Com hardware poderoso, tela gigante, recursos e apps exclusivos e um design diferenciado, o Xperia ZQ é o representante da Sony no segmento dos smartphones top de linha. Inclusive, é um dos integrantes do nosso comparativo entre o Galaxy S4 da Samsung e outros quatro modelos, todos fortíssimos.

Com tela de 5 polegadas, processador quad-core, 2GB de RAM e 16GB de armazenamento expansíveis em até 64GB via microSD, o smartphone da Sony promete um excelente desempenho, auxiliado pela Mobile BRAVIA Engine 2, que promete cores vivas, bom nível de contraste e nitidez na visualização do conteúdo. Assim como toda a linha Xperia, o aparelho também tem potencial para ser uma ótima câmera, ainda mais com seus 13 megapixels e modo HDR, inclusive para vídeo.

Especificações de hardware sempre são chamariz no caso de aparelhos top, mas ainda mais importante é a experiência cotidiana. A seguir, você confere como foi o período em que pudemos testar o Xperia ZQ.

Vídeo-review, especificações e comparativo


Dimensões: 131.6 x 69.3 x 9.8 mm
Peso: 151g 
Tela: 5.0" TFT 1080x1920
Memória: 16GB de armazenamento, 2GB de RAM
Cartão SD: expansível em até 64GB
WLAN: Wi-Fi 802.11 a/b/g/n, dual-band, Wi-Fi Direct, Wi-Fi hotspot
Bluetooth: 4.0 com A2DP
NFC: Sim
DLNA: Sim
HDMI: Não
MHL: Sim
USB:  microUSB 2.0
Câmera traseira: 13MP (4128x3096 pixels), autofoco, flash LED
Vídeo câmera traseira: 1080p@30fps
Câmera frontal: 2MP
Sitema operacional: Android 4.1.2 (Jelly Bean)
CPU: Qualcomm Snapdragon S4 Pro quad-core de 1.5GHz
Sensores: Accelerometro, giroscópio, proximidade, bússula
GPS: Sim, A-GPS e GLONASS
Bateria:  Li-Ion 2600 mAh

Xperia ZQ x Galaxy S4 x iPhone 5


Xperia ZQ
Galaxy S4 (quad-core)
iPhone 5
Processador
Snapdragon S4 Pro quad-core 1.5GHz
Snapdragon 600 quad-core 1.9GHz
Apple A6 dual-core 1.2GHz
Armazenamento
16GB (interna) + 64GB (MicroSD)
16/32/64GB (interna) + 64GB (MicroSD)
16/32/64GB (interna) 
Memória RAM
2GB
2GB
1GB
Sistema operacional
Android 4.1.2 (Jelly Bean)
Android 4.2.2 (Jelly Bean)
iOS 6
Câmeras
Traseira 13MP / Frontal 2MP
Traseira 13MP / Frontal 2MP
Traseira 8MP / Frontal 1.2MP
Tela
TFT 5' (1080 x 1920)
Super AMOLED 5' (1080 x 1920)
LED IPS LCD 4' (640 x 1136)
Dimensões
131.6 x 69.3 x 9.8 mm
136.6 x 69.8 x 7.9 mm
123.8 x 58.6 x 7.6 mm
Peso
151g
130g
112g
Bateria
Li-Ion 2370 mAh
Li-Ion 2600 mAh
Li-Po 1440 mAh
LTE



HDMI



Preço (29/05/13)
R$2.049
R$2.199
R$2.598

Design e tela
O Xperia ZQ é visualmente impressionante. O aparelho é grande, mas com um design extremamente elegante e simples, minimalista. O que você vê é basicamente um retângulo grande, sem nenhum detalhe nas bordas. O que salta à vista é só o logo da Sony na parte superior e a câmera frontal posicionada em um local bastante incomum: o canto inferior direito.

A tela é de 5 polegadas e praticamente sem bordas. Ou seja, quando você liga o aparelho, a área útil do display ocupa praticamente toda a largura do smartphone. Isso pode, em teoria, causar alguns toques acidentais na tela, dependendo da maneira com a qual você segura o aparelho. Mas não chega a atrapalhar a experiência de uso – essa é uma tendência que vem sendo adotada por outros modelos tops de linha, como o Galaxy S4.


Apesar de grandalhão, o Xperia ZQ é fino e leve na medida certa. Tem 9,8mm de espessura, o que o torna um tanto mais espesso que o Galaxy S4 (7,9mm), mas a construção do aparelho da Sony é melhor, sem áreas suscetíveis a descascadas e com um plástico mais resistente. A traseira é toda rugosa e espessa, o que ajuda a dar muita segurança ao segurá-lo. 

A traseira não é inteiramente removível, mas  a Sony utilizou uma solução interessante para troca do cartão SIM e do microSD: uma tampinha retangular na parte inferior, que pode ser removida facilmente. O problema é que isso afeta um bocado a estética do aparelho, por parecer uma “emenda”. Outros aparelhos da marca, como o intermediário Xperia P, por exemplo, têm um discreto compartimento lateral com a mesma função, o que parece uma solução mais agradável visualmente.


