Nós aqui do Adrenaline, assim como também o nosso público, estamos cada vez mais impressionados pelo aumento de qualidade dos produtos do mercado chinês.

Caso você comprasse um celular da China há alguns anos, receberia algo barato, mas com problemas em desempenho, recursos, e bateria. Se você comprasse uma réplica de um celular popular, pior ainda. Ah, e não vamos esquecer das traduções tão mal feitas que chegavam a ser cômicas.

Hoje, há diversas empresas chinesas superando marcas populares em termos de preço e também qualidade.

Os celulares chineses deixaram de ser aqueles "MP10" há um bom tempo e passaram a competir lado a lado com grandes marcas. Embora ainda existam celulares chineses de baixa qualidade, as empresas aprenderam que vender o "bom e barato" gera mais lucro, especialmente ao longo prazo.

O mesmo pode-se dizer sobre mouses, grande maioria dos mouses do mercado chinês são comuns, de R$ 5~10, com uma capinha gamer e LEDs por cima. De gamer, não têm nada além da aparência.

Se alguém me falasse: "Quero comprar um mouse na Aliexpress" há pouco tempo, eu direcionaria esta pessoa a importar mouses de marcas como Razer, Steelseries e ZOWIE, os quais custam menos do que no Brasil, mas não são "baratos".

Embora maioria do mercado chinês ainda esteja lotado de falsos mouses "gamer", há uma empresa mudando este cenário: a Motospeed.

O Motospeed V30 promete componentes de alta qualidade, comparáveis a de marcas populares como Cooler Master, Logitech, Razer e outras por um valor extremamente baixo: na faixa dos US$ 17~23 (R$ 51~R$70)

Mas, será mesmo? Ele não está apenas aproveitando a fama do Motospeed CK104? Como ele se equipara a mouses de baixo custo do mercado Brasileiro? Ele é tão bom quanto os modelos topo de linha de algumas marcas? É o que veremos.

Ergonomia e Construção Externa

É importante lembrar que existem formas que usuários podem manusear seus mouses, o que chamamos de pegadas. As três principais são:

Em termos de ergonomia, o Motospeed V30 é um mouse supostamente "ambidestro", todavia, claramente favorece destros por ter botões laterais apenas em seu lado esquerdo.

Comparado com mouses populares, ele me lembra um pouco o Microsoft Intellimouse 1.1, embora seja bastante diferente em suas laterais e principalmente em seu peso. Ele também é mais alto do que muitos outros mouses ambidestros. Pesando 132 gramas (sem o cabo), este é um mouse um pouco pesado (PS: há um chumbo de 23 gramas no seu interior).

O Motospeed V30 é bastante aconselhável para quem tenha a pegada Palm:

E também pode ser utilizado sem problema algum pela pegada Claw.

Usuários da pegada Fingertip serão mais complicados. Embora o formato do Motospeed V30 auxilie esta pegada, os seus 132 gramas não ajudam muito. Felizmente, há como retirar o chumbo de dentro do mouse e deixá-lo com 109 gramas, o que é preferível para quem tem esta pegada. Melhora de água pra vinho.

Um dos grandes diferenciais do Motospeed V30 sobre outros mouse é o seu sistema de iluminação, composto por 14 LEDs RGB customizáveis via software. Porém, ao vivo o mouse não fica exatamente assim:

Há basicamente três tipos de acabamentos no Motospeed V30. Um plástico levemente emborrachado em sua superfície superior, um plástico levemente texturizado nas laterais (que visualmente chega a lembrar couro devido aos detalhes) e um plástico glossy em algumas pequenas partes do mouse, longe dos dedos do usuário.

Não é um acabamento topo de linha como o Cougar Revenger, mas é extremamente caprichado e impressionante para a faixa de preço deste mouse.

Há também outras versões com cores diferentes deste mouse, sendo que o modelo branco utiliza um acabamento glossy ao invés de emborrachado, o que facilita bastante a limpeza do mesmo:

Embaixo do Motospeed V30 encontramos dois pés de teflon de tamanho razoável, que garantem um bom deslize, porém poderiam ter sido um pouco melhor distribuídos, na minha opinião:

Algo que alguns podem não gostar é a falta de flexibilidade do cabo de nylon do mouse:

Embora o cabo aparente ser bastante resistente e seja grosso, isso acaba levando a um problema. Bons cabos de borracha (ex: Steelseries Rival) têm muito mais flexibilidade, e também há mouses com cabos em nylon bastante flexíveis, tal como os mouses recentes da Razer.

