Passada a grande euforia dos lançamentos das Radeons de alto desempenho, eis que a AMD apontou sua alça de mira para os modelos mais em conta, como é o caso das VGAs dos segmentos de entrada e intermediário de baixo custo (chip Turks).

Desta forma, a companhia lançou no Brasil no dia 19 de maio, de uma única vez, as Radeons HD 6670, 6570 e 6450. Todos os 3 modelos possuem preços inferiores à 100 dólares nos Estados Unidos, e de acordo com a AMD, terão como teto, o valor na casa dos R$ 300,00 em terras tupiniquins.

Ainda que não possuam o mesmo “poder de fogo” que as suas “irmãs maiores”, as placas se destacam pelo baixo consumo de energia e o custo benefício, melhorando a experiência de uso do computador para os usuários. Em outras palavras, as placas são um “prato cheio” para os mercados emergentes, como é o caso do brasileiro.

Apesar das especificações mais modestas, a 6450 é capaz de rodar vídeos em alta resolução e utilizar os recursos de aceleração com uso da GPU dos navegadores e aplicativos. Segundo a AMD, a VGA possibilita uma jogabilidade acima dos 30 FPS (frames por segundo) em diversos jogos casuais e com resoluções mais modestas.


(Modelo de referência - low profile)

A 6570 é a placa intermediária do segmento de baixo custo, sendo uma ótima opção para montar um sistema de entretenimento em casa, o chamado HTPC, inclusive com capacidade para rodar blu-ray 3D na televisão, além de ser capaz de rodar uma gama maior de jogos em 30 FPS em resolução HD.

Já a Radeon HD 6670, é a mais robusta entre as placas recém lançadas, figurando em uma categoria superior – a intermediária de baixo custo - a AMD promete gameplay com mais de 30 FPS em resolução FullHD (1920x1080) em uma vasta lista de jogos com um monitor, e em alguns casos, até mesmo com três monitores simultâneos via a tecnologia Eyefinity. Vale ressaltar ainda que todas as placas lançadas possuem suporte ao 3D estereoscópico (HD3D), interface DisplayPort 1.2, processamento avançado de codificação/decodificação de vídeo (UVD3) e HDMI 1.4a.

Com a chegada das 3 VGAs, a AMD praticamente “sela” a linha Northern Islands, preparando-se para o lançamento da geração seguinte – a Southern Island (Radeons série 7000), que de acordo com alguns rumores que circulam na web, já podem chegar a partir de setembro ou outubro, trazendo como grande destaque, o refinamento em seus chips, graças à litografia em 28nm.

A placa utilizada em nosso teste foi a versão mais poderosa do chip Turks, ou seja, uma Radeon HD 6670 gentilmente cedida pela XFX, empresa que vem investindo pesado em nosso país, lançando placas que atendem a todos os tipos de públicos, desde os jogadores casuais e cinéfilos, passando por profissionais liberais e de artes gráficas, até aos hardgamers e entusiastas de plantão.

A Arquitetura Turks
A linha Turks continua a utilizar o design VLIW5 (Very Long Instruction Word, 5:1 ratio). Ou seja, cada thread processor conta com 5 stream cores – w, x, y, z e t – que trabalham juntas com uma unidade de ramificação (branch unit) e um conjunto de GPRs para processar as instruções. Destas 5 unidades de SPs, 4 são do tipo simples, que unidas são capazes de processar 4 FP32 MADs por ciclo de operação (clock). Já a quinta (unidade t) é do tipo complexa, podendo tanto fazer cálculos matemáticos FP32 – como as 4 unidades simples – quanto lidar com funções especiais e complexas, como uma transcendental.


(Detalhe do design VLIW5)

Abaixo segue um resumo do que uma única SPU da Turks pode fazer em um único ciclo de clock:

  * 4 FP MAD de 32bits;
  * 4 Int MUL ou ADD de 24bits;
  * SFU: 1 FP MAD de 32bits.

O processamento de FP MAD de 64bits na Turks não fora mencionada. Contudo, por se tratarem de VGAs de baixo custo (e desempenho), AMD extirpou o modo FP64, a fim de reduzir a área do die da {termo::GPU}.

Especificamente falando da Radeon HD 6670, a GPU é composta por 6 clusters SIMD engines, onde cada um é composto por 16 thread processors, que por sua vez são formados por 5 unidades de processamento de stream (ALUs) por cada thread processor. Vale ressaltar ainda que cada cluster SIMD engine está associado a 4 unidades de texturas. Desta forma, a VGA possui um total de 480 Stream Processors (6 SIMD engines x 16 thread processors x 5 ALUs) e 24 TMUs (6 clusters SIMD engines x 4 TMUs).

Nativamente o chip Turks é composto por 2 controladoras de 64 bits cada, dispondo assim uma interface de memória de 128 bits (2x64 bits). Cada render back end acomoda 4 color ROPs, totalizando assim 8 rasterizadores.