A Sony tem o costume de incluir diferenciais de design em seus aparelhos – perfumarias sem utilidade aparente, mas que deixam os smartphones com um toque de exclusividade. No caso do Xperia ZQ, a empresa deu um tratamento diferente ao LED de notificações. Ao invés de uma “bolinha” simples, a luz no aparelho fica na parte inferior e se “espalha” para os lados, formando uma linha horizontal, o que dá um efeito bem bonito.

Outro detalhe do Xperia ZQ é o botão de Power, que causa certa estranheza – e chega a ser difícil de encontrá-lo em um primeiro momento, por fugir à regra mais intuitiva de ficar posicionado no topo ou em partes superiores das laterais. O botão é redondo, cromado (destaca-se totalmente no design), mas fica posicionado na parte central da lateral direita. 


A tela do ZQ, além de grande, tem uma resolução fantástica: são 1080 x 1920 pixels, o que dá uma densidade de 441 pixels por polegada – idêntica ao do Galaxy S4 e inferior ao iPhone 5, que tem 326ppi. Mas a tecnologia TFT não é páreo para o LCD IPS do Lumia 920 ou o Super AMOLED Plus do Galaxy S4. 

Os ícones e as letras são super nítidos e você praticamente não verá sinal de pixels na tela. A responsividade é excelente, e os dedos “aderem” ao display de uma maneira agradável – ele não é super liso, escorregadio, como outros smartphones. O brilho é que deixa a desejar, de forma que é até um pouco difícil usar o ZQ sob luz intensa do sol. Lado a lado com o Lumia 920, o Galaxy S e até o Xperia P, smartphone da mesma marca de uma geração anterior, do segmento intermediário,  o ZQ apresenta cores menos vivas e um brilho bem menos intenso.

Foto 1: iPhone 5, Lumia 920, Xperia ZQ e Galaxy S III / Foto 2: Xperia P e Xperia ZQ

Câmeras e multimídia
O Xperia ZQ, como membro da família Xperia, causa expectativa com a câmera – já que a linha costuma se sair muito bem nesse quesito. O Xperia ZQ não faz feio: produz fotografias nítidas e com boa fidelidade de cores. Honra a tradição de incluir um botão físico de disparo – o que torna as coisas mais práticas – e ainda traz uns recursos bem interessantes, como a captura rápida, que tira um montão de fotos sem parar para que você escolha a melhor.

O smartphone se sai bem também em ambientes pouco iluminados. Seu sensor consegue captar mais luz do que modelos da mesma família, como o intermediário Xperia P, por exemplo. Isso pode ser visto no exemplo abaixo: nas mesmas condições, a imagem feita com o Xperia P ficou mais escura, enquanto a do ZQ ficou mais iluminada, com cores mais vivas. O nível de ruído, no entanto, é semelhante. 

 
Foto com o Xperia P, á esquerda, e com o ZQ à direita

O aparelho faz ótimas fotos com o flash. A luz é bem forte e consegue incluir um belo contraste nos elementos da imagem. Com foco automático, a câmera também consegue fazer boas fotos com o objeto bem próximo.

A câmera tem alguns recursos legais. O “efeito foto”, por exemplo, lembra um pouco o Photo Booth do iOS. Ele mostra, em tempo real, como fica a imagem com uma série de efeitos, dispostos em retângulos lado-a-lado. Há ainda uma série de opções de captura, como “pele macia”, panorama e HDR. 


A funcionalidade mais legal, no entanto, tem um nome um pouco estranho: “embaçar”. Ao contrário do que o título indica, trata-se de um recurso para facilitar fotos de alvos em constante movimento. Você permanece segurando o botão de disparo e o Xperia ZQ permanece tirando várias fotos, até você soltar o botão. Depois, é só escolher qual ficou melhor.

A câmera frontal, de 2 megapixels, peca na nitidez. As cores ficam sem vida e, mesmo em boas condições de luminosidade, a granulação é intensa. Quebra um galho, no entanto, e está na média de outras câmeras do segmento. O maior problema é o posicionamento esquisitíssimo: Como ela fica na parte inferior, para que seu rosto aparece nas fotos ou nas chamadas em vídeo, provavelmente você terá que usar o dispositivo de cabeça pra baixo. Caso contrário, você só vai aparecer do pescoço para baixo, dependendo da sua posição. Isso sem contar que seus dedos podem aparecer na foto, caso você opte por usar o botão virtual e não o físico.

 

O Xperia ZQ ainda filma em FullHD a 30fps, o que significa vídeos fluidos, com movimentação natural, e sem travadas. Há um pouco de granulação, especialmente em ambientes com pouca luminosidade, mas o smartphone se sai bem por acertar o foco sem dificuldades e pelo excelente estabilizador de imagem. 

O top de linha da Sony ainda tem outros recursos legais na área multimídia, como um editor de vídeos. Mas o que mais chama a atenção são os aplicativos proprietários para música, vídeo e galeria. São bem melhores que os players padrão do Android: mais bonitos, rápidos e com mais funcionalidades. 

