Logitech. Uma das empresas mais conhecidas do ramo de periféricos, que deu origem aos mouses sem fio como conhecemos hoje e que é líder no ramo de periféricos sem fio para computadores. É difícil falar sobre a Logitech e sua presença no mercado de periféricos sem fio sem que o texto pareça uma exaltação da marca.

A Logitech sempre foi uma das empresas mais presentes no ramo de periféricos gamer sem fio. Controles, headsets e mouses sem fio dedicados para jogos, são produtos que a marca comercializa há um bom tempo, alguns com sucesso, outros não tanto.

Mas o que realmente separa o Logitech G900 Chaos Spectrum de seus antecessores são algumas afirmações bastante ambiciosas, a principal delas é que este modelo seria capaz de "superar mouses com fio" em termos de desempenho e latência, o que parece ser absurdo... ou não? Veremos.

Ergonomia e Construção Externa

É importante lembrar que existem formas que usuários podem manusear seus mouses, o que chamamos de pegadas. As três principais são:

Embora o Logitech G900 pareça "estranho" em imagens devido aos seus recortes, sinceramente este é um dos mouses mais versáteis em ergonomia que já testei.

Pesando 107 gramas, o Logitech G900 é um mouse de peso mediano, até leve comparado com outros mouses gamer sem fio (que chegam facilmente aos 130-140 gramas), de tamanho considerável e ambidestro.

O que realmente separa o G900 de outros mouses ambidestros, é que seus botões laterais podem ser removidos caso for da vontade do usuário. Você pode usar o mouse com todos os botões laterais, sem nenhum botão lateral, com estes apenas no lado esquerdo... E todos são facilmente colocados e removidos através do uso de ímãs.

Isto torna o G900 extremamente versátil para destros e canhotos, adequando este facilmente à pegada de cada usuário. A única coisa que realmente complica neste mouse, é o fato de maior parte de seu peso estar na frente, o que pode tornar este inadequado para algumas pessoas.

Para a pegada Palm, este é um mouse bastante adequado, embora entendo que algumas pessoas com esta pegada possam preferir mouses que sejam específicos para destros. Aliás, remover os botões de ambas as laterais do G900, é algo interessante para quem tem esta pegada:

A pegada Claw é bastante adaptável e fica perfeita neste mouse, embora algumas pessoas podem preferir mouses mais curtos:

E a pegada Fingertip fica muito boa neste mouse, especialmente por ser um dos mouses sem fio gamer mais leves do mercado. Mas pessoas que tenham uma mão pequena e esta pegada podem não gostar.

E claro, é quase impossível falar sobre o Logitech G900 sem tirar sarro de seu visual excessivamente futurista.

Se você pensou que todos estes recortes do Logitech G900 servem principalmente para coletar sujeira, infelizmente você está certo, fora que o segmento no meio do mouse possui uma espécie de acabamento glossy, o que acaba deixando ainda mais evidente qualquer sujeira que se alojar aí dentro.

Mas, embora estes recortes pareçam bastante estranhos e até "desconfortáveis", na prática estes são longe disso, pois você nem sente maioria deles.

O acabamento do Logitech G900 é composto em sua maioria por um plástico fosco de alta qualidade, salvo algumas partes glossy próximas ao scroll e ao meio do mouse. E são estas pequenas partes que são as piores para limpar e que irão coletar sujeira.

Um tremendo diferencial do Logitech G900 em comparação com outros mouses, é um sistema exclusivo de cliques, composto por um sistema de suspensão que exerce pressão sobre o plástico e o switch:


O resultado disso? O Logitech G900 tem um dos melhores sistemas de cliques já vistos em um mouse, extremamente leves e com uma excelente resposta, melhores até do que o Logitech G302 e G303, que tem um sistema um pouco similar.

O Logitech G900 tem alguns dos melhores cliques já vistos em um mouse

É sério, se você usar o Logitech G900 por tempo demais, vai começar estranhar os cliques de outros mouses. Aconteceu com o autor desta análise.