(Detalhe da arquitetura da Barts - versão 6790)


(Detalhe do cluster SIMD Engine)

Os recursos da Radeon 6670
Confiram os principais recursos presentes na Radeon HD 6670:

• 716 milhões de transistores;
• Litografia em 40nm;
• 480 Stream Processors;
• 8 ROPs;
• 24 TMUs;
• 512MB/1GB de memória GDDR5;
• Bus de 128 bits;
• Suporte às tecnologias: DirectX 11; Eyefinity; ATI Stream Technology; Accelerated Video Transcoding (AVT); AMD Accelerated Parallel Processing (APP) para DirectCompute 5.0 e OpenCL; HD3D; Unified Video Decoder 3 (UVD3); Morphological Anti-Aliasing; HDMI 1.4a; Dolby TrueHD e DTSHD Master Audio;
• Compatível com o DirectX 11 e Windows 7;
• Suporte ao OpenGL 4.1;
• Suporte ao CrossFireX;
• ATI Avivo HD vídeo; e
• Gerenciamento dinâmico de energia ATI PowerPlay technology
•3a. Geração do TeraScale Engine

Com base nas suas especificações e proposta, a comparação com a Radeon 5670 é inevitável. Enquanto que ambas compartilham a mesma litografia em 40nm, a 6670 tem 716 milhões de transistores distribuídos em uma área de 118mm2, contra 627 milhões em 104mm2 de sua “irmã mais velha”. Se ambas possuem 8 ROPs, a Radeon 6670 tem 20% a mais de TMUs e Stream Processors que a 5670, respectivamente em 24 e 480 contra 20 e 400.

Em relação aos clocks, as placas estão em uma espécie de “empate técnico”, com ambas com 4Ghz de memória (bus de 128 bits), enquanto que a GPU da 6670 trabalha em 800Mhz contra 775Mhz da 5670.

Com base na simples leitura dos números, o usuário não deverá esperar uma grande evolução de desempenho em relação à sua “irmã mais velha”. Desta forma, em tese, a Radeon 6670 deverá ser de 15-20% mais veloz que a 5670. Vejamos nos testes se tais especulações se confirmam ou não.

Um ponto positivo diz respeito ao consumo de energia. Apesar do significativo aumento na quantidade de transistores, em parte em virtude do acréscimo dos 80 Stream Processors, a VGA tem TDP de 12W em idle e 66W em full, contra 14W e 61W da 5670. Com esses números, a placa dispensa o uso de conector de alimentação extra. Assim, a depender do processador utilizado e dos demais componentes, uma fonte (PSU) real entre 350-400W é mais do que suficiente para dar conta da placa.


(Chip Turks)

Maiores detalhes das especificações da Radeon 6670 e de suas “irmãs” mais próximas podem ser conferidos abaixo:

O Sistema de Refrigeração
A Radeon HD 6670 da XFX cedida à Adrenaline possui um projeto diferenciado, com PCB com perfil “completo”- diferente portanto do estilo “low profile” do modelo de referência da AMD – contando ainda com um sistema de refrigeração mais eficiente que a versão padrão, ocupando ainda apenas um slot.


De acordo com a AMD, as fabricantes têm total liberdade para trabalhar em cima do modelo de referência das VGAs com chips Turks. Desta forma, o consumidor encontrará no mercado uma vasta gama de placas com PCBs com perfis mais baixos ou mais altos, com sistema de refrigeração ativa ou passiva, com os mais variados tipos de coolers.

Novos filtros de AA e AF
Além de refinar a arquitetura, trazendo, assim, mais performance, as Radeons da geração Northern Islands trazem ainda avanços no que diz respeito à qualidade das imagens, graças ao suporte de novos tipos de filtros de Anti-Aliasing e Anisotropic.

Morphological AA

Uma das grandes apostas da AMD para a geração Radeon HD 6000 está no Morphological Anti-Aliasing (MAA), que basicamente é um anti-aliasing de tela cheia (fullscreen) que proporciona uma qualidade de imagem comparável ao filtro Super Sample AA, sem limitações de bordas de polígonos ou superfícies alfas, trazendo ainda, como vantagem, o fato de necessitar de apenas uma fração dos recursos do SSAA.

O segredo está no algoritmo utilizado no processo, que faz os cálculos do AA de forma mais eficiente através do aproveitamento da capacidade de computação GPGPU das Radeon atuais e do poder do DirectCompute. Uma vez que o filtro de pós-processamento é utilizado pelo DirectCompute, toda a cena pode ser rapidamente analisada, de modo que este método de AA não é limitado a apenas certos aspectos de uma determinada imagem.

O novo filtro procura por bordas de altos contrastes com padrões de pixels que são comuns quando há serrilhamento, e em seguida calcula o comprimento e o ângulo da borda ideal, para então misturar as cores para cada pixel circunjacente para a criação de uma imagem mais suave. Por necessitar de amostragem e re-amostragem de dados semelhantes, AMD usa os compartilhamentos de dados locais da GPU para melhorar o desempenho do processo.

A diferença básica em termos de processamento do MAA para os tradicionais métodos de anti-aliasing é que enquanto no Morphological Anti-Aliasing o filtro ocorre depois que o frame é totalmente renderizado pela GPU, nas outras técnicas o filtro ocorre durante a renderização. Assim, essencialmente a placa essencialmente necessita de uma passagem de shader extra na imagem antes de “mostrá-la” na tela.


Um dos benefícios mais interessantes do filtro MAA ser utilizado através de uma API independente é o fato de que ele pode ser aplicado tanto às cenas 2D quanto 3D. O filtro pode ser aplicado, por exemplo, em vídeos, aplicativos Flash e muito mais. Além disso, uma vez que o Morphological Anti-Aliasing é controlado diretamente pelo Catalyst Control Center (CCC) do driver da AMD.

Outro destaque é que o filtro de anti-aliasing morfológico não está limitado aos jogos produzidos apenas com o DirectX 11, podendo ainda ser implementado com games em DX10 e mesmo DX9!

Enhanced Quality Anti-Aliasing


Além do suporte ao morphological anti-aliasing (advinda com as Radeons 6800), a AMD disponibilizou agora o suporte ao Enhanced Quality Anti-Aliasing. O EQAA basicamente aprimora os filtros AA de multi-sampling com até 16 amostras de cobertura por pixel. Trata-se de um filtro equivalente ao CSAA da NVIDIA.

