Adrenaline: Fonte de informação sobre Tecnologia e Jogos

MobileSegurança

Whatsapp: golpe tinha participação de funcionário da Vivo na invasão de contas das vítimas

Whatsapp: golpe tinha participação de funcionário da Vivo na invasão de contas das vítimas

13/02/2017 10:43 | | @supermognon | Reportar erro





Share on Google+

Um golpe utilizado para extorquir dinheiro com o Whatsapp foi denunciado ontem e traz um diferencial bastante peculiar: o crime tinha o apoio de um funcionário da Vivo, que clonava a linha telefônica dos usuários atacados para que os criminosos tentassem pedir dinheiro para os familiares da vítima.

De acordo com o G1, foram registrados mais de dez casos em Porto Alegre na semana passada, além de vítimas anteriores em Maranhão, Distrito Federal, Paraíba e São Paulo.

As vítimas tinham seus números desabilitados por um funcionário da operadora telefônica, e a linha era transferida temporariamente para um chip de um dos criminosos, que podia ter acesso a mensagens das conversas no Whatsapp e pedia dinheiro para familiares das vítimas.

Na reportagem em vídeo produzida pela RBS TV, disponível neste link, algumas das vítimas comentaram como os criminosos operavam.

Em um dos casos, um médico teve sua linha desativada quando estava ao lado da irmã, que recebeu uma mensagem dos golpistas pedindo dinheiro em sua conta do Whatsapp. "Por sorte, a minha irmã estava do lado e pegou o celular dela. Eu disse 'perdi o sinal e perdi o WhatsApp, não consigo utilizar'. Ela disse 'mas tu acabou de me mandar uma mensagem' e nessa mensagem era um pedido de acesso à conta do banco".

O médico avisou alguns amigos sobre o que estava acontecendo, mas ainda assim, cinco pessoas transferiram entre R$ 2,5 mil e R$ 3 mil cada para a quadrilha.

De acordo com o relato de um dos criminosos, o funcionário da Vivo que participava da operação recebia parte do dinheiro arrecadado pelos criminosos. Na reportagem, o delegado Tiago Bardal diz que prendeu em flagrante um dos funcionários que participavam do esquema. "Fomos até a operadora de telefone e prendemos em flagrante um dos funcionários. No seu WhatsApp, estava toda a conversa com a quadrilha".

A operadora Vivo lançou um nota dizendo que está apurando internamente os casos registrados.

"A Vivo informa que revisa constantemente as suas políticas e procedimentos de segurança na busca permanente pelos mais altos controles de segurança nos acessos às informações dos seus clientes.[...] Para relatar atividades suspeitas, o cliente pode enviar um e-mail para csirt.br@telefonica.com , entrar em contato com call center ligando no *8486 ou ir até uma das lojas Vivo."

Atualmente, o Whatsapp possui cerca de 100 milhões de usuários no Brasil. De acordo com uma recente pesquisa do DataFolha, 71% das pessoas que usam o app no país trocam informações confidenciais no aplicativo, o que inclui dados pessoais e bancários. 

Verificação em duas etapas

Na semana passada, o Whatsapp adicionou um novo recurso que impede que golpes como esse aconteçam, a verificação em duas etapas.

A opção precisa ser ativada pelo próprio usuário através do menu do aplicativo. É necessário apertar a opção "Configurações", depois "Conta" e então selecionar o texto correspondente ao recurso de verificação em dois passos.

Ao fazer isso, eles precisarão digitar um código de seis dígitos, assim como o número de seu telefone e realizar uma verificação por mensagem de texto ou por voz. A verificação deve ser refeita a cada sete dias pelo usuário.

 

 

 


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Adrenaline. Se achar algo que viole nossas condições de uso, denuncie através do link de report de erro do conteúdo.

Comentários que não são pertinentes a discussão, com caráter ofensivo, com xingamentos etc., serão deletados sem aviso prévio e os usuários serão BANIDOS. Não iremos fazer análises de reclamações sobre banimentos, então pedimos a colaboração para evitar inconvenientes.

* Esse é um espaço de troca de conhecimentos e opiniões, use-o para esses propósitos *