Os tempos de Moto G "bom smartphone baratinho" já ficaram para o passado, e hoje ele é um aparelho que subiu de categoria. Enquanto sua versão mais básica custa R$ 1 mil, sua versão Plus sobe ainda mais de patamar e começa a brigar com o segmento dos intermediários premium, aqueles dispositivos que trazem característica dos segmento high-end como bom design e performance, porém com reduções que garantem que seu preço não se torne elevado demais.

O Moto G5 Plus é a versão mais completa do Moto G dessa geração, com inclusões como TV Digital, NFC, uma tela um pouco mais ampla (5,2") e uma câmera traseira de 12MP com sistema de foco duplo. Lançado com preço de R$ 1.499, seu preço é alto o bastante para colocá-lo na briga com "cachorros grandes" como o Zenfone 3, Galaxy A5 2017 e passa perto até mesmo de outro produto da Lenovo, o Moto Z Play. Será que ele tem cacife pra aguentar a briga?

Análise: Samsung Galaxy A5
Análise: Motorola Moto Z Play
Análise: Asus Zenfone 3

Desenvolvedor Motorola Samsung ASUS Lenovo
Distribuidor Lenovo Samsung ASUS Lenovo
Plataformas Smartphone Android Smartphone Android Smartphone Android Smartphone Android
Site oficial Link Link Link
Preço no lançamento R$ 1.499,00 R$ 2.099,00 R$ 1.499,00 R$ 2.199,00
Preço atualizado R$ 1.350,00 (em 07/03/2017 ) R$ 1.620,00 (em 13/03/2017 ) R$ 1.350,00 (em 13/03/2017 ) R$ 1.900,00 (em 04/05/2017 )
Especificações
Sistema Operacional Android 7.0 Android 6.0 Android 6.0 Android 6.0
Update disponível para o sistema Não informado
Processador Qualcomm Snapdragon 625 Samsung Exynos 7880 Qualcomm Snapdragon 625 Qualcomm Snapdragon 625
Número de núcleos 8 8 8 8
Clock 2,0 GHz 1.9 GHz 2.0 GHz 2,0 GHz
GPU Adreno 506 Mali-T830MP3 Adreno 506 Adreno 506
Memória RAM 2GB 3GB 4GB 3GB
Armazenamento interno 32GB 32GB 32GB, 16GB 32GB
Cartão microSD Até 128GB Até 256GB Até 2TB Até 2TB
Portas de conexão Micro-USB USB Tipo-C USB Tipo-C USB Tipo-C
Bateria 3.000 mAh 3000 mAh 2600 mAh 3.510 mAh
Dimensões 150,2 x 74 x 7,7 mm 146.1 x 71.4 x 7.9 mm 146.9 x 74 x 7.7 mm 156,4 x 76,4 x 6,99 mm
Peso 155 g 157 g 144 g 165 g
Recursos
LTE Sim Sim Sim Sim
Tipo de cartão SIM Nano SIM Nano SIM Micro SIM Nano SIM
Número de cartões SIM 2 2 2 2
Bluetooth 4.2 v4.2 4.1 4.1
TV Digital Sim Não Não Não
Leitor de Digital Sim Sim Sim Sim
NFC Sim Sim Não Sim
Radio Sim Sim Sim Sim
GPS Sim Sim Sim Sim
Extras Sensor de digitais Display always-on, IP68, Samsung Pay Asus ZenUI 3.0 Suporte a módulos Moto Snaps
Display
Tamanho 5.2 polegadas 5.2 polegadas 5.2 polegadas 5.5 polegadas
Resolução 1080 x 1920 1080 x 1920 1080 x 1920 1080 x 1920
Tecnologia IPS Super AMOLED IPS Super AMOLED
Proteção Gorilla Glass 3 Gorilla Glass Corning Gorilla Glass 2.5D Corning Gorilla Glass 4
Câmera
Traseira 12MP 16 16MP 16
Frontal 5MP 16 8MP 5
Vídeos 1080p 30 fps 1080p 30 fps 2160p 30 fps 2160p 30 fps