Quando se aplica o filtro de supersampling a uma imagem, cada “amostragem” representa uma cor sombreada, cor armazenada z/stencil e cobertura. Basicamente é equivalente a renderizar um buffer de grande dimensão e aplicar um downfiltering.

O multi-sampling ajuda a reduzir o impacto no desempenho da operação intensiva, separando as “amostras” sombreadas de cor (Color Sample) e cobertura (Coverage Sample). O processo funciona com poucas amostras de shaders, enquanto não compromete em nada a amostragem e cobertura e a cor/z/stencil.

O EQAA oferece uma melhor qualidade sobre o filtro padrão de Multi-Sample Anti-Aliasing (MSAA), ao duplicar o número de amostras de cobertura por pixel, mantendo, no entanto, o mesmo número de amostras de cor/profundidade /stencil. Esta técnica oferece uma suavização das bordas serrilhadas sem a necessidade de memória de vídeo adicional, e com um custo mínimo no desempenho da VGA.

Melhorias no filtro de Anisotropic

Além do Morphological Anti-Aliasing, a AMD fez otimizações nos algoritmos do filtro de Anisotropic, com o intuito de aumentar ainda mais a precisão do ângulo AF dependente na maior parte das situações.

Apesar de que em muitos dos casos, no “calor do jogo”, o usuário praticamente nem nota o uso do filtro de Anisotropic ativado, em certas situações, o uso de algoritmos de baixa qualidade degradam a qualidade das imagens. Um caso real acontece com as calçadas/paralelepípedos de "Dragon Age: Origins", onde às vezes há uma verdadeira confusão visual para o jogador.

O que a AMD fez foi uma melhoria no desempenho de seu filtro de AF a fim de resolver a descontinuidade, por vezes visto em texturas muito vistosas. Para implementar essa melhoria, transições mais suaves entre níveis de filtragem foram utilizadas de modo a “omitir” algumas mudanças radicais entre texturas vistas à distância. A melhoria na qualidade da imagem resultante deve ser relativamente menor, mas supostamente essa nova implementação não irá causar qualquer tipo de impacto no desempenho quando comparado com outros métodos de AF.

HD3D: Radeon adere ao 3D
Trata-se de uma das novidades mais “quentes” da nova geração Northern Islands. A tecnologia estereoscópica 3D é uma das tecnologias mais badaladas dos últimos tempos na indústria do entretenimento, seja em cinemas/TVs, quanto no mundo dos games.

Apesar de ter ficado “inerte” por algum tempo, a AMD entra agora no “jogo” com força total com o HD3D, prometendo assim bater de frente com o 3D VISION da NVIDIA, que até então reinava absoluta no segmento.

Enquanto que a NVIDIA utiliza um padrão proprietário e bem definido, a AMD por outro lado, utilizou uma abordagem totalmente diferente, com um padrão aberto, em que definiu algumas normas, deixando, contudo a cargo de empresas terceiras, a criação de outras, como é o caso dos monitores/TVs e óculos 3D.

Desta forma, como meio de construir uma estrutura padrão mínima em que os jogos 3D estéreos possam ser desenvolvidos e os filmes em 3D assistidos nas Radeons, a AMD recrutou uma série de empresas.

Sendo os óculos 3D estereoscópicos um dos principais recursos de sucesso da tecnologia HD3D, a AMD aliou-se aos principais nomes do mercado, como é o caso da XpanD e da Bit Cauldron.

Na verdade o HD3D é compatível com a tecnologia HeartBeat da Bit Cauldron, que promete virtualmente eliminar o incômodo problema de sincronismo que algumas vezes ocorrem com os óculos ativos.

Uma vez que não há drivers nativos da AMD para o 3D estéreo, os parceiros da AMD irão disponibilizar drivers terceiros que disponibilizem suporte através de programas que “peguem carona” do Catalyst. Atualmente a DDD e a iZ3D já contam com interfaces compatíveis que juntas, suportem cerca de 400 games. Ambas permitem o uso do 3D estéreo em jogos e filmes que não são nativamente suportados pela percepção de profundidade.

Se por um lado, uma tecnologia aberta favorece a ampla adesão por parte dos consumidores, por outro, cria-se um certo risco em termos de qualidade, uma vez que AMD detém um controle muito pequeno sobre como as empresas implementam suas soluções. Ao menos por enquanto, os drivers de terceiros contam com baixo índice de adesão à certificação WHQL, podendo assim eventualmente causar algum problema de conflito com o Windows.

Pode ser que a AMD mude de planos, mas até o momento a companhia não mostrou interesse em disponibilizar seus próprios drivers com suporte ao 3D estéreo.

AMD EyeSpeed
Na verdade o EyeSpeed não é uma tecnologia, mas sim um “selo” que abrange todos os recursos que melhoram a experiência multimídia, como é o caso do pré/pós-processamento, transcodificação e reprodução de vídeos em alta definição, tudo em um ambiente unificado.

O EyeSpeed é dividido em duas principais esferas de influência: a alavancagem no processamento paralelo para a melhoria no desempenho global do PC e a decodificação de vídeo através da tecnologia UVD3.

UVD3
Para quem ainda não sabe, a tecnologia Decodificação de Vídeo Universal (UVD) da AMD já está no mercado há bastante tempo, sendo consideradas uma das plataformas mais eficientes no processamento de vídeos, e que tempos em tempos recebe melhorias por parte da companhia.
Com a chegada da geração Northern Islands, a AMD disponibiliza uma série de novidades À tecnologia, expandindo inclusive a lista de codes que passam a ser suportados.

