Os smartphones possuem as mais diversas especificações que podem classificá-los em nichos: de entrada, intermediário ou topo de linha. Mas o que determina a qual "segmento" o smartphone pertence? Características como resolução de display, quantidade de memória RAM, qualidade de câmera, bateria ou velocidade de clock são a resposta. E tudo isso depende do processador que o dispositivo utiliza.

Por isso, processadores são um componente chave para indicar qual será o desempenho (e o preço) do smartphone. 

A Qualcomm é uma das empresas que lidera o mercado de processadores mobile com sua conhecida linha Snapdragon. Cada série (200, 400, 600, 800) possui tecnologias que permitem recursos específicos. Gerações diferentes podem suportar tipos diferentes de conectividade, qualidade gráfica e recursos multitarefa, por exemplo.

CADA SÉRIE (200, 400, 600, 800) POSSUI TECNOLOGIAS QUE PERMITEM RECURSOS ESPECÍFICOS

Recentemente, a Qualcomm optou por chamar o Snapdragon de plataforma, e não apenas processador. Além disso, apenas plataformas premium levarão o nome Snapdragon, enquanto processadores da série 200 serão conhecidos pelo nome Qualcomm Mobile.

Snapdragon série 600
Diferente das séries de processadores para smartphone Snapdragon 400 (leia nosso artigo sobre eles), a linha Snapdragon 600 nem sempre teve uma única identidade. Ela chegou em janeiro de 2013 para equipar os topos de linha da época, como HTC One, Samsung Galaxy S4, LG Optimus G Pro e até o sucessor do popular tablet Google Nexus 7.

Mas isso mudou em 2014, com a chegada do Snapdragon 610 e do 615, dois processadores intermediários que deram uma "popularizada" na linha. Na época, apenas alguns smatphones que eram caros demais para serem de entrada, mas não tinham recursos para bater de frente com os verdadeiros topos de linha traziam as CPUs. Hoje, isso mudou, e as CPUs da linha estão cada vez mais acessíveis. 


[+Atualizado]
A Qualcomm lançou em maio de 2017 as plataformas Snapdragon 660 e 630 dedicadas à performance de games, fotografia, bateria e velocidade LTE. Os dois SoCs chegam para smartphones intermediários, porém, prometendo entregar uma experiência acima da geração passada, Snapdragons 653 e 625, respectivamente. As duas plataformas são feitas no processo 14nm FinFET e suportam vídeos em 4K, memória RAM de 8GB e tecnologia Quick Charge 4.0.

Snapdragon 660:
Suporta 2x2 MU-MIMO 802.11ac Wi-Fi, oferecendo o dobro de taxa de transferência do que seu antecessor, o Snapdragon 652. Também conta com tecnologia Qualcomm TruSignal que se adapta dinamicamente para melhorar a qualidade do sinal em condições ruins de conectividade. O 660 também oferece 30% a mais em desempenho de gráfico do que o 652. Ele ainda conta com tecnologia Bluetooth 5.0 e suporte à API Vulkan. 

É possível conferir mais especificações e tecnologias do Snapdragon 660 neste link.

 

Snapdragon 630:
Também conta com Bluetooth 5.0 e suporte à API Vulkan. Esta plataforma pode suportar smartphones com resolução até FHD/QXGA (1080p). Com a tecnologia Quick Charge 4, o smartphone pode carregar 50% de sua bateria em 15 minutos. O Snapdragon 630 oferece 30% a mais de performance da GPU do que seu antecessor Snapdragon 625.

É possível conferir mais especificações e tecnologias do Snapdragon 630 neste link.


Quase topos de linha: Snapdragon 652 e 653 trazem 8 núcleos e belo desempenho
Lançado inicialmente como Snapdragon 618, o primeiro SoC intermediário premium – sim, agora isso existe – da companhia logo foi renomeado para Snapdragon 650. Ele chegou com vários recursos que antes só eram vistos em processadores topo de linha.

Isso começa configuração de 6 núcleos e 64-bits. São dois núcleos de alto desempenho Cortex-A72 com clocks de até 1.8 GHz e quatro de baixo-desempenho Cortex-A53. Já os Snapdragon 652 e 653 têm 8 núcleos, sendo 2 Cortex-A72 a mais. A diferença é que o mais potente deles chega a clocks de 1,95 GHz, dando um impulso extra na potência. De resto, seus recursos são basicamente os mesmos.


Graças ao chip gráfico Adreno 510, o Galaxy A9 costuma se sair bem rodando jogos

O que eles têm em comum?
Ela pode ter câmeras de até 21 MP e que gravam vídeos até em resolução 4K. Enquanto isso, vídeos capturados em 1080p podem ter até 120 fps, o que resulta em efeitos de slow motion bem legais. Smartphones com o processador podem ter telas que sejam até Quad HD (2560 x 1600).