Já em seus acessórios, o Logitech G900 conta com um cabo para recarregar e/ou ser utilizado com fio, e uma espécie de "conversor" onde podemos colocar a ponta do seu cabo e usar como uma "extensão" para deixar o receptor do mouse melhor posicionado.

Enfim, a Construção Externa do Logitech G900 tem seus pontos positivos e um ponto negativo. Este ponto negativo sendo seus recortes excessivos, os quais alojam facilmente bastante sujeira. De resto, há um acabamento extremamente caprichado, um sistema de cliques exclusivo, o qual é sensacional, botões laterais customizáveis, um excelente deslize e acessórios bem planejados.

Um mouse fantástico, mas que seria ainda melhor se fosse um pouco mais sóbrio.

Construção Interna

Construção Interna é a principal responsável pela durabilidade de um mouse. Se forem utilizados componentes de alta qualidade, as chances de haverem problemas com o tempo serão baixas. Se o mouse utilizar componentes de baixa qualidade, conectores internos e/ou soldas mal feitas, ele pode acabar sendo uma bomba relógio.

Normalmente os mouses de nossas análises são abertos, mas, devido à complexidade deste mouse e minha falta de vontade de danificar os teflons de um mouse tão caro, não irei abrir esta unidade. Felizmente, a própria Logitech já disponibilizou imagens dos componentes internos deste mouse:

Caraca Logitech... Que exagero!

Eu amo abrir mouses onde todos os componentes são topo de linha, tal como o Logitech G900, mas sei que se fossem utilizados componentes inferiores em botões pouco usados o custo de produção do mouse e posteriormente o preço final poderiam ser inferiores. E considerando o preço inicial de US$ 150, talvez esta teria sido uma escolha melhor.

Mas ignorando isto, o que temos dentro do Logitech G900 são quase os mesmos componentes que o Logitech G502. Os melhores switches em todos os botões e o codificador mais durável do mercado, o qual é exclusivo da Logitech. Este mouse é realmente feito para durar muito tempo e por isto gabarita este segmento da análise.

Desempenho

O Logitech G900 utiliza o sensor Pixart PMW 3366, sensor exclusivo da Logitech e usado em mouses como o Logitech G303, G403, G502 e G Pro. Este é capaz de alcançar até 12.000 DPIs e estes valores são ajustáveis através do software. O PMW 3360 é a versão comercial deste sensor.

Começando, todos os testes foram realizados utilizando um mouse pad ASUS Strix Glide Speed, o qual possui estampas (que podem dificultar o rastreio, mas esse é justamente o objetivo) e tem um nível de qualidade similar ao Razer Goliathus Speed.

Primeiro, temos o teste de consistência de rastreio. Basicamente ele testa o que o nome diz, mostrando se por acaso há distorções no rastreio do mouse. Para realizar ele, é usado uma ferramenta chamada MouseTester.

E estes foram os resultados no mouse pad ASUS Strix Glide Speed, em 1000 Hz:

"Parece" estar horrível, mas calma, o Logitech G900 não tem nada de errado.

O que acontece, é que no perfil padrão sem nenhuma superfície configurada, o Logitech G900 tem um sistema de ajuste automático à superfície, que ocorre sem a necessidade de ter software instalado ou mexer no mesmo. Após 1 ou 2 minutos usando o mouse pad, este é o resultado:

Se você não quer ter que passar por este processo de ajuste automático de superfície toda vez que ligar o mouse, recomendo fazer o ajuste manual de superfície no próprio software da Logitech:

O Logitech G900 apresenta algo curioso que vejo acontecer em alguns outros mouses, como o Cougar Revenger, Steelseries Rival e Logitech G502, que é algumas contagens (estas bolinhas) ficarem fora da média, mas serem acompanhadas logo em seguida por outra contagem na direção oposta, "anulando" o que seria uma distorção em outros casos.