Um dos recursos chaves do UVD3 é a habilidade de decodificar vídeos usando a codificação MVC. Fazendo parte do codec H264 / MPEG-4 AVC, o MVC é responsável pela criação do fluxo de bits de vídeo duplo que são essenciais para saída do 3D estereoscópico. Com isso, as novas Radeons são capazes de processar filmes em Blu-Ray 3D através de um conector HDMI 1.4a.

Embora não tenha havido nenhuma menção ao codec Nero Digital, as Radeons 6000 contam agora com aceleração via hardware do MPEG-4 Part 2.

Áudio Bitstreaming
Atrelado à engine UVD3 está o áudio. Graças ao uso da conexão HDMI, as Radeons das séries 3000 em diante podem transmitir som sem perda de qualidade. Contudo, com as Radeons 6000, é possível agora distribuir o som no sistema de 7.1 canais, sem perdas, a 192kHz / 24-bits.

Isso só foi possível graças ao uso da versão 1.4a do HDMI, que suporta ainda as tecnologias Dolby True HD e DTS-HD. As demais tecnologias, tais como PCM, AC-3 e DTS se mantêm compatíveis com o novo padrão. Finalmente, o HDMI 1.4a permite transferência de bits a taxa de até 65Mbps, além do suporte a TV 3D nos formatos (Side-by-Side Horizontal & Top-and-Bottom).

AMD APP Technology

Conhecida até então por ATI Stream – tecnologia para designar a arquitetura de computação paralela (general-purpose computing on graphics processing units ou simplesmente GPGPU) – passa a se chamar AMD Accelerated Parallel Processing (APP) Technology.

Sem maiores complicações ou termos técnicos, trata-se da tecnologia na qual se utiliza uma GPU (chip gráfico) para realizar uma tarefa comumente executada por um processador (CPU). Isso só é possível graças à adição de estágios programáveis e da aritmética de maior precisão contidas nos canais de processamento da GPU, que permite que os desenvolvedores de programas utilizem o processamento de fluxo de dados para dados não gráficos.

A AMD APP Technology pode ser considerada como um canal de ligação entre o ambiente OpenCL e softwares, permitindo que os desenvolvedores criem programas para “conversar” com a GPU, utilizando-a para executar determinadas tarefas até então exclusivas aos processadores.

Trata-se de um recurso cada vez mais utilizado em nosso dia a dia, ainda que muitas vezes passe despercebido pelos usuários. Seguem alguns programas que se beneficiam da GPU para o processamento de algumas tarefas: Cyberlink MediaShow e Power Director, ArcSoft MediaConverter 4, SimHD, Total Media Theatre, Roxio Creator 2010, Adobe Photoshop CS4, dentre outros.

Uma outra aplicação bastante difundida que se beneficia do GPGPU das placas 3D é o Folding@home. Trata-se de uma bela iniciativa que utilize os recursos inativos (ou subutilizados) das GPUs e CPUs para ajudar cientistas e demais pesquisadores e solucionar algumas questões globais, como é o caso da cura de algumas doenças.

Eyefinity
Embora a tecnologia de uso simultâneo de múltiplos monitores seja algo para poucos, é inegável que o Eyefinity trouxe uma verdadeira revolução para o mercado ao permitir o uso de até 6 telas por VGA, formando um gigantesco painel com resolução teórica máxima de 8192x8192. 

Conforme pode ser visto abaixo, as possibilidades para a tecnologia são inúmeras, permitindo o uso de imagens independentes, simultâneas ou um misto das duas. É possível, por exemplo, o uso de três monitores para formar uma única imagem panorâmica, com o quarto independente, quatro telas simultâneas formando um grande painel e mais duas independes da primeira e entre si. E por aí vai.

As novas Radeons prometem facilitar ainda mais o uso vários monitores, graças a presença de uma vasta quantidade de conexões, incluindo a nova versão do Displayport. Os modelos de referência contam com dois conectores mini Displayport (v1.2), um HDMI 1.4a e dois conectores DVI, sendo um do tipo link simples, e outra do tipo link duplo.

A revisão v1.2 dobrou a largura de banda dos atuais 10.8Gbps (8.64Gbps para vídeo) para 21.6Gbps (17.28Gbps para vídeo), possibilitando a conexão de até 3 monitores por saída mini Displayport, permitindo assim um total de 6 LCDs com o uso da segunda conexão. Contudo, a utilização de 6 monitores irá necessitar um equipamento extra, chamado pela AMD de MST HUB (Multi Stream Transport).

Para quem não se convenceu do poder do Eyefinity, a ATi demonstrou durante o lançamento da tecnologia no mês passado, uma configuração composta por quatro placas Radeons de nova geração, em que estavam conectados 24 monitores de LCD!

Os benefícios da tecnologia não serão apenas no campo dos jogos. Profissionais de artes gráficas, designers, arquitetos, analistas financeiros, dentre uma imensa gama de áreas poderão tirar proveito do Eyefinity como forma de aumentar a sua produtividade no trabalho.


DirectX 11
Como foi dito no início deste review, um dos grandes trunfos da nova geração de GPUs da ATi, é o suporte a nova API gráfica da Microsoft, o DirectX 11, que promete facilitar e agilizar no processo de desenvolvimento dos jogos, além de trazer novas tecnologias ou mesmo melhorias nas atuais, aprimorando assim ainda mais a qualidade nos gráficos.