Design e Tela
Bom acabamento metálico e design compacto e confortável

Um dos principais argumentos da Lenovo/Motorola para justificar a "subida de categoria" do Moto G foi a adoção de materiais de melhor qualidade, e o corpo em alumínio é um dos materiais favoritos dos consumidores segundo a empresa. O resultado é bem interessante: o metal é levemente fosco e torna a pegada bastante confortável, especialmente devido ao acabamento arredondado nas bordas com um acabamento liso. Um detalhe importante: é só o "miolo" que usa metal, enquanto as bordas ainda utilizam o bom e velho plástico. O acabamento cromado e boa parte das bordas são feitas em plástico com um efeito metálico bem convincente que não destoa da parte em metal. Sempre tenho minhas preocupações com laterais cromadas em plástico, por muitas descascarem com o tempo, porém durante nosso período de testes com o aparelho ele não deu sinais que ficaria marcado (mesmo após alguns tombos).

Lenovo Moto G5 Plus

O aparelho é confortável quando usado com uma mão

Com uma tela de 5,2" e bordas não muito largas em torno da tela, ele é um dos menores "aparelhos Plus" que já testamos, sendo que ainda é confortável de ser usado com apenas uma mão. Assim como o Moto Z Play, ele possui um sensor de digitais na parte de baixo, porém felizmente a "área inútil" que se formou em torno de ele é menor. Outra diferença importante é que ele pode ser usado também para comandos básicos do Android, como o botão "home", "voltar" e o "multitarefa". Isso libera parte da tela que seria tomada pelos botões virtuais.

O sensor de digitais com função de botões liberou mais espaço de tela

Diferente do Moto G5, o G5 Plus tem a câmera um pouco protuberante, o que a expõe mais a eventuais riscos na lente. Ele possui uma portinha onde ficam os dois chips SIM e a entrada para o cartão microSD, sendo que ele possui portas dedicadas para cada um (ou seja, você não precisa decidir se vai usar um segundo chip SIM ou um microSD, como acontece em outros aparelhos). Fechando o design, há uma porta P2 para fones de ouvido e uma opção curiosa: a Lenovo optou por manter a conexão microUSB. Enquanto a indústria em geral tem partido para o USB Tipo-C, a empresa considerou que ainda é cedo para migrar, e que a maioria de seus consumidores possuem cabos e carregadores adicionais no padrão antigo. A curto prazo essa medida é a mais acertada, já que vai dar para aproveitar seus carregadores atuais, porém a longo prazo a tendência é que o USB Tipo-C se torne dominante.

A Lenovo preferiu manter o uso do USB no padrão antigo

O display de 5,2" possui resolução FullHD, o que resulta em uma boa densidade de pixels e definição suficiente para uma boa imagem. A tecnologia da tela é o IPS, com bom contraste e boas cores. A tela tem leve distorção na luminosidade quando olhada de ângulos muito amplos, mas em geral tem uma boa qualidade de visualização da imagem. Apesar de uma qualidade suficiente, fica visível que ela está um pouco abaixo da tela de alguns rivais do segmento, com detalhes como um pequeno desnível entre o vidro e a imagem gerada pelo display. É bem discreto e não compromete, mas é possível notar que a qualidade é inferior a de um Moto Z Play, por exemplo.

Ele não chega a ser a prova d'água como versões anteriores da linha Moto G, porém chega com uma película nos componentes internos que o torna resistente à respingos d'água. Já ajuda a não entrar em pânico caso comece a chover ou derrube um copo de água nele.

A caixinha de som fica na parte frontal, no local onde sai o áudio durante ligações. Essa escolha tem como vantagem direcionar melhor o áudio para o usuário, ao virar a caixinha de som na mesma direção que está a tela, diferente de outros aparelhos que posicionaram as caixas de som nas laterais ou, ainda pior, na parte de trás do smarpthone. Pena que o som não seja mais estereo, como já foi em aparelhos passados da linha Moto G ou em outros aparelhos da Lenovo. A qualidade de som não sai da média que temos visto na maioria dos lançamentos: sons apenas aceitáveis, com pouca presença de tons graves, definição apenas OK e som que distorce facilmente se você exagerar no volume.