Se você nunca se importou com o cabo de um mouse, isto não vai fazer diferença nenhuma para você. Mas, se você já usou diversos mouses e tem preferência por cabos com maior flexibilidade, o Motospeed V30 pode não lhe agradar.

Enfim, o Motospeed V30 é um mouse extremamente caprichado em seu exterior, um acabamento bem feito e botões bastante sensíveis. Mesmo que isto seja bom, já vi muito falso mouse gamer ser caprichado por fora e mal feito por dentro, será que é o caso do V30? Veremos.

Construção Interna

A Construção Interna é a principal responsável pela durabilidade de um mouse. Se forem utilizados componentes de alta qualidade, podemos dizer que o mouse foi projetado para durar. Se forem utilizados componentes de baixa qualidade, as expectativas para o mouse não serão boas.

Algo comum em mouses chineses é serem caprichados por fora, mas extremamente mal feitos por dentro. Será que o Motospeed V30 é igual outros mouses chineses da Aliexpress?

O que temos aqui é simplesmente impressionante para o preço deste mouse.

Botões OMRON 50M, codificador TTC, um botão do meio de boa qualidade e botões laterais de qualidade mediana. Sabem qual mouse tem quase os mesmos componentes?

Claro, o Motospeed V30 é consideravelmente inferior em termos de sensor ao Razer Deathadder Elite, mas os seus componentes não são tão diferentes. Os mesmos botões principais (salvo o fato do modelo da Razer estar pintado de verde), o mesmo codificador e botões laterais de qualidade similar.

Levando isso em conta, alguém poderia pressupor que em termos de durabilidade o Motospeed V30 seja equivalente ao Razer Deathadder Elite, mas há outras variáveis em jogo, tal como o Controle de Qualidade da fabricante de cada mouse, o Button Response Time de cada um, a qualidade do plástico que pressiona os botões... Similar? Talvez. Equivalente? Provavelmente não.

O fato é que um mouse que custa US$ 17 tem componentes que são encontrados em um mouse que custa US$ 70, sua construção interna é impressionante para o preço, a Motospeed não economizou nestes componentes e projetou um mouse que é feito para durar.

Desempenho

O Motospeed V30 utiliza o sensor Pixart PMW 3320, sucessor do antigo AVAGO 3050. Este, é um sensor de baixo custo e está sendo utilizado em diversos mouses de entrada de outras marcas, tal como o Azio EXO1, CM Xornet II, Steelseries Rival 100 e outros.

Começando, todos os testes foram realizados utilizando um mousepad ASUS Strix Glide Speed, o qual possui estampas (que podem dificultar o rastreio, mas esse é justamente o objetivo) e tem um nível de qualidade similar ao Razer Goliathus Speed.

Na última análise (Tt eSports Ventus R), fora mencionado que o teste do MS-Paint, que indica a presença de Jitter ou Prediction, seria removido de nossas análises, salvo exceções. O caso do Motospeed V30 é justamente uma exceção, pois ele apresenta algo chamado Interpolação.

Interpolação é basicamente um aumento artificial de algo. Por exemplo, se você tiver um vídeo em 480p e espichar ele para 1080p, é dito que este vídeo será 1080p interpolado, algo que muitos conhecem como upscaling.

Este vídeo em 1080p interpolado terá um nível de qualidade consideravelmente inferior a vídeos 1080p nativos, apresentando distorções, artefatos ou então detalhes bastante borrados.

O mesmo acontece em mouses. Algumas empresas aumentam artificialmente a DPI através do processo de interpolação, especialmente por motivos de marketing. Assim, um mouse cujo sensor só conseguiria chegar até 3500 DPIs, tal como o Motospeed V30, pode chegar até 7000 DPIs através de ajustes de sensibilidade na controladora do mouse.

O problema disso? Distorção (Jitter). Primeiro, vamos ver as DPIs reais do sensor deste mouse:

Agora, vamos ver os resultados das DPIs com Interpolação:

A DPI aumenta, mas a precisão diminui consideravelmente neste processo, conforme podemos ver nos testes acima. Quando passamos do limite nativo de 3500 DPIs do sensor Pixart PMW 3320, há uma quantia absurda de distorção.

Mas, embora eu seja uma das pessoas que mais condenem a prática de interpolação, não irei penalizar o Motospeed V30 por disponibilizar esta opção.