Todos permitem que os dispositivos onde estão sejam carregados usando tecnologia Quick Charge 3.0 ou 2.0 e que o smartphone use ao mesmo tempo 2 chips com conexão 4G.

Todos permitem que os dispositivos onde estão sejam carregados usando tecnologia Quick Charge 3.0 ou 2.0

Os dispositivos são feitos em litografia de 28 nm, que é a segunda mais eficiente disponível do momento. Ela fica atrás apenas dos 14 nm dos chips Snapdragon 820 e 821. A GPU integrada é a Adreno 510, uma das mais potentes do mercado, e que costuma ter ótimos resultados em benchmarks. Ela fica atrás apenas de modelos topo de linha: Apple A8, A9 e A10, Snapdragon 810 (Adreno 420 e 430), Exynos 7 Octa (Mali-T760 MP8), Snapdragon 820 e 821 (Adreno 530) e as GPUs integradas de Intel e Nvidia.

Veja quais são os principais smartphones com esses processadores:
- Xiaomi Redmi Note 3 Pro (Snapdragon 650)
- Sony Xperia X (Snapdragon 650)
- Samsung Galaxy Tab S2 (Snapdragon 652)
- Samsung Galaxy A9 (Snapdragon 652)
- Zenfone 3 Ultra (Snapdragon 652)
- LG G5 SE (Snapdragon 652)

Vamos listar alguns modelos destaque da série 600, sendo eles Snapdragon 616, 625 e 652. Você pode conferir todos os Snapdragons já lançados pela Qualcomm neste link.

Snapdragon 616
Anunciado em julho de 2015, o Snapdragon 616 é um SoC octa-core com GPU Adreno 405 (550MHz), sendo oito núcleos ARM Cortex-A53 (quatro a 1.7GHz + quatro a 1.2GHz). Este hardware permite a gravação de vídeos em 1080p e seja compatível com a tecnologia Qualcomm Quick Charge 2.0. A CPU conta com Snapdragon X5 LTE e as câmeras dos dispositivos podem ter até 21MP.

Asus Zenfone 2 Laser (ZE601KL), Xiaomi Redmi 3 e Lenovo Vibe K5 Plus são alguns dos smartphones que contam com essa plataforma. A fabricação desde modelo se baseia na arquitetura de 28nm.

Análise Lenovo Vibe K5 - Belíssimo design e tela Full HD o diferenciam de outros intermediários, mas pequenas falhas incomodam

Snapdragon 625
Anunciado em fevereiro de 2016, o Snapdragon 625 é um SoC octa-core com GPU Adreno 506 (650MHz), sendo oito núcleos ARM Cortex-A53 a 2.0 GHz. Este hardware permite que dispositivos tenham uma câmera de até 24MP e gravem vídeos em 4K 30 FPS. A plataforma é compatível com a tecnologia Qualcomm Quick Charge 3.0 e conta com Snapdragon X9 LTE.

Asus Zenfone 3, Asus Zenfone 3 Zoom, BlackBerry Keyone, Huawei G9 Plus, Lenovo P2, Motorola Moto Z Play, Motorola Moto G5 Plus e Xiaomi Redmi 4 Prime são alguns dos smartphones que contam com essa plataforma. A fabricação desde modelo se baseia na arquitetura de 14nm.


Snapdragon 652
Anunciado em 18 fevereiro de 2015, o Snapdragon 620 foi renomeado para 652 pela Qualcomm. O SoC é octa-core com GPU Adreno 510 (600MHz), sendo quatro núcleos Cortex-A72 a 1.8 GHz e quatro núcleos Cortex-A53 a 1.4 GHz. 

Este hardware permite que dispositivos tenham uma câmera de até 21MP e gravem vídeos em 4K 30 FPS. A plataforma é compatível com a tecnologia Qualcomm Quick Charge 2.0 e 3.0 e conta com Snapdragon X8 LTE.

Samsung Galaxy Tab S2, Samsung Galaxy A9, ASUS ZenFone 3 ULTRA e Xiaomi Mi Max são alguns dos smartphones que contam com essa plataforma. A fabricação desde modelo se baseia na arquitetura de 28nm!

Apesar do Snapdragon 652 ter uma "numeração" maior, não significa que ele possui mais desempenho ou capacidade de megapixels do que o Snapdragon 625, por exemplo.

Como vimos, a série Snapdragon 600 não possui características tão constantes como a série 400. Algumas plataformas foram renomeadas, mas continuaram com as mesmas especificações (e litografia). A série 600 de processadores da Qualcomm está disponível em dispositivos que prometem custo benefício, sendo alguns modelos - como o Snapdragon 625 - bem agradáveis para o usuário. Neste link da Qualcomm é possível comparar todos os processadores Snapdragon.