As principais novidades presentes no DX11 são:

- DirectCompute 11
- Hardware Tessellation
- High Definition Ambient Occlusion
- Shader Model 5.0
- Depth of Field
- Renderização Multi-threaded (Multi-threading)

DirectCompute 11

O DirectCompute é um dos grandes trunfos do DX11, pois possibilita que os desenvolvedores utilizem a GPU para o processamento de outras tarefas alheias à renderização 3D. Trata-se do conceito por trás do termo GPGPU (onde transforma a placa de vídeo em um processador).

Os benefícios não ficam restritos às aplicações gerais. Nos games, por exemplo, é possível programar para que a GPU cuide de tarefas como o processamento e filtro das imagens (conceito de post processing); Order Independent Transparency - OIT (técnica de sobreposição de objetos, aperfeiçoando o efeito de semitransparência – como, por exemplo, na criação de efeito de fogo, fumaça, cabelo, vidro); renderização de sombras, da física e da inteligência artificial.


Order Independent Transparency - OIT


Hardware Tessellation


Trata-se de um dos benefícios mais aguardados pela indústria dos jogos eletrônicos.Embora a ATi tenha implementado a tecnologia Tessellation já nas Radeons HD série 2000, somente agora tal funcionalidade será utilizada em sua plenitude.

De forma simplista, trata-se da tecnologia que adiciona em tempo real mais detalhes aos objetos 3D. Para tanto, subdividi-se um objeto/supefície em pedaços menores, acrescentando-se polígonos mais simples (de fácil execução).

Em outras palavras, ao invés da GPU gastar um grande tempo para o processamento de um objeto único (ou parte de um grande objeto) e complexo de uma única vez, o Tessellation “quebra” o mesmo em partes menores de forma a tornar a tarefa mais simples e rápida.

Assim, os desenvolvedores estão “impedidos” de acrescentarem mais objetos e detalhes aos games. Com o Tessellation, o processamento dos terrenos/solos, será muito mais simples e rápido, sem contar que permitirá que os programadores criem texturas e maiores detalhes aos mesmos (como a deformação dinâmica), resultando em um maior realismo ao jogo.

Confiram abaixo um vídeo em que mostra o poder da tecnologia:


High Definition Ambient Occlusion


Trata-se de outra técnica de efeito de pós-processamento de imagem que melhora as sombras e luzes, além de aumentar a sensação de profundidade dos objetos (3D). Para isso, a Microsoft disponibilizou dois novos métodos de compressão de texturas: os filtros BC6 e BC7. O primeiro oferece uma taxa de compressão de 6:1 com 16 bits por canal e sem perdas, sendo uma texturização eficiente e de alta qualidade para a iluminação HDR. Já a BC7 oferece compressões de 3:1 com o padrão de cores RGB ou ou 4:1 para Alpha.


Shader model 5.0

O DX11 introduz a versão 5.0 do Shader Model para a linguagem de programação HLSL, na qual adiciona precisão dupla para o processo e permite o uso específico dos shaders com polimorfismo, objetos e interfaces.

Na verdade, diferentemente das versões anteriores, o SM 5.0 não traz grandes avanços em termos de capacidades, mas promete facilitar o trabalho dos desenvolvedores ao introduzir certos conceitos de programação orientada a objetos.

Depth of Field

O método adiciona efeitos bem interessantes envolvendo o foco da imagem (primeiro plano) e o plano de fundo para dar um aspecto cinemático às imagens.

O Depth of Field utiliza um filtro de núcleo nos pixels da imagem processada como um efeito de pós-processamento, que usa os dados dos pixels adjacentes para criar efeitos como borrado de movimentos, mapeamento de tom, detecção de bordas, suavização e nitidez.


Renderização Multi-threaded

É a técnica pela qual as GPUs processam os dados de forma simultânea, e não mais em sequência como em uma fila. O ganho, claro, está na eficiência no processamento, resultando em uma melhor performance.

Fotos
Abaixo, uma série de fotos da XFX Radeon HD 6790. O destaque fica para o sistema de cooler com dois fans, além da necessidade de dois conectores de energia de 6 pinos.


Abaixo temos algumas fotos comparando a placa com os dois modelos da série Radeon 6800. O curioso é que o PCB da 6790 é maior do que o da 6850.

Máquina/Softwares utilizados
Utilizamos uma máquina TOP de linha, baseada em uma mainboard X58 com processador Intel Core i7 980X, evitando, assim, qualquer dúvida sobre gargalo do processador.

As placas utilizadas nos comparativos foram, por parte da AMD (ATI), a XFX Radeon HD 6670, 5750 e 5670. Já as da Nvidia utilizamos apenas a GeForce GTS 450, único modelo low que tinhamos em mãos.

A seguir, os detalhes da máquina, sistema operacional, drivers, configurações de drivers e softwares/games utilizados nos testes.

Máquina utilizada nos testes:
- Mainboard Gigabyte G1.Assassin
- Processador Intel Core i7 980X @ 4.2GHz
- Memórias 4 GB DDR3-1600MHz G.Skill Trident
- HD 1TB Sata2 Wester Digital Black
- Fonte XFX 850W Black Edition
- Cooler Venomous X

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 7 64 Bits
- Intel INF 9.2.0.1030
- Catalyst 11.5 Placas ATI
- ForceWare 275.33: Nvidia GeForce GTS 450

Configurações de Drivers:
3DMark
- Anisotropic filtering: OFF
- Antialiasing - mode: OFF
- Vertical sync: OFF
- Demais opções em Default

Games:
- Anisotropic filtering: Variado através do game testado
- Antialiasing – mode: Variado através do game testado
- Texture filtering: High-Quality
- Vertical sync: OFF
- Demais opções em Default

* Todos os filtros foram aplicados via game testado. Apenas o Starcraft II, que não possui configuração interna de filtros, nos obrigou a configurar via drivers.