Por quê? A razão é porque a Motospeed nem sequer menciona que o mouse tem a opção de interpolação em seu material publicitário, loja alguma demonstra o V30 chegando até 7000 DPIs e cabe apenas ao usuário decidir se realmente colocará o mouse em uma DPI superior ao que o seu sensor realmente é capaz de operar, sacrificando bastante a precisão do mouse neste processo.

Agora, se a Motospeed vendesse o V30 como sendo um mouse de "7000 DPIs", o caso seria totalmente diferente, pois a empresa estaria tentando enganar o público com um marketing de DPI.

Prosseguindo, temos o teste de consistência de rastreio. Basicamente, ele testa o que o nome diz, mostrando se por acaso há distorções no rastreio do mouse. Para realizar ele, é usado uma ferramenta chamada MouseTester.

E estes foram os resultados no mousepad ASUS Strix Glide Speed, em 1000 Hz:

Resultados perfeitos, sem falha alguma. A Motospeed soube exatamente como trabalhar com o sensor Pixart PMW 3320. Já o próximo teste é o teste de aceleração.

O ideal sempre é que: se o mouse for movido rapidamente 10cm para a direita, ele tenha o mesmo resultado que teria se fosse deslocado lentamente a mesma distância. 

Caso o mouse for mais longe do que o necessário no movimento rápido, é dito que o mesmo tem aceleração positiva. Caso a distância que ele percorreu seja menor no movimento rápido, ele tem aceleração negativa.

E se o mouse parou no mesmo lugar que antes, ele não tem aceleração nenhuma, o que caracteriza um resultado perfeito.

Sendo que este foi o resultado do Motospeed V30 usando o mousepad ASUS Strix Glide Speed, em 1000 Hz:

Um resultado perfeito, o que é impressionante para um mouse tão barato. Nenhum dos 27 mouses baratinhos que analisamos sequer chegou perto disso.

Retirando a questão da interpolação, é visível que a Motospeed realmente caprichou no sensor deste mouse. Embora as opções de DPI do Pixart PMW 3320 sejam um tanto limitadas, o nível de qualidade deste sensor e a implementação da Motospeed, fazem este mouse realmente chegar ao nível de vários mouses de R$ 130~250 que temos no mercado Brasileiro, por uma pequena fração do preço.

Vamos então partir agora para o software.

Na tela inicial, temos algumas das principais funções deste, tal como a configuração de botões, escolha de taxa de atualização e escolhas de DPIs.

A primeira coisa a chamar a atenção, é o fato do software apresentar DPIs que não são mencionadas na página ou caixa do produto. Todos os valores acima de 3500 DPIs não são referenciados em locais fora do software, mas como foi possível notar nos testes feitos anteriormente, estes são valores Interpolados e portanto são "DPIs falsas" e devem ser evitadas.

O único problema é que, embora seja mencionado que o mouse tenha a escolha de 750 DPIs na caixa, no software não há esta opção. Uma pena, pois é uma DPI muito próxima de 800, que é justamente uma das DPIs mais utilizadas por jogadores. Prosseguindo, temos as configurações que podem ser feitas em cada um dos botões do mouse:

Além de funções básicas, é possível programar botões para funções multimídia (ex: Pause, controle de volume...) e também há outras funções especiais:

Fire Key: Pressiona uma certa tecla um número X de vezes.
Single Key: Pressiona uma tecla uma única vez.
Combo Key: Segura CTRL + SHIFT, ALT ou Windows ao pressionar o botão. Para quê razão? Também não sei, não é possível definir um atalho para Windows+D por exemplo.
Macro Key: Executa uma macro, veremos em seguida como fazer estas.

Clicando na engrenagem no software da Motospeed, temos acesso às "configurações avançadas do software":

No lado esquerdo, nada de mais, apenas as configurações de mouse disponibilizadas pelo próprio Windows. No lado direito, um sistema extremamente simples e não muito intuitivo de macros, mas que nas mãos certas pode ser eficiente. Claro, não é completo como o que marcas como Corsair, Logitech, Razer e Steelseries oferecem, mas para um mouse tão barato, está aceitável.

Agora, vamos voltar para a aba principal e clicar em "Marquee", que controla a iluminação do mouse. Sim, alguém da Motospeed, ao invés de chamar o controle de iluminação de "Lightning", preferiu optar por um termo sem relação alguma.

