Canal: Segurança



Siga a Adrenaline


Brand Channels


Colunas


Artigos


Enquete da vez

Começaram a aparecer os novos smartwatches. Qual te interessou?

Motorola Moto 360
39%
Smartwatch 3
24%
Samsung Gear S
11%
Ainda estou esperando outra opção
10%
Apple Watch
8%
LG G Watch R
8%

Ver outras enquetes


geral categoria : geral | 29.02.2012 / 09h08 | comentários : 3


Tamanho do texto:


Kaspersky mostra que ameaças móveis começam a se igualar às de PCs

autor: risastoider

Será que já está na hora de se preocupar com a segurança dos smartphones e tablets assim como acontece nos computadores? Tudo indica que sim. Durante palestra no Mobile World Congress 2012, os especialistas da Kaspersky mostraram que esse cenário está amadurecendo e que as ameaças para dispositivos móveis já são capazes de realizar algumas das mesmas ações que fazem nos PCs.

"Cibercriminosos especializados em Windows irão, cedo ou tarde, migrar para os dispositivos móveis, ou ainda usar novos engenheiros especialmente para isso", prevê Eugene Kaspersky, co-fundador e CEO da empresa. Para o executivo, a curva de crescimento das ameaças móveis segue o mesmo padrão das para computador porque cada vez existem menos diferenças entre as duas plataformas.


Eugene Kaspersky, CEO da Kaspersky, mostra que existem muitas semelhanças entre malwares para PC e as ameaças móveis

 

Para provar isso, Kaspersky mostrou que, em 2004, havia apenas 90 mil malwares na base de conhecimento da empresa. Em 2008, ocorreu um grande salto, somando 14,5 milhões. A partir daí, o número continuou crescendo (menos entre 2009 e 2010), embora bem menos que nos anos seguintes. Conforme o executivo, isso ocorre porque o mercado "já está maduro".

A curva de crescimento de malwares móveis segue a mesma tendência de crescimento tímido nos primeiros anos. Mas o grande salto está ocorrendo agora. "Em 2005, havia apenas alguns protótipos. Em dezembro de 2011, detectamos 1199 variantes de malwares móveis, das quais 1179 são para Android".

Vicente Diaz, analista-sênior de segurança da Kaspersky, explica um pouco dessa preferência dos cibercriminosos pelo sistema operacional do Google. A plataforma é a mais popular atualmente, e existe em uma enorme variedade de dispositivos de fabricantes diferentes. Além disso, a política do Google é bem mais "frouxa" em relação aos apps que entram no Market.

"Tecnicamente, iOS e Android podem até ter os mesmos problemas. Mas, do ponto de vista do cibercriminoso, o Android é o caminho mais fácil", afirma Diaz. "Até porque, como o sistema está em uma variedade de aparelhos de empresas diferentes, a responsabilidade sobre as atualizações não fica clara. Ainda há muitos smartphones Android desatualizados", completa.

Uma prática comum entre os cibercriminosos é de modificar um aplicativo legítimo, inserir um código malicioso e reenviá-lo ao Market. Assim, eles conseguem espalhar o tipo mais comum de malware para Android, os Trojan-SMS. Esse tipo de app malicioso envia sem o consentimento do usuário torpedos SMS para números premium, ou seja, o usuário paga bem caro e boa parte da grana vai para o bolso de quem criou o malware.

Denis Maslenikov, analista-sênior da Kaspersky, aponta que 65% dos malwares móveis são para Android

Somente um grupo de cibercriminosos russos, o "alphawap",  causa prejuízos de US$1 milhão mensais com a técnica do Trojan-SMS, segundo Kaspersky. O executivo ainda ressaltou que alguns indivíduos conseguem entre US$2 mil e US$5 mil por dia.

Pelo menos, essa é uma preocupação que nós, aqui no Brasil e em toda a América Latina, não precisamos ter por enquanto. "Esse tipo de malware ainda é muito localizado, especialmente em países como a China e a Rússia, onde não é difícil criar um número premium anonimamente", destaca Diaz.

Semelhanças até demais
Mesmo assim, existem muitas outras ameaças à espreita de usuários de smartphones e tablets e Eugene Kaspersky fez questão de mostrar como elas não só convergem com as de PC como se parecem cada vez mais com elas. Um exemplo de "simbiose" entre os dois tipos são os cavalos-de-troia especializados em roubar dados bancários. Alguns instalam componentes no smartphone do usuário para interceptar a validação por SMS quando a vítima tenta acessar o Internet Banking. Assim, o código de segurança vai parar nas mãos de alguém mal-intencionado.

Kaspersky afirmou que também já existem botnets baseadas em Android. E que, no futuro, elas podem ser inclusive utilizadas para conduzir ataques DDoS. "Por que não inundar as linhas telefônicas de grandes empresas com milhares de ligações?", questiona. Spam, phishing e roubo de informações já são realidade nos dispositivos móveis. O que ainda falta são os antivírus falsos e os Ransomware, aplicativos que bloqueiam seu equipamento e pedem um resgate em dinheiro para liberá-lo. "Acredito, porém, que logo irão aparecer", diz o CEO.

Ameaças comuns no PC, como spam, phishing e roubo de dados, já existem nos smartphones e tablets

Uma forma de ataque muito popular nos últimos meses também migrou dos computadores para os smartphones: o hacktivismo. Denis Maslenikov, analista-sênior de malware da Kaspersky, contou o caso de um Trojan-SMS relacionado à Primavera Árabe.

Como nos demais casos de malwares do tipo, os seus criadores injetaram o código malicioso em um app oficial e o enviaram novamente para o Market. Ou seja, o app infectado era uma cópia do oficial. Quem baixasse o app prejudicado, acabava enviando torpedos SMS para números randômicos com links para fóruns sobre Mohamed Bouazizi, um vendedor ambulante que ficou conhecido por atear fogo em si mesmo em protesto contra o tratamento recebido de um agente fiscal.

Para se proteger dessas ameaças, os especialistas da empresa citam várias medidas, como observar bem as permissões solicitadas por aplicativos antes da instalação, não conectar-se a hotspots Wi-Fi desconhecidos, sempre manter os apps e o sistema atualizados, fazer backup dos dados, usar uma solução de segurança e, é claro, jamais assumir que o smartphone é mais seguro que o PC.






Comentários (3) Assinar


NINJUTSU
Postado
29/02/2012
16:13
Gostaria de estar nesta conferência, entregar meu smartphone android para eles, e pedir la naquele setor aonde eles verificam os vírus e worms desta plataforma e pedir para eles infectarem meu smartphone com todos eles, e apos meu smarphome "infectado" com rodos os vírus e worms possiveis, gostaria de testar ele novamente para conferir se realmente acarreta ou atrapalha o funcionamento dele, pois da forma que smartphone funciona e como cada um usa, continua acreditando que antivirus ou quaisquer programas de remoção de viris e worms para android é tudo mentira, e não serve para nada.

TesagiChan
Postado
29/02/2012
12:44
Brigas de fanboys em 5,4,3...

Junior.H264
Postado
29/02/2012
09:39
:apple:






ENVIAR NOTÍCIA POR EMAIL:Fechar
seu nome: seu e-mail:
enviar para: separar os emails por vírgulas
comentários:
Máx. 800 caracteres (restam 800 caracteres).



Facebook
YouTube
Twitter
Fórum
RSS