Aplicativos/Games:
- 3DMark Vantage build 1.1.0 (DX10)
- 3DMark 11 build 1.0.1 (DX11)
- Unigine HEAVEN Benchmark 2.1 (DX11)

- Aliens vs Predator (DX11)
- Crysis Warhead (DX10)
- DiRT 2 (DX11)
- F1 2010 (DX11)
- Just Cause 2 (DX10/10.1)
- Mafia II (DX9)
- Metro 2033 (DX11)

GPU-Z, Temperatura, Ruído
Abaixo temos a tela principal do aplicativo GPU-Z com detalhes técnicos da XFX Radeon HD 6670, lembrando muito a 5670.


Temperatura
Começamos os testes pela temperatura em modo ocioso, onde a placa mostrou uma temperatura que se situa entre as Radeons 5670 e 5750.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HWMonitor - Temperatura

OBS.:

Temperatura ambiente em 25? (sistema aberto) Medida em graus Celsius Quanto MENOR, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Temperatura - Ocioso ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
32

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
32

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
33

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
33

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
40

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
40

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
41

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
41



Funcionando em um trabalho mais intenso, a temperatura subiu 29 graus, empatando com a 5670 e a GTS 450 na temperatura de operação.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HWMonitor - Temperatura

OBS.:

Temperatura ambiente em 25? (sistema aberto) Medida em graus Celsius Quanto MENOR, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Temperatura - FULL ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
60

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
60

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
69

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
69



3DMark Vantage, 3DMark 11
3DMark Vantage
Considerados testes bastante polêmicos por parte da comunidade, por serem tachados como benchs sintéticos que não refletem muitas vezes a condição da placa no mundo real (leia-se jogos), a série 3DMark é um dos indicadores de performance mais amplamente utilizados em todo o mundo e não poderíamos refutá-los dos testes.

Neste teste vemos que o desempenho da placa situa ela entre as 5750 e 5670, com um desempenho intermediário entre elas, um pouco mais próxima da 5750, com desempenho 11% inferior.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

3DMark Vantage

OBS.:

Aplicativo baseado em DirectX 10 Resultados em pontos calculados pelo aplicativo Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - 3DMark Vantage ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
10.725

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
10.725

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
9.885

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
9.885

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
8.738

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
8.738

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
6.595

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
6.595



3DMark 11
No 3DMark, a placa volta a apresentar um desempenho entre o da 5670 e 5750, mas desta vez a diferença para a 5750 foi maior, sendo 27% mais lenta.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

3DMark 11

OBS.:

Aplicativo baseado em DirectX 11 Resultados em pontos calculados pelo aplicativo Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - 3DMark 11 ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
2.340

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
2.340

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
2.339

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
2.339

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
1.831

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
1.831

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
1.682

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
1.682



Unigine Heaven 2.1
Unigine HEAVEN 2.1 - DirectX 11
Trata-se de um dos testes sintéticos mais “descolados” do momento, pois tem como objetivo mensurar a capacidade das placas 3D em suportar os principais recursos da API gráfica DirectX 11, como é o caso do Tessellation.

O teste foi dividido em duas partes: uma sem e outra com o uso do Tessellation, ambas a 1920x1080 com o filtro de anti-aliasing em 8x e anisotropic em 16X.

Com tessellation desativado, a placa se manteve com um desempenho entre o alcançado pela 5670 e a 5750, mas neste caso se aproximando do alcançado pela GTS 450, ficando 16% atrás da placa da Nvidia, e 26% mais lenta que a Radeon 5750.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Unigine Heaven Benchmark 2.5

OBS.:

Teste baseado em DirectX 11 Resultados em pontos calculados pelo aplicativo Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Heaven 2.5 - 1920 - OFF ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
401

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
401

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
368

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
368

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
317

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
317

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
123

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
123



Com tessellation em modo normal a diferença de performance das placas manteve-se praticamente a mesma, com a 6670 sendo aproximadamente 20% mais lenta com o tessellation ativo.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Unigine Heaven Benchmark 2.5

OBS.:

Teste baseado em DirectX 11 Resultados em pontos calculados pelo aplicativo Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Heaven 2.5 - 1920 - NORMAL ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
312

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
312

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
292

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
292

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
248

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
248

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
74

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
74



Aliens vs Predator
Chegamos finalmente ao ponto alto da review: os testes em jogos!

Nada melhor do que começar por Aliens vs Predator, game que traz o suporte ao DX11 e que foi muito bem recebido pelo público e crítica.

Aqui temos um resultado semelhante ao alcançado com a Unigine, com as placas alcançado as mesmas posições e com diferenças de performance bastante parecidas.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Aliens vs. Predator

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - AvP - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,2

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,2

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,9

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,9

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,2

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,2

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
27,9

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
27,9



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Aliens vs. Predator

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - AvP - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
32,6

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
32,6

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
28,9

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
28,9

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
25,5

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
25,5

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
22,6

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
22,6



Crysis Warhead
O FPS futurístico da Crytek fez muito barulho por trazer uma qualidade gráfica bem superior aos concorrentes e por ser considerado por muito tempo como um dos games que mais exigia recursos do computador, principalmente das placas 3D. Assim, nada melhor do que submeter as VGAs da review pelo crivo de "Crysis Warhead".

