Normalmente não testamos jogos ainda em desenvolvimento. Mas normalmente vocês também não pedem tanto um game, então abrindo uma exceção vamos experimentar como está PlayerUnknown's Battleground, um dos games mais populares no Steam (mais de 200 mil pessoas jogando enquanto esse texto é escrito).

Para encarar o game com um cenário amplo, começamos apostando no Pentium, que já faz alguns episódios que vem dando conta da parada. A Radeon RX 460 pela primeira vez não vai ser nossa primeira placa, já que começa a ser substituída pela RX 550 (um degrau abaixo) e a RX 560 (um pouco mais de performance). 

Apesar da boa cadência dos quadros, as Radeon não tiveram chance versus a GTX 1050, que apesar de apresentar um pouco mais de inconstância na taxa de quadros, ficou muito próxima ou até mesmo manteve 60FPS por longos períodos. Assim, nossa config para o PUBG ficou:

- CPU Intel Pentium G4560 - R$ 270
- 8GB (2x4GB) de RAM - 2x R$ 169
- Placa-mãe LGA 1151 - a partir de R$ 315
- Nvidia GTX 1050 2GB - R$ 489
- HD Seagate Barracuda 1TB - R$ 220
- Fonte de 350W - R$ 120

Total R$ 1.752

A principal ressalva é sobre as texturas: com apenas 2GB, é melhor deixá-las no mínimo, caso contrário você terá problemas de performance. Curiosamente, 4GB não são suficientes para colocar no alto, e se você quiser ter uma margem de segurança, melhor usar no máximo configurado no médio, mesmo em placas com 4GB disponível de VRAM.

Tentando trazer para um nível mais de entrada, fizemos testes com a GT 1030 (agradecemos a Pichau pelo envio dessa placa!). Aos "trancos e barrancos" dá para jogar nessa GPU, contanto que você configure tudo na resolução HD com qualidade no mínimo e aceitando rodar o game na casa dos 30FPS.  Infelizmente não tínhamos uma RX 550 disponível no momento da gravação do episódio, então não foi possível testá-la.