Rastreio do Steelseries Rival, estranho, mas não é errado

Quando diminuímos a taxa de atualização para 500 Hz, tal evento simplesmente desaparece. O que parece acontecer é que em 1000 Hz estes mouses se comunicam tão rápido com o computador que o mouse envia dados antes do movimento ter sido registrado "por completo", e por isso é enviado uma "correção" logo em seguida.

Sim, o Pixart PMW 3366 e PMW 3360 são estranhos assim.

Trabalhando em 500 Hz ou valores inferiores, há mais tempo para a controladora do mouse processar os dados e por isso estes ficam "bonitinhos" no MouseTester. A princípio, isso é estranho, mas não é incorreto e nem é considerado distorção.

Vamos então ver o resultado do Logitech G900 com o ASUS Strix Glide Speed em 1000 Hz utilizando o cabo:

Quase o mesmo que ocorreu em 1000 Hz Wireless, mas com uma frequência ainda maior destes "eventos estranhos". A explicação, é que por cabo o Logitech G900 consegue se comunicar ainda mais rápido e por isto aumenta a frequência destes eventos. Sim, é bizarro, é estranho, mas não é distorção e nem incorreto.

No final das contas, o Logitech G900 tem um rastreio perfeito nos testes de Consistência de Rastreio, mesmo que apresente alguns dados um pouco estranhos, algo que também ocorre com o Cougar Revenger, Logitech G502 e Steelseries Rival.

Já o próximo teste, é o teste de aceleração. O ideal sempre, é que se o mouse for movido rapidamente 10 cm para a direita, ele tenha o mesmo resultado que teria se fosse deslocado lentamente a mesma distância. 

Caso o mouse for mais longe do que o necessário no movimento rápido, é dito que o mesmo tem aceleração positiva. Caso a distância que ele percorreu seja menor no movimento rápido, ele tem aceleração negativa.

E se o mouse parou no mesmo lugar que antes, ele não tem aceleração nenhuma, o que caracteriza um resultado perfeito.

Sendo que este foi o resultado do Logitech G900 usando o mouse pad ASUS Strix Glide Speed, em 1000 Hz utilizando wireless:

E agora o mesmo teste, mas com fio:

E o resultado é simplesmente perfeito, não há aceleração alguma e o sensor deste mouse é realmente muito preciso. Temos aqui em um mouse sem fio um resultado similar ao que é visto em seus irmãos Logitech G403, G502 e em alguns outros concorrentes topo de linha que usam fios.

Agora vamos falar sobre o software. Embora na maioria das análises nós demonstremos cada parte do software, não há como fazer isto no Logitech Gaming Software pois ele é complexo demais e não queremos deixar esta análise com 100.000 caracteres. Por isto, vamos apenas expor seus prós e contras:

Prós:

  • Leve e prático de usar.
  • Não requer registro e login.
  • Perfis pré-programados para mais de 600 jogos e aplicativos, com atualizações constantes.
  • Sincronização entre periféricos da mesma marca.
  • Sistema extremamente completo para criação de macros
  • Uma quantia absurda de funções pré-definidas para controle multimídia, atalhos do Windows, controle de sistemas de chat por voz, etc...

Contras::

  • A interface em Português de Portugal causa confusão em algumas funções.

No fim, o software da Logitech é um dos melhores softwares no mercado, mas, a marca poderia além de traduzir a interface para PT-BR, deixar ela um pouco mais intuitiva e incluir explicações de certas funções, assim como a Steelseries faz na Engine 3.

Wireless

Uma frase um tanto comum de se ver nos comentários de algumas análises de periféricos, é:

Esse controle/teclado/mouse/headset tem fio em pleno ano 2017? Ele tinha que ser wireless!

Embora ainda existam boas razões para vários periféricos continuarem utilizando fio em sua maioria, tal como a quantia absurda de energia que a iluminação RGB de certos equipamentos utiliza, o maior custo destes produtos, a duração da bateria e o melhor desempenho com fio, algumas destas razões já vem sendo derrubadas.