Aqui, é possível configurar as cores de cada um dos 14 LEDs RGB que este mouse possui ou então configurar alguns efeitos de iluminação, os quais sinceramente são bastante caprichados para um mouse tão barato.

Mas, esta também é a parte onde o software da Motospeed tem suas maiores falhas. Para início de conversa, caso você queira configurar uma única cor, é necessário clicar em cada um dos 14 quadradinhos que representam cada LED, e configurar a cor que você quer em cada um deles. A Motospeed poderia muito bem ter criado um efeito chamado "Single-Color" ao invés disso.

Teoricamente, há 5 efeitos de iluminação diferentes no Motospeed V30:

Mas, algo estranho é que no meu HTPC o modo de iluminação Symmetrical Flow nem sequer aparece e não há forma alguma de disponibilizar o mesmo:

Não consegui consertar este problema e nem descobri a razão, mas, parece estar relacionada com a interface gráfica criada pela Motospeed.

Mas então, vamos colocar o brilho em 6 (que deve ser o máximo) e aplicar um destes efeitos de iluminação!


Não reparem que a cor trocou para vermelho, erro na gravação que foi feita posteriormente

Opa! O brilho do mouse diminuiu consideravelmente. Será que é algum problema no efeito? Não, o mesmo acontece em outros efeitos. Será que se eu trocar as cores resolve? Não. Há como resetar os efeitos de iluminação? Não.

Vamos então voltar para a tela de ajuste. Usar as setas do teclado não parece mudar nada, girar o scroll com o cursor em cima dos números também não faz nada. O que será que devo fazer? Entrar em contato com a loja que vendeu, já que o mouse parece estar com defeito?

Calma, há uma solução para isso, embora ela mostre que há um problema maior:

É preciso usar o scroll fora da caixa para que você possa ter acesso a valores maiores.

Os valores ficam escondidos e não há nenhuma representação de que utilizar o scroll disponibiliza valores maiores. Já teve gente me procurando exatamente por achar que o seu Motospeed V30 estaria com defeito em sua iluminação, quando na verdade era isto.

Pessoal, eu sou exigente e chato com mouses, porém costumo manter meu controle mesmo diante de alguns erros gritantes de algumas fabricantes. Mas, isto aqui realmente acabou com a minha paciência.

Motospeed, que incompetência em fazer uma interface gráfica é essa? Como diabos vocês não notaram um erro tão grotesco que impede a utilização devida do software? Vocês sequer testaram o software depois de começar vender o mouse?

Felizmente, eu não vou deixar os leitores na mão, então criei uma pequena correção utilizando o avançado programa de edição de imagens MS-Paint em árduos 10 segundos:

Para instalar esta correção, clique neste link, descompacte o arquivo e copie a pasta "Skins" para dentro da pasta onde está instalado o software do mouse.

Como se já não fosse o suficiente, esta imagem de "naves espaciais nazistas" usadas no fundo do software da Motospeed são de um jogo chamado Iron Sky: Invasion.


Créditos para Topware Interactive, Reality Pump e Gamewallpapers.com

Entrei em contato com a Topware (responsável pelo jogo) e fui comunicado que a Motospeed utilizou estas imagens sem autorização da empresa:

Pelo bem da própria Motospeed, por favor demitam os responsáveis pela interface gráfica e refaçam ela com uma equipe nova. Eu sinto vergonha alheia pelo que fizeram neste software.

No final das contas, se ignorarmos os erros grotescos e a quebra de direitos autorais, o software do Motospeed V30 é até "decente". Há todas as funções consideradas essenciais no software de um mouse e maior parte destas são fáceis de configurar, porém, o sistema de controle da iluminação do mouse é um desastre e o quanto mais cedo a Motospeed trocá-lo, melhor.

Comparação com mouses populares

Agora que já sabemos sobre a ergonomia, construção externa, interna, desempenho e software do Motospeed V30, vou fazer este novo segmento nesta análise, já que uma das perguntas que mais recebo é "Motospeed V30 ou YYYYY?".

Então, vamos comparar este com alguns mouses populares.

O CM Xornet II tem uma implementação melhor trabalhada do mesmo sensor que o Motospeed V30, não tem interpolação, tem mais opções de DPIs nativas, um software de melhor qualidade e um acabamento externo um pouco melhor, sem contar dois anos de garantia pela fabricante. Em termos de qualidade na construção interna, o V30 é um pouco melhor.