Performance
Hardware eficiente para uso do Android

Com o uso de um Qualcomm Snapdragon 625 e 2GB de memória RAM, o Moto G5 Plus tem um bom desempenho com o sistema Android, e fica em par com outros aparelhos do segmento em nossos comparativos:

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Modo padrão

OBS.:

  • Quanto maior, melhor
  • Resultados em pontos
  • Pontuação definida pelo aplicativo

[ Antutu Benchmark v6.0 | Motorola Moto G5 Plus ] Hardwares Comparados: 5

Quantum Fly
79712

Quantum Fly
79712

Motorola Moto G5 Plus
62737

Motorola Moto G5 Plus
62737

Zenfone 3 5.5"
62325

Zenfone 3 5.5"
62325

Samsung Galaxy J7 Metal
45129

Samsung Galaxy J7 Metal
45129

LG K10 2017
39771

LG K10 2017
39771



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Single-core

[ Geekbench 4 | Motorola Moto G5 Plus ] Hardwares Comparados: 4

Quantum Fly
1381

Quantum Fly
1381

Zenfone 3 5.5"
829

Zenfone 3 5.5"
829

Motorola Moto G5 Plus
785

Motorola Moto G5 Plus
785

LG K10 2017
552

LG K10 2017
552



CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Multi-core

[ Geekbench 4 | Motorola Moto G5 Plus ] Hardwares Comparados: 4

Zenfone 3 5.5"
3959

Zenfone 3 5.5"
3959

Motorola Moto G5 Plus
3713

Motorola Moto G5 Plus
3713

Quantum Fly
3419

Quantum Fly
3419

LG K10 2017
2210

LG K10 2017
2210



Em games, seu desempenho é bem interessante e fica próximo dos melhores aparelhos do segmento intermediário, com a exceção da vantagem aberta pelo Quantum Fly. 

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Ice Storm Unlimited

OBS.:

  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ 3DMark | Motorola Moto G5 Plus ] Hardwares Comparados: 5

Quantum Fly
15749

Quantum Fly
15749

Zenfone 3 5.5"
13840

Zenfone 3 5.5"
13840

Motorola Moto G5 Plus
13539

Motorola Moto G5 Plus
13539

Samsung Galaxy J7 Metal
8515

Samsung Galaxy J7 Metal
8515

LG K10 2017
8425

LG K10 2017
8425



Em uso, os 2GB são suficientes para um uso eficiente do Android, com alternância entre apps ágil e praticamente nenhum engasgo do sistema. Para os que preferem se garantir, uma pena que não tenham trazido a versão com 3GB de RAM, que daria mais margem de segurança para os consumidores dispostos a pagar mais e que garantiria que mesmo a longo prazo não faltaria memória.

 

O Moto G5 Plus funciona de forma eficiente com o Android, alternando rapidamente entre apps

Falando em memórias, o armazenamento interno de 32GB é uma quantidade excelente, acima da oferecida pela maioria dos rivais e que com certeza será suficiente para uma boa quantidade de usuários. Se você é daqueles que nunca apaga as fotos batidas com seu smartphone, também é possível expandir a memória interna com um cartão microSD de até 128GB.

Autonomia
O suficiente pra chegar ao fim do dia

O Moto G5 Plus traz um hardware moderno (já usa litografia de 14 nanômetros FinFET) e componentes com um consumo mediano, tudo isso combinado com uma bateria de 3.000 mAh traz bons resultados quando o assunto é ficar longe da tomada.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Bateria

OBS.:

  • Duração de bateria realizando ciclos de atividades
  • Autonomia estimada em minutos