Todo ano, alguma empresa vai soltar o antigo jargão de "Primeiro mouse sem fio lag-free do mundo". A Steelseries já fez isso, a Razer fez isso e a Roccat também fez isso há pouco na CES de 2017.

Já existem mouses sem fio gamer "sem lag" há anos, mas não havia nenhum mouse gamer até início de 2016 que realmente tivesse o mesmo desempenho que mouses com fio topo de linha.

- O Cyborg R.A.T. 9 é uma piada de mal gosto, um mouse extremamente superfaturado, com componentes e sensor de baixa qualidade Philips Twin Eye 2032/2033, muito mais aparência e perfumaria do que qualquer outra coisa.

- Os Logitech G700/G700S embora fossem alguns dos mais decentes desta categoria, sofrem com aceleração devido ao uso do sensor AVAGO 9800, um peso exagerado e uma curta duração da bateria.

- O Steelseries Sensei Wireless tem problemas de aceleração devido ao uso do sensor AVAGO 9800 e na própria comunicação com o receptor, tendo seu rastreio afetado por interferências, fora a curta duração da bateria.


Fonte: In-Depth G900 Review - GamerNexus / Logitech Labs

- O Razer Mamba 4G, tem problemas de precisão e também durabilidade devido aos antigos sensores Philips Twin Eye 2032 utilizados nos mesmos, fora a duração de bateria tão patética que força maioria dos usuários a usarem este com fio o tempo todo, e os casos onde a própria bateria estufava...

- O Razer Mamba 5G, tem problemas de durabilidade devido ao sensor Philips Twin Eye 2034 e também um preço absurdo, mas, é superior em precisão e bateria a qualquer outro desta pequena lista.


Fonte: In-Depth G900 Review - GamerNexus / Logitech Labs

- O Razer Ouroboros, tem aceleração positiva devido ao uso do sensor AVAGO S9818, curta duração de bateria e um preço absurdo.

O que diferencia o Logitech G900 de todos estes mouses anteriores, é que realmente posso comparar ele com um mouse topo de linha atual (ex: Cougar Revenger) e terei não apenas o mesmo desempenho, e sim algo até superior em alguns casos, especialmente devido ao sensor usado.


Fonte: In-Depth G900 Review - GamerNexus / Logitech Labs

O sistema de transmissão sem fio do G900 é supostamente tão bem feito que chega a "superar o cabo" em termos de latência em certos mouses, por mais absurdo que isso possa parecer. E realmente, na utilização, não consigo notar diferenças de desempenho entre este e um mouse gamer com fio.

Mas, não consigo concordar com os testes realizados pela Logitech para "provar" que o Logitech G900 seja "mais rápido que mouses por cabo". Por exemplo, neste teste feito pelo Ino da Overclock.net, o Logitech G900 provou ter uma resposta entre 2,9ms até 3,9ms mais rápida que o ZOWIE ZA11 em seus cliques:


Fonte: Ino. - Logitech G900 Review - Overclock.net

Enquanto que em testes feitos em laboratório pela própria Logitech, o G900 supostamente "destruiu" o concorrente Razer Mamba 5G, tendo uma resposta média em seus botões de apenas 5ms de atraso em seus cliques, contra 12ms do Razer Mamba 5G.


Fonte: In-Depth G900 Review - GamerNexus / Logitech Labs

Embora é sim incrível que um mouse sem fio consiga ter uma latência tão baixa em seus cliques, esta não é uma boa métrica, especialmente quando explicada apenas parcialmente. Chegou a hora de bancar o advogado do diabo e desmentir esse "milagre".

Primeiro de tudo, esse "atraso nos cliques" tem um nome, se chama Debounce Time. Este, é uma tecnologia utilizada para prevenir registros falsos em botões, especialmente logo após estes terem sido pressionados. Ou seja, serve para ignorar algo que muitos conhecem por "Double Click".


