, pode não ser uma boa escolha.

As almofadas do SteelSeries Arctis 5 usam uma espécie de tecido chamado pela marca de "AirWeave", algo que não havia visto ser aplicado em outros headset/headphones até agora. Basicamente é um tecido parecido com o que é utilizado em camisetas especiais para esportes, um "pouco" parecido ao que a Logitech utiliza no G633 e G933, mas anos luz à frente na questão de qualidade e conforto, bem superior mesmo.

O resultado deste tecido é um único: as melhores earpads que já usei em um fone. Extremamente confortáveis e com excelente ventilação, algo que realmente faz toda a diferença principalmente agora no verão. Outro detalhe importante é que estas também são laváveis.

Mas claro, há desvantagens. Assim como a "malha esportiva" do concorrente Logitech G633/G933, as almofadas do SteelSeries Arctis 5 e o pouco clamping do fone resultam em pouco isolamento e um pouquinho de vazamento de som para o ambiente externo, mas pouco mesmo e não atrapalha o fone.

Em sua lateral, o SteelSeries Arctis 5 conta com um botão para mutar o microfone, o qual levanta quanto pressionado e é bastante fácil para achar até no escuro. Há também um controle de volume analógico e duas conexões para os cabos que podem ser usados com o fone, o cabo específico dele e uma entrada para cabos P3 (3.5mm). Pode-se usar cabos P2 comuns, mas você não terá microfone se fizer isso.


Agora falando justamente sobre estes cabos, o SteelSeries Arctis 5 acompanha um cabo com um conector estranho, o qual possui uma linha de áudio analógico (o DAC do fone está na placa externa dele) e linhas que transmitem energia para controlar os LEDs do fone.

Também, o Arctis 5 acompanha um adaptador para conectar este mesmo cabo em dispositivos com entradas analógicas P2 ou P3 (3.5mm), tal como smartphones*, controles de consoles atuais, tablets, etc...

A princípio este conector só seria um problema se não houvesse a entrada 3.5mm (P3) logo ao lado, mas o que realmente não gostei muito foi o próprio material do cabo utilizado por ele.

O cabo que se conecta ao SteelSeries Arctis 5 é muito similar ao que é usado pelo mouse SteelSeries Rival 300, é um cabo de borracha altamente flexível e com pouco peso, e é um dos melhores cabos de borracha para mouses.

E aí está o problema, é um cabo projetado para mouses, possui pouca resistência e não vejo ele como o ideal para um headset. Basta apenas este cabo enroscar em algo e pronto, se foi, é uma borracha bastante fina e que realmente passa a impressão de fragilidade.

"Mas wetto, tem a conexão 3.5mm logo ao lado, se acontecer algo é só trocar por um cabo P3 comum"

Sim, você pode fazer isso, mas apenas o cabo original do SteelSeries Arctis 5 é compatível com sua placa, então se você danificar este cabo original, diga adeus para os recursos do software, para o controle de crossover e também para a iluminação RGB do headset.

Seria bom se o próprio Arctis 5 já acompanhasse um cabo 3.5mm (P3) extra exclusivamente para conectar o fone em dispositivos P2/P3. Um cabo no estilo do Logitech G633/G933, mas com conector curvado na ponta, seria o ideal:

Agora, um dos recursos mais interessantes do SteelSeries Arctis 5 é esta pequena Knob:

Para quem pensou que isto é um controle de volume, sinto lhe informar que você está errado. Embora possa ser usado como controle de volume, isto é um controle de crossover. E o que diabos isto faz então?

Primeiro de tudo, o SteelSeries Arctis 5 cria duas interfaces de áudio no seu computador, uma chamada "Arctis 5 Chat" e outra chamada "Arctis 5 Game".

A partir disto você pode definir a interface Arctis 5 Game como padrão para que o som de jogos e aplicativos saiam por ela, enquanto que a interface Arctis 5 Chat pode ser definida manualmente para que o som do Discord/Skype ou até mesmo de músicas, saiam através dela.