O antigo CM Storm Alcor tem um sensor um pouco superior, mas também limitado em suas DPIs. Na construção externa, o Motospeed V30 é superior e em termos de componentes internos, são equivalentes. O Alcor não tem software.

O Razer Deathadder 3.5G (que não é este da imagem) é um dos mais comparados, pois pode ser comprado por um valor baixo da China. O Motospeed V30 é superior em sensor, construção interna e construção externa, mas não é por menos, o pobre DA 3.5G é comercializado desde 2009 e mesmo que seja um ótimo mouse, há várias opções superiores a ele hoje em dia.

O Logitech G302, por sua vez, tem um sensor um pouco melhor, com mais opções de DPI e não tem interpolação. O software é ridiculamente superior, embora só tenha uma opção de cor (azul). O acabamento externo é equivalente, mas a Logitech tem dois anos de garantia e um serviço pós-vendas excepcional. Na qualidade da construção interna, são equivalentes.

E o AZIO EXO1 é inferior em quase tudo. Embora o sensor seja o mesmo, a implementação da AZIO é pior, as DPIs são ainda mais malucas, os componentes internos são inferiores e não há software no mesmo.

Agora, por favor não comparem o Motospeed V30 com mouses totalmente fora de sua faixa de preço, pois ele realmente é inferior em vários pontos, salvo a construção interna.

Não é uma comparação justa e nem é correto dizer que o Motospeed V30 chega no mesmo nível que mouses como o Cougar Revenger, Logitech G403, G502, Steelseries Rival 300 e Tt eSports Ventus R, pois não chega, especialmente por seu sensor de baixo custo.

Mas, espero que algum dia a Motospeed faça um mouse que possa ser equiparado a estes. Capacidade é algo que parece não faltar.

AVALIAÇÃO:

Construção Externa

8.5

Construção Interna

9.5

Desempenho

9

Preço

10
Conclusão

A Motospeed transformou permanentemente o cenário de teclados mecânicos com o Motospeed CK104 e parece que ela quer fazer o mesmo no mercado de mouses.

Com componentes dignos de mouses topo de linha e um ótimo sensor, o Motospeed V30 é um dos melhores mouses que o mercado chinês tem para oferecer, senão o melhor se avaliarmos Custo x Benefício. Ele combina um baixo custo (US$ 17) com um altíssimo nível de qualidade, sendo superior a todos os concorrentes de sua faixa de preço.

Uma pena que seu software seja motivo de vergonha alheia. Aconselho à Motospeed que o refaça completamente.

O Motospeed V30 é a melhor escolha para quem quer importar um mouse gamer bom e barato

A unidade desta análise foi emprestada pelo meu amigo "Leandro Pereira" e saiu por apenas R$ 60, um valor absurdamente baixo para um mouse com este nível de qualidade, embora maior parte da culpa deste preço esteja no fato do valor não incluir nenhum dos pesados impostos incididos sob mouses vendidos legalmente no Brasil.

É importante também saber que a Motospeed não oferece garantia para compradores brasileiros e caso qualquer problema ocorrer, apenas a loja/vendedor no qual você comprou poderá tomar alguma atitude (ou não).

Assim como outros produtos, importar um Motospeed V30 deve ser considerado um risco. Pode tudo dar certo e você ter um excelente mouse barato em mãos, pode ser que você se estresse com atrasos, tributação, extravio de encomendas ou por receber uma unidade defeituosa.

Então, é importante avaliar este risco, pois um CM Storm Xornet II por exemplo, está na faixa dos R$ 130, é um pouco melhor em termos de qualidade, tem dois anos de garantia e deve chegar em sua casa em menos de uma semana. Tanto o V30 quanto o Xornet II valem seus respectivos valores, a diferença é que um carrega um certo risco e o outro não.

Espero que mais empresas chinesas comecem a criar mouses de alta qualidade com preços baixos, tal como o Motospeed V30, e transformem este mercado de mouses oferecendo cada vez mais qualidade e variedade a baixos custos, assim como fazem para smartphones.


PRÓS
  • Excelente Construção Interna
  • Ótima Costrução Externa
  • Ótima precisão, com um sensor Pixart PMW 3320 bem implementado
  • O melhor Custo x Benefício que já vi em um mouse
  • Software para configuração
CONTRAS
  • Erros grotescos na interface gráfica do software
  • Poucas opções de escolha de DPI e todas as DPIs acima de 3500 são interpoladas