[ PCMark for Android | Motorola Moto G5 Plus ] Hardwares Comparados: 6

Lenovo Moto Z Play
872

Lenovo Moto Z Play
872

Samsung Galaxy A5 (2017)
705

Samsung Galaxy A5 (2017)
705

Motorola Moto G5 Plus
640

Motorola Moto G5 Plus
640

Zenfone 3 5.5"
621

Zenfone 3 5.5"
621

Samsung Galaxy J7 Prime
606

Samsung Galaxy J7 Prime
606

Quantum Fly
530

Quantum Fly
530



Ele se manteve no patamar de outros aparelhos como o Zenfone 3, que trazem um bom desempenho e são capazes de segurar um dia todo longe da tomada com um uso cotidiano moderado. Em nossa experiência prática, consegui fechar o dia com pouco mais de 20% de carga após umas 14 horas longe do caregador, com dias mais corridos (onde não tenho tempo pra ficar fuçando em redes sociais e outras bobagens) chegando a quase 40% restante. 

O Moto G5 Plus chega facilmente ao final de um longo dia de uso cotidiano

Com uso intenso de aplicações pesadas como games ou multimídias, nenhum celular chega ao final de um dia, e nessas situações a presença de um carregador turbo é sempre bem-vinda. O Moto G5 Plus conta com carregamento rápido e inclui na caixa um carregador que usa essa tecnologia. Em nossa experiência, ele conseguiu trazer o smartphone de 13% para em torno de 37% em mais ou menos 20 minutos, embalo adicional que pode ser o que faltava para chegar ao final de um dia completo de uso.

Câmera
Frontal traz o diferencial da grande angular

Fotografia não costuma ser um ponto forte da Lenovo/Motorola, porém a empresa vem evoluindo, como vimos em modelos como o Moto Z Play. O Moto G5 Plus conta com alguns recursos bem interessantes, como lente de abertura f/1.7, flash dual de LEDs e sensor de 12MP.

Boa luz

Pouca luz

Flash

O software da Lenovo não vai muito longe em funções adicionais, mantendo a interface semelhante a da usada em outros aparelhos da empresa. Além do modo automático, o Moto G5 Plus possui modo panorama, modo câmera lenta e um modo avançado onde a pessoa pode definir manualmente tempo de exposição, foco e temperatura de cor, por exemplo.


Slowmotion em ação

A abertura de f/1.7 na câmera traseira traz como efeito a possibilidade de fotos com baixa profundidade de campo (aquelas com fundo desfocado, que a galera adora). Basta aproximar o celular de algum objeto para criar o efeito natural de "fundo borrado", sem necessidade de pós-processamento, algo que muitas vezes fica bem artificial. Porém, em um smartphone que se propõe a trazer uma lente com muita abertura, infelizmente fiquei decepcionado com a performance do Moto G5 Plus em condições de baixa luminosidade. A granulação chega a níveis que fazem a imagem perder definição, enquanto que a falta de estabilização óptica faz falta nesses momentos em que o smartphone tenta aumentar a exposição. O resultado são muitas fotos borradas, se você não for cuidadoso em segurar o aparelho firme, ou caso esteja batendo foto de algo que se mexe muito.

O flash de LED com dois tons consegue manter um equilíbrio de cores e cumpre bem o seu papel. Como todo flash de smarpthone, está bem restrita a sua capacidade de ação, iluminando de forma eficiente apenas objetos que não estejam muito distantes do smarpthone.

O Moto G5 Plus não chega com a melhor câmera do segmento em que está situado, porém mantém um nível de qualidade suficiente para se manter dentro da média do que esses aparelhos costumam entregar. Infelizmente os melhores resultados ainda estão nos aparelhos do segmento high-end, onde as fabricantes costumam investir pesado em hardwares potentes, câmeras de alta qualidade e muito ajuste e pós-processamento para resultados superiores.


Câmera frontal

Sistema e Recursos
Ótimas adições ao Android da Motorola

Entre as fabricantes Android, a Motorola sempre se destacou por não exagerar nas alterações no sistema Android e, ao mesmo tempo, por trazer alguns dos melhores diferenciais nas poucas vezes que "dá uma mexida" no sistema. O Moto G5 Plus traz alguns dos melhores recursos da linha Moto, como o uso de sensores para automaticamente mostrar notificações na tela ou o chacoalhar para acender o flash ou rotacionar o pulso para acionar a câmera.