OK, agora que você está com o áudio do Discord na interface Chat e o áudio de algum jogo na interface Game, finalmente podemos explicar o que este recurso faz:

O ponto neutro desta roda é como está na imagem acima, bem no meio. Desta forma você receberá 100% do áudio tanto da interface Chat quanto da interface Game. Agora, se você girar isto para a direita, você estará dando prioridade para o áudio do Chat, o que acaba diminuindo o volume do Game.

Da mesma forma, se você girar para a esquerda, estará dando prioridade para o áudio do Game, o que acaba diminuindo o volume do Chat.

É um recurso muito interessante e que é comum em fones da Astro, mas a principal diferença do Arctis 5 é que esta placa é muito menor, além de possuir apenas este controle. Você pode sim usar ele como controle de volume, mas é um pouco confuso girar isso para a direita e ver o áudio do jogo diminuir, embora acostume rapidinho.

Minha única crítica é que este recurso não pode ser usado com qualquer outro fone devido ao conector. Seria interessante se a SteelSeries vendesse uma versão compatível com outros fones separadamente.

Também, é possível receber áudio do cabo 3.5mm ao mesmo tempo que o outro cabo está conectado ao Arctis 5, o que permite que você utilize o Discord no celular enquanto o headset está conectado no PS4 (seja no controle ou na USB) ou no controle do Xbox One.

Enfim, o SteelSeries Arctis 5 é um fone ridiculamente bem feito, com um nível de conforto absurdo, uma estrutura resistente mesmo tendo earcups giráveis e com recursos muito bem implementados. Minha única crítica é ao cabo original, o qual não aparenta ser resistente e precisa ser tratado com cuidado.

Qualidade Sonora

Já estava acompanhando notícias sobre o SteelSeries Arctis 5 um bom tempo antes de conseguir um e sinceramente estava um pouco cético quanto às afirmações da marca e de alguns portais que já haviam feito análise do fone.

E ao finalmente testar o fone, pude ver que algumas coisas estavam exageradas, mas não muito, enquanto outras eram realmente verdade. A SteelSeries está de volta no jogo de headsets e realmente a linha Arctis é de respeito.

Se este gráfico da RTings.com realmente estiver correto e considerando que o SteelSeries Arctis 7 utiliza os mesmos falantes que o Arctis 5, ele é um fone com uma assinatura sonora neutra e uma leve puxada nos graves, com forte inspiração em fones profissionais como o Audio Technica M50X, o qual compartilha estas mesmas características:


Fonte: Review SteelSeries Arctis 7 - www.rtings.com

O resultado disto são graves com boa extensão, médios vívidos, enquanto há uma excelente nitidez nos agudos, embora parece que a SteelSeries recuou um pouco eles para evitar estridência. É uma assinatura sonora confortável para qualquer gênero musical ou gênero de jogos, buscando ter uma boa resposta em "tudo".

Mas, como já diz o ditado, "Quem é bom em tudo, é excelente em nada".

Embora o desempenho em músicas eletrônicas seja bom, ele é um fone menos divertido que alguns outros devido à menor presença de impacto, enquanto que em gêneros musicais como Rock, o seu palco sonoro um pouco limitado o faça ser inferior a alguns fones. E isso é normal e aceitável, ele não é o "melhor" para tudo, mas é agradável para tudo.

Já sobre o Palco Sonoro do Arctis 5, ele não impressionou. Não é nem de longe ruim, é fácil detectar a direção e profundidade em alguns jogos, além da presença de instrumentos individuais em músicas, mas não tanto quanto alguns concorrentes, especialmente fones abertos ou semi-abertos. É o que se espera de um fone de acústica fechada.

Agora, vamos aos recursos adicionais deste headset, em especial seu software:

Primeiro de tudo, tenho que reafirmar que a SteelSeries Engine 3 possui uma das melhores interfaces gráficas do mercado. Tudo bem simples, explicado, fácil de achar e o principal, bem traduzido para Português Brasileiro, algo que infelizmente muitos concorrentes não fazem.

