Quando falamos em eventos de games no Brasil logo pensamos em grandes feiras dentro de pavilhões localizados na região sudeste, comumente no Rio de Janeiro ou São Paulo. Algo bem específico para um país tão grande. Mas realizações "deslocadas" desse eixo costumam surpreender em público e em novidades, e foi assim que aconteceu a segunda edição da Gamercom em Florianópolis, nos dias 11 e 12 de junho.

O objetivo da feira é apresentar ao público as principais novidades de games, trazendo produtoras como Sony, Warner Bros, Bandai Namco e Ubisoft, ao mesmo tempo que promove competições de e-Sports e contribuiu para o crescimento de desenvolvedores de games indies locais. 

Neste ano, a organização do evento ofereceu grandes blockbusters AAA como Uncharted 4, Dark Souls 3 e One Piece Burning Blood. Além dos títulos hypados pela comunidade, o evento trouxe uma quantidade maior de consoles Xbox One e PlayStation 4 para atender à demanda dos sulistas. Mesmo assim, quem foi ao evento ao certo enfrentou algumas filas para experimentar os novos jogos, testar tecnologias com realidade virtual ou procurou lugares ao lado do palco para assistir às competições de cosplays e esportes eletrônicos.

Títulos disponíveis na Gamercom II

As disputas realizadas foram entre jogadores de League of Legends, StarCraft II, Street Fighter V e Naruto Ultimate Ninja Storm 4, todas com premiações reconhecidas pelas próprias desenvolvedoras. Também estiveram presentes criadores de jogos RPG, card games, board games e games indie. Inclusive, uma das atrações do evento foi a Game Jam, que reúne pessoas criativas com objetivo de criar um jogo em um curto intervalo de tempo. Esse estímulo à criação de games é importante para a indústria e cultura de jogos. 

“Para nós é muito importante aproveitar as oportunidades de encontrar os fãs dos games que trazemos para o Brasil, e a Gamercom é um ponto estratégico para a reunião de gamers da região Sul, aproximando a marca cada vez mais dos jogadores”.
- Alessandra Koster Aguiar, Gerente de Marketing de Games da Warner.

O que também não pode ficar de fora são as palestras promovidas, desde um bate-papo com youtubers ou ciberatletas até desenvolvedores profissionais de grande empresas. Um dos temas abordados durante a realização da Gamercom II foi "Introdução ao Game Design", assunto atraente para quem um dia já pensou em trabalhar com jogos. Outro acontecimento muito bacana foi o "Epic Games: Unreal", no qual Paulo Souza (profissional da Epic) lecionou um treinamento de 4h sobre a Unreal, engine utilizada na criação de jogos como Paragon, Gears of War, Tekken 7 e Mortal Kombat X.

O acontecimento da Gamercom, que está na posição de maior feira de games da região sul do Brasil, vem para quebrar a aglutinação das novidades gamers e geeks apenas nas cidades antes citadas. É um acontecimento refrescante para quem mora em outra região e não consegue acompanhar pessoalmente campeonatos de games ou testar as últimas tecnologias da indústria. Para quem não sabe, a redação Adrenaline se localiza em Florianópolis, e sabemos como a distância do polo tecnológico/cultural de games pode atrapalhar de vez em quando. cheeky

Site da Gamercom

Segundo o organizador do evento Diego Oliveira, muitas pontas soltas da primeira edição foram amarradas (palavras minhas), como o número de consoles e a presença de títulos mais pesados e recentes. A Gamercom ainda está se aperfeiçoando, mas certamente o público do ano passado se fidelizou ao evento sulista e contribuiu para que os números fossem maiores neste ano.

Expectativas futuras da organização incluem dar mais atenção ao PC Gamingvarejo físico das desenvolvedoras e mais dias de evento. Assim, o público pode aproveitar grandes games em mais plataformas, adquirir na hora algum jogo que tenha chamado a atenção e presenciar mais competições, apresentações e palestras durante os dias. 

Apesar do segundo dia (12) coincidir com a E3 e dia dos namorados, a data não foi empecilho para casais e famílias aproveitarem o evento.


As fotos mais legais são do Thiago Mangrich/Gamercom