A Lenovo não altera demais o Android, e quando mexe são adições excelentes

A interface está praticamente sem alterações em relação ao "Android puro", e alguns dos poucos adicionais incluem o app Moto, que serve para configurar os diferenciais implementados pela Motorola, e o TV Digital, que vem instalado para já tornar possível assistir TV sem necessidade de procurar por outro software. A televisão digital opera em 1-seg e Fullseg, o que quer dizer que vai poder tirar proveito do sinal de melhor qualidade, quando disponível, mas também será capaz de reproduzir em condições piores de sinal através do 1-seg, com menor qualidade.

Os gestos no sensor funcionam, mas ainda prefiro botões dedicados

Entre as novidades do Moto G5 Plus está o melhor uso do sensor de digitais quando comparado ao Moto Z Play, em uma interação que lembra o Lenovo Zuk 2: o deslizar no sensor de digitais faz as vezes de botão voltar, multitarefa e o home. A vantagem do Moto G5 Plus, comparado ao Zuk, é que a interface é mais clara sobre essas funcionalidades e o usuário pode optar por usar essa capacidade ou utilizar botões virtuais na tela, caso não se adapte, através do app "Moto". Depois de um período de adaptação passei a usar esses comandos no sensor pois assim há mais espaço na tela útil para mostar as imagens, sem perder espaço para os botões virtuais. Porém, particularmente, achei esses gestos menos confortáveis que contar com botões dedicados ao lado do sensor de digital, pois eventualmente realizei comandos errados através desses gestos, em alguns momentos porque esqueci para qual lado devia deslizar, ou porque o que era para ser um toque virou uma deslizada e vice-versa.

A principal ausência é a modularidade. Apesar do aparelho possuir uma harmonia com a linha Moto Z ao usar o círculo em torno do sensor da lente da câmera na parte traseira, esses aparelhos da linha Moto G5 não possuem compatibilidade com os Moto Snaps. 

AVALIAÇÃO:

Design

8.5

Câmera

8.0

Desempenho

9.0

Autonomia

9.0

Recursos

9.5

Preço

7.5
Conclusão

O Moto G5 Plus ganhou um design melhorado, com uso mais eficiente do sensor de digitais, hardwares mais potentes e uma câmera com mais abertura para luz. Com seu preço de lançamento na casa dos R$ 1.5 mil, ele sofre muita pressão de aparelhos como o Galaxy A5 2017, Zenfone 3 e o próprio "fogo-amigo" do Moto Z Play, que trazem telas melhores, designs totalmente em metal e vidro e câmeras mais eficientes por preços não muito maiores. Mas, como já conhecemos bem o mercado brasileiro, é bem provável que seu preço venha a descer mais próximo ao patamar de aparelhos como o Galaxy J7 Prime, LG K10 e do próprio Moto G4 Plus, e assim ele se torna uma opção bem mais atraente.

[LG K10 2017] Aparelho bonito e bom pra selfie, mas que sofre contra concorrência

O hardware tem performance suficiente para um uso confortável do Android, e a boa quantidade de memória interna tira preocupação de necessariamente comprar um cartão microSD. A câmera não se sobressai, mas ao mesmo tempo mantém um nível de qualidade dentro do que vemos nesse segmento de preço. Com essas características, ele se torna a melhor opção para o usuário que vai aproveitar a TV Digital que ele possui e também gosta das boas funcionalidades adicionais dos aparelho Moto, com suas várias funções através de gestos.


PRÓS
  • Belo acabamento em metal
  • Boa performance
  • Resistente a respingos d'água
  • Funcionalidades através de gestos
CONTRAS
  • Gestos no sensor de digital não são práticos
  • Fotos em baixa luz com pouca qualidade
  • Preço próximo de modelos com melhor design