Enfim, nesta interface temos diversas opções, desde a opção de ativar o DTS Headphone X no topo e logo abaixo predefinições para ele (Jogo, Filme e Música), um equalizador com diversas opções, configurações do microfone na direita, configurações dos LEDs na esquerda e um efeito chamado "Compressão de alcance dinâmico" na parte inferior.

E o que faz esse recurso? Bom, aí entramos em um diferencial que eu gosto muito da SteelSeries Engine 3: há um pequeno balão com símbolo de interrogação em cada recurso do fone, o qual apresenta uma explicação ao ser clicado:

Basicamente é um efeito de normalizador que ajusta o volume do áudio de jogos/filmes/músicas/vídeos para evitar que você tome aquele belo "RIP headphone users" devido a um som estar muito mais alto que o restante.

Agora vamos falar sobre o "Surround" do SteelSeries Arctis 5. Ter utilizado o DTS Headphone X no Logitech G633/G933 já havia me mostrado que este é um tipo de simulação de surround inferior ao Dolby Surround, e o SteelSeries Arctis 5 só acabou comprovando isto.

Entendam, não estou defendendo a utilização de simulação de Surround em headsets, é puro marketing e efeitos de Reverb, mas aí que está o problema, o DTS Headphone X é mal implementado, realmente só atrapalha em todas as situações acrescentando Reverb onde não deveria, enquanto que o Dolby Surround 7.1 até coloca maior ênfase em alguns detalhes sem estragar "tanto" o áudio original.

Já o DTS Headphone X, tanto nos concorrentes Logitech G633/G933 quanto no SteelSeries Arctis 5, só presta pra estragar o som. Mas, o áudio puro do SteelSeries Arctis 5 é a melhor opção e sozinho é superior em fidelidade sonora ao G633 e G933. Um bom fone não precisa destas frescuras.

Aliás, a melhor aplicação do SteelSeries Arctis 5 nem é conectado no PC com o RGB piscando ou com os diversos recursos do software. É conectado com dispositivos móveis que o SteelSeries Arctis 5 acaba sendo superior a todos os outros headsets que já testei até agora.

Já testei headsets que achei melhores para jogar jogos de FPS no PC ou escutar músicas, mas nunca usei um headset tão bom para dispositivos móveis como o SteelSeries Arctis 5.

O desempenho do SteelSeries Arctis 5 em dispositivos móveis é fenomenal

A assinatura sonora "neutra" com leve puxada nos graves, o conector curvado, a ridícula facilidade de amplificação e o extremo conforto do SteelSeries Arctis 5 fizeram ele tomar o lugar do meu Creative Aurvana Live! 2 como fone portátil e ouso dizer que para o meu uso, acho ele até melhor do que o Audio Technica M50X que já tive em mãos.

Basicamente a eficiência do SteelSeries Arctis 5 faz com que ele alcance volumes que outros headsets/headphones não conseguiriam conectados no mesmo aparelho (ex: N3DS ou PS Vita), fora que por isso ele também é capaz de mostrar todos os seus graves e agudos sem nenhuma necessidade de equipamento adicional, nem mesmo a sua própria placa de som USB acrescenta muito a ele:

O desempenho que o SteelSeries Arctis 5 apresenta conectado em uma placa de som externa ASUS Xonar U3 (R$ 300) é o mesmo que ele apresenta conectado direto em um celular Moto X2. Usar um amplificador externo como o Fiio E6 se torna completamente desnecessário.

O Arctis 5 é um excelente headset para quem quer usar o mesmo fone no celular, no tablet, nos consoles e no PC, razão porquê estou louco para conseguir um Arctis 3 Bluetooth. Ele pode não ser o melhor em alguns aspectos específicos, mas entre os headsets que tentam ser "bons para tudo", este é um dos melhores da categoria.

Microfone

O SteelSeries Arctis 5 possui um microfone retrátil bastante curioso, o qual fica muito bem escondido dentro do próprio headset e possui o formato de uma plantinha de feijão.


A SteelSeries faz uma afirmação bastante audaciosa em sua página, dizendo que o SteelSeries Arctis 5 tem o "Melhor microfone entre headsets gamer":

Infelizmente não tenho as ferramentas e recursos para comprovar ou desvalidar esta afirmação, mas embora eu realmente ache o microfone do SteelSeries Arctis 5 muito bom, se isto realmente for o "melhor" que a categoria inteira oferece, incluindo headsets topo de linha da Sennheiser e Beyerdynamic que custam mais do dobro do seu preço, estou decepcionado.

O microfone do SteelSeries Arctis 5 é muito bom, uma excelente captação limpa e com pouco ruído de fundo, mas ele também capta um bom tanto do ambiente. Comparado a headsets gamer é realmente um dos melhores que já testei, mas não chega nem perto de um bom microfone profissional, então ainda acho que há espaço para melhorar se este for realmente o "melhor microfone entre headsets gamer", o que ainda tenho dúvidas...

AVALIAÇÃO:

Construção

8.5

Conforto

10

Qualidade Sonora

9

Microfone

9

Preço - R$ 700

7
Conclusão

É interessante ver como o mercado de headsets gamer está evoluindo, marcas que alguns anos atrás não eram capazes de competir nem mesmo com alguns headphones profissionais de entrada, estão investindo mais e mais na qualidade de áudio. E a SteelSeries com certeza é uma destas.

SteelSeries Arctis 5 é um dos melhores headsets para uso geral do mercado, e embora fones deste tipo acabem sendo "bom em tudo, excelente em nada", a excelência do Arctis 5 está em seu conforto, em seu microfone e em sua versatilidade.

Sem dúvidas o Arctis 5 é o melhor headset que já testei até hoje para quem quer alternar entre PC, console e celular sem perder qualidade alguma.

Embora hajam headsets melhores para usos específicos, tal como o Sennheiser G4ME One para jogos de FPS e o HyperX Cloud Alpha para músicas, nunca testei um headset que é tão bom em tudo quanto o SteelSeries Arctis 5.

E, como já é de se esperar de um equipamento topo de linha, ainda mais com iluminação RGB, o SteelSeries Arctis 5 tem um preço bastante salgado, na faixa dos R$ 700 em lojas oficiais, o que o coloca frente a frente com outros concorrentes igualmente interessantes tal como o HyperX Cloud Alpha (R$ 500) e Logitech G933 (R$ 700):

Embora em vários aspectos e principalmente no microfone, o Arctis 5 seja superior ao G933, a praticidade de um fone wireless pode ter mais peso para várias pessoas, enquanto que a sonoridade mais divertida graças a graves mais fortes e a estrutura mais resistente do Cloud Alpha também sejam pontos a considerar, especialmente se o fone não for utilizado pela pessoa que pagou por ele.

Enfim, o SteelSeries Arctis 5 está custando um pouco mais do que deveria, até por isso vale lembrar que o Arctis 3 é quase a mesma coisa mas sem o controle de crossover, sem o RGB e sem algumas funções do software, então deve-se avaliar se estes recursos adicionais realmente valem a diferença de preço para você.

Embora eu discorde de chamar este de "Best Gaming Headset" como a PC Gamer fez, um melhor termo para ele teria sido "Best Versatile Headset", mas esse título provavelmente pertence ao recém-lançado SteelSeries Arctis 3 Bluetooth.

Nota: Este headset foi enviado para análise pela SteelSeries Brasil


PRÓS
  • Excelente conforto
  • Excelente qualidade sonora
  • Extremamente versátil e fácil de amplificar
  • Recurso de crossover é extremamente útil
  • Software completo com diversas configurações
CONTRAS
  • Cabo original não é muito resistente
  • Sua placa de som só é compatível com o cabo original