Fonte: Matome.naver.jp

Este "Debounce Time", erroneamente chamado por muitos apenas de "atraso nos cliques", é algo configurado no próprio firmware do mouse ou então em seu software, é um atraso proposital e tende a variar entre 4ms até 32ms na maioria dos mouses gamer do mercado.

Quanto maior este valor, menores as chances do mouse apresentar double-click com o tempo, mas maior é o atraso para o computador reconhecer os cliques. Embora seja possível entender que alguns jogadores prefiram que este valor seja o mínimo possível, é ignorância desdenhar mouses por terem valores maiores, afinal este atraso pode ser benéfico.

Desdenhar mouses pelo seu Debounce Time é ignorância

- Valores entre 4 até 12ms são baixos, normalmente presentes em mouses focados em jogadores profissionais e pessoas que conhecem sobre este atraso. Estes apresentam maiores chances de terem double-click com o tempo.
Ex: Logitech G502, Razer Deathadder Chroma, Steelseries Rival 300

- Valores entre 12 até 20ms são médios, tentando buscar um equilíbrio entre uma resposta rápida e menor taxa de double-click.
Ex: Razer Deathadder 3.5G, ZOWIE EC1-A, Mionix Naos 7000

- Valores na faixa dos 30ms são focados em durabilidade, normalmente para que a empresa tenha o menor índice de RMA por double-click o possível.
Ex: ASUS ROG Gladius, Cougar 550M

- Valores chegando a 40ms ou acima, são exagero da marca e neste caso o atraso é puramente maléfico, chegando a afetar o desempenho do jogador.
Ex: Roccat Kone Pure com o firmware 1.20

Então, sim, o Logitech G900 tem uma resposta "mais rápida", nos seus cliques do que muitos mouses com fio e também é mais rápido que seu rival Razer Mamba 5G, mas, afirmar isso sem explicar a razão do atraso, é algo bem baixo.

Na legenda da imagem abaixo, ao invés de dizer "O G900 é mais rápido do que mouses por cabo", deveria ser: "O G900 pode ser mais rápido nos cliques, mas o Rival 300 e DA Chroma vãoi ter menos problemas de Double-Click".


Fonte: Logitech

Aliás, a razão para não incluirmos estes testes em nossas análises, é justamente porquê entendemos que todos os valores tem suas "vantagens" e "desvantagens", não é correto avaliar um mouse através desta métrica e induzir o público a pensar que "menor = melhor", é pura ignorância.

Continuando, o seu sistema sem fio fora testado contra seus principais concorrentes e se provou como sendo o mouse gamer mais resistente a interferências já criado, o que não podemos confirmar em nossos testes, mas nunca sentimos qualquer interferência, diferente de seu irmão G602.


A imagem acima avalia a potência do sinal. Quanto mais longe do centro da imagem, melhor. Fonte: GamerNexus.net

Outro recurso extremamente interessante, é que o mouse pode estar "conectado" em dois computadores ao mesmo tempo, mas sem interferir um no outro. Por exemplo, você pode estar com o receptor em um Notebook, mas o mouse conectado pelo cabo no PC. Enquanto ele estiver no cabo, ele estará funcionando apenas no PC, mas quando retirar o cabo, ele irá automaticamente conectar no receptor do Notebook.

Isto é simples e extremamente útil para quem tem múltiplos computadores e não quer comprar um mouse diferente para cada um deles.

Um grande diferencial do G900, é que ao invés das míseras 8 até 20 horas de bateria que seus principais concorrentes proporcionam, o Logitech G900 e sua bateria interna de 750 mAh, prometem até 34 horas de uso contínuo sob algumas limitações (sem iluminação, 500 Hz...), o que não é tanto para mouses sem fio no geral (afinal, alguns mouses sem fio para escritório chegam até mais de 1000 horas!), mas é um valor considerável para um mouse sem fio gamer.

Para quem utiliza o PC cerca de 6 horas por dia, o Logitech G900 será capaz de durar até 5 dias de uso. Já para quem faz uso por 8 horas por dia, serão 3 dias e meio antes da bateria terminar.

Já se utilizarmos o mouse "com tudo o que tem direito", ligando todos os seus LEDs e trabalhando em 1000 Hz, a duração da bateria diminui, caindo para 25 horas. É meio óbvio que maioria dos usuários acabam deixando este mouse com os LEDs desligados... Aliás, botar LEDs em um mouse sem fio nunca foi uma boa ideia.

E o tempo de recarga para deixar a bateria em 100%? Apenas 2 horas e o mouse pode ser usado enquanto recarrega, diferente de um dos maiores fiascos da raça humana.

O Logitech G900 pode ter até no máximo 34 horas de bateria e ser recarregado em 2 horas

Claro, isto é menos do que as incríveis 250 horas no modo "performance" e 1440 horas no modo "endurance" que seu irmão Logitech G602 proporciona, mas o G602 é consideravelmente inferior em termos de precisão devido ao uso do sensor de baixo consumo AVAGO AM000 e possui um tanto de atraso na sua comunicação, especialmente no modo economia de energia.

Para os jogadores mais exigentes, o Logitech G900 é superior ao Logitech G602, mas, para quem utiliza um mouse sem fio em seu HTPC, assim como o autor da análise, vejo diversas vantagens no G602, mesmo este sendo inferior.

Nenhum jogador de HTPC vai jogar de forma competitiva e o simples fato de não ter que recarregar o mouse a cada cinco dias e sim a cada dois meses, fora poder trocar as pilhas rapidamente quando estas estiverem fracas, torna o Logitech G602 mais apropriado para este tipo de aplicação. Ah, e o G602 também custa metade do preço.

Agora, para aquele jogador que quer utilizar o melhor mouse sem fio possível em um Notebook ou Desktop, não tenho dúvidas, o Logitech G900 é uma das melhores escolhas possíveis, seu desempenho é idêntico, senão melhor do que diversos mouses gamer com fio topo de linha apresentam.

Ao mesmo tempo, para você que usa um Desktop, lhe pergunto: "Precisa, minha gente?". Será mesmo que vale a pena pagar um preço bastante elevado por um mouse que você terá que recarregar a cada cinco dias e possivelmente no futuro deixará apenas no cabo só para não ter que se estressar com a bateria?

Será que é vantagem você pagar caro e limitar suas opções pelo simples fato de você não gostar de cabos, quando isto é algo tão fácil de gerenciar, seja com soluções comerciais ou até mesmo caseiras?

Chegamos num ponto onde podemos afirmar que sim, mouses sem fio agora podem ter o mesmo desempenho que mouses com fio. Mas há um preço: consumo de bateria.

Enquanto esta duração girar entre no máximo 30 horas e este nível de qualidade em mouses sem fio estar apenas em mouses caríssimos como o G900 e G403 Wireless, ainda vai ser difícil convencer muita gente a abandonar os fios.

Enquanto bateria e preço forem obstáculos, fios vão continuar existindo

Talvez, quando uma das "baterias milagrosas" que nós noticiamos quase todo mês finalmente for disponibilizada para uso em eletrônicos, poderemos sim pensar em esquecer os fios de vez.

Samsung dobra capacidade das baterias de lítio com uso de grafeno e silício
Samsung apresenta bateria para carros elétricos que promete 500km com 20 minutos de carga
Sony está desenvolvendo baterias de enxofre que prometem maior eficiência energética
Cientistas criam bateria para carros mais barata, segura e com maior capacidade
Baterias de smartphones com o dobro de poder da SolidEnergy chegam em 2017

Ou, talvez tudo o que falta é apenas um mouse pad que carregue o próprio mouse, assim como a Mionix demonstrou na CES 2014. As empresas do ramo de periféricos deveriam fazer isso ao invés de perder tempo botando LEDs RGB neles.

Até que estas baterias apareçam no mercado, ou finalmente um mouse pad com carregamento indutivo seja lançado, sabemos que pelo menos a tecnologia já temos para abandonar os fios, o que falta mesmo é bateria, preço e variedade.

Caso estes três fatores não lhe forem incômodos, posso sim lhe recomendar o Logitech G900. Caso contrário, ainda é melhor continuar usando fio por enquanto.

AVALIAÇÃO:

Construção Externa

9.5

Construção Interna

10

Desempenho

10

Bateria

7.5

Preço

7
Conclusão

Não tenho palavras adequadas para o nível de capricho e todas as tecnologias inseridas no Logitech G900. Embora não pareça, este mouse revolucionou a categoria de mouses sem fio gamer, um mouse que em termos de qualidade e desempenho pode não apenas ser equiparado, mas superar vários mouses gamer com fio devido à sua qualidade.

Foi utilizado neste mouse: o melhor sensor do mercado, os melhores componentes internos do mercado, um acabamento extremamente caprichado, a melhor comunicação wireless já vista em um mouse sem fio gamer e um dos melhores softwares do mercado.

Como não chamar este de "o melhor mouse sem fio gamer do mercado"?

Mas, um grande erro da Logitech, foi ter lançado este mouse com o valor de US$ 150, o que desagradou muitos de seus consumidores. Sei que há alguns concorrentes nesta mesma faixa de preço, mas a Logitech precisa saber que maioria de seus clientes compram seus mouses pela qualidade, e não por causa da grife. O valor de US$ 150 era inaceitável, independente o quão caprichado o mouse realmente é.

Felizmente, houve uma queda de preço e hoje o Logitech G900 pode ser encontrado na faixa dos US$ 115 e chega a cair até US$ 90 em algumas promoções ocasionais, então dependendo o preço que for pago, vale a pena. Só por favor não comprem ele por US$ 150, não apoiem preços ridículos deste tipo.

No Brasil, o Logitech G900 não é vendido oficialmente. Este ainda não possui aprovação da ANATEL e por isso não pode ser comercializado legalmente no momento. Todas as unidades encontradas no nosso mercado são provenientes de importação e isso impõe um risco, pois a Logitech pode recusar RMA para estas unidades se bem quiser, embora parece que está atendendo todos os problemas que usuários brasileiros do G900 tiveram.

Em mercados alternativos, o Logitech G900 está sendo encontrado na faixa dos R$ 600~700, um valor elevado e difícil de recomendar quando um mouse com fio com o mesmo nível de qualidade está na faixa dos R$ 250~300. Mas, entre todos os mouses sem fio gamer disponíveis no Brasil, alguns até bem mais caros, podem ter certeza: este é o melhor.

Enfim, agradeço agora o meu amigo "James Luigi Romano", que disponibilizou a unidade desta análise e espero que a Logitech continue lançando mouses sem fio para jogos com este nível de qualidade, apenas sugiro que consigam uma das "baterias milagrosas" em futuros lançamentos, ou então um mouse pad com carregamento indutivo, para que finalmente derrubem um dos últimos argumentos contra mouses sem fio.


PRÓS
  • A melhor comunicação wireless já vista em um mouse sem fio, sem distorções, resistente contra interferências e de longo alcance.
  • Acabamento externo de excelente qualidade
  • Excelente precisão graças ao sensor topo de linha Pixart PMW 3366
  • Excelente software
  • Sistema exclusivo para ajuste dos botões laterais
  • Sistema exclusivo para proporcionar os melhores cliques possíveis
  • Os melhores componentes internos possíveis
  • Zero Lag
CONTRAS
  • Embora seja maior que maioria dos concorrentes, as 30 horas de bateria podem ser curtas para muitos.
  • Peso desbalanceado, maior parte na parte frontal do mouse.
  • Preço