Aqui a relação de diferença entre a performance das placas se mantêm constantes, com uma ficando na casa dos 15% mais lenta que a GTS 450, e 37% mais rápida que a Radeon 5670.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Crysis Warhead

OBS.:

Game baseado em DirectX 10 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Crysis Warhead - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,82

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,82

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
39,15

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
39,15

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
30,48

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
30,48

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
25,18

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
25,18



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Crysis Warhead

OBS.:

Game baseado em DirectX 10 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Crysis Warhead - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
30,59

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
30,59

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
29,67

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
29,67

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
23,05

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
23,05

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
16,72

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
16,72



DiRT 2
"Colin McRae: Dirt 2", mais conhecido simplesmente como DiRT 2, é uma das séries de corrida off-road de maior sucesso da história da indústria dos jogos eletrônicos. Lançado em setembro de 2009, o game foi um dos primeiros a ser desenvolvido com o DirectX 11.

Aqui a 6670 aproveita o "embalo" das Radeons, e deixa a GTS 450 para trás, alcançando um desempenho 14% superior. Em relação as outras placas da AMD, manteve-se as diferenças de performance.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

DiRT 2

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - DiRT 2 - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
53,2

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
53,2

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
41,8

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
41,8

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
38,3

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
38,3

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,8

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,8



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

DiRT 2

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - DiRT 2 - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
43,6

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
43,6

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
34,9

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
34,9

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
30,9

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
30,9

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
30,2

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
30,2



F1 2010
Adicionamos em nossas reviews o F1 2010, jogo baseado na engine EGO 1.5 da Codemasters (mesma de DiRT2). Mas, conforme já comentamos no artigo de benchmarks do game, diferente do DiRT2, F1 2010 apresenta resultados distintos, com a AMD pouco à frente.

Esta diferença volta a manter o desempenho da 6670 acima do alcançado pela GTS 450, situando a placa novamente entre as Radeons 5670 e 5750.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

F1 2010

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - F1 2010 - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,5

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,5

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,4

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,4

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
22,0

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
22,0

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
21,4

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
21,4



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

F1 2010

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - F1 2010 - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
31,5

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
31,5

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
23,4

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
23,4

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
19,1

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
19,1

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
12,6

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
12,6



Just Cause 2
Se tem um game no qual as placas da série Radeon dominam em todos os segmentos é o Just Cause 2, curiosamente apoiado pela Nvidia.

Novamente temos a 6670 acompanhando o ritmo das demais placas da AMD, e deixando a GTS 450 para trás, com um desempenho 18% superior que VGA da Nvidia. A placa volta a se situar entre as 5670 e 5750, com desempenho mais próximo da 5670, sendo 23% mais lenta que a 5750.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Just Cause 2

OBS.:

Game baseado em DirectX 10.1 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - JC2 - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
46,06

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
46,06

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
35,36

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
35,36

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
32,04

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
32,04

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
29,78

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
29,78



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Just Cause 2

OBS.:

Game baseado em DirectX 10.1 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - JC2 - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,29

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,29

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,33

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,33

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
25,64

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
25,64

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
25,27

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
25,27



Mafia II
Mafia II é um game que trouxe a continuação do aclamado título de ação em terceira pessoa ambientado no obscuro mundo da máfia italiana dos anos 40 e 50 nos EUA.

Aqui a GTS 450 inverte o jogo, abrindo 33% de vantagem no desempenho se comparado a Radeon 6670. Na comparação entre as próprias Radeons, segue a mesma relação de diferença de performances, logo, nas posições também.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Mafia II

OBS.:

Game baseado em DirectX 9 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Mafia 2 - 1280x1024 ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
61,1

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
61,1

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
58,1

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
58,1

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
46,2

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
46,2

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
39,6

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
39,6



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Mafia II

OBS.:

Game baseado em DirectX 9 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Mafia 2 - 1680x1050 ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
48,4

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
48,4

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
47,5

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
47,5

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
36,7

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
36,7

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
31,3

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
31,3



Metro 2033
Trata-se de um FPS da 4A Games baseado em um romance homônimo russo, que conta a saga dos sobreviventes de uma guerra nuclear ocorrida em 2013 que se refugiam nas estações de metrô. O game, que faz uso intensivo da técnica de Tessellation e demais recursos do DirectX 11, desbancou de Crysis o título de jogo mais pesado. Sendo assim, nada melhor do que observar como se comportam as VGAs sob este intenso teste.

E com a pressão deste game, que cobra bastante das placas, temos FPS um pouco mais baixos. Assim a 6670 acabou alcançando uma velocidade próxima da 5670, ficando apenas um frame por segundo mais rápida. Em relação a GTS 450 e a 5750, foi 20% mais lenta, o que na prática representam apenas uma diferença sutil de 5 FPS.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Metro 2033

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Metro 2033 - 1280x1024 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
38,00

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
38,00

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
37,00

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
37,00

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,00

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,00

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
30,00

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
30,00



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Metro 2033

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Metro 2033 - 1680x1050 ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
31,00

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
31,00

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
30,00

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
30,00

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
25,00

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
25,00

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
24,00

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
24,00



Overclock: Temperatura e 3DMark 11
Por não ser algo que as empresas dão destaque em placas de baixo custo, não esperava que a 6670 se comportasse bem quando overclockada, mas na pratica não foi isso que aconteceu.

Abaixo na tela do GPU-Z podemos ver que o ganho foi superior a 10% no clock do core, subindo de 800MHz para 900MHz, sem nenhum aumento de voltagem. A placa se comportou muito bem e totalmente estável.

Vamos ver como será seu comportamento se tratando de desempenho com o overclock feito.


Temperatura
O aumento dos clocks não trouxe muito efeito sobre as temperaturas em modo ocioso, subindo apenas 1 grau.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HWMonitor - Temperatura

OBS.:

Temperatura ambiente em 25? (sistema aberto) Medida em graus Celsius Quanto MENOR, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Temperatura - Ocioso - OC ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
32

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
32

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
33

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
33

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
40

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
40

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
41

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
41

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
41

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
41



Já operando em alta performance, a diferença passa a ser imperceptível. A 6670 funcionou na mesma temperatura em que trabalhava, quando configurada com a frequência de fábrica.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HWMonitor - Temperatura

OBS.:

Temperatura ambiente em 25? (sistema aberto) Medida em graus Celsius Quanto MENOR, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - Temperatura - FULL - OC ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
60

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
60

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
69

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
69

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
69

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
69

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
69



3DMark 11
Com o novo clock de operação, a placa consegui um ganho sutil de performance, sendo pouco mais que 11% mais rápida que seu desempenho anterior.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

3DMark 11

OBS.:

Aplicativo baseado em DirectX 11 Resultados em pontos calculados pelo aplicativo Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - 3DMark 11 - OC ]

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
2.340

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
2.340

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
2.339

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
2.339

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
2.039

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
2.039

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
1.831

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
1.831

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
1.682

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
1.682



Overclock: AvsP, DiRT2 e F1 2010
Além do 3DMark 11, fizemos testes com a placa overclockada na resolução de 1920x1080 em alguns games. Vamos acompanhar abaixo como a placa se comportou.

Aliens vs Predator
Neste game temos um ganho de performance similar ao alcançado no 3DMark, sendo 10% mais rápida com o overclock.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Aliens vs. Predator

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - AvP - 1280x1024 - OC ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,2

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
40,2

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,9

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,9

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
34,9

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
34,9

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,2

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
31,2

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
26,8

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
26,8



DiRT 2
Mais uma vez, o ganho da placa foi próximo aos 10%, aproximando a placa do desempenho alcançado pela 6750, mas insuficiente para ultrapassá-la.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

DiRT 2

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - DiRT 2 - 1280x1024 - OC ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
53,2

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
53,2

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
46,2

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
46,2

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
41,8

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
41,8

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,8

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
35,8

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
27,5

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
27,5




F1 2010
Assim como nos outros testes, o ganho com o aumento do clock foi de 10%, sem gerar uma troca de posições das placas, mas aproximando mais a 6670 do desempenho da 6750.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

F1 2010

OBS.:

Game baseado em DirectX 11 Resultados em FPS m?dio Quanto maior, melhor

[ XFX Radeon HD 6670 - F1 2010 - 1280x1024 - OC ]

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,5

XFX Radeon HD 5750 - 1GB
37,5

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
31,4

XFX Radeon HD 6670 Overclocked - 1GB
31,4

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,4

XFX Radeon HD 6670 - 1GB
28,4

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
21,4

Nvidia GeForce GTS 450 - 1GB
21,4

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
13,8

XFX Radeon HD 5670 - 1GB
13,8



Conclusão
A Radeon HD 6670 tem tudo para fazer sucesso no Brasil e demais mercados emergentes, por trazer antes de tudo, o apelo de marketing de ser uma placa de baixo custo pertencente à nova geração Northern Islands.

A placa mostrou um bom poder de fogo para a categoria, sendo capaz de rodar a grande maioria dos jogos em resoluções intermediárias sem o uso de filtro.

Em relação à 5670, a Radeon HD 6670 mostrou uma boa evolução na performance, com ganhos médios na casa dos 15% – conforme previsto com base nas especificações – sendo que em algumas situações, como em Crysis e F1 2010, o aumento no numero de FPS foi  respectivamente de 30% e 58%! Já em Metro 2033, o ganho foi praticamente imperceptível, de apenas 3,5%.

Já em matéria de overclock, a placa teve um comportamento de razoável para bom, dentro da média, ou seja, aumento nos clocks de 12,5% na GPU e 15% nas memórias, que se traduziram em um ganho real médio de 10% no desempenho. O melhor de tudo é que as temperaturas praticamente ficaram inalteradas.

Não podemos esquecer ainda das várias das tecnologias presentes nesta geração de placas, como o DirectX 11, que traz uma maior qualidade gráfica nos jogos com recursos como o Anti-aliasing, que suaviza o serrilhado nas bordas dos objetos, ou o Tesselation, um recurso que melhora a definição das formas dos objetos, trazendo novas possibilidades na modelagem de cenários e objetos.

A VGA conta ainda com o Eyefinity, recurso que possibilita conectar mais de um monitor a placa de vídeo, e ampliar desta forma a área útil de trabalho, ou mesmo a resolução da imagem exibida, aumentando desta forma a sensação de imersão no jogo.

Contudo, o grande fator que pesa contra a Radeon 6670 é o seu preço. Com valor sugerido de US$99, a placa fica de certa forma pressionada, por exemplo, em relação a 5770, que pode ser encontrada por US$ 120.

Vale ressaltar que é até possível encontrar alguns modelos por US$85. Entretanto, o usuário deverá ficar bastante atento, uma vez que tratam-se de versões equipadas com memórias DDR3 trabalhando em 1.60Ghz, bem mais lentas, portanto, do que as placas com GDDR5 de 4.0Ghz. O mais curioso é que o site da AMD não lista nenhuma informação sobre essa tal variante com GDDR3. Portanto, olho vivo na hora da compra!


PRÓS
  • Baixo consumo de energia;
  • Baixa temperatura;
  • Suporte ao 3D estereoscópico;
  • Eyefinity mais flexível (até 3 monitores);
  • Novos filtros MAA e EQAA;
  • Bom patamar de overclock.
CONTRAS
  • Preço sugerido muito próximo ao da 5770;
  • Baixo desempenho em resoluções maiores com uso de filtros.