O tocador de música Walkmann, por exemplo, tem um visual que lembra um pouco o do app multimídia do Windows Phone, com os controles inseridos dentro de circunferências na cor branca. Permite a criação de playlists, a reprodução em modo aleatório e ainda consegue obter as capas dos álbuns, desde que você esteja conectado à Internet e selecione essa opção. É bem prático e rápido. O aplicativo também mostra o que seus amigos andam ouvindo e compartilhando, graças à integração com o Facebook.

Funcionalidades e desempenho
O Xperia ZQ não deixa a desejar e cumpre bem a sua função de top de linha. O desempenho é excelente: você não verá dificuldade alguma em rolar pelas telas, navegar pela Internet e dar zoom nas páginas. A reprodução de vídeos, mesmo em FullHD, é fluída e sem engasgos e o telefone não fica “pedindo água” depois. O aparelho também se sai muito bem em games, com uma ótima performance gráfica.

Para quem gosta de números, lá vai: o aparelho da Sony fez 19.650 pontos no AnTuTu Benchmark, ficando atrás apenas do Xperia Z (com pouquíssima diferença) e do Galaxy S4 na versão octa-core. Lembrando que, no aparelho da Samsung, a diferença entre as versões octa e quad-core são pequenas – explicaremos isso em um artigo futuro.

No testes Ice Storm do 3D Mark, o smartphone também não decepcionou. Apenas esquentou um pouquinho durante a execução, mas nada que comprometesse o dispositivo. Foram 10,4 mil pontos, valor que caiu para 6 mil na versão “Extreme” do teste. 

Fora o ótimo desempenho, ilustrado pelos números, o Xperia ZQ tem uma série de funcionalidades legais. Uma delas é o Sony car, que ativa uma interface diferente, toda adaptada para uso em veículos. Os ícones são grandes e você pode personalizar a tela como quiser, inserindo ou removendo aplicativos. 

Outra possibilidade é a de automatizar certas ações no telefone quando você realiza alguma ação, como por exemplo plugar fones de ouvido. Você pode configurar o Xperia ZQ para tocar suas músicas automaticamente e parar a reprodução quando houver outra condição no telefone. Existem muitas possibilidades, o que torna a experiência de uso do ZQ bastante particular.

O Xperia ZQ também serve de controle remoto. E não apenas para TVs da própria Sony: a variedade de marcas e modelos é gigantesca. O smartphone perde um pouco é nos comandos de voz. Não há nada revolucionário como o Siri da Apple ou os recursos do Galaxy S4, como o S Voice e o S Translate. Há a possibilidade de fazer uma discagem por voz, apenas.

Assim como o Fonepad da ASUS e os aparelhos da Samsung, o smartphone ainda se aproxima da multitarefa real ao oferecer a possibilidade de abrir alguns apps “por cima” de outros. Você pode, por exemplo, navegar na web em seu browser preferido e, ao mesmo tempo, fazer anotações ou usar a calculadora. 

A bateria aguenta o tranco. Com 2.370mAh, é possível ficar uns dois dias sem colocar o Xperia ZQ na tomada, caso você faça um uso médio do smartphone, alternando momentos de Wi-Fi/3G ligado e desligado. Usuários mais hardcore, infelizmente, não escaparão da sina de precisar recarregar o aparelho uma vez ao dia. Ao menos, de uma coisa você pode ter certeza: dificilmente ele deixará você na mão no meio do dia.

Conclusão
O Xperia ZQ é mais um smartphone do segmento top de linha, bom especificações parrudas, uma câmera entre as melhores do mercado e um belo design - que, no entanto, dá suas escorregadas. A câmera frontal fica em uma posição super esquisita e o "remendo" na traseira, para colocar o cartão SIM e o microSD, desvalorizou um bocado o visual.

Entre os pontos fortes, estão os aplicativos proprietários da Sony, como a galeria e o player musical Walkmann, bem melhores que os apps padrão do Android. A interface Sony Car, para motoristas, é simples, sem nada de revolucionário, mas já quebra um galho. O desempenho multimídia é fantástico. Curiosamente, a Sony abriu mão da porta HDMI e optou pelo padrão MHL, o mesmo adotado pela Samsung.

Fora o excelente desempenho, o design bonito e resistente e algumas funcionalidades extras, como a multitarefa, o Xperia ZQ poderia ter uma tela bem melhor. O aparelho fica um tanto abaixo de concorrentes do segmento e até mesmo de smartphones intermediários. Mas o preço compensa: sai mais em conta que um iPhone 5 ou um Galaxy S4, sem abrir mão da performance.


PRÓS
  • Bonito e com bom acabamento
  • Ótima câmera
  • Apps exclusivos da Sony
  • Área útil bem aproveitada
  • Excelente desempenho
CONTRAS
  • Display inferior ao da concorrência
  • Posição da câmera frontal atrapalha
  • Comandos